Pular para conteúdo

Pular para sumário

 CAPÍTULO 6

Um povo que prega — ministros se oferecem voluntariamente

Um povo que prega — ministros se oferecem voluntariamente

FOCO DO CAPÍTULO

O Rei convoca um exército de pregadores

1, 2. Que grande obra Jesus predisse, e que pergunta importante surge?

GOVERNANTES políticos muitas vezes fazem promessas que não cumprem. Mesmo os mais bem-intencionados nem sempre conseguem cumprir o que prometem. Felizmente, o Rei messiânico, Jesus Cristo, sempre cumpre sua palavra.

2 Depois que se tornou Rei em 1914, Jesus estava pronto para cumprir uma profecia que havia feito uns 1.900 anos antes. Pouco antes de morrer, ele predisse: “Estas boas novas do reino serão pregadas em toda a terra habitada.” (Mat. 24:14) O cumprimento dessas palavras faria parte do sinal de sua presença como Rei. Mas surge uma pergunta importante: como o Rei conseguiria convocar um exército de pregadores voluntários nos últimos dias — período que seria marcado pelo egoísmo, falta de amor e descrença em Deus? (Mat. 24:12; 2 Tim. 3:1-5) Precisamos saber a resposta, pois ela envolve todos os cristãos verdadeiros.

3. Que confiança Jesus expressou, e de onde ela vinha?

3 Veja de novo a profecia de Jesus. As palavras “serão pregadas” expressam confiança? Sim, com certeza! Jesus confiava que teria apoiadores dispostos nos últimos dias. De onde vinha essa confiança? De seu Pai. (João 12:45; 14:9) Em sua existência pré-humana, Jesus viu de perto que Jeová tem confiança no espírito disposto de Seus adoradores. Vejamos como Jeová expressou essa confiança.

“Teu povo se oferecerá voluntariamente”

4. Jeová convidou os israelitas a apoiar que obra, e como eles reagiram?

4 Pense no que aconteceu quando Jeová orientou Moisés a construir o tabernáculo, ou tenda, que seria o centro da adoração para a nação de Israel. Por meio de Moisés, Jeová convidou todo o povo a apoiar a obra. Moisés solicitou que ‘cada um de coração disposto trouxesse uma contribuição a Jeová’. O resultado? O povo continuou a trazer “uma oferta voluntária, manhã após manhã”. A contribuição foi tanta que tiveram de ‘conter o povo de trazer’ mais! (Êxo. 35:5; 36:3, 6) Os  israelitas corresponderam à confiança que Jeová havia depositado neles.

5, 6. De acordo com o Salmo 110:1-3, que espírito Jeová e consequentemente Jesus esperavam encontrar entre os adoradores verdadeiros no tempo do fim?

5 Será que Jeová esperava encontrar um espírito voluntário assim entre os seus adoradores nos últimos dias? Sim, sem dúvida! Mais de mil anos antes de Jesus nascer na Terra, Jeová inspirou Davi a escrever sobre o tempo em que o Messias começaria a governar. (Leia Salmo 110:1-3.) Jesus, o Rei recém-entronizado, teria inimigos que se oporiam a ele. Mas ele teria também um exército de apoiadores. Não seria necessário obrigá-los a servir ao Rei. Mesmo os jovens entre eles se ofereceriam de bom grado, tornando-se uma multidão tão grande que poderia muito bem ser comparada a inúmeras gotas de orvalho cobrindo o solo ao amanhecer. *

Os apoiadores dispostos do Reino são tão numerosos como gotas de orvalho (Veja o parágrafo 5.)

6 Jesus sabia que a profecia registrada no Salmo 110 se referia a ele. (Mat. 22:42-45) Por isso, ele tinha todos os motivos para confiar que teria apoiadores leais que se ofereceriam voluntariamente para pregar as boas novas em toda a Terra. O que os fatos históricos mostram? Será que o Rei realmente convocou um exército de pregadores voluntários nestes últimos dias?

“Meu privilégio e dever é anunciar essa mensagem”

7. Depois de ser entronizado, que medidas Jesus tomou para preparar seus apoiadores para a obra à frente?

7 Pouco depois de ser entronizado, Jesus tomou medidas para preparar seus seguidores para a grande obra a ser feita. Como vimos no Capítulo 2, ele fez uma obra de inspeção e purificação de 1914 até o início de 1919. (Mal. 3:1-4) Mais tarde em 1919, ele designou o escravo fiel para tomar a dianteira entre seus seguidores. (Mat. 24:45) A partir de então, esse  escravo começou a fornecer alimento espiritual — por meio de discursos de congressos e publicações impressas — que enfatizou repetidas vezes a responsabilidade de todos os cristãos em ter uma participação pessoal na pregação.

8-10. Como os congressos deram impulso à obra de pregação? Dê um exemplo. (Veja também o quadro “ Congressos antigos que deram impulso à obra de pregação”.)

8 Discursos de congressos. Ansiosos por orientação, os Estudantes da Bíblia se reuniram em Cedar Point, Ohio, EUA, de 1.° a 8 de setembro de 1919 para seu primeiro grande congresso depois da Primeira Guerra Mundial. No segundo dia do congresso, o irmão Rutherford proferiu um discurso em que disse de forma bem direta aos congressistas: “A missão do cristão na Terra . . . é proclamar a mensagem do Reino . . . do Senhor.”

9 O ponto alto daquele congresso ocorreu três dias depois quando o irmão Rutherford proferiu o discurso “Comunicado aos colaboradores”, que foi publicado em A Sentinela sob o título “Anunciando o Reino”. Ele declarou: “Nos momentos sérios, é natural o cristão se perguntar: por que estou na Terra? E a resposta com certeza deve ser: o Senhor graciosamente fez de mim seu embaixador para levar a mensagem divina de reconciliação ao mundo, e meu privilégio e dever é anunciar essa mensagem.”

10 Naquele discurso histórico, o irmão Rutherford anunciou que uma nova revista, The Golden Age (A Idade de Ouro, hoje chamada Despertai!), seria publicada para atrair as pessoas ao Reino, mostrando que ele é a única esperança da humanidade. Daí, ele perguntou quantos dos presentes gostariam de participar na distribuição dessa revista. Um relatório sobre o congresso explicou: “Ver a reação dos presentes foi algo emocionante! Seis mil pessoas se levantaram como se fossem uma só pessoa.” * Ficou claro que o Rei tinha apoiadores dispostos que estavam ansiosos para proclamar o seu Reino.

11, 12. Em 1920, o que A Sentinela disse sobre o tempo em que a obra predita por Jesus seria realizada?

11 Publicações impressas. Por meio das páginas de A Sentinela, a importância da obra predita por Jesus — isto é, a pregação das boas novas do Reino — ficou cada vez mais clara. Veja alguns exemplos do início da década de 20.

12 Que mensagem seria proclamada em cumprimento de Mateus 24:14? Quando essa obra seria realizada? O número de 1.° de julho de 1920 de A Sentinela, no artigo “Evangelho do Reino”, explicou essa mensagem, dizendo: “As boas novas referidas aqui são a respeito do fim da velha ordem de coisas e do estabelecimento do reino do Messias.” O artigo mostrou claramente quando essa mensagem seria pregada, dizendo:  “Esta mensagem tem de ser proferida entre o tempo da grande guerra mundial [Primeira Guerra Mundial] e o tempo da ‘grande tribulação’.” Então, o artigo observou: “Agora é a hora . . . de proclamar essas boas novas por toda a parte da cristandade.”

13. Em 1921, como A Sentinela apelou para o espírito voluntário dos cristãos ungidos?

13 Será que o povo de Deus seria pressionado a fazer a obra que Jesus predisse? Não. O artigo “Tende boa coragem”, de A Sentinela de 15 de março de 1921, apelou para o espírito voluntário dos cristãos ungidos. Cada um foi incentivado a se perguntar: “Encaro como meu maior privilégio, bem como meu dever, participar nessa obra?” O artigo disse também: “Nós nos sentimos confiantes de que, quando você encara [sua participação na obra como um privilégio], será como Jeremias, em cujo coração a palavra do Senhor era ‘como um fogo aceso encerrado nos [seus] ossos’, impelindo-o de tal modo que ele não podia deixar de falar.” (Jer. 20:9) Esse incentivo caloroso refletia a confiança que Jeová e Jesus têm nos leais apoiadores do Reino.

14, 15. Em 1922, A Sentinela orientou os cristãos ungidos a contatar as pessoas de que maneira?

14 Como os cristãos verdadeiros deviam contatar as pessoas com a mensagem do Reino? Em 1922, A Sentinela de 15 de agosto publicou um artigo curto, porém poderoso, intitulado “O serviço é essencial”. Ele orientou os cristãos ungidos a “ativamente levar a mensagem impressa às pessoas e conversar com elas nas portas, dando testemunho de que o reino dos céus está próximo”.

15 Sem dúvida, a partir de 1919, Cristo usou seu escravo fiel e discreto para enfatizar repetidas vezes que proclamar a mensagem do Reino é um privilégio e um dever do cristão na Terra. Mas como os Estudantes da Bíblia reagiram ao incentivo de participar na obra de proclamar o Reino?

“Os fiéis serão voluntários”

16. Como alguns anciãos reagiram à ideia de que todos deviam participar no ministério?

16 Nas décadas de 20 e 30, alguns resistiram à ideia de que todos os cristãos ungidos deviam participar no ministério. A Sentinela de 1.° de novembro de 1927, em inglês, explicou o que estava acontecendo: “Há aqueles hoje na igreja [congregação] que ocupam a responsável posição de ancião . . . que recusam encorajar seus irmãos a ter parte no serviço e eles mesmos recusam participar. . . . Zombam da sugestão de ir de porta em porta levando a mensagem de Deus, seu Rei e seu reino ao povo.” O artigo disse sem rodeios: “Chegou o tempo para os fiéis tomarem nota desses e evitá-los, e dizer-lhes que não confiaremos mais a esses homens o ofício de ancião.” *

17, 18. Como a maioria das congregações reagiu à orientação do escravo fiel, e como milhões têm reagido nos últimos cem anos?

 17 Felizmente, a maioria das congregações reagiu com entusiasmo à orientação do escravo fiel. Para elas era um privilégio divulgar a mensagem do Reino. A Sentinela de 15 de março de 1926, em inglês, comentou: “Os fiéis serão voluntários . . . para levar essa mensagem às pessoas.” Esses fiéis viveram à altura das palavras proféticas do Salmo 110:3 e mostraram ser apoiadores dispostos do Rei messiânico.

18 Nos últimos cem anos, milhões de pessoas têm se oferecido para realizar a obra de proclamar o Reino. Nos próximos capítulos, analisaremos como elas têm pregado — os métodos e as ferramentas que têm usado — e qual tem sido o resultado disso. Mas primeiro vejamos por que milhões têm participado na obra do Reino voluntariamente apesar de viverem num mundo egoísta. À medida que considerarmos o motivo, faremos bem em nos perguntar: ‘Por que eu prego as boas novas?’

“Persisti . . . em buscar primeiro o reino”

19. Por que acatamos o conselho de Jesus de ‘persistir em buscar primeiro o reino’?

19 Jesus aconselhou seus seguidores a ‘persistir em buscar primeiro o reino’. (Mat. 6:33) Por que acatamos esse conselho? Basicamente porque reconhecemos a importância do Reino, que ele é fundamental para a realização do propósito de Deus. Como vimos no capítulo anterior, o espírito santo tem revelado aos poucos verdades emocionantes sobre o Reino. Quando as preciosas verdades do Reino tocam nosso coração, nos sentimos motivados a buscar primeiro esse Reino.

Assim como um homem que fica feliz ao encontrar um tesouro escondido, os cristãos se alegram por terem encontrado as verdades do Reino (Veja o parágrafo 20.)

20. De que modo a ilustração de Jesus sobre o tesouro escondido mostra como seus seguidores reagiriam ao conselho de persistir em buscar primeiro o Reino?

20 Jesus sabia como seus seguidores reagiriam ao conselho de persistir em buscar primeiro o Reino. Analise sua ilustração do tesouro escondido. (Leia Mateus 13:44.) Enquanto está trabalhando, o lavrador na ilustração encontra por acaso um tesouro escondido e imediatamente reconhece seu valor. O que ele faz? “Na sua alegria, vai e vende todas as coisas que tem e compra aquele campo.” O que aprendemos disso? Quando encontramos a verdade do Reino e reconhecemos seu valor, fazemos com alegria qualquer sacrifício necessário para manter os interesses do Reino no seu devido lugar — em primeiro lugar na vida. *

21, 22. Como os apoiadores leais do Reino mostram que estão buscando primeiro o Reino? Dê um exemplo.

21 Os apoiadores leais do Reino mostram por ações, não apenas por palavras, que estão buscando primeiro o Reino. Eles dedicam sua vida, habilidades e recursos à obra de pregar o Reino. Muitos fazem grandes sacrifícios para ingressar no ministério de tempo integral. Todos esses pregadores dispostos têm comprovado que Jeová abençoa os que buscam primeiro o Reino. Veja um exemplo do século passado.

 22 Avery e Lovenia Bristow serviram juntos como colportores (pioneiros) no sul dos Estados Unidos a partir do fim da década de 20. Anos mais tarde, Lovenia recordou: “Desde o início, eu e Avery tivemos muita alegria servindo juntos no serviço de pioneiro. Houve muitas ocasiões em que não sabíamos de onde viria o dinheiro para a gasolina e os mantimentos. Mas, de uma maneira ou de outra, Jeová nunca deixou faltar o necessário. Nós simplesmente continuávamos em frente. Sempre tivemos o que realmente precisávamos.” Lovenia se lembrou de uma ocasião em que eles estavam servindo na cidade de Pensacola, Flórida, e o dinheiro e os mantimentos estavam quase acabando. Quando eles chegaram em seu trailer, encontraram duas sacolas grandes cheias de alimento com um bilhete dizendo: “Com amor, da Companhia Pensacola.” * Refletindo nas décadas de serviço de tempo integral, Lovenia disse: “Jeová nunca nos abandona. Ele nunca trai a confiança que depositamos nele.”

23. Como você encara as verdades do Reino que encontrou, e qual é a sua determinação?

23 Nem todos podem dedicar a mesma quantidade de horas à pregação. Nossas circunstâncias variam. Mas todos podemos encarar como um privilégio declarar as boas novas de toda a alma. (Col. 3:23) Visto que valorizamos as preciosas verdades do Reino que encontramos, estamos dispostos — sim, desejosos — a fazer qualquer sacrifício para servir a Deus da melhor maneira possível. Não é essa a sua determinação?

24. Qual é uma das maiores realizações do Reino nos últimos dias?

24 Nos últimos cem anos, o Rei sem dúvida tem cumprido suas palavras proféticas registradas em Mateus 24:14. E ele tem feito isso sem obrigar as pessoas. Depois que saíram deste mundo egoísta, seus seguidores têm se oferecido voluntariamente para pregar. Sua pregação mundial das boas novas faz parte do sinal da presença de Jesus como Rei — e é uma das maiores realizações do Reino nos últimos dias.

^ parágrafo 5 Na Bíblia, o orvalho está relacionado a grandes quantidades. — Gên. 27:28; Miq. 5:7.

^ parágrafo 10 O panfleto To Whom the Work Is Entrusted (A Quem se Confia a Obra) explicou: “O trabalho com a revista A Idade de Ouro é uma campanha de casa em casa com a mensagem do reino. . . . Além da palestra com o morador, deve-se deixar um exemplar de A Idade de Ouro em cada casa, quer se obtenha uma assinatura, quer não.” Por anos depois disso, os irmãos foram incentivados a oferecer às pessoas a assinatura tanto de A Idade de Ouro como de A Sentinela. A partir de 1.° de fevereiro de 1940, o povo de Jeová foi incentivado a distribuir as revistas avulsas e a relatar o total distribuído.

^ parágrafo 16 Naquela época, os anciãos eram eleitos democraticamente pela congregação. Por isso, uma congregação podia se recusar a votar em homens que se opunham à pregação. A mudança para designações teocráticas de anciãos será considerada no Capítulo 12.

^ parágrafo 20 Jesus disse algo parecido em sua ilustração de um comerciante viajante que busca pérolas de grande valor. Quando encontra uma, ele vende tudo o que tem e a compra. (Mat. 13:45, 46) As duas parábolas nos ensinam também que podemos aprender a verdade do Reino de maneiras diferentes. Alguns a encontram por acaso; outros vão em busca dela. Mas não importa como a encontramos, estamos dispostos a fazer sacrifícios para colocar o Reino em primeiro lugar na vida.

^ parágrafo 22 Naquela época as congregações eram chamadas de companhias.