As Boas Novas Segundo Mateus 13:1-58

13  Naquele dia, Jesus saiu da casa e se sentou à beira do mar.  E as multidões que se reuniram em volta dele eram tão grandes que ele entrou num barco e se sentou, e toda a multidão ficou na praia.+  Falou-lhes então muitas coisas por meio de ilustrações.+ Ele disse: “Escutem: Um semeador saiu para semear.+  Ao passo que semeava, algumas sementes caíram à beira da estrada, e vieram as aves e as comeram.+  Outras caíram em solo rochoso, onde não havia muita terra, e brotaram imediatamente porque o solo não era profundo.+  Mas, quando o sol se levantou, ficaram queimadas e murcharam, porque não tinham raiz.  Outras caíram entre os espinhos, e os espinhos cresceram e as sufocaram.+  Ainda outras caíram em solo bom e começaram a dar fruto, esta 100 vezes mais, aquela 60 vezes mais, outra 30 vezes mais.+  Quem tem ouvidos, escute.”+ 10  Assim, os seus discípulos vieram e lhe perguntaram: “Por que o senhor lhes fala usando ilustrações?”+ 11  Em resposta, ele disse: “A vocês é concedido* entender os segredos sagrados+ do Reino dos céus, mas a eles não é concedido. 12  Pois àquele que tem, mais será dado, e se fará que ele tenha em abundância; mas, daquele que não tem, até mesmo o que tem será tirado.+ 13  É por isso que falo a eles usando ilustrações; porque olham, mas olham em vão, e ouvem, mas ouvem em vão, e não compreendem.+ 14  E está se cumprindo no caso deles a profecia de Isaías, que diz: ‘Vocês realmente ouvirão, mas de modo algum compreenderão; e realmente olharão, mas de modo algum verão.+ 15  Pois o coração deste povo ficou insensível,* eles taparam os ouvidos* e fecharam os olhos, para que nunca vissem com os olhos, nem ouvissem com os ouvidos, nem compreendessem com o coração e dessem meia-volta, e eu os curasse.’+ 16  “No entanto, felizes são os olhos de vocês porque veem e os seus ouvidos porque ouvem.+ 17  Pois, digo-lhes a verdade: Muitos profetas e homens justos desejaram ver as coisas que vocês estão observando, mas não as viram,+ e ouvir as coisas que vocês estão ouvindo, mas não as ouviram. 18  “Escutem agora a ilustração do homem que semeou.+ 19  Quando alguém ouve a palavra do Reino, mas não a entende, vem o Maligno+ e arranca o que foi semeado no seu coração; essa é a que foi semeada à beira da estrada.+ 20  A que foi semeada em solo rochoso representa aquele que ouve a palavra e imediatamente a aceita com alegria.+ 21  Contudo, ele não tem raiz em si mesmo, mas continua por algum tempo e, quando surge dificuldade ou perseguição por causa da palavra, imediatamente tropeça. 22  A que foi semeada entre os espinhos representa aquele que ouve a palavra, mas as ansiedades deste mundo+ e o poder enganoso das riquezas* sufocam a palavra, e ela* se torna infrutífera.+ 23  A que foi semeada em solo bom representa aquele que ouve a palavra e compreende o sentido dela, que realmente dá fruto e produz, este 100 vezes mais, aquele 60 vezes mais, outro 30 vezes mais.”+ 24  Apresentou-lhes outra ilustração, dizendo: “O Reino dos céus pode ser comparado a um homem que semeou boa semente no seu campo.+ 25  Enquanto os homens dormiam, seu inimigo veio, semeou joio no meio do trigo e foi embora. 26  Quando a haste cresceu e produziu fruto, apareceu também o joio. 27  Então, os escravos do dono da casa vieram e lhe perguntaram: ‘O senhor não semeou boa semente no seu campo? De onde veio então o joio?’ 28  Ele lhes respondeu: ‘Um inimigo, um homem, fez isso.’+ Os escravos lhe disseram: ‘O senhor quer então que vamos ajuntar o joio?’ 29  Ele disse: ‘Não, pois, ao ajuntarem o joio, poderiam arrancar também o trigo. 30  Deixem ambos crescer juntos até a colheita, e na época da colheita eu direi aos ceifeiros: Ajuntem primeiro o joio e amarrem-no em feixes para ser queimado; depois ajuntem o trigo no meu celeiro.’”+ 31  Apresentou-lhes outra ilustração, dizendo: “O Reino dos céus é semelhante a um grão de mostarda, que um homem pegou e plantou no seu campo.+ 32  De fato, essa é a menor de todas as sementes, mas, depois de crescida, é a maior das hortaliças e se torna uma árvore, de modo que as aves do céu vêm e acham abrigo entre os seus ramos.” 33  Contou-lhes outra ilustração: “O Reino dos céus é semelhante ao fermento que uma mulher pegou e misturou com três grandes medidas de farinha, até que a massa inteira ficou fermentada.”+ 34  Jesus falou tudo isso às multidões por meio de ilustrações. Realmente, nada lhes falava sem ilustração,+ 35  para que se cumprissem as palavras do profeta, que disse: “Abrirei a minha boca com ilustrações; proclamarei as coisas escondidas desde a fundação.”+ 36  Então, depois de dispensar as multidões, ele entrou na casa. Seus discípulos se chegaram a ele e disseram: “Explique-nos a ilustração do joio no campo.” 37  Em resposta, ele disse: “O semeador da boa semente é o Filho do Homem; 38  o campo é o mundo.+ Quanto à boa semente, são os filhos do Reino, mas o joio são os filhos do Maligno,+ 39  e o inimigo que o semeou é o Diabo. A colheita é o final de um sistema de coisas, e os ceifeiros são os anjos. 40  Portanto, assim como o joio é ajuntado e queimado no fogo, assim será no final do sistema de coisas.+ 41  O Filho do Homem enviará seus anjos, e eles ajuntarão dentre o seu Reino todas as coisas que causam tropeço e os que praticam o que é contra a lei, 42  e os lançarão na fornalha ardente.+ Ali é que haverá o seu choro e o ranger dos seus dentes. 43  Naquele tempo, os justos brilharão tão claramente como o sol,+ no Reino do seu Pai. Quem tem ouvidos, escute. 44  “O Reino dos céus é semelhante a um tesouro escondido no campo, que um homem achou e escondeu novamente; e, na sua alegria, ele foi, vendeu todas as coisas que tinha e comprou aquele campo.+ 45  “Também, o Reino dos céus é semelhante a um comerciante viajante que buscava pérolas de boa qualidade. 46  Ao achar uma pérola de grande valor, foi, vendeu prontamente todas as coisas que tinha e a comprou.+ 47  “Também, o Reino dos céus é semelhante a uma rede de arrasto baixada ao mar e que apanhou peixes de todo tipo. 48  Quando ela ficou cheia, arrastaram-na para a praia, sentaram-se e juntaram os peixes bons+ em recipientes, mas jogaram fora os imprestáveis.+ 49  Assim será no final do sistema de coisas.+ Os anjos sairão e separarão os maus dos justos, 50  e os lançarão na fornalha ardente. Ali é que haverá o seu choro e o ranger dos seus dentes. 51  “Compreenderam o sentido de tudo isso?” Eles responderam: “Sim.” 52  Então ele lhes disse: “Sendo assim, todo instrutor público que é ensinado a respeito do Reino dos céus é semelhante a um homem, dono de uma casa, que tira do seu tesouro coisas novas e coisas velhas.” 53  Quando Jesus terminou de contar essas ilustrações, partiu dali. 54  Chegando à sua própria cidade,+ começou a ensinar ao povo na sinagoga deles, de modo que ficaram maravilhados e disseram: “Onde este homem obteve essa sabedoria e essa habilidade de realizar obras poderosas?+ 55  Não é este o filho do carpinteiro?+ Sua mãe não se chama Maria e seus irmãos Tiago, José, Simão e Judas?+ 56  E não estão todas as suas irmãs conosco? Então, onde ele obteve tudo isso?”+ 57  Assim, começaram a tropeçar por causa dele.+ Mas Jesus lhes disse: “Um profeta não fica sem honra a não ser na sua própria terra e na sua própria casa.”+ 58  E não fez ali muitas obras poderosas, por causa da falta de fé deles.

Notas de rodapé

Ou: “Vocês receberam permissão para”.
Lit.: “foi tornado grosso (gordo)”.
Ou: “seus ouvidos ouviram sem reação (de má vontade)”.
Ou: “a tentação (o prazer enganoso) de ser rico”.
Ou, possivelmente: “ele”, ou seja, “aquele que ouve a palavra”.

Notas de estudo

se sentou: Esse era o costume dos instrutores judaicos. — Mt 5:1, 2.

na praia: Existe um lugar na margem do mar da Galileia, perto de Cafarnaum, que forma um anfiteatro natural, pois a praia tem o formato de uma ferradura e o terreno em volta tem uma leve inclinação. Esse formato contribui para que o local tenha boa acústica. Isso permitiria que a multidão ouvisse o que Jesus falava lá do barco.

Vejam!: A palavra grega idoú, que às vezes é traduzida como “veja” ou “vejam”, costuma ser usada para chamar a atenção do leitor para o que vai ser dito em seguida. Ela incentiva o leitor a visualizar a cena ou a observar algum detalhe da narrativa. Também é usada para enfatizar algo ou para apresentar algo novo ou surpreendente. Nas Escrituras Gregas Cristãs, os livros de Mateus, Lucas e Apocalipse são os que mais usam essa palavra. Em hebraico existe uma expressão equivalente, e ela é usada muitas vezes nas Escrituras Hebraicas.

ilustrações: Ou: “parábolas”. A palavra grega parabolé significa literalmente “colocar ao lado (junto)”, e pode se referir a uma parábola, um provérbio ou uma comparação. Jesus muitas vezes explicava uma coisa por ‘colocá-la ao lado’ de algo, ou seja, por compará-la com outra coisa parecida. (Mr 4:30) As ilustrações de Jesus eram curtas, e muitas vezes eram histórias fictícias que ensinavam uma lição de moral ou uma verdade espiritual.

Escutem: Ou: “Vejam”. Veja a nota de estudo em Mt 1:23.

solo rochoso: Jesus não estava falando aqui de um terreno com muitas pedras espalhadas. Ele se referia a uma camada de rocha com pouca terra por cima para a semente brotar. O relato paralelo em Lu 8:6 menciona que as sementes “caíram sobre a rocha”. Em terrenos assim, as raízes das sementes não conseguem ir muito fundo no solo. Por isso, não conseguem a umidade que precisam.

entre os espinhos: Pelo visto, Jesus não estava falando aqui de espinheiros crescidos, mas de plantas daninhas com espinhos que não foram removidas depois de se arar o solo. Quando as plantas daninhas crescessem, sufocariam as sementes que foram plantadas.

Reino dos céus: Essa expressão aparece umas 30 vezes na Bíblia, e apenas no Evangelho de Mateus. Os Evangelhos de Marcos e de Lucas usam uma expressão paralela, “Reino de Deus”. Isso indica que a sede do “Reino de Deus” fica no céu, e seu Rei governa de lá. — Mt 21:43; Mr 1:15; Lu 4:43; Da 2:44; 2Ti 4:18.

segredos sagrados: A palavra grega mystérion, que aparece aqui no plural, foi traduzida 25 vezes na Tradução do Novo Mundo como “segredo(s) sagrado(s)”. Essa expressão se refere a detalhes do propósito de Deus que são mantidos em segredo até que ele decida torná-los conhecidos. Daí, esses detalhes são completamente revelados, mas apenas para quem Deus escolhe dar entendimento. (Col 1:25, 26) Depois disso, eles são proclamados para o maior número de pessoas possível. Isso fica claro pelo uso que a Bíblia faz de expressões como “declarar”, “fazer saber”, “pregar”, “revelação” e “revelado” junto com a expressão “segredo sagrado”. (1Co 2:1; Ef 1:9; 3:3; Col 1:25, 26; 4:3) O principal “segredo sagrado de Deus” tem a ver com a identificação de Jesus como o “descendente” prometido, ou Messias. (Col 2:2; Gên 3:15) Mas dentro desse segredo sagrado também há muitos detalhes, incluindo o papel de Jesus no propósito de Deus. (Col 4:3) Neste versículo, Jesus mostrou que “os segredos sagrados” também estão ligados ao Reino dos céus, ou “Reino de Deus”, o governo celestial que tem Jesus como Rei. (Mr 4:11; Lu 8:10; veja a nota de estudo em Mt 3:2.) As Escrituras Gregas Cristãs usam a palavra mystérion de maneira diferente das antigas religiões místicas. Essas religiões com frequência se baseavam em cultos de fertilidade, que se tornaram comuns durante o século 1 d.C. Elas diziam que, por meio de rituais místicos, seus fiéis receberiam imortalidade e revelações divinas e se aproximariam dos deuses. Os “segredos” que as pessoas aprendiam nessas religiões obviamente não se baseavam na verdade. Ao se tornar um membro de uma religião mística, a pessoa se comprometia a não revelar os segredos que aprendesse, ajudando a manter o mistério sobre suas práticas. Isso era bem diferente do que acontecia com os segredos sagrados que os cristãos aprendiam e que eram declarados abertamente. Na Tradução do Novo Mundo, quando o contexto se relaciona com a religião falsa, a palavra mystérion é traduzida como “mistério”. — Para ver os três lugares em que a palavra mystérion foi traduzida como “mistério”, veja as notas de estudo em 2Te 2:7; Ap 17:5,7.

Eu lhes garanto: Ou: “Digo a vocês a verdade.” Em grego, essa frase inclui a palavra amén. Ela é uma transliteração da palavra hebraica ʼamén, que significa “assim seja” ou “com certeza”. Jesus muitas vezes usava essa palavra antes de fazer uma declaração importante, promessa ou profecia. Era um modo de enfatizar que suas palavras iam se cumprir com certeza e que seus ouvintes podiam confiar nelas. Alguns estudiosos afirmam que não há ninguém que use a palavra amén do mesmo modo que Jesus, nem na Bíblia nem em outros livros sagrados. Nas vezes em que a palavra aparece repetida (amén amén), como acontece várias vezes no Evangelho de João, a expressão é traduzida como “com toda a certeza”. — Veja a nota de estudo em Jo 1:51.

digo-lhes a verdade: Veja a nota de estudo em Mt 5:18.

mundo: Ou: “sistema de coisas”. A palavra grega usada aqui, aión, tem o sentido básico de “época”. Ela pode se referir também a uma situação existente ou a características marcantes de certo período ou época. Aqui, Jesus mostrou que a vida neste mundo governado pelo Diabo seria cheia de ansiedades e problemas. — Veja o Glossário, “Sistema(s) de coisas”.

semeou: Há registros de que, no Antigo Oriente Próximo, às vezes uma pessoa mal-intencionada semeava plantas daninhas por cima da plantação de outro.

joio: Acredita-se que a palavra grega usada aqui se refira ao joio (Lolium temulentum), uma planta venenosa da família das gramíneas. O joio é muito parecido com o trigo enquanto o trigo ainda está na fase de crescimento, antes de amadurecer.

Os escravos lhe disseram: Alguns poucos manuscritos dizem apenas “eles lhe disseram”, mas a maior parte dos manuscritos mais antigos dizem “os escravos lhe disseram”.

arrancar também o trigo: Mesmo que os escravos conseguissem identificar o joio, não seria bom arrancá-lo nessa fase. Se fizessem isso, poderiam arrancar o trigo junto, porque as suas raízes estavam entrelaçadas com as do joio.

joio: Acredita-se que a palavra grega usada aqui se refira ao joio (Lolium temulentum), uma planta venenosa da família das gramíneas. O joio é muito parecido com o trigo enquanto o trigo ainda está na fase de crescimento, antes de amadurecer.

ajuntem . . . o joio: Quando o joio fica maduro, é fácil ver a diferença entre ele e o trigo. — Veja a nota de estudo em Mt 13:25.

grão de mostarda: Embora existam várias espécies silvestres de pé de mostarda em Israel, a mostarda-preta (Brassica nigra) é a variedade geralmente cultivada na região. A semente da mostarda-preta é redonda, mede entre 1 e 1,6 milímetro e pesa 1 miligrama. Apesar de ser bem pequena, a semente de mostarda pode se tornar uma planta do tamanho de uma árvore. Algumas variedades de pé de mostarda podem chegar a 4,5 metros de altura.

a menor de todas as sementes: Existem outras sementes menores do que a de mostarda, mas parece que a semente de mostarda era a menor semente que os lavradores galileus plantavam e colhiam. Em alguns textos judaicos antigos, a semente de mostarda era usada como figura de linguagem para se referir a algo extremamente pequeno.

fermento: A Bíblia costuma usar o fermento para representar o pecado e a maldade, e aqui ele representa ensinos falsos. — Mt 16:12; 1Co 5:6-8; compare com a nota de estudo em Mt 13:33.

fermento: Jesus estava se referindo aqui ao processo normal de fazer pão. Era comum pegar um pequeno pedaço de massa já fermentada e guardá-lo para servir de fermento. Quando a pessoa ia fazer mais pães, ela misturava esse fermento com a nova massa para fazê-la crescer. Embora a Bíblia muitas vezes use o fermento para representar o pecado e a maldade (veja a nota de estudo em Mt 16:6), ela nem sempre menciona o fermento em sentido negativo (Le 7:11-15). Tudo indica que, aqui, o processo de fermentação representa o crescimento de algo bom.

grandes medidas: A palavra grega usada aqui, sáton, corresponde à palavra hebraica para seá. Um seá equivalia a 7,33 litros. — Veja a nota de rodapé em Gên 18:6; o Glossário, “Seá”, e o Apêndice B14-A.

para cumprir o que Jeová tinha dito por meio do seu profeta: Mateus usa muitas vezes essa expressão e outras parecidas. Pelo visto, ele queria deixar claro para os leitores judeus que Jesus era o Messias prometido. — Mt 2:15, 23; 4:14; 8:17; 12:17; 13:35; 21:4; 26:56; 27:9.

fundação do mundo: A palavra grega para “fundação” é traduzida como “conceber” em He 11:11, onde aparece junto com a palavra “descendente”. Aqui, na expressão “fundação do mundo”, a palavra grega parece se referir à época em que Adão e Eva geraram filhos. Em Lu 11:50, 51, Jesus relacionou “a fundação do mundo” com Abel. Pelo visto, Abel foi o primeiro humano a receber a oportunidade de ser salvo pelo resgate e de ter, desde “a fundação do mundo”, o nome escrito no rolo da vida. — Ap 17:8.

para que se cumprissem as palavras do profeta: “As palavras do profeta” citadas por Mateus foram tiradas do Sal 78:2. Nesse salmo, o “profeta” (o escritor do Sal 78) usou linguagem figurada para descrever as coisas que Deus fez para ajudar e disciplinar a nação de Israel. Da mesma forma, Jesus usou muitas figuras de linguagem nas ilustrações que contou a seus discípulos e às multidões que o seguiam. — Veja a nota de estudo em Mt 1:22.

desde a fundação: Ou, possivelmente: “desde a fundação do mundo”. (Veja a nota de estudo em Mt 25:34.) Alguns manuscritos bem antigos contêm a palavra grega que significa “mundo”. Mas há também outros manuscritos bem antigos em que essa palavra não aparece neste versículo.

Filho do Homem: Ou: “Filho de um Humano”. Essa expressão aparece umas 80 vezes nos Evangelhos, e Jesus a usava para se referir a ele mesmo. Pelo visto, ele queria destacar que era realmente um humano, nascido de uma mulher, e que era um equivalente perfeito de Adão. Assim, ele poderia dar a sua vida para livrar a humanidade do pecado e da morte. (Ro 5:12, 14, 15) A expressão também mostrava que Jesus era o Messias, ou o Cristo. — Da 7:13, 14; veja o Glossário.

Filho do Homem: Veja a nota de estudo em Mt 8:20.

mundo: Aqui se refere à humanidade como um todo.

final: Ou: “conclusão”. Tradução da palavra grega syntéleia, que significa “fim conjunto; fim combinado; término simultâneo”. (Mt 13:39, 40, 49; 28:20; He 9:26) Essa palavra se refere a um período de tempo em que vários eventos aconteceriam juntos, levando ao “fim” completo (em grego, télos) mencionado em Mt 24:6, 14. — Veja as notas de estudo em Mt 24:614 e o Glossário, “Final do sistema de coisas”.

mundo: Ou: “sistema de coisas”. A palavra grega usada aqui, aión, tem o sentido básico de “época”. Ela pode se referir também a uma situação existente ou a características marcantes de certo período ou época. Aqui, Jesus mostrou que a vida neste mundo governado pelo Diabo seria cheia de ansiedades e problemas. — Veja o Glossário, “Sistema(s) de coisas”.

do sistema de coisas: Ou: “da época”. Aqui, a palavra grega aión se refere a uma situação existente ou a características marcantes de certo período ou época. — Veja o Glossário, “Sistema(s) de coisas”.

o final: A palavra grega syntéleia, traduzida aqui como “final”, também aparece em Mt 13:40, 49; 24:3; 28:20 e He 9:26. — Veja a nota de estudo em Mt 24:3 e o Glossário, “Final do sistema de coisas”.

um sistema de coisas: Ou: “uma época”. — Veja as notas de estudo em Mt 13:22; 24:3 e o Glossário, “Final do sistema de coisas”; “Sistema(s) de coisas”.

do que é contra a lei: A palavra grega traduzida como ‘o que é contra a lei’ não inclui apenas a ideia de violação das leis, mas também de desprezo por elas; de as pessoas agirem como se não existissem leis. Na Bíblia, ela indica desrespeito pelas leis de Deus. — Mt 7:23; 2Co 6:14; 2Te 2:3-7; 1Jo 3:4.

o que é contra a lei: Veja a nota de estudo em Mt 24:12.

ranger dos seus dentes: Ou: “apertar os seus dentes”. Expressão que pode indicar sentimentos de angústia, raiva e desespero, possivelmente acompanhados por palavras ofensivas e violência.

ranger dos seus dentes: Veja a nota de estudo em Mt 8:12.

pérola: Nos tempos bíblicos, era possível encontrar pérolas de boa qualidade no Mar Vermelho, no golfo Pérsico e no oceano Índico — lugares distantes de Israel. Isso explica por que Jesus usou em sua ilustração um comerciante viajante que fez sacrifícios muito grandes para conseguir uma pérola dessas.

imprestáveis: Jesus talvez se referisse aqui a peixes sem escamas e barbatanas. De acordo com a Lei mosaica, esses peixes eram impuros e os israelitas não podiam comê-los. (Le 11:9-12; De 14:9, 10) Ou talvez Jesus estivesse falando de peixes que, por outros motivos, não podiam ser usados como alimento.

o final: A palavra grega syntéleia, traduzida aqui como “final”, também aparece em Mt 13:40, 49; 24:3; 28:20 e He 9:26. — Veja a nota de estudo em Mt 24:3 e o Glossário, “Final do sistema de coisas”.

um sistema de coisas: Ou: “uma época”. — Veja as notas de estudo em Mt 13:22; 24:3 e o Glossário, “Final do sistema de coisas”; “Sistema(s) de coisas”.

final: Ou: “conclusão”. Tradução da palavra grega syntéleia, que significa “fim conjunto; fim combinado; término simultâneo”. (Mt 13:39, 40, 49; 28:20; He 9:26) Essa palavra se refere a um período de tempo em que vários eventos aconteceriam juntos, levando ao “fim” completo (em grego, télos) mencionado em Mt 24:6, 14. — Veja as notas de estudo em Mt 24:614 e o Glossário, “Final do sistema de coisas”.

do sistema de coisas: Ou: “da época”. Aqui, a palavra grega aión se refere a uma situação existente ou a características marcantes de certo período ou época. — Veja o Glossário, “Sistema(s) de coisas”.

final do sistema de coisas: Veja as notas de estudo em Mt 13:39; 24:3 e o Glossário, “Final do sistema de coisas”; “Sistema(s) de coisas”.

instrutor público: Ou: “pessoa instruída”. Em grego, grammateús. Quando essa palavra se refere a um dos instrutores judaicos que eram peritos na Lei, ela é traduzida como “escriba”. Mas neste versículo ela se refere aos discípulos de Jesus que foram treinados para ensinar outros.

sua própria cidade: Lit.: “lugar do seu pai”. Refere-se a Nazaré, cidade da família imediata de Jesus.

Tiago: Tudo indica que este Tiago seja o meio-irmão de Jesus. Quando os quatro meios-irmãos de Jesus (Tiago, José, Simão e Judas) são citados, Tiago é sempre mencionado primeiro. Isso talvez indique que ele era o mais velho deles. (Mt 13:55; Mr 6:3; Jo 7:5) Ele estava presente no Pentecostes de 33 d.C., quando milhares de judeus que moravam fora de Israel e tinham ido a Jerusalém aceitaram as boas novas e foram batizados. (At 1:14; 2:1, 41) As palavras de Pedro “contem essas coisas a Tiago” indicam que Tiago estava tomando a liderança na congregação em Jerusalém. Parece também que ele é o Tiago mencionado em At 15:13; 21:18; 1Co 15:7; Gál 1:19 (onde ele é chamado de “Tiago, o irmão do Senhor”); 2:9, 12, e que foi ele quem escreveu o livro bíblico de Tiago. — Tg 1:1; Ju 1.

filho do carpinteiro: A palavra grega tékton, traduzida como “carpinteiro”, é bem abrangente e pode se referir a qualquer artesão ou construtor. Quando essa palavra é usada para se referir a alguém que trabalha com madeira, ela pode descrever alguém que constrói casas, fabrica móveis ou faz outros itens de madeira. Justino, o Mártir, que viveu no século 2 d.C., escreveu que Jesus, “enquanto estava entre os homens, trabalhava como carpinteiro, fabricando arados e jugos”. As primeiras traduções da Bíblia em idiomas antigos também passam a ideia de alguém que trabalha com madeira. Jesus era conhecido como “o filho do carpinteiro” e como “o carpinteiro”. (Mr 6:3) Pelo visto, Jesus aprendeu a carpintaria com seu pai adotivo, José. Naquela época, os filhos começavam a aprender a profissão do pai quando tinham entre 12 e 15 anos, e esse treinamento levava muitos anos.

irmãos: Embora a palavra grega usada aqui, adelfós, também seja usada na Bíblia para se referir a irmãos em sentido espiritual, neste contexto ela é usada para se referir aos meios-irmãos de Jesus: os filhos que José e Maria tiveram depois de Jesus. Alguns acreditam que Maria continuou virgem depois de Jesus nascer e afirmam que neste versículo a palavra adelfós se refere a primos. Mas as Escrituras Gregas Cristãs usam outras palavras, não adelfós, para se referir a primos e parentes. Por exemplo, Col 4:10 usa a palavra anepsiós para se referir a um “primo”. E Lu 21:16 usa a palavra syggenés para se referir a parentes (o que pode incluir primos) na mesma lista em que aparece a palavra adelfós (irmão). Esses exemplos mostram que as Escrituras Gregas Cristãs usam palavras específicas para se referir a graus diferentes de parentesco.

Tiago: Tudo indica que esse meio-irmão de Jesus seja o Tiago mencionado em At 12:17 (veja a nota de estudo) e em Gál 1:19, e o escritor do livro bíblico de Tiago. — Tg 1:1.

Judas: Tudo indica que esse meio-irmão de Jesus seja o escritor do livro bíblico de Judas. — Ju 1.

o faz tropeçar: Nas Escrituras Gregas Cristãs, a palavra grega skandalízo se refere a tropeçar em sentido figurado, o que pode incluir pecar ou levar alguém a pecar. Assim, a palavra também poderia ser traduzida aqui como “o faz pecar; está se tornando uma armadilha para você”. De acordo com o uso da palavra na Bíblia, o “tropeço” poderia envolver perder a fé, aceitar ensinamentos falsos ou desobedecer a uma das leis de moral de Deus. A palavra skandalízo também pode ser usada com o sentido de “ficar ofendido”. — Veja as notas de estudo em Mt 13:57; 18:7.

começaram a tropeçar por causa dele: Ou: “ficaram ofendidos com ele”. Neste contexto, a palavra grega skandalízo se refere a tropeçar em sentido figurado, e significa “ficar ofendido”. Ela também poderia ser traduzida aqui como “se recusaram a acreditar nele”. Em outros contextos, skandalízo inclui a ideia de pecar ou levar alguém a pecar. — Veja a nota de estudo em Mt 5:29.

não pôde fazer nenhuma obra poderosa ali: Jesus não pôde fazer muitos milagres ali porque as circunstâncias não eram favoráveis, não por falta de poder. O povo de Nazaré não tinha fé, e isso impediu Jesus de fazer “ali muitas obras poderosas”. (Mt 13:58) Ele não devia desperdiçar o poder divino com pessoas que não queriam acreditar nele nem aceitar sua mensagem. — Veja também Mt 10:14; Lu 16:29-​31.

não fez ali muitas obras poderosas: Jesus não fez muitos milagres em Nazaré por causa das circunstâncias que existiam ali, não por falta de poder. O povo de Nazaré não tinha fé. (Veja a nota de estudo em Mr 6:5.) Ele não devia desperdiçar o poder divino com pessoas que não queriam acreditar nele nem aceitar sua mensagem. — Veja também Mt 10:14; Lu 16:29-31.

Mídia

Mar da Galileia perto de Cafarnaum
Mar da Galileia perto de Cafarnaum

O nível da água e a topografia do mar da Galileia mudaram ao longo dos séculos desde a época de Jesus. Mas pode ter sido no local mostrado na foto que Jesus falou de dentro de um barco a uma multidão que estava na praia. A voz de Jesus seria amplificada ao refletir na superfície da água.

O trabalho do semeador
O trabalho do semeador

Nos tempos bíblicos, as pessoas faziam a semeadura de várias maneiras. Alguns semeadores carregavam uma bolsa de sementes pendurada no ombro e presa na cintura. Outros faziam uma dobra na roupa para carregar as sementes. O semeador lançava as sementes com a mão, espalhando-as sobre o solo. Ele precisava ter o cuidado de lançar as sementes em solo bom, e não nas trilhas de chão batido que cortavam os campos. As sementes eram cobertas o mais rápido possível para que as aves não as comessem.

Ruínas de celeiros antigos em Massada
Ruínas de celeiros antigos em Massada

Celeiros, ou depósitos, eram usados em todo o Israel para estocar cereais debulhados. Alguns celeiros também podiam ser usados para estocar azeite e vinho, ou até mesmo pedras ou metais preciosos.

Ceifeiros
Ceifeiros

Nos tempos bíblicos, os ceifeiros às vezes simplesmente arrancavam do solo as hastes de cereal com as mãos. Mas era mais comum colher o cereal cortando as hastes com uma foice. (De 16:9; Mr 4:29) Em geral, várias pessoas trabalhavam juntas na colheita. Ceifeiros trabalhavam em grupos colhendo o cereal maduro de um campo. (Ru 2:3; 2Rs 4:18) Vários escritores da Bíblia, como o rei Salomão, o profeta Oseias e o apóstolo Paulo, usaram o trabalho de colheita para ensinar verdades importantes. (Pr 22:8; Os 8:7; Gál 6:7-9) Jesus também usou essa atividade bem conhecida para ilustrar a participação que seus discípulos e os anjos teriam na obra de fazer discípulos. — Mt 13:24-30, 39; Jo 4:35-38.

Grão de mostarda
Grão de mostarda

Dos diversos tipos de semente que os lavradores galileus plantavam e colhiam, a semente de mostarda pelo visto era a menor. Em alguns textos judaicos antigos, a semente de mostarda era usada como figura de linguagem para se referir a algo extremamente pequeno.

Pescadores puxando uma rede de arrasto
Pescadores puxando uma rede de arrasto

Na época de Jesus, as redes de arrasto provavelmente eram feitas com fibras de linho. De acordo com algumas fontes, essas redes talvez medissem até 300 metros de comprimento, com boias presas na borda de cima, pesos presos na borda de baixo e longas cordas presas nas duas extremidades. Os pescadores usavam um barco para baixar a rede de arrasto na água. Às vezes eles voltavam para a praia com as cordas da rede, e vários homens puxavam cada uma das cordas para trazer a rede aos poucos até a margem. A rede de arrasto pegava tudo que estivesse no caminho.