Pular para conteúdo

Pular para sumário

 CAPÍTULO 3

Jeová revela seu propósito

Jeová revela seu propósito

FOCO DO CAPÍTULO

Jeová revela progressivamente o entendimento do seu propósito, mas apenas aos que o temem

1, 2. Como Jeová tem revelado seu propósito em relação à humanidade?

PAIS amorosos incluem os filhos nas conversas sobre assuntos da família. Mas eles têm cuidado em relação à quantidade de informações que passam aos filhos. Revelam apenas os detalhes que acham que seus filhos terão madureza suficiente para assimilar.

2 Da mesma forma, Jeová tem revelado de modo progressivo seu propósito em relação à família humana. Mas ele só faz isso no momento certo. Analise um breve resumo de como Jeová revelou verdades sobre o Reino ao longo da História.

Por que o Reino é necessário?

3, 4. Jeová predestinou o rumo da história humana? Explique.

3 O Reino messiânico não fazia parte do propósito original de Jeová. Por que não? Porque Jeová não predestinou o rumo da história humana; afinal, ele criou os humanos com livre-arbítrio. Ele informou a Adão e Eva seu propósito para a humanidade quando disse: “Sede fecundos e tornai-vos muitos, e enchei a terra, e sujeitai-a.” (Gên. 1:28) Jeová exigiu também que eles respeitassem os padrões divinos do que é bom e do que é mau. (Gên. 2:16, 17) Adão e Eva poderiam ter escolhido permanecer leais. Se eles e seus descendentes tivessem feito isso, não precisaríamos do Reino às mãos de Jesus para cumprir o propósito de Deus. Nosso planeta hoje estaria repleto de pessoas perfeitas, todas adorando a Jeová.

4 A rebelião de Satanás, Adão e Eva não fez com que Jeová abandonasse seu propósito de encher a Terra com uma família humana perfeita. Em vez disso, ele adaptou o método para realizá-lo. Seu propósito não é como um trem que só consegue chegar ao destino se estiver num determinado trilho e que pode descarrilar por causa das ações de outros. Quando Jeová declara seu propósito, nenhuma força no Universo pode impedir que ele se cumpra. (Leia Isaías 55:11.) Se uma dificuldade ameaça bloquear um trilho, Jeová usa outro. * (Êxo. 3:14, 15) Quando acha apropriado, ele informa seus servos leais do novo  método que usará para cumprir seu propósito.

5. O que Jeová fez em resposta à rebelião no Éden?

5 Em resposta à rebelião no Éden, Jeová incluiu em seu propósito o estabelecimento do Reino. (Mat. 25:34) Naquele momento sombrio da história humana, Jeová começou a revelar informações sobre o instrumento que usaria para restaurar a humanidade e reverter os danos causados pelos fúteis esforços de Satanás de assumir poder. (Gên. 3:14-19) Mesmo assim, Jeová não forneceu de uma vez todos os detalhes sobre o Reino.

Jeová começa a revelar verdades sobre o Reino

6. O que Jeová prometeu, mas o que ele não revelou?

6 Logo na primeira profecia, Jeová prometeu que um “descendente” esmagaria a serpente. (Leia Gênesis 3:15.) Mas a identidade desse descendente e a do descendente da serpente não foram reveladas naquela época. Jeová só esclareceu esses detalhes depois de 2 mil anos. *

7. Por que Abraão foi escolhido, e que lição fundamental aprendemos disso?

7 Por fim, Jeová escolheu Abraão como aquele por meio de quem viria o descendente prometido. Abraão foi escolhido porque ‘escutou a voz’ de Jeová. (Gên. 22:18) Aprendemos uma lição fundamental disso: Jeová revela seu propósito apenas aos que o temem. — Leia Salmo 25:14.

8, 9. Que fatos sobre o descendente prometido Jeová revelou a Abraão e a Jacó?

8 Quando falou com seu amigo Abraão por meio de um anjo, Jeová revelou pela primeira vez o seguinte fato vital sobre o descendente prometido: ele seria humano. (Gên. 22:15-17; Tia. 2:23) Mas como é que esse humano esmagaria a serpente? Quem era a serpente? Revelações feitas mais tarde esclareceriam essas questões.

9 Jeová determinou que o descendente prometido viria de um dos netos de Abraão, Jacó, que demonstrou grande fé em Deus. (Gên. 28:13-22) Por meio de Jacó, Jeová revelou que o Prometido seria descendente de um dos filhos de Jacó, Judá. Jacó profetizou que esse descendente de Judá receberia um “cetro” — bastão que simboliza autoridade régia — e que ‘a ele pertenceria a obediência dos povos’. (Gên. 49:1, 10) Com essas palavras, Jeová indicou que o Prometido seria um governante, um rei.

10, 11. Por que Jeová revelou seu propósito a Davi e a Daniel?

10 Uns 650 anos depois dos dias de Judá, Jeová revelou mais detalhes sobre seu propósito ao Rei Davi, um descendente de Judá. Jeová descreveu Davi como um ‘homem que agradava o seu coração’. (1 Sam. 13:14; 17:12; Atos 13:22) Visto que Davi tinha um temor reverente por Deus, Jeová fez um pacto com ele, prometendo-lhe que um de seus descendentes governaria para sempre. — 2 Sam. 7:8, 12-16.

11 Cerca de 500 anos mais tarde, Jeová revelou por meio do profeta Daniel o ano exato em que esse Ungido, ou Messias, apareceria na Terra. (Dan. 9:25) Jeová considerava Daniel como  “alguém muito desejável”. Por quê? Porque Daniel tinha profundo respeito por Jeová e servia a ele continuamente. — Dan. 6:16; 9:22, 23.

12. O que Daniel foi orientado a fazer, e por quê?

12 Jeová usou profetas fiéis, como Daniel, para registrar inúmeros detalhes sobre o descendente prometido, o Messias. Apesar disso, ainda não havia chegado o tempo de Jeová para que seus servos tivessem o entendimento completo do que eles foram inspirados a escrever. Por exemplo, depois de receber uma visão sobre o estabelecimento do Reino de Deus, Daniel foi orientado a selar a profecia até o tempo designado por Jeová. Quando chegasse esse tempo, o verdadeiro conhecimento ‘se tornaria abundante’. — Dan. 12:4.

Jeová usou homens fiéis, como Daniel, para registrar detalhes sobre o Reino messiânico

Jesus lança luz sobre o propósito de Deus

13. (a) Quem é o descendente prometido? (b) Como Jesus lançou luz sobre a profecia registrada em Gênesis 3:15?

13 Jeová identificou claramente Jesus como o descendente prometido, que veio da linhagem de Davi e que governaria como Rei. (Luc. 1:30-33; 3:21, 22) Quando Jesus começou seu ministério, foi como se o sol raiasse sobre o conhecimento da humanidade a respeito do propósito de Deus. (Mat. 4:13-17) Por exemplo, Jesus não deixou nenhuma dúvida sobre a identidade da “serpente” mencionada em Gênesis 3:14, 15 ao chamar o Diabo de “homicida” e “o pai da mentira”. (João 8:44) Na revelação que deu a João, Jesus identificou “a serpente original” como “o chamado Diabo e Satanás”. * (Leia Revelação 1:1; 12:9.) Nessa mesma revelação, Jesus mostrou como ele — o descendente prometido — finalmente cumprirá a profecia feita no Éden e esmagará Satanás, destruindo-o por completo. — Rev. 20:7-10.

14-16. Os discípulos do primeiro século sempre tiveram o entendimento completo das verdades reveladas por Jesus? Explique.

14 Como vimos no Capítulo 1 deste livro, Jesus falou extensivamente sobre o Reino. Mas ele nem sempre revelou todos os detalhes que seus discípulos queriam saber. Mesmo quando forneceu detalhes específicos, foi só mais tarde — em alguns casos, vários séculos depois — que seus seguidores começaram a discernir o pleno significado das verdades que seu Mestre havia revelado. Veja alguns exemplos.

15 Em 33 EC, Jesus deixou claro que os corregentes que apoiariam o Rei do Reino de Deus seriam tirados da Terra e ressuscitados como criaturas espirituais para a vida no céu. Mas seus discípulos não entenderam isso de imediato. (Dan. 7:18; João 14:2-5) Naquele mesmo ano, Jesus indicou por meio de ilustrações que o Reino só seria estabelecido um bom tempo depois que ele tivesse subido ao céu. (Mat. 25:14, 19; Luc. 19:11, 12) Os discípulos não entenderam esse ponto essencial e mais tarde perguntaram ao ressuscitado Jesus: “É neste tempo que restabeleces o reino a Israel?” Jesus, porém, decidiu não revelar nenhum detalhe adicional naquela ocasião. (Atos 1:6, 7)  Ele ensinou também que haveria “outras ovelhas”, que não fariam parte do “pequeno rebanho” composto por seus corregentes. (João 10:16; Luc. 12:32) Os seguidores de Cristo só tiveram o entendimento correto da identidade desses dois grupos algum tempo depois que o Reino foi estabelecido em 1914.

16 Jesus poderia ter dito muitas coisas a seus discípulos enquanto esteve com eles na Terra, mas sabia que eles não eram capazes de suportá-las. (João 16:12) É verdade que muitas informações sobre o Reino foram reveladas no primeiro século. Mas ainda não havia chegado a hora para que o conhecimento sobre esse assunto se tornasse abundante.

O verdadeiro conhecimento se torna abundante no “tempo do fim”

17. O que devemos fazer para entender as verdades sobre o Reino, mas o que também é preciso?

17 Jeová prometeu a Daniel que no “tempo do fim” muitos ‘percorreriam’ a Palavra de Deus “e o verdadeiro conhecimento” do propósito divino se tornaria abundante. (Dan. 12:4) Aqueles que querem esse conhecimento precisam se esforçar para obtê-lo. Certa obra de referência diz que uma forma do verbo hebraico ‘percorrer’ transmite a ideia de alguém examinando um livro de modo minucioso e completo. Contudo, por mais completa que seja nossa análise da Bíblia, não podemos ter o entendimento correto das verdades sobre o Reino a menos que Jeová nos conceda esse privilégio. — Leia Mateus 13:11.

18. Como os que temem a Jeová têm demonstrado fé e humildade?

18 Assim como Jeová revelou as verdades sobre o Reino de modo progressivo nos anos que antecederam 1914, ele continua a fazer isso no tempo do fim. Como os Capítulos 4 e 5 deste livro mostrarão, nos últimos cem anos o povo de Deus precisou ajustar seu entendimento em várias ocasiões. Será que isso significa que eles não têm o apoio de Jeová? Muito pelo  contrário! Por que podemos dizer isso? Porque aqueles que temem a Jeová têm demonstrado duas qualidades que ele ama: fé e humildade. (Heb. 11:6; Tia. 4:6) Os servos de Jeová têm fé em que todas as promessas da Palavra de Deus se cumprirão. E eles mostram humildade quando admitem que não entenderam corretamente como essas promessas se cumpririam. Essa atitude humilde pode ser observada no número de 1.° de março de 1925 de A Sentinela, em inglês, que disse: “Sabemos que o Senhor é seu próprio intérprete, e que ele interpretará sua Palavra ao seu povo da sua maneira e no seu tempo devido.”

“O Senhor . . . interpretará sua Palavra ao seu povo da sua maneira e no seu tempo devido”

19. O que Jeová nos tem permitido entender, e por quê?

19 Quando o Reino foi estabelecido em 1914, o povo de Deus tinha apenas um conhecimento parcial de como as profecias relacionadas ao Reino se cumpririam. (1 Cor. 13:9, 10, 12) Em nosso zelo de ver o cumprimento das promessas de Deus, já aconteceu de chegarmos a conclusões equivocadas. Com o passar dos anos, ficou evidente a sabedoria de outra declaração feita no número de A Sentinela citado no parágrafo anterior. O artigo disse: “Parece uma regra segura a ser seguida, de que só podemos entender as profecias depois que se cumprem ou durante o seu cumprimento.” Agora que estamos bem avançados no tempo do fim, muitas profecias sobre o Reino foram e estão sendo cumpridas. Visto que o povo de Deus é humilde e disposto a ser corrigido, Jeová tem permitido que o entendimento que eles têm de seu propósito se torne mais completo. O verdadeiro conhecimento se tornou abundante!

Refinamentos no entendimento testam o povo de Deus

20, 21. Como refinamentos no entendimento afetaram os cristãos no primeiro século?

20 Quando Jeová refina nosso entendimento da verdade, a condição de nosso coração é testada. Será que nossa fé e humildade nos motivarão a aceitar as mudanças? Os cristãos que  viviam em meados do primeiro século enfrentaram um teste assim. Por exemplo, imagine que você fosse um cristão judeu naquela época. Você tem profundo respeito pela Lei mosaica e se orgulha de seu legado nacional. Então, você recebe cartas inspiradas do apóstolo Paulo dizendo que não é mais uma obrigação obedecer à Lei e que Jeová rejeitou o Israel natural para ajuntar um Israel espiritual composto tanto de judeus como de gentios. (Rom. 10:12; 11:17-24; Gál. 6:15, 16; Col. 2:13, 14) Como você teria reagido?

21 Os cristãos humildes aceitaram a explicação inspirada de Paulo e foram abençoados por Jeová. (Atos 13:48) Outros ficaram ressentidos com os refinamentos e preferiram continuar com o seu próprio entendimento. (Gál. 5:7-12) Se não mudassem seu modo de pensar, aquelas pessoas perderiam a oportunidade de reinar com Cristo. — 2 Ped. 2:1.

22. Como você se sente em relação aos ajustes em nosso entendimento do propósito de Deus?

22 Em décadas recentes, Jeová refinou nosso entendimento sobre o Reino. Por exemplo, ele nos ajudou a entender melhor quando os futuros súditos do Reino serão separados dos que rejeitam as boas novas, assim como se separam ovelhas de cabritos. Também nos ensinou quando o número total dos 144 mil será completado, o que as ilustrações do Reino contadas por Jesus significam e quando o último ungido será ressuscitado para a vida celestial. * Como você reage a esclarecimentos assim? Sua fé fica mais forte? Você os encara como evidência de que Jeová continua instruindo seus humildes servos? As informações que encontrará neste livro reforçarão sua convicção de que Jeová está revelando progressivamente seu propósito aos que o temem.

^ parágrafo 4 O nome de Jeová é uma forma de um verbo hebraico que significa “vir a ser”, “tornar-se”. Esse nome indica que ele é o Cumpridor de suas promessas. Veja o quadro “O significado do nome de Deus”, na página 43.

^ parágrafo 6 Embora esse período pareça muito longo hoje, devemos nos lembrar de que os humanos viviam muito mais tempo. Por exemplo, a duração da vida de apenas quatro pessoas foi suficiente para abranger o período entre Adão e Abraão. Adão foi contemporâneo de Lameque, pai de Noé; Lameque foi contemporâneo de Sem, filho de Noé; e Sem foi contemporâneo de Abraão. — Gên. 5:5, 31; 9:29; 11:10, 11; 25:7.

^ parágrafo 13 O nome “Satanás” aparece 18 vezes nas Escrituras Hebraicas. Mas esse termo aparece mais de 30 vezes nas Escrituras Gregas Cristãs. Apropriadamente, as Escrituras Hebraicas não deram ênfase indevida a Satanás, mas se concentraram em identificar o Messias. Quando o Messias chegou, ele expôs totalmente a Satanás, fato registrado nas Escrituras Gregas Cristãs.

^ parágrafo 22 Para uma consideração de alguns desses refinamentos em nosso entendimento, veja os seguintes números de A Sentinela: 15 de outubro de 1995, páginas 23-28; 15 de janeiro de 2008, páginas 20-24; 15 de julho de 2008, páginas 17-21; 15 de julho de 2013, páginas 9-14.