Pular para conteúdo

Pular para sumário

 CAPÍTULO 20

O ministério de socorros

O ministério de socorros

FOCO DO CAPÍTULO

O amor cristão em ação quando ocorrem catástrofes

1, 2. (a) Que dificuldade os cristãos na Judeia enfrentaram? (b) Que ato de amor beneficiou os cristãos da Judeia?

É POR volta do ano 46 EC, e a Judeia é afligida por uma terrível fome. Os discípulos judeus de Cristo que moram ali não têm condições de pagar os preços exorbitantes do escasso suprimento de cereais disponível. Eles estão famintos, correndo o risco de perder a vida. Mas estão prestes a sentir a mão protetora de Jeová de uma forma como nenhum outro discípulo de Cristo já sentiu. O que está para acontecer?

2 Comovidos com o sofrimento dos cristãos judeus em Jerusalém e na Judeia, cristãos judeus e gentios em Antioquia, Síria, recolhem fundos para seus irmãos. Daí eles escolhem dois irmãos responsáveis dentre si, Barnabé e Saulo, para entregar os suprimentos de emergência aos anciãos das congregações em Jerusalém. (Leia Atos 11:27-30; 12:25.) Imagine como os irmãos afetados na Judeia devem ter ficado emocionados com esse ato de amor por parte de seus irmãos em Antioquia.

3. (a) Como o povo de Deus nos tempos modernos ainda segue o modelo deixado pelos cristãos em Antioquia? Dê um exemplo. (Veja também o quadro “ Nossa primeira prestação de socorros nos tempos modernos”.) (b) Que perguntas analisaremos neste capítulo?

3 Esse acontecimento, que remonta ao primeiro século EC, é o primeiro de que se tem registro em que cristãos numa parte do mundo enviaram ajuda material a cristãos em outra parte. Hoje, seguimos o modelo deixado pelos irmãos em Antioquia. Quando ficamos sabendo que cristãos são afligidos por uma catástrofe ou outras dificuldades, nós agimos para ajudá-los. * Para entendermos a relação entre ajuda humanitária e nossas outras atividades ministeriais, analisemos três perguntas sobre o ministério de socorros: por que encaramos esse tipo de serviço como um ministério? Quais são os objetivos dessa ajuda? Como nos beneficiamos do ministério de socorros?

Por que o serviço humanitário é “serviço sagrado”

4. O que Paulo disse aos coríntios sobre o ministério cristão?

4 Em sua segunda carta aos coríntios, Paulo explicou que os cristãos têm um ministério duplo. Embora essa carta fosse dirigida aos cristãos ungidos, hoje suas palavras também se aplicam às “outras ovelhas” de Cristo. (João 10:16) Uma parte de nosso ministério é “o ministério da reconciliação”, ou  seja, a obra de pregação e ensino. (2 Cor. 5:18-20; 1 Tim. 2:3-6) A outra envolve um “ministério destinado aos santos”, conforme mencionado por Paulo, ou seja, o ministério de socorros que realizamos em benefício de nossos irmãos. (2 Cor. 8:4) Quanto às expressões “ministério da reconciliação” e “ministério destinado aos santos”, nos dois casos a palavra “ministério” é a tradução de uma forma da palavra grega di·a·ko·ní·a. Por que isso é significativo?

5. Por que é significativo que Paulo tenha se referido ao serviço humanitário como um ministério?

5 Por usar a mesma palavra grega para essas duas atividades, Paulo associou o serviço humanitário a outros tipos de ministério que eram realizados na congregação cristã. Ele havia dito: “Há variedades de ministérios, contudo há o mesmo Senhor; e há variedades de operações, . . . Mas [elas] são realizadas pelo mesmíssimo espírito.” (1 Cor. 12:4-6, 11) De fato, Paulo relacionou os vários ministérios congregacionais com “serviço sagrado”. * (Rom. 12:1, 6-8) Não é de surpreender que ele tenha achado apropriado dedicar parte de seu tempo “para ministrar aos santos”. — Rom. 15:25, 26.

6. (a) Conforme Paulo explicou, por que o serviço humanitário faz parte de nossa adoração? (b) Descreva como a ajuda humanitária que prestamos é realizada hoje no mundo todo. (Veja o quadro “ Quando ocorre uma catástrofe”, na página 214.)

6 Paulo ajudou os coríntios a ver por que o serviço humanitário fazia parte do ministério deles e da adoração que prestavam a Jeová. Note o raciocínio dele: os cristãos que prestam ajuda humanitária fazem isso porque são “submissos às boas novas a respeito do Cristo”. (2 Cor. 9:13) Assim, motivados pelo desejo de colocar em prática os ensinos de Cristo, os cristãos ajudam seus irmãos. Conforme Paulo disse, suas ações bondosas a favor dos irmãos não são nada mais do que expressões “da sobrepujante benignidade imerecida de Deus”. (2 Cor. 9:14; 1 Ped. 4:10) Referindo-se a servir aos irmãos em necessidade, o que inclui prestar ajuda humanitária, A Sentinela de 1.° de março de 1976 disse com razão: “Não devemos duvidar de que Jeová Deus e seu Filho Jesus Cristo deem real importância a esta espécie de serviço.” Fica claro assim que prestar ajuda humanitária é uma forma importante de serviço sagrado. — Rom. 12:1, 7; 2 Cor. 8:7; Heb. 13:16.

Ajuda humanitária com objetivos claros

7, 8. Qual é o primeiro objetivo de nosso ministério de socorros? Explique.

7 Quais são os objetivos de nosso ministério de socorros? Paulo considerou essa questão em sua segunda carta aos coríntios. (Leia 2 Coríntios 9:11-15.) Nesses versículos, Paulo destaca três objetivos que alcançamos por meio do “ministério deste serviço público”, ou seja, o de prestar ajuda humanitária. Analisemos um de cada vez.

8 Primeiro, nosso ministério de socorros traz glória a Jeová. Note quantas vezes nos cinco versículos citados no parágrafo anterior Paulo dirige a atenção de seus irmãos para Jeová  Deus. O apóstolo os lembra de “uma expressão de agradecimento a Deus” e “muitas expressões de agradecimentos a Deus”. (Versículos 11, 12) Ele menciona como o serviço humanitário faz com que os cristãos ‘glorifiquem a Deus’ e louvem a “sobrepujante benignidade imerecida de Deus”. (Versículos 13, 14) E Paulo conclui sua consideração sobre o ministério de socorros com a declaração: “Graças a Deus.” — Versículo 15; 1 Ped. 4:11.

9. Que mudança no modo de pensar os serviços humanitários podem causar? Cite um exemplo.

9 Assim como Paulo, os servos de Deus hoje encaram a ajuda humanitária como uma oportunidade para trazer glória a Jeová e adornar seus ensinamentos. (1 Cor. 10:31; Tito 2:10) De fato, prestar esse tipo de ajuda muitas vezes tem um papel importante em eliminar conceitos negativos que alguns têm sobre Jeová e suas Testemunhas. Para ilustrar: uma mulher que vivia numa área atingida por um furacão tinha uma placa em sua porta que dizia “Testemunhas de Jeová — não batam”. Daí, certo dia, ela viu pessoas prestando ajuda humanitária do outro lado de sua rua, consertando uma casa danificada. Por dias, ela observou aqueles trabalhadores simpáticos e então foi até lá para descobrir quem eram eles. Quando soube que eram Testemunhas de Jeová, ela ficou impressionada e disse: “Eu os julguei mal.” O resultado? Ela tirou a placa de sua porta.

10, 11. (a) Que exemplos mostram que estamos cumprindo o segundo objetivo de nosso serviço humanitário? (b) Que publicação auxilia os que prestam ajuda humanitária? (Veja o quadro “ Uma ferramenta adicional para os que prestam socorros”.)

10 Segundo, ‘suprimos abundantemente a carência’ de nossos irmãos. (2 Cor. 9:12a) Nós suprimos prontamente as necessidades imediatas de nossos irmãos e ajudamos a aliviar o sofrimento deles. Por quê? Porque os membros da congregação constituem “um só corpo” e, “se um membro sofre, todos os outros membros sofrem com ele”. (1 Cor. 12:20, 26) Por isso, a afeição fraternal e a compaixão motivam muitos irmãos e irmãs a deixar de lado o que estão fazendo, apanhar suas ferramentas e se dirigir a áreas atingidas por desastres a fim de ajudar seus irmãos. (Tia. 2:15, 16) Por exemplo, depois que um tsunami atingiu o Japão em 2011, a filial dos Estados Unidos enviou uma carta às Comissões Regionais de Construção nos Estados Unidos indagando se “alguns irmãos qualificados” estariam disponíveis para ajudar a reconstruir Salões do Reino ali. Qual foi a reação? Em poucas semanas, quase 600 voluntários se colocaram à disposição — e concordaram em pagar suas próprias passagens aéreas. “Ficamos impressionados com a reação dos irmãos”, comentou a filial dos Estados Unidos. Quando um irmão no Japão perguntou a um voluntário de outro país por que ele tinha ido ajudar, a resposta foi: “Nossos irmãos no Japão fazem parte do ‘nosso corpo’. Nós sentimos a dor e o sofrimento deles.” Motivados por amor altruísta, os voluntários que prestam ajuda humanitária às vezes chegam a arriscar a vida para ajudar seus irmãos. * — 1 João 3:16.

 11 Pessoas que não são Testemunhas de Jeová também valorizam nosso serviço humanitário. Por exemplo, depois que uma catástrofe castigou o Estado de Arkansas, EUA, em 2013, um jornal comentou a rápida reação dos voluntários Testemunhas de Jeová, dizendo: “A estrutura organizacional das Testemunhas de Jeová colocou a prestação voluntária de socorros num patamar elevado.” Conforme dito pelo apóstolo Paulo, ‘suprimos abundantemente a carência’ de nossos irmãos.

12-14. (a) Por que é tão importante cumprir o terceiro objetivo de nossos serviços humanitários? (b) Que comentários destacam a importância de continuarmos com nossas atividades espirituais?

12 Terceiro, ajudamos as vítimas a retomar sua rotina espiritual. Por que isso é importante? Paulo disse que os que recebem ajuda humanitária se sentem motivados a fazer “muitas expressões de agradecimentos a Deus”. (2 Cor. 9:12b) Existe maneira melhor para as vítimas expressar sua gratidão a Jeová do que retomar sua rotina espiritual o mais rápido possível? (Fil. 1:10) A Sentinela em inglês comentou em 1945: “Paulo aprovou . . . o recolhimento de contribuições porque isso ajudava . . . os irmãos cristãos necessitados a receber socorros materiais e assim poder participar mais livre e vigorosamente na obra de Jeová de dar testemunho.” Nosso objetivo não mudou. Por voltarem a pregar, nossos irmãos fortalecem não apenas outras vítimas, mas também a si mesmos. — Leia 2 Coríntios 1:3, 4.

13 Veja comentários de alguns que receberam a tão necessária ajuda humanitária, retomaram o ministério e foram fortalecidos por fazer isso. “Foi uma bênção para nossa família sair no campo”, comentou um irmão. “Enquanto tentávamos consolar outros, deixamos um pouco de lado nossas próprias preocupações.” Uma irmã disse: “Me concentrar em atividades espirituais me fez esquecer um pouco a destruição ao meu redor. Isso me deu um senso de segurança.” Outra irmã disse: “Embora muitas coisas estivessem fora do nosso controle, o ministério deu rumo à minha família. Falar a outros sobre a esperança do novo mundo fortaleceu nossa confiança de que Deus fará novas todas as coisas.”

14 Assistir às reuniões é outra atividade espiritual que nossos irmãos afligidos por catástrofes precisam voltar a fazer o mais rápido possível. Veja o que aconteceu com Kiyoko, uma irmã que na época tinha quase 60 anos. Depois de perder tudo que tinha num tsunami, com exceção da roupa e das sandálias que estava usando, ela não fazia ideia de como sobreviveria. Daí, um ancião lhe disse que eles realizariam sua reunião cristã no carro dele. Kiyoko diz: “No carro estávamos eu, o ancião com a esposa e outra irmã. A reunião foi simples, mas, por incrível que pareça, as lembranças do tsunami simplesmente desapareceram. Senti paz mental. Aquela reunião me mostrou a força do companheirismo cristão.” Comentando as reuniões a  que assistiu após uma catástrofe, outra irmã disse: “Sem elas, eu não teria sobrevivido.” — Rom. 1:11, 12; 12:12.

O ministério de socorros traz benefícios duradouros

15, 16. (a) Que benefícios os cristãos em Corinto e em outros lugares receberam por participar na prestação de socorros? (b) De modo similar, como somos beneficiados pela ajuda humanitária prestada hoje?

15 Em sua consideração sobre o ministério de socorros, Paulo também explicou aos coríntios os benefícios que eles e outros cristãos receberiam por participar nesse trabalho. Ele disse: “Eles [os cristãos judeus em Jerusalém que receberam a ajuda], com súplicas por vós, têm saudade de vós, por causa da sobrepujante benignidade imerecida de Deus para convosco.” (2 Cor. 9:14) A generosidade dos coríntios motivou os cristãos judeus a orar em benefício de seus irmãos em Corinto, incluindo gentios, e aumentou a afeição que tinham por eles.

16 Aplicando as palavras de Paulo sobre os benefícios do serviço humanitário, A Sentinela de 1.° de dezembro de 1945, em inglês, declarou: “Quando uma parte do povo consagrado de Deus contribui para as necessidades de outra parte, pense no efeito unificador que isso tem!” É exatamente esse o benefício recebido pelos que prestam ajuda humanitária hoje. “Participar nesse serviço me fez sentir mais próximo de meus irmãos como nunca antes”, diz um ancião que ajudou vítimas de uma enchente. Uma irmã que recebeu ajuda expressou assim sua gratidão: “Nossa fraternidade é a coisa que mais se aproxima do Paraíso.” — Leia Provérbios 17:17.

17. (a) Como as palavras de Isaías 41:13 se aplicam ao serviço humanitário? (b) Cite alguns exemplos de como o serviço humanitário honra a Jeová e fortalece nossa união. (Veja também o quadro “ Voluntários em todo o mundo prestam ajuda”.)

 17 Quando voluntários chegam a um local onde houve uma calamidade, nossos irmãos atingidos sentem de maneira especial a veracidade da promessa de Deus: “Eu, Jeová, teu Deus, agarro a tua direita, Aquele que te diz: ‘Não tenhas medo. Eu mesmo te ajudarei.’” (Isa. 41:13) Depois de sobreviver a uma catástrofe, uma irmã disse: “Eu me senti desalentada ao ver os estragos, mas Jeová me estendeu a mão. Não tenho palavras para descrever a ajuda que recebi dos irmãos.” Depois que uma catástrofe assolou uma região, dois anciãos escreveram em nome das congregações em que servem: “O terremoto causou grande sofrimento, mas sentimos a ajuda de Jeová por meio de nossos irmãos. Já tínhamos lido sobre ajuda humanitária, mas pudemos vê-la em ação diante de nossos olhos.”

Você pode ajudar?

18. O que você pode fazer se tem o desejo de participar em ajuda humanitária? (Veja também o quadro “ Um serviço que traçou o rumo da vida dele”.)

18 Você gostaria de sentir a alegria proporcionada pelo serviço de ajuda humanitária? Nesse caso, tenha em mente que os que participam nesse serviço geralmente são escolhidos dentre os que já apoiam construções de Salões do Reino. Então diga aos anciãos que você gostaria de preencher uma petição. Um ancião com muita experiência em prestar ajuda humanitária dá o seguinte lembrete: “Viaje para o local atingido só depois de receber um convite oficial de uma Comissão de Ajuda Humanitária.” Assim, nossos socorros serão prestados de modo organizado.

19. Como os que prestam serviço humanitário ajudam a provar que somos realmente discípulos de Cristo?

19 Prestar ajuda humanitária é sem dúvida uma maneira notável de obedecermos à ordem de Cristo de ‘nos amar uns aos outros’. Por mostrar esse amor, provamos que somos realmente discípulos de Cristo. (João 13:34, 35) Que bênção é para nós hoje ter tantos trabalhadores dispostos que trazem glória a Jeová à medida que prestam a necessária ajuda humanitária aos que apoiam lealmente o Reino de Deus!

^ parágrafo 3 Este capítulo considera serviços humanitários prestados em benefício de nossos irmãos. No entanto, em muitos casos, nossos serviços também beneficiam pessoas que não são Testemunhas de Jeová. — Gál. 6:10.

^ parágrafo 5 Paulo usou a forma plural di·á·ko·nos (ministro) para descrever “servos ministeriais”. — 1 Tim. 3:12.

^ parágrafo 10 Veja o artigo “Ajudamos nossa família da fé na Bósnia”, no número de 1.° de novembro de 1994 de A Sentinela, páginas 23-27.