Pular para conteúdo

Pular para sumário

‘Sempre que orar, diga: “Pai”’

‘Sempre que orar, diga: “Pai”’

 ‘Sempre que orar, diga: “Pai”’

“Pai.” O que lhe vem à mente quando ouve essa palavra? Um homem amoroso e carinhoso que se preocupa muito com o bem-estar de sua família? Ou alguém negligente, talvez até agressivo? Depende muito do tipo de pessoa que foi seu pai.

JESUS costumava usar a palavra “Pai” ao se dirigir a Deus e ao falar sobre ele. * Quando ensinou seus seguidores a orar, Jesus disse: “Sempre que orardes, dizei: ‘Pai’.” (Lucas 11:2) Mas que tipo de pai é Jeová? A resposta a essa pergunta é de máxima importância. Por quê? Quanto mais entendermos o tipo de pai que Jeová é, mais nos achegaremos a ele e mais o amaremos.

Ninguém está em melhores condições de falar sobre nosso Pai celestial do que o próprio Jesus. Ele tinha um relacionamento achegado com seu Pai. Jesus disse: “Ninguém conhece plenamente o Filho, exceto o Pai, tampouco há quem conheça plenamente o Pai, exceto o Filho e todo aquele a quem  o Filho estiver disposto a revelá-lo.” (Mateus 11:27) Assim, a melhor forma de conhecer o Pai é por meio do Filho.

O que Jesus nos ensinou sobre nosso Pai celestial? Veja o que ele disse: “Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, a fim de que todo aquele que nele exercer fé não seja destruído, mas tenha vida eterna.” (João 3:16) Essas palavras de Jesus destacam a qualidade predominante de nosso Pai celestial: o amor. (1 João 4:8) Jeová manifesta seu amor de várias maneiras, como por mostrar sua aprovação e compaixão, dar proteção e disciplina, e prover nosso sustento.

Certeza da aprovação de nosso Pai

Sentir a aprovação dos pais fortalece e anima os filhos. Imagine como Jesus deve ter se sentido ao ouvir seu Pai dizer: “Este é meu Filho, o amado, a quem tenho aprovado.” (Mateus 3:17) Jesus, por sua vez, nos ajuda a ter certeza de que o Pai nos ama e aprova. Ele disse: “Quem me ama, será amado por meu Pai.” (João 14:21) Que palavras animadoras! Mas existe alguém que não quer que você tenha essa alegria.

Satanás tenta criar dúvidas em nossa mente quanto à aprovação de nosso Pai celestial. Ele quer nos convencer de que não somos dignos disso. Muitas vezes, tenta fazer isso quando estamos mais vulneráveis — enfraquecidos pela idade avançada ou doença, emocionalmente fragilizados ou sobrecarregados com o peso de nossos erros ou decepções. Veja o caso de Lucas, que achava que não merecia a aprovação de Deus. Ele conta que, quando era adolescente, seus pais abandonaram muitos dos valores espirituais que eles mesmos haviam lhe ensinado. Talvez por isso, ele achava difícil se achegar a seu Pai celestial. Lucas também era impulsivo e se metia em dificuldades, em especial ao se relacionar com outros. Mas sua esposa, uma pessoa paciente e positiva que ele chama de “uma bênção especial e um presente de Deus”, aos poucos o ajudou a controlar seu gênio impulsivo. Ele conseguiu perceber que “Cristo Jesus veio ao mundo para salvar pecadores”. (1 Timóteo 1:15) Lucas diz que meditar no amor e na aprovação de Deus tem contribuído para sua felicidade e senso de realização.

Se você às vezes duvida do amor ou da aprovação de Jeová, talvez ache encorajador meditar em Romanos 8:31-39. Ali, o apóstolo Paulo amorosamente nos garante que nada pode “nos separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor”. *

Um Pai de terna compaixão

Nosso Pai celestial é sensível ao nosso sofrimento. Ele é um Deus de “terna compaixão”. (Lucas 1:78) Jesus mostrou essa mesma compaixão pelos humanos imperfeitos. (Marcos 1:40-42; 6:30-34) Os cristãos verdadeiros também procuram imitar a compaixão de seu Pai celestial. Acatam o conselho da Bíblia de se tornarem “benignos uns para com os outros, ternamente compassivos”. — Efésios 4:32.

Pense no que aconteceu com um homem chamado Felipe. Certo dia, a caminho do trabalho, ele repentinamente sentiu uma dor terrível nas costas, como se tivesse levado uma facada. Ele foi levado às pressas para o hospital. Após um exame de oito horas, os médicos concluíram que a camada interna de sua aorta havia se rompido. Disseram que ele só tinha 25 minutos de vida e que não valia a pena operar.

Alguns companheiros de adoração de Felipe estavam lá, e sua compaixão os motivou a agir. Tomaram providências imediatas para que ele fosse transferido para outro hospital, onde foi realizada uma operação de emergência, e ficaram com ele até o fim da cirurgia.  Felizmente, Felipe sobreviveu a esses momentos angustiantes. Quando reflete no que aconteceu, ele se sente grato pela compaixão demonstrada por seus irmãos na fé. Mas está convencido de que era seu Pai celestial que estava por trás da compaixão deles. “Foi como se Deus, igual a um pai amoroso, estivesse do meu lado para me dar forças”, diz Felipe. De fato, Jeová muitas vezes demonstra sua compaixão por motivar seus servos na Terra a mostrar essa qualidade.

Nosso Pai nos dá proteção

Quando uma criancinha se sente em perigo, ela talvez corra até seu pai em busca de proteção. O filho se sente seguro nos braços de seu pai amoroso. Jesus confiava totalmente em Jeová como protetor. (Mateus 26:53; João 17:15) Nós também podemos nos sentir seguros sob a proteção de nosso Pai celestial. Hoje, ele nos protege principalmente em sentido espiritual, ou seja, contra coisas que podem prejudicar nossa espiritualidade. Ele faz isso por nos equipar com o que precisamos para evitar perigos e proteger nossa amizade com ele, como por exemplo através de conselhos baseados na Bíblia. Quando recebemos esses conselhos, é como se Jeová estivesse andando atrás de nós, dizendo: “Este é o caminho. Andai nele.” — Isaías 30:21.

Considere o exemplo de Tiago e seus irmãos, Fernando e Rafael, que tocavam numa banda de rock. Eles ficaram muito empolgados quando foram escolhidos para se apresentar numa das casas de shows mais famosas de São Paulo, Brasil. Parecia que estavam a caminho do sucesso. Mas um amigo, que também era cristão, os alertou contra os perigos de ter muita convivência com pessoas que têm um estilo de vida que desconsidera os princípios de Deus. (Provérbios 13:20) Ele reforçou esse conselho baseado na Bíblia por contar o que havia acontecido com seu irmão, que tinha se envolvido em conduta errada por causa de más companhias. Tiago e seus irmãos decidiram abandonar sua carreira na música. Hoje, os três se empenham no serviço de Deus por tempo integral. Acreditam que acatar os conselhos da Palavra de Deus os protegeu de perigos espirituais.

Nosso Pai celestial nos disciplina

Um pai amoroso disciplina seus filhos, pois se preocupa com o tipo de pessoas que eles se tornarão. (Efésios 6:4) Um pai assim talvez seja firme ao corrigir os filhos, mas nunca é duro demais. De modo similar, às vezes nosso Pai celestial talvez ache necessário nos disciplinar. Mas a disciplina de Deus é sempre dada com amor, nunca de modo  agressivo. Assim como seu Pai, Jesus nunca era duro, nem quando seus discípulos demoravam para corresponder à necessária correção. — Mateus 20:20-28; Lucas 22:24-30.

Veja como um homem chamado Ricardo percebeu que Jeová o havia disciplinado com amor. Ele foi abandonado pelo pai quando tinha apenas 7 meses. Ao entrar na adolescência, sentia muita falta de um pai. Ricardo fez muitas coisas erradas, e sua consciência começou a atormentá-lo. Percebendo que sua vida não estava de acordo com as normas cristãs de moral, decidiu falar com os anciãos de sua congregação. Eles lhe deram conselhos firmes, mas amorosos, baseados na Bíblia. Ricardo ficou grato pela disciplina, mas por causa do que tinha feito continuou a sofrer muito — noites sem dormir, lágrimas, depressão. Por fim, deu-se conta de que o fato de Jeová o ter disciplinado significava que ele ainda o amava. Ricardo lembrou-se de Hebreus 12:6: “Jeová disciplina aquele a quem ama.”

É bom ter em mente que a disciplina envolve mais do que punir ou repreender alguém por uma conduta errada. A Bíblia também associa a disciplina com treinamento. Assim, nosso amoroso Pai celestial talvez nos discipline por permitir que soframos por um tempo as consequências de nossos erros. Mas a Bíblia indica que sua disciplina nos treina e nos ajuda a tomar o rumo certo. (Hebreus 12:7, 11) De fato, nosso Pai realmente se preocupa com nosso bem-estar e nos corrige para o nosso próprio bem.

Nosso Pai nos dá o sustento

Um pai amoroso se esforça para prover o sustento para sua família. Jeová não é diferente. “Vosso Pai celestial sabe que necessitais de todas essas coisas”, disse Jesus. (Mateus 6:25-34) Jeová promete: “De modo algum te deixarei e de modo algum te abandonarei.” — Hebreus 13:5.

Uma mulher chamada Nice viu como isso é verdade quando seu marido perdeu o emprego. Fazia pouco tempo que ela havia deixado um trabalho bem remunerado a fim de ter mais tempo para suas duas filhas e para servir a Deus. Como se sustentariam agora? Ela orou a Jeová. No dia seguinte, seu marido voltou ao local de trabalho para buscar suas coisas. Imagine como ficou surpreso quando seu chefe lhe disse que havia acabado de surgir outra vaga e perguntou se ele a aceitava! Ou seja, o marido de Nice perdeu o emprego num dia e acabou recuperando-o no outro. Nice e seu marido agradeceram a seu Pai celestial pelo que aconteceu. Esse caso nos lembra que Jeová, nosso amoroso Provisor, nunca esquece de seus servos fiéis.

Gratidão pelo amor de nosso Pai

Não há palavras suficientes para descrever o extraordinário amor de nosso Pai celestial. Quando pensamos nas várias maneiras em que ele manifesta seu amor paternal — por mostrar sua aprovação e compaixão, dar proteção e disciplina, e prover nosso sustento —, com certeza chegamos à conclusão de que ele é o melhor Pai que poderíamos ter.

Como podemos demonstrar gratidão pelo amor que nosso Pai celestial tem mostrado por nós? Podemos fazer isso por nos esforçar para aprender mais sobre ele e seu propósito, por imitar seu amor em nosso relacionamento com outros e por harmonizar nossa vida com sua vontade e seus princípios. (João 17:3; 1 João 4:11; 5:3) Todas essas são formas de mostrar que encaramos a Jeová como nosso Pai e que consideramos uma honra ser seus filhos.

[Nota(s) de rodapé]

^ parágrafo 3 As Escrituras muitas vezes se referem a Jeová como um pai. Por exemplo, Jesus usou a palavra “Pai” umas 65 vezes nos três primeiros Evangelhos e mais de 100 vezes no Evangelho de João. Paulo também se referiu a Deus como “Pai” mais de 40 vezes em suas cartas. Jeová é nosso Pai no sentido de que ele é a Fonte de nossa vida.

^ parágrafo 9 Veja o capítulo 24, “Nada pode ‘nos separar do amor de Deus’”, do livro Achegue-se a Jeová, publicado pelas Testemunhas de Jeová.

[Destaque na página 19]

Quanto mais entendermos o tipo de pai que Jeová é, mais nos achegaremos a ele e mais o amaremos

[Destaque na página 22]

Podemos mostrar que encaramos a Jeová como nosso Pai e que consideramos uma honra ser seus filhos

[Quadro/Fotos na página 21]

JEOVÁ DEMONSTRA SEU AMOR PATERNAL DE VÁRIAS MANEIRAS

APROVAÇÃO

COMPAIXÃO

PROTEÇÃO

DISCIPLINA

SUSTENTO