As Boas Novas Segundo Mateus 11:1-30

11  Quando terminou de dar instruções aos seus 12 discípulos, Jesus partiu dali para ensinar e pregar nas cidades deles.+  Mas, na cadeia,+ João ouviu falar das obras do Cristo e enviou seus discípulos+  para lhe perguntar: “O senhor é Aquele Que Vem, ou devemos esperar outro?”+  Jesus lhes disse em resposta: “Vão, contem a João o que vocês estão ouvindo e vendo:+  os cegos agora veem,+ os mancos estão andando, os leprosos+ estão sendo purificados, os surdos estão ouvindo, os mortos estão sendo levantados e as boas novas estão sendo anunciadas aos pobres.+  Feliz é aquele que não acha em mim causa para tropeço.”+  Enquanto eles partiam, Jesus começou a falar às multidões sobre João: “O que vocês foram ver no deserto?+ Uma cana sacudida pelo vento?+  O que, então, foram ver? Um homem vestido de roupas finas?* Ora, os que usam roupas finas estão nos palácios dos reis.  Realmente, então, por que vocês foram lá? Para ver um profeta? Sim, eu lhes digo, e muito mais do que um profeta.+ 10  Esse é aquele a respeito de quem se escreveu: ‘Veja! Enviarei o meu mensageiro* na sua frente,* o qual preparará o seu caminho adiante de você!’+ 11  Digo-lhes a verdade: Entre os nascidos de mulher não surgiu ninguém maior do que João Batista; mas aquele que é menor no Reino dos céus é maior do que ele.+ 12  Desde os dias de João Batista até agora, o Reino dos céus é o alvo para o qual os homens avançam vigorosamente, e os que avançam vigorosamente se apoderam dele.+ 13  Pois todos, os Profetas e a Lei, profetizaram até João.+ 14  E, se vocês quiserem aceitar, ele é ‘Elias, que há de vir’.+ 15  Quem tem ouvidos, escute.+ 16  “Com quem compararei esta geração?+ Ela é semelhante a crianças sentadas nas praças, que gritam para seus colegas: 17  ‘Nós tocamos flauta para vocês, mas vocês não dançaram; nós lamentamos, mas vocês não bateram no peito de pesar.’ 18  Da mesma maneira, João veio sem comer e sem beber,+ mas as pessoas dizem: ‘Ele tem demônio.’ 19  O Filho do Homem veio comendo e bebendo,+ mas elas dizem: ‘Vejam! Um homem glutão e dado a beber vinho, amigo de cobradores de impostos e de pecadores.’+ No entanto, a sabedoria se prova justa* pelas suas obras.”*+ 20  Ele começou então a censurar as cidades nas quais se realizou a maioria das suas obras poderosas, pois não se arrependeram:+ 21  “Ai de você, Corazim! Ai de você, Betsaida! Porque, se as obras poderosas que ocorreram em vocês tivessem ocorrido em Tiro e Sídon, há muito tempo elas teriam se arrependido em pano de saco e em cinzas.+ 22  Mas eu lhes digo: No Dia do Julgamento será mais suportável para Tiro e Sídon+ do que para vocês.+ 23  E você, Cafarnaum,+ será por acaso enaltecida ao céu? Até a Sepultura você descerá.+ Porque, se as obras poderosas que ocorreram em você tivessem ocorrido em Sodoma, ela teria permanecido até o dia de hoje. 24  Mas eu lhes digo: No Dia do Julgamento será mais suportável para a terra de Sodoma do que para você.”+ 25  Em vista disso, naquela ocasião Jesus disse: “Eu te louvo publicamente, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste essas coisas dos sábios e dos intelectuais, e as revelaste aos pequeninos.+ 26  Sim, ó Pai, porque tu te agradaste de fazer as coisas dessa maneira. 27  Tudo me foi entregue por meu Pai.+ E ninguém conhece plenamente o Filho, exceto o Pai;+ e ninguém conhece plenamente o Pai, exceto o Filho e aquele a quem o Filho quiser revelá-lo.+ 28  Venham a mim, todos vocês que estão trabalhando duro* e estão sobrecarregados, e eu os reanimarei. 29  Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim,* pois sou de temperamento brando+ e humilde de coração,+ e acharão revigoramento para si mesmos. 30  Pois o meu jugo é suave* e a minha carga é leve.”

Notas de rodapé

Ou: “macias”.
Ou: “anjo”.
Lit.: “à frente da sua face”.
Ou: “é vindicada”.
Ou: “pelos seus resultados”.
Ou: “se esforçando muito”. Ou, possivelmente: “cansados; esgotados”.
Ou: “tornem-se meus discípulos (alunos)”.
Ou: “fácil de carregar; agradável”.

Notas de estudo

ensinando . . . pregando: Ensinar e pregar são coisas diferentes. A pessoa que ensina faz mais do que proclamar: ela instrui, explica, dá argumentos convincentes e prova o que está dizendo. — Veja as notas de estudo em Mt 3:1; 28:20.

ensinar e pregar: Veja a nota de estudo em Mt 4:23.

nas cidades deles: Pelo visto se refere às cidades judaicas que ficavam naquela região (Galileia).

Cristo: Esse título vem da palavra grega Khristós e equivale ao título “Messias” (do hebraico mashíahh). Tanto a palavra grega como a hebraica significam “ungido”. É uma referência a uma cerimônia que existia nos tempos bíblicos: quando um governante era escolhido, alguém o ungia, ou seja, derramava óleo em sua cabeça.

o Cristo: Aqui, Mateus usou o artigo definido em grego antes do título “Cristo”. Provavelmente, ele fez isso para destacar o papel de Jesus como o Messias.

do Cristo: Aqui, Mateus usou o artigo definido em grego antes do título “Cristo”, que significa “ungido”. Isso indicava que Jesus era o prometido Messias, aquele que foi ungido, ou escolhido, para um cargo especial. — Veja as notas de estudo em Mt 1:1; 2:4.

Aquele Que Vem: Ou seja, o Messias. — Sal 118:26; Mt 3:11; 21:9; 23:39.

um leproso: Pessoa que sofria de uma grave doença de pele. A lepra mencionada na Bíblia não é apenas a doença que hoje é chamada de lepra (hanseníase). Se uma pessoa tivesse lepra, ela tinha que viver isolada até que ficasse curada. — Le 13:2, nota de rodapé, 45, 46; veja o Glossário, “Lepra; Leproso”.

leprosos: Veja a nota de estudo em Mt 8:2 e o Glossário.

Vejam!: A palavra grega idoú, que às vezes é traduzida como “veja” ou “vejam”, costuma ser usada para chamar a atenção do leitor para o que vai ser dito em seguida. Ela incentiva o leitor a visualizar a cena ou a observar algum detalhe da narrativa. Também é usada para enfatizar algo ou para apresentar algo novo ou surpreendente. Nas Escrituras Gregas Cristãs, os livros de Mateus, Lucas e Apocalipse são os que mais usam essa palavra. Em hebraico existe uma expressão equivalente, e ela é usada muitas vezes nas Escrituras Hebraicas.

Eu lhes garanto: Ou: “Digo a vocês a verdade.” Em grego, essa frase inclui a palavra amén. Ela é uma transliteração da palavra hebraica ʼamén, que significa “assim seja” ou “com certeza”. Jesus muitas vezes usava essa palavra antes de fazer uma declaração importante, promessa ou profecia. Era um modo de enfatizar que suas palavras iam se cumprir com certeza e que seus ouvintes podiam confiar nelas. Alguns estudiosos afirmam que não há ninguém que use a palavra amén do mesmo modo que Jesus, nem na Bíblia nem em outros livros sagrados. Nas vezes em que a palavra aparece repetida (amén amén), como acontece várias vezes no Evangelho de João, a expressão é traduzida como “com toda a certeza”. — Veja a nota de estudo em Jo 1:51.

Batista: Ou: “o Imersor; o Mergulhador”. Em Mr 1:4 e 6:14, 24, ele é chamado de “o Batizador”. Pelo visto, João ficou bem conhecido por batizar, ou mergulhar, pessoas na água, e por isso começaram a chamá-lo de “Batista”, como um tipo de sobrenome. Ao falar sobre João, o historiador judeu Flávio Josefo o chamou de “João, cognominado [que tinha o sobrenome] Batista”.

Digo-lhes a verdade: Veja a nota de estudo em Mt 5:18.

Batista: Ou: “o Imersor; o Mergulhador”. — Veja a nota de estudo em Mt 3:1.

o alvo para o qual os homens avançam vigorosamente . . . os que avançam vigorosamente: Essas duas expressões traduzem duas palavras gregas relacionadas, um verbo e um substantivo, que transmitem a ideia básica de ação enérgica ou esforço vigoroso. Alguns tradutores da Bíblia entendem que essas palavras têm sentido negativo (de sofrer ou praticar violência). Mas, com base no contexto e na única outra ocorrência do verbo grego, em Lu 16:16, é razoável concluir que as palavras gregas são usadas aqui com sentido positivo. Nesse caso, significa “ir atrás de algo com entusiasmo; buscar fervorosamente”. Tudo indica que elas descrevem a ação enérgica ou o esforço vigoroso dos que aceitaram a mensagem de João Batista. Esse esforço abriu para eles a oportunidade de se tornar herdeiros do Reino.

a Lei . . . os Profetas: “A Lei” são os livros de Gênesis a Deuteronômio. “Os Profetas” são os livros das Escrituras Hebraicas escritos pelos profetas. Mas, quando as duas expressões são mencionadas juntas, elas podem se referir a todos os livros das Escrituras Hebraicas. — Mt 7:12; 22:40; Lu 16:16.

os Profetas e a Lei: Em todas as outras ocorrências, essa expressão aparece como “a Lei e os Profetas”, mas aqui ela aparece invertida. (Mt 5:17; 7:12; 22:40; Lu 16:16) Pelo visto, o significado é basicamente o mesmo. (Veja a nota de estudo em Mt 5:17.) Mas aqui parece que se dá mais ênfase às profecias contidas nas Escrituras Hebraicas. Até mesmo a Lei é descrita como profetizando, o que destaca que a Lei também continha profecias.

Elias: Nome de origem hebraica que significa “meu Deus é Jeová”.

bateram no peito de pesar: Nos tempos bíblicos, era costume bater repetidamente no peito para expressar tristeza profunda, culpa ou arrependimento. — Is 32:12; Na 2:7; Lu 23:48.

sem comer e sem beber: Pelo visto se refere ao fato de que João levava uma vida com algumas restrições. Ele praticava o jejum e seguia a instrução dada aos nazireus de não tomar bebidas alcoólicas. — Núm 6:2-4; Mt 9:14, 15; Lu 1:15; 7:33.

Filho do Homem: Ou: “Filho de um Humano”. Essa expressão aparece umas 80 vezes nos Evangelhos, e Jesus a usava para se referir a ele mesmo. Pelo visto, ele queria destacar que era realmente um humano, nascido de uma mulher, e que era um equivalente perfeito de Adão. Assim, ele poderia dar a sua vida para livrar a humanidade do pecado e da morte. (Ro 5:12, 14, 15) A expressão também mostrava que Jesus era o Messias, ou o Cristo. — Da 7:13, 14; veja o Glossário.

cobradores de impostos: Muitos judeus trabalhavam para as autoridades romanas como cobradores de impostos. Eles eram odiados pelos outros judeus porque, além de colaborarem com o governo de Roma (que os judeus odiavam), eles roubavam o povo, cobrando mais dinheiro do que o imposto oficial. Os judeus em geral não se misturavam com cobradores de impostos e os consideravam como estando no mesmo nível de pecadores e prostitutas. — Mt 11:19; 21:32.

Filho do Homem: Veja a nota de estudo em Mt 8:20.

cobradores de impostos: Veja a nota de estudo em Mt 5:46.

a sabedoria se prova justa pelas suas obras: Neste versículo, Jesus falou da sabedoria como se ela fosse uma pessoa e disse que ela tem “obras”. No relato paralelo em Lu 7:35, a sabedoria é descrita como tendo “filhos”. Os filhos (as obras) da sabedoria eram as ações de João Batista e de Jesus. Essas ações provavam que as acusações contra eles eram falsas. Em outras palavras, Jesus estava dizendo: ‘É só observar que as obras e a conduta da pessoa são justas, e vocês saberão que a acusação é falsa.’

Cafarnaum: Vem de um nome hebraico que significa “aldeia de Naum” ou “aldeia de consolo”. (Na 1:1, nota de rodapé) Cafarnaum ficava na margem noroeste do mar da Galileia. Muitos acontecimentos importantes do ministério de Jesus ocorreram ali, e em Mt 9:1 Cafarnaum é chamada de “sua própria cidade”.

Cafarnaum: Veja a nota de estudo em Mt 4:13.

céu: Nessa metáfora, o céu representa uma posição muito favorecida.

a Sepultura: Ou: “Hades”. Neste contexto, a Sepultura representa o rebaixamento, ou a humilhação, que Cafarnaum sofreria.

será mais suportável: Pelo visto, essa comparação era uma hipérbole, e Jesus não esperava que suas palavras fossem entendidas literalmente. (Compare com outras vezes em que Jesus usou hipérboles, como em Mt 5:18; Lu 16:17 e 21:33.) Quando Jesus disse que “naquele dia [o dia do julgamento] será mais suportável para Sodoma” (Mt 10:15; 11:22, 24; Lu 10:14), ele não estava afirmando que os habitantes de Sodoma estarão presentes no dia do julgamento. (Veja Judas 7.) Pode ser que Jesus estivesse apenas querendo mostrar o tamanho da culpa dos que não reagiam à mensagem do Reino. Essa era a situação da maioria das pessoas das cidades de Corazim, Betsaida e Cafarnaum. (Lu 10:13-15) O que aconteceu com a cidade de Sodoma se tornou muito conhecido e, com frequência, era citado quando se falava de julgamentos de Deus e de sua ira. — De 29:23; Is 1:9; La 4:6.

será mais suportável para: Veja a nota de estudo em Lu 10:12.

para você: O pronome grego usado aqui está no singular, o que parece indicar que se refere à cidade de Cafarnaum.

aos pequeninos: Ou: “aos que são como crianças”, ou seja, que são humildes e dispostos a aprender.

sobrecarregados: As pessoas que Jesus convidou para segui-lo estavam ‘sobrecarregadas’ pelas ansiedades e pelo ‘trabalho duro’ de seguir as tradições que os escribas e os fariseus tinham acrescentado à Lei de Moisés. Essas tradições humanas tinham tornado a adoração de Jeová um fardo pesado para o povo. (Mt 23:4) Até mesmo guardar o sábado, que deveria ser um dia de descanso e revigoramento, tinha se tornado um ritual difícil de seguir. — Êx 23:12; Mr 2:23-28; Lu 6:1-11.

eu os reanimarei: A palavra grega para “reanimar” tem mais de um significado. Em alguns contextos, pode ser traduzida como “descansar” (Mt 26:45; Mr 6:31), mas também pode se referir a um alívio que reanima e repõe as energias (2Co 7:13; Flm 7). Neste contexto, a ideia é tomar sobre si o “jugo” de Jesus (Mt 11:29), o que envolveria trabalho, não descanso. Jesus estava dizendo aqui que daria força e ânimo aos que estavam cansados, e assim eles iam querer aceitar o jugo suave e leve que ele oferece.

temperamento brando: É uma qualidade que vem de dentro. A pessoa que tem temperamento brando aceita fazer a vontade de Deus e segue as orientações dele. Ela não tenta dominar outros. A palavra grega usada aqui não passa a ideia de que a pessoa é covarde ou fraca. Na Septuaginta, essa palavra foi usada como equivalente da palavra hebraica que pode ser traduzida como “manso” ou “humilde”. Ela foi usada para se referir a Moisés (Núm 12:3), aos que aceitam ser ensinados por Jeová (Sal 25:9), aos que herdarão a terra (Sal 37:11) e ao Messias (Za 9:9; Mt 21:5). Jesus descreveu a si mesmo como uma pessoa de temperamento brando, ou mansa. — Mt 11:29.

Tomem sobre vocês o meu jugo: ‘Tomar sobre si um jugo’ representa aqui aceitar a autoridade e a orientação de outra pessoa. Se Jesus tinha em mente um jugo duplo, então ele estava convidando seus discípulos a entrar junto com ele debaixo do jugo que ele recebeu de Deus, e ele os ajudaria a carregá-lo. Nesse caso, a expressão poderia ser traduzida: “Entrem debaixo do meu jugo junto comigo.” Mas, se Jesus estava falando de um jugo que ele coloca sobre seus discípulos, então a ideia aqui seria aceitar a autoridade e a orientação dele. — Veja o Glossário, “Jugo”.

temperamento brando: Veja a nota de estudo em Mt 5:5.

humilde de coração: A palavra grega para “humilde” se refere a uma pessoa que não é orgulhosa nem arrogante. A atitude da pessoa em relação a Deus e a outras pessoas mostra se ela é humilde de coração.

si mesmos: Ou: “sua alma”. Veja o Glossário, “Alma”.

Mídia

Palácios reais
Palácios reais

Quando Jesus falou dos que moravam nos “palácios reais” (Lu 7:25) ou “palácios dos reis” (Mt 11:8), as pessoas talvez tenham se lembrado dos vários palácios luxuosos construídos por Herodes, o Grande. A foto mostra as ruínas de apenas uma parte de um complexo de palácios de inverno que ele construiu em Jericó. A construção mostrada na foto tinha um saguão para receber convidados que era rodeado de colunas e media 29 metros por 19 metros. Ela também tinha pátios rodeados de colunas e cercados de vários aposentos, e uma casa de banho com sistemas de refrigeração e de aquecimento. Anexo ao palácio havia um jardim com diversos níveis. Esse palácio talvez tenha sido incendiado durante uma revolta que aconteceu algumas décadas antes de João Batista iniciar seu trabalho de pregação, mas foi reconstruído pelo filho de Herodes, Arquelau.

Flauta de osso
Flauta de osso

Nos tempos bíblicos, as flautas podiam ser feitas de junco, cana ou até de osso ou de marfim. A flauta era um dos instrumentos musicais mais populares. As pessoas tocavam flauta em ocasiões alegres, como banquetes e casamentos. (1Rs 1:40; Is 5:12; 30:29) As crianças imitavam esse costume quando brincavam em lugares públicos. As pessoas também tocavam flauta em ocasiões tristes. Lamentadores profissionais muitas vezes eram acompanhados de flautistas que tocavam melodias tristes. O pedaço de flauta mostrado na foto foi encontrado em Jerusalém numa camada de destroços que data da época em que os romanos destruíram o templo. Essa peça tem uns 15 centímetros de comprimento e provavelmente foi feita de um osso da perna dianteira de uma vaca.

Praças
Praças

As praças eram áreas abertas usadas como locais de reuniões públicas e como mercados. Alguns mercados ficavam ao longo de uma rua, como mostrado aqui. Os vendedores costumavam colocar tantas mercadorias na rua que dificultavam a movimentação das pessoas. Os moradores podiam comprar alimentos frescos, itens para a casa, artigos de barro ou cerâmica e objetos caros feitos de vidro. Como na época não existiam refrigeradores, as pessoas precisavam ir ao mercado todos os dias para comprar alimentos. Ali elas ficavam sabendo de notícias trazidas pelos comerciantes ou por outras pessoas de fora. As crianças brincavam nesses lugares, e quem estava sem trabalho ficava ali esperando alguém que o contratasse. Nessas praças, Jesus curou doentes e Paulo pregou. (At 17:17) Os orgulhosos escribas e fariseus gostavam de chamar a atenção e de ser cumprimentados nessas áreas públicas.

Corazim e Betsaida
Corazim e Betsaida

As cidades de Corazim e Betsaida ficavam perto de Cafarnaum, cidade que Jesus pelo visto usava como ponto de apoio durante seu grande ministério de mais de dois anos na Galileia. Os judeus que moravam em Corazim e Betsaida viram Jesus realizar obras poderosas que teriam levado os moradores idólatras de Tiro e Sídon a se arrepender. Por exemplo, foi na região de Betsaida que Jesus alimentou milagrosamente mais de 5.000 pessoas e mais tarde curou um cego. — Mt 14:13-21; Mr 8:22; Lu 9:10-17.

Cafarnaum, Corazim e Betsaida
Cafarnaum, Corazim e Betsaida

A imagem panorâmica mostrada neste vídeo foi feita do Mirante Ofir, que fica perto da margem nordeste do mar da Galileia. Ela mostra a provável localização da antiga Cafarnaum (1), de Corazim (2) e de Betsaida (3). Corazim ficava a apenas uns 3 quilômetros do provável local da antiga Cafarnaum. Jesus pelo visto usou Cafarnaum como ponto de apoio durante seu grande ministério de mais de dois anos na Galileia. Os apóstolos Pedro e André moravam em Cafarnaum, e a coletoria de Mateus ficava nessa cidade ou perto dali. (Mr 1:21, 29; 2:1, 13, 14; 3:16; Lu 4:31, 38) Mas Pedro, André e Filipe eram originalmente da cidade de Betsaida. (Jo 1:44) Jesus fez muitos milagres nessas três cidades e perto delas. — Veja o Mapa 3B no Apêndice A7-D e o Mapa 4 no Apêndice A7-E.

Jugo
Jugo

Alguns jugos eram uma barra de madeira feita para ser usada sobre os ombros da pessoa. Cargas ficavam penduradas nos dois lados do jugo. Outro tipo de jugo era uma barra ou canga de madeira colocada no pescoço de dois animais de tração para puxar instrumentos agrícolas ou uma carroça.