As Boas Novas Segundo Lucas 11:1-54

11  Numa ocasião, ele estava em certo lugar orando e, quando parou, um dos seus discípulos lhe disse: “Senhor, ensine-nos a orar, como também João ensinou os discípulos dele.”  Ele lhes disse então: “Sempre que orarem, digam: ‘Pai, santificado seja o teu nome.+ Venha o teu Reino.+  Dá-nos o nosso pão cada dia, segundo as nossas necessidades diárias.+  E perdoa-nos os nossos pecados,+ pois nós mesmos também perdoamos a todo aquele que está em dívida conosco;+ e não nos leves à tentação.’”+  Então ele lhes disse: “Digamos que um de vocês tenha um amigo e vá procurá-lo à meia-noite, e lhe diga: ‘Amigo, empreste-me três pães,  porque um amigo meu acaba de chegar de uma viagem e eu não tenho nada para lhe oferecer.’  Mas ele responde lá de dentro: ‘Pare de me incomodar. A porta já está trancada e os meus filhinhos estão comigo na cama. Não posso me levantar e lhe dar algo.’  Eu lhes digo: Ele certamente se levantará para lhe dar tudo que necessita, não por ser seu amigo, mas por causa da sua persistência e ousadia.+  Portanto, eu lhes digo: Persistam em pedir,+ e lhes será dado; persistam em buscar, e acharão; persistam em bater, e lhes será aberto.+ 10  Pois todo aquele que pede, recebe;+ e todo aquele que busca, acha; e a todo aquele que bate, se abrirá. 11  Realmente, qual é o pai entre vocês que, se o filho lhe pedir um peixe, lhe entregará uma serpente em vez de um peixe?+ 12  Ou, se lhe pedir também um ovo, lhe entregará um escorpião? 13  Portanto, se vocês, embora maus, sabem dar boas coisas aos seus filhos, quanto mais o Pai, no céu, dará espírito santo aos que lhe pedirem!”+ 14  Mais tarde ele expulsou de um homem um demônio mudo.+ Depois de o demônio sair, o mudo falou, e as multidões ficaram maravilhadas.+ 15  Mas alguns disseram: “Ele expulsa os demônios por meio de Belzebu, o governante dos demônios.”+ 16  E outros, para testá-lo, começaram a lhe pedir um sinal+ do céu. 17  Conhecendo os pensamentos deles,+ ele lhes disse: “Todo reino dividido contra si mesmo cai em ruína, e uma casa dividida contra si mesma cai. 18  Da mesma forma, se Satanás também está dividido contra si mesmo, como o seu reino ficará de pé? Pois vocês dizem que eu expulso os demônios por meio de Belzebu. 19  Se eu expulso os demônios por meio de Belzebu, por meio de quem seus filhos os expulsam? É por isso que eles julgarão vocês. 20  Mas, se é por meio do dedo de Deus+ que eu expulso os demônios, o Reino de Deus realmente alcançou vocês.*+ 21  Quando um homem forte, bem armado, guarda o seu palácio, seus bens ficam seguros. 22  Mas, quando alguém mais forte do que ele o ataca e vence, tira-lhe todas as armas em que confiava e reparte as coisas que tomou dele. 23  Quem não está do meu lado está contra mim, e quem comigo não ajunta, espalha.+ 24  “Quando um espírito impuro sai de um homem, ele passa por lugares áridos procurando onde descansar e, quando não acha nada, diz: ‘Voltarei para a minha casa, da qual me mudei.’+ 25  E, ao chegar, acha a casa varrida e decorada. 26  Então ele vai e traz consigo outros sete espíritos, piores do que ele mesmo, e, depois de entrarem, ficam morando ali. Assim, a situação final desse homem se torna pior do que no início.”+ 27  Enquanto ele dizia isso, uma mulher da multidão lhe disse bem alto: “Feliz o ventre que o carregou e os seios que o amamentaram!”+ 28  Mas ele disse: “Não, em vez disso, felizes os que ouvem a palavra de Deus e a põem em prática!”+ 29  Enquanto as multidões se aglomeravam, ele começou a dizer: “Esta geração é uma geração má. Procura um sinal*, mas nenhum sinal lhe será dado, exceto o sinal de Jonas.+ 30  Pois, assim como Jonas+ foi um sinal para os ninivitas, assim será o Filho do Homem para esta geração. 31  A rainha do sul+ será levantada no julgamento com os homens desta geração e os condenará, porque ela veio dos confins da terra para ouvir a sabedoria de Salomão. Mas agora alguém maior do que Salomão está aqui.+ 32  Os homens de Nínive se levantarão no julgamento com esta geração e a condenarão, porque eles se arrependeram com o que Jonas pregou.+ Mas agora alguém maior do que Jonas está aqui. 33  Depois de acender uma lâmpada, a pessoa a coloca não num lugar oculto nem debaixo de um cesto, mas em cima de um suporte,+ para que os que entram possam ver a luz. 34  A lâmpada do seu corpo é o olho. Quando o seu olho é focado, todo o seu corpo também é luminoso;*+ mas, quando é invejoso, o seu corpo também é escuro.+ 35  Por isso, tome cuidado para que a luz que há em você não seja escuridão. 36  Portanto, se todo o seu corpo for luminoso, sem nenhuma parte escura, todo ele será tão luminoso como uma lâmpada que ilumina você com a sua luz.” 37  Depois de ele ter dito isso, um fariseu lhe pediu que comesse com ele. De modo que entrou e se recostou à mesa. 38  No entanto, o fariseu ficou surpreso quando viu que ele não se lavou antes da refeição.+ 39  Mas o Senhor lhe disse: “Ora, vocês, fariseus, limpam por fora o copo e o prato, mas por dentro estão cheios de ganância* e de maldade.+ 40  Insensatos! Aquele que fez o exterior também fez o interior, não fez? 41  Portanto, deem aos pobres do que está no íntimo, e então tudo a respeito de vocês será limpo.*+ 42  Mas ai de vocês, fariseus, porque dão o décimo da hortelã, da arruda e de todas as outras* ervas,*+ mas desconsideram a justiça* e o amor a Deus! Essas coisas vocês tinham a obrigação de fazer, mas sem desconsiderar as outras.+ 43  Ai de vocês, fariseus, porque amam os primeiros assentos nas sinagogas e os cumprimentos nas praças públicas!+ 44  Ai de vocês, porque são como aquelas sepulturas* que não são facilmente vistas,+ e os homens andam sobre elas sem saber!” 45  Em resposta, um dos peritos na Lei lhe disse: “Instrutor, dizendo essas coisas, o senhor também insulta a nós.” 46  Ele disse então: “Ai de vocês também, peritos na Lei, porque põem sobre os homens cargas difíceis de levar, mas vocês mesmos não tocam nas cargas nem com um só dedo!+ 47  “Ai de vocês, porque constroem os túmulos* dos profetas, mas os seus antepassados os mataram!+ 48  Certamente, vocês são testemunhas das ações dos seus antepassados e mesmo assim as aprovam, pois eles mataram os profetas,+ mas vocês constroem os túmulos deles. 49  É por isso que a sabedoria de Deus também disse: ‘Enviarei a eles profetas e apóstolos, e eles matarão e perseguirão alguns deles,+ 50  para que o sangue de todos os profetas, derramado desde a fundação do mundo, seja cobrado* desta geração,+ 51  desde o sangue de Abel+ até o sangue de Zacarias, que foi morto entre o altar e a casa.’+ Sim, eu lhes digo, será cobrado* desta geração. 52  “Ai de vocês, peritos na Lei, porque se apoderaram da chave do conhecimento. Vocês mesmos não entraram e tentam impedir os que estão entrando!”+ 53  Assim, quando ele saiu dali, os escribas e os fariseus começaram a pressioná-lo fortemente e a lhe fazer muitas outras perguntas, 54  armando ciladas para apanhá-lo em algo que dissesse.+

Notas de rodapé

Ou: “já chegou até vocês; pegou vocês de surpresa”.
Ou: “uma prova milagrosa”.
Ou: “cheio de luz”.
Ou: “coisas saqueadas (roubadas)”.
Ou, possivelmente: “tudo será limpo (puro) para vocês”.
Ou: “todos os outros tipos de”.
Ou, possivelmente: “hortaliças”.
Ou: “o julgamento justo”.
Ou: “aqueles túmulos memoriais”.
Ou: “túmulos memoriais”.
Ou: “exigido”.
Ou: “exigido”.

Notas de estudo

Senhor, ensine-nos a orar: Lucas é o único escritor dos Evangelhos que menciona esse pedido, feito cerca de um ano e meio depois de Jesus ter ensinado a oração-modelo no Sermão do Monte. (Mt 6:9-13) Pode ser que o discípulo não estivesse presente naquela ocasião e que, por isso, Jesus tenha bondosamente repetido os pontos principais da oração-modelo. Orar fazia parte da vida e da adoração dos judeus. As Escrituras Hebraicas contêm muitas orações, tanto nos Salmos como em outros livros. Assim, parece que o discípulo não estava dizendo que não sabia orar ou que nunca tinha orado. Além disso, ele pelo visto conhecia as orações que os líderes religiosos do judaísmo faziam por mera formalidade. Mas agora ele tinha visto Jesus orar e, provavelmente, percebeu que havia uma enorme diferença entre o modo de Jesus orar e as orações dos líderes religiosos, que oravam para serem vistos por outros. — Mt 6:5-8.

santificado: Ou: “tido como sagrado; tratado como santo”. Ao pedir isso, os discípulos de Jesus expressam o desejo de que todas as criaturas inteligentes, tanto no céu como na Terra, tratem o nome de Jeová como santo. Também é um pedido para que Deus limpe seu nome, que está sendo manchado desde que Adão e Eva se rebelaram no jardim do Éden.

nome: Refere-se ao nome de Deus, representado pelas quatro letras hebraicas יהוה (YHWH) e geralmente traduzido em português como “Jeová”. Na Tradução do Novo Mundo, o nome de Deus aparece 6.979 vezes nas Escrituras Hebraicas e 237 vezes nas Escrituras Gregas Cristãs. (Para mais informações sobre o uso do nome de Deus nas Escrituras Gregas Cristãs, veja os Apêndices A5 e C1.) Na Bíblia, a palavra “nome” também pode se referir à própria pessoa, à sua reputação e a tudo o que ela afirma ser. — Compare com Êx 34:5, 6; Ap 3:4, nota de rodapé.

Venha o teu Reino: O Reino de Deus é uma maneira de Jeová exercer sua soberania sobre a Terra. A expressão “venha o teu Reino” é um pedido para que Deus torne, de uma vez por todas, o seu Reino (com seu Rei messiânico e os que governarão junto com ele) o único governo sobre a Terra. A ilustração de Jesus registrada em Lu 19:11-27 mostra que a ‘vinda’ do Reino está relacionada com a execução de um julgamento em que os inimigos de Deus serão destruídos e os que esperam pelo Reino serão recompensados. (Veja Mt 24:42, 44.) O Reino vai destruir o atual sistema de coisas, incluindo todos os governos humanos, e trará um novo mundo onde haverá justiça. — Da 2:44; 2Pe 3:13; Ap 16:14-16; 19:11-21.

Sempre que orarem, digam: A oração que Jesus ensinou nos versículos 2b a 4 é muito parecida com a oração-modelo, que ele tinha ensinado cerca de um ano e meio antes no Sermão do Monte. (Mt 6:9b-13) Mas Jesus não repetiu a mesma oração palavra por palavra. Isso mostra que o objetivo dele não era que os discípulos ficassem recitando aquela oração de cor, de forma mecânica. É interessante notar que as orações que Jesus e seus discípulos fizeram mais tarde não tinham exatamente a mesma estrutura e as mesmas palavras da oração-modelo.

santificado: Veja a nota de estudo em Mt 6:9.

nome: Veja a nota de estudo em Mt 6:9.

Venha o teu Reino: Veja a nota de estudo em Mt 6:10.

o nosso pão . . . segundo as nossas necessidades diárias: Muitas vezes as palavras hebraica e grega para “pão” eram usadas com o sentido de “alimento”. (Gên 3:19, nota de rodapé) Jesus estava mostrando que seus discípulos podem pedir com confiança que Deus lhes dê, não uma enorme quantidade de provisões, mas o necessário para cada dia. Esse pedido lembra a ordem que Deus deu aos israelitas com respeito ao maná: eles deviam ajuntar apenas “sua porção diária”. (Êx 16:4) Na oração-modelo que Jesus tinha ensinado cerca de um ano e meio antes, ele incluiu um pedido parecido com esse, mas não usou exatamente as mesmas palavras. (Mt 6:9b-13) Isso indica que o objetivo de Jesus não era que essa oração fosse recitada de cor, palavra por palavra. (Mt 6:7) Quando Jesus repetia um ensino importante — como ele fez aqui ao falar sobre oração — ele ensinava de um jeito que podia ser entendido mesmo por quem estava ouvindo o assunto pela primeira vez. Ao mesmo tempo, quem já tinha ouvido Jesus falar sobre aquilo antes também tirava proveito porque era lembrado dos pontos principais que havia aprendido.

dívidas: Refere-se a pecados. Quando pecamos contra outra pessoa, é como se ficássemos em dívida com ela. Temos uma obrigação para com a pessoa e precisamos pedir seu perdão. Para recebermos o perdão de Deus, precisamos perdoar os nossos devedores, ou seja, os que pecaram contra nós. — Mt 6:14, 15; 18:35; Lu 11:4.

não nos leves à tentação: Ou: “não nos deixes cair em tentação”. Na Bíblia, dizer que Deus causou uma situação pode significar apenas que ele permitiu que ela acontecesse. (Ru 1:20, 21) Jesus não estava dizendo aqui que Deus causa tentações para nos fazer pecar. (Tg 1:13) Em vez disso, Jesus estava incentivando seus discípulos a orar pedindo que Deus os ajudasse a não ceder à tentação. — 1Co 10:13.

aquele que está em dívida conosco: Ou: “aquele que peca contra nós”. Quando pecamos contra uma pessoa, nós ficamos de certa forma em dívida com ela. Temos uma obrigação para com ela e precisamos pedir seu perdão. Na oração-modelo que Jesus ensinou no Sermão do Monte, ele usou a palavra “dívidas”, em vez de pecados. (Veja a nota de estudo em Mt 6:12.) A palavra grega para perdoar significa literalmente “deixar ir embora”, ou seja, deixar uma dívida “ir embora”, não exigindo que ela seja paga.

não nos leves à tentação: Veja a nota de estudo em Mt 6:13.

Amigo, empreste-me três pães: Na cultura do Oriente Médio, as pessoas acham muito importante ser hospitaleiras e gostam muito de receber as pessoas, conforme mostrado na ilustração de Jesus. Nessa ilustração, o amigo chegou à meia-noite, o que talvez não fosse tão incomum devido aos imprevistos que podiam surgir nas viagens daquela época. Mesmo sem esperar aquela visita, o hospedeiro se sentiu na obrigação de dar ao amigo algo para comer. Ele até mesmo achou que tinha que incomodar o vizinho naquela hora da noite para pedir alimento emprestado.

Pare de me incomodar: O vizinho na ilustração não estava muito disposto a ajudar, não por ser antipático, mas porque já estava dormindo. Muitas casas daquela época, principalmente as dos pobres, eram apenas um cômodo grande. Se aquele homem se levantasse, ele provavelmente acordaria a família inteira, incluindo seus filhos pequenos.

persistência e ousadia: Essa expressão traduz uma palavra grega que significa literalmente “falta de modéstia” ou “falta de vergonha”. Mas neste contexto ela indica ousadia e persistência. O homem da ilustração de Jesus não teve vergonha de insistir em pedir o que ele precisava, e Jesus disse que seus discípulos também deveriam ser persistentes em suas orações. — Lu 11:9, 10.

Persistam em pedir, . . . buscar, . . . bater: A expressão “persistam em” é usada aqui porque o tempo verbal grego indica uma ação contínua. Essa expressão mostra que a pessoa nunca deve desistir de orar. O uso de “pedir”, “buscar” e “bater” em sequência intensifica a ação que ela deve tomar. Jesus disse algo parecido na ilustração em Lu 11:5-8.

Persistam em pedir, . . . em buscar, . . . em bater: Veja a nota de estudo em Mt 7:7.

vocês, embora maus: Como todos os humanos herdaram o pecado, todos são imperfeitos e, de certa forma, são maus.

quanto mais: Jesus usava muito esse tipo de raciocínio. Primeiro, ele falava de um fato bem óbvio ou de algo que todos conheciam bem. Depois, ele usava esse fato para ajudar seus ouvintes a entender uma verdade maior e mais importante. — Mt 10:25; 12:12; Lu 11:13; 12:28.

vocês, embora maus: Veja a nota de estudo em Mt 7:11.

quanto mais: Veja a nota de estudo em Mt 7:11.

Belzebu: Possivelmente uma variação do nome Baal-Zebube, que significa “dono (senhor) das moscas”. Esse era o Baal adorado pelos filisteus em Ecrom. (2Rs 1:3) Alguns manuscritos gregos usam as variações Beelzeboúl e Beezeboúl, que talvez signifiquem “dono (senhor) da morada (habitação) elevada”. Outra possibilidade é que essas variações sejam um jogo de palavras com o termo hebraico zével (esterco), que não aparece na Bíblia. Se esse for o caso, Beelzeboúl e Beezeboúl significam “dono (senhor) do esterco”. Assim como Lu 11:18 mostra, o nome Belzebu é usado para se referir a Satanás — o príncipe, ou governante, dos demônios.

casa: No idioma original, a palavra traduzida como “casa” podia se referir aos membros de uma família e, em alguns casos, podia incluir escravos e empregados. Às vezes, se referia aos que moravam ou trabalhavam no palácio do rei. (At 7:10; Fil 4:22) A mesma palavra era usada para se referir a famílias reais como a dos Herodes e a dos Césares, onde brigas e divisões eram comuns e contribuíram para a sua queda.

dedo de Deus: Jesus estava se referindo ao espírito santo, conforme mostra o relato de Mateus sobre uma conversa parecida que Jesus teve em uma ocasião anterior. Aqui em Lucas, Jesus falou sobre expulsar demônios “por meio do dedo de Deus”, e em Mateus ele falou sobre fazer isso “por meio do espírito de Deus”, sua força ativa. — Mt 12:28.

varrida: Alguns manuscritos dizem “desocupada, varrida”. Mas a opção usada aqui no texto principal aparece em vários dos manuscritos mais antigos e mais confiáveis. O texto de Mt 12:44 usa a palavra grega para “desocupada” ao citar uma declaração de Jesus parecida com esta registrada por Lucas. Alguns estudiosos acreditam que um copista acrescentou a palavra “desocupada” aqui em Lucas para harmonizar o relato com o de Mateus.

o sinal de Jonas: Em outra ocasião, Jesus já tinha usado a expressão “o sinal de Jonas” e explicado que ela estava ligada à sua morte e ressurreição. (Mt 12:39, 40) Para Jonas, ser libertado da barriga do peixe depois de “três dias e três noites” foi como ser ressuscitado da Sepultura. (Jon 1:17–2:2) A ressurreição de Jesus da sepultura literal seria tão real quanto o que aconteceu com Jonas. Mas, mesmo depois da ressurreição de Jesus no terceiro dia, aqueles críticos teimosos não tiveram fé nele. Jonas também serviu como um sinal porque pregou com coragem, levando os ninivitas a se arrepender. — Mt 12:41; Lu 11:32.

rainha do sul: Ou seja, a rainha de Sabá. Acredita-se que o reino dela ficava no sudoeste da Arábia. — 1Rs 10:1.

rainha do sul: Veja a nota de estudo em Mt 12:42.

uma lâmpada: Nos tempos bíblicos, a lâmpada que as pessoas usavam em casa era um pequeno recipiente de barro. Elas colocavam azeite dentro da lâmpada para alimentar a chama.

um cesto: Usado para medir a quantidade de grãos e de outras mercadorias secas. O tipo de “cesto” (em grego, módios) que Jesus mencionou aqui tinha a capacidade de uns 9 litros.

uma lâmpada: Veja a nota de estudo em Mt 5:15.

um cesto: Veja a nota de estudo em Mt 5:15.

lâmpada do corpo é o olho: O olho literal que enxerga bem é como uma lâmpada acesa num lugar escuro. Ele permite que a pessoa veja e fique ciente das coisas em sua volta. Neste versículo, a palavra “olho” é usada em sentido figurado. — Ef 1:18.

focado: Ou: “límpido; saudável”. A palavra grega usada aqui, haploús, tem o sentido básico de “simples; único”. Ela pode transmitir a ideia de concentrar a mente em um único objetivo. O olho literal que funciona bem é capaz de focar em apenas uma coisa. Quando uma pessoa tem o olho figurativo focado na coisa certa (Mt 6:33), toda a sua personalidade muda para melhor.

invejoso: Lit.: “mau; perverso”. O olho literal que tem algum problema não consegue ver claramente. Do mesmo modo, um olho invejoso não consegue se concentrar no que é realmente importante. (Mt 6:33) Um olho assim é descontente, ganancioso, distraído e traiçoeiro. A pessoa com olho invejoso não consegue enxergar as coisas do ponto de vista correto. Por causa disso, usa a vida para buscar seus próprios interesses, em vez de se concentrar em servir a Deus. — Veja a nota de estudo em Mt 6:22.

lâmpada do seu corpo é o olho: Veja a nota de estudo em Mt 6:22.

focado: Veja a nota de estudo em Mt 6:22.

invejoso: Veja a nota de estudo em Mt 6:23.

se lavar: Muitos manuscritos bem antigos usam aqui a palavra grega baptízo (mergulhar; imergir). Embora na maioria das ocorrências essa palavra se refira ao batismo cristão, em Lu 11:38 ela se refere a diversas lavagens rituais que eram repetidas de acordo com a tradição judaica. Em Jerusalém, descobertas arqueológicas indicam que os judeus daquela época realizavam banhos de purificação por imersão, o que talvez apoie o uso de baptízo aqui. Mas outros manuscritos bem antigos usam aqui a palavra grega rhantízo, que significa “aspergir (borrifar); purificar aspergindo”. (He 9:​13, 19, 21, 22) De qualquer modo, os dois grupos de manuscritos passam a mesma ideia: os judeus devotos não comiam sem antes se lavar, realizando algum ritual de purificação.

se lavou: Ou seja, se lavou seguindo um ritual de purificação. Embora na maioria das ocorrências a palavra grega baptízo (mergulhar; imergir) se refira ao batismo cristão, aqui ela se refere a diversas lavagens rituais que eram repetidas de acordo com a tradição judaica. — Veja a nota de estudo em Mr 7:4.

der algo a um pobre: Ou: “fizer dádivas de misericórdia”. A palavra grega eleemosýne, que muitas Bíblias traduzem como “esmola”, está relacionada com as palavras gregas para “misericórdia” e “ser misericordioso”. Refere-se ao dinheiro ou à comida que alguém dá de boa vontade para ajudar um pobre.

deem aos pobres: Ou: “façam dádivas de misericórdia”. — Veja a nota de estudo em Mt 6:2.

do que está no íntimo: Lit.: “das coisas que estão dentro”. Já que o versículo seguinte faIa da importância da justiça e do amor (Lu 11:42), é provável que Jesus estivesse se referindo, não ao que estava dentro de copos ou pratos, mas ao que estava dentro (no íntimo) da pessoa. Para que uma boa ação seja um verdadeiro ato de misericórdia, ela precisa vir de dentro, ou seja, de um coração disposto e cheio de amor.

o décimo da hortelã, da arruda e de todas as outras ervas: De acordo com a Lei mosaica, os israelitas deviam dar para Jeová um décimo (dízimo) de suas colheitas. (Le 27:30; De 14:22) A Lei não dizia especificamente que os israelitas deviam dar um décimo de ervas como a hortelã e a arruda, mas Jesus não condenou essa tradição. O que ele condenou foi o fato de os escribas e os fariseus insistirem demais em detalhes da Lei que tinham pouca importância e não ensinarem os princípios por trás da Lei, como a justiça e o amor a Deus. Quando Jesus mais tarde fez uma declaração parecida (Mt 23:23), ele falou da hortelã, do endro e do cominho.

primeiros assentos: Ou: “melhores assentos”. Os presidentes da sinagoga e os convidados importantes pelo visto se sentavam perto dos rolos das Escrituras, na parte da frente da sinagoga, onde todos podiam vê-los. É provável que esses lugares especiais já estivessem reservados para essas pessoas de destaque.

nas praças públicas: Ou: “nos mercados; nos lugares de reunião”. A palavra grega agorá é usada aqui para se referir a uma área aberta que existia nas cidades do Antigo Oriente Próximo e de outras regiões influenciadas pelos impérios grego e romano. Essas praças públicas serviam como centro de compras e vendas e como local de reuniões públicas.

primeiros assentos: Veja a nota de estudo em Mt 23:6.

praças públicas: Veja a nota de estudo em Mt 23:7.

sepulcros caiados: No Israel antigo, era comum que os sepulcros, ou túmulos, fossem pintados com cal para deixá-los brancos e bem visíveis. Assim, as pessoas que passassem por eles não correriam o risco de ficar impuras por terem ‘tocado numa sepultura’. (Núm 19:16) A Mishná judaica (Shekalim 1:1) diz que os sepulcros eram caiados uma vez por ano, um mês antes da Páscoa. Jesus usou essa metáfora para representar a atitude hipócrita daqueles líderes religiosos.

sepulturas que não são facilmente vistas: Ou: “sepulturas que não são assinaladas”. Parece que a maioria dos túmulos dos israelitas era simples e não chamava atenção. Alguns deles, como mostra este versículo, eram tão discretos que as pessoas talvez andassem sobre eles sem perceber. De acordo com a Lei mosaica, quem tocasse num morto, num osso humano ou numa sepultura ficava impuro por sete dias. (Núm 19:16) Assim, para evitar que alguém andasse sobre um túmulo sem querer, os israelitas tentavam torná-los mais visíveis e os pintavam com cal uma vez por ano. Neste versículo, Jesus pelo visto queria dizer que quem se associava com os fariseus, pensando que eles eram boas pessoas, acabava sem perceber sendo contaminado pelas atitudes erradas e pelo modo de pensar impuro deles. — Veja a nota de estudo em Mt 23:27.

a sabedoria de Deus também disse: Pelo visto, significando “Deus, em sua sabedoria também disse”. Em outra ocasião, Jesus falou: “Eu estou lhes enviando profetas, sábios e instrutores públicos.” — Mt 23:34.

fundação do mundo: A palavra grega para “fundação” é traduzida como “conceber” em He 11:11, onde aparece junto com a palavra “descendente”. Aqui, na expressão “fundação do mundo”, a palavra grega parece se referir à época em que Adão e Eva geraram filhos. Em Lu 11:50, 51, Jesus relacionou “a fundação do mundo” com Abel. Pelo visto, Abel foi o primeiro humano a receber a oportunidade de ser salvo pelo resgate e de ter, desde “a fundação do mundo”, o nome escrito no rolo da vida. — Ap 17:8.

fundação do mundo: A palavra grega para “fundação” é traduzida como “conceber” em He 11:11, onde aparece junto com a palavra “descendente”. Aqui, na expressão “fundação do mundo”, a palavra grega parece se referir a quando Adão e Eva tiveram filhos. Jesus relacionou “a fundação do mundo” com Abel. Pelo visto, Abel foi o primeiro humano em condições de ser salvo pelo resgate e de ter, desde “a fundação do mundo”, o nome escrito no rolo da vida. — Lu 11:51; Ap 17:8; veja a nota de estudo em Mt 25:34.

desde o sangue do justo Abel até o sangue de Zacarias: Com esta declaração, Jesus se referiu a todos os servos de Jeová mencionados nas Escrituras Hebraicas que foram assassinados: desde Abel, que aparece no primeiro livro (Gên 4:8), até Zacarias, mencionado em 2Cr 24:20. Crônicas é o último livro do cânon tradicional judaico. Assim, quando Jesus disse ‘desde Abel até Zacarias’, ele estava dizendo “do primeiro até o último caso”.

desde o sangue de Abel até o sangue de Zacarias: Veja a nota de estudo em Mt 23:35.

entre o altar e a casa: Aqui “casa”, ou templo, se refere ao prédio onde ficavam o Santo e o Santíssimo. De acordo com 2Cr 24:21, Zacarias foi assassinado “no pátio da casa de Jeová”. O altar da oferta queimada ficava no pátio interno, em frente à entrada do santuário. (Veja o Apêndice B8.) Assim, o que Jesus disse estava de acordo com o relato em 2Cr 24:21.

chave do conhecimento: Na Bíblia, aqueles que recebiam uma chave (literal ou simbólica) recebiam certo grau de autoridade. (1Cr 9:26, 27; Is 22:20-22) Por isso, a palavra “chave” passou a representar autoridade e responsabilidade. Aqui, parece que Jesus usou a palavra “conhecimento” para se referir ao conhecimento que vem de Deus, já que estava falando com líderes religiosos que eram peritos na Lei. Aqueles líderes tinham a obrigação de usar seu poder e autoridade para abrir para as pessoas as portas do conhecimento sobre Deus, explicando corretamente a palavra dele. Em outra ocasião, Jesus disse que os líderes religiosos ‘fechavam o Reino dos céus diante dos homens’. (Mt 23:13) Assim, parece que aqui Jesus também estava se referindo ao Reino dos céus quando falou de um lugar em que os líderes não entraram nem deixavam outros entrar. Como eles não ajudavam as pessoas a conhecer a Deus, eles estavam se apoderando da chave do conhecimento, roubando de muitas delas a chance de entender corretamente a Palavra de Deus e de entrar no Reino.

começaram a pressioná-lo fortemente: A expressão grega usada aqui pode se referir literalmente a cercar alguém. Mas, neste contexto, ela parece descrever os sentimentos agressivos dos líderes religiosos que tentavam intimidar Jesus. O verbo grego traduzido aqui como “pressioná-lo” é traduzido em Mr 6:19 como “nutria ressentimento”, e é usado para descrever o profundo ódio que Herodias sentia por João Batista.

Mídia

Escorpião
Escorpião

Existem mais de 600 espécies de escorpiões, e seu tamanho geralmente varia de menos de 2,5 centímetros a 20 centímetros. Dessas espécies, umas dez já foram encontradas em Israel e na Síria. O veneno de várias espécies de escorpião chega a ser mais potente do que o de muitas víboras do deserto. Mas a quantidade de veneno da picada do escorpião é menor e geralmente não é fatal para humanos. Esta foto mostra o escorpião mais venenoso encontrado em Israel, o escorpião-amarelo-da-palestina (Leiurus quinquestriatus). A dor intensa causada pela picada do escorpião é mencionada em Ap 9:3, 5, 10. Os escorpiões eram comuns tanto no deserto da Judeia como no “assustador deserto” da península do Sinai. — De 8:15.

Suporte para lâmpada
Suporte para lâmpada

O suporte para lâmpada mostrado aqui (1) foi desenhado com base em peças do século 1 d.C., encontradas em Éfeso e na Itália. Esse tipo de suporte provavelmente era usado em casas de pessoas ricas. Em casas mais pobres, a lâmpada ficava numa abertura na parede (2), era pendurada no teto ou era colocada em cima de um suporte simples de barro ou madeira.

Arruda
Arruda

A arruda é um arbusto de cheiro forte. Ela pode chegar a cerca de 1 metro de altura e tem um longo ciclo de vida. Os galhos da arruda têm uma espécie de penugem e suas folhas são de um tom verde-acinzentado. Ela produz flores amarelas que crescem formando ramalhetes. Tanto a variedade de arruda mostrada aqui (Ruta chalepensis latifolia) como a variedade conhecida como arruda comum (Ruta graveolens) crescem em Israel. Nos dias de Jesus, a arruda talvez fosse cultivada para uso medicinal ou para ser usada como tempero. A arruda é mencionada apenas uma vez na Bíblia, em Lu 11:42. Nesse versículo, Jesus condenou os fariseus que, de maneira hipócrita, se preocupavam em dar um décimo das ervas que colhiam, mas deixavam de lado aspectos mais importantes da Lei. — Compare com Mt 23:23.

Praças
Praças

As praças eram áreas abertas usadas como locais de reuniões públicas e como mercados. Alguns mercados ficavam ao longo de uma rua, como mostrado aqui. Os vendedores costumavam colocar tantas mercadorias na rua que dificultavam a movimentação das pessoas. Os moradores podiam comprar alimentos frescos, itens para a casa, artigos de barro ou cerâmica e objetos caros feitos de vidro. Como na época não existiam refrigeradores, as pessoas precisavam ir ao mercado todos os dias para comprar alimentos. Ali elas ficavam sabendo de notícias trazidas pelos comerciantes ou por outras pessoas de fora. As crianças brincavam nesses lugares, e quem estava sem trabalho ficava ali esperando alguém que o contratasse. Nessas praças, Jesus curou doentes e Paulo pregou. (At 17:17) Os orgulhosos escribas e fariseus gostavam de chamar a atenção e de ser cumprimentados nessas áreas públicas.