Pular para conteúdo

Pular para sumário

 Nossos Leitores Perguntam . . .

Por que Deus exigia que seus servos só se casassem com quem o adorava?

Por que Deus exigia que seus servos só se casassem com quem o adorava?

▪ A Lei que Deus deu a Israel incluía este mandamento relacionado às pessoas das nações à sua volta: “Não deves formar com elas nenhuma aliança matrimonial. Não deves dar tua filha ao seu filho e não deves tomar sua filha para teu filho.” (Deuteronômio 7:3, 4) Qual era o motivo dessa proibição?

Num sentido amplo, Jeová sabia que Satanás queria corromper Seu povo com idolatria. Assim, Deus alertou seus servos, dizendo que aqueles que não o serviam ‘os desviariam de segui-lo, e eles certamente serviriam a outros deuses’. Muita coisa estava em jogo. Se Israel servisse deuses falsos, perderia o favor e a proteção de Deus, tornando-se presa fácil de seus inimigos. Se isso acontecesse, como a nação produziria o prometido Messias? Fica claro que Satanás tinha motivos para querer induzir os israelitas a se casar com quem não adorava a Jeová.

Num sentido mais específico, Deus se preocupava com cada membro de seu povo. Jeová sabia que a felicidade e o bem-estar de cada um dependia de um relacionamento achegado com ele. Será que fazia sentido ele se preocupar com a influência perigosa de um cônjuge descrente? Pense no caso do Rei Salomão. Ele conhecia o aviso de Jeová sobre esposas descrentes: ‘Inclinarão o seu coração a seguir os deuses delas.’ Mas, por causa de sua grande sabedoria, talvez tenha achado que estava acima do conselho de Deus, pensando que não se aplicava a ele. Assim, Salomão ignorou esse aviso. Com que resultado? ‘Suas esposas gradualmente lhe inclinaram o coração para seguir outros deuses.’ Que tragédia! Salomão perdeu o favor de Jeová, e o povo ficou muito dividido por causa de sua infidelidade. — 1 Reis 11:2-4, 9-13.

Alguns talvez digam que houve exceções. Por exemplo, Malom se casou com Rute, que era moabita, e ela se tornou uma fiel adoradora de Jeová. Mas casar com uma moabita foi um risco. Malom não é elogiado por ter se casado com uma moabita; ele morreu jovem, provavelmente antes de Rute aceitar a Jeová como seu Deus. Quiliom, irmão de Malom, se casou com Orpa, que também era moabita e nunca deixou de adorar “seus deuses”. Boaz, por outro lado, se casou com Rute algum tempo depois de ela ter se tornado adoradora de Jeová. De fato, os judeus mais tarde a consideraram uma “prosélita perfeita”. O casamento de Rute e Boaz foi uma bênção para os dois. — Rute 1:4, 5, 15-17; 4:13-17.

Então, será que faz sentido concluir que o exemplo de Malom de alguma forma contradiz o conselho de Jeová de se casar apenas com quem o adora? Isso não seria um pouco como dizer que vale a pena ganhar a vida com jogatina só porque alguém teve sorte num cassino?

A Bíblia aconselha os cristãos a se casar “somente no Senhor”. Ela alerta contra se colocar “em jugo desigual com incrédulos”. Esse conselho se dirige a cristãos verdadeiros que estão procurando alguém para se casar. Aos que estão casados com descrentes, a Bíblia dá conselhos úteis sobre como lidar da melhor forma com essa situação desafiadora. (1 Coríntios 7:12-16, 39; 2 Coríntios 6:14) Todos esses conselhos mostram que Jeová Deus, o Originador do casamento, deseja que tenhamos alegria em servi-lo, quer sejamos solteiros, quer casados.