Pular para conteúdo

Pular para sumário

 MATÉRIA DE CAPA

A religião tem futuro?

A religião tem futuro?

Gaffar, que nasceu na Turquia, ficava incomodado com a ideia de um Deus vingativo, conforme sua religião ensinava. Sua esposa, Hediye, começou a questionar a religião quando tinha apenas 9 anos. Ela diz: “Eu acreditava no destino porque foi isso que me ensinaram. Mas, visto que era órfã, eu me perguntava: ‘O que eu fiz para merecer isso?’ Muitas vezes eu chorava a noite inteira. Com 15 anos, eu já tinha abandonado minha fé, pelo menos no coração.”

VOCÊ está desiludido com a religião? Se estiver, você não é o único. Em muitos países, o número de pessoas que se consideram ‘não religiosas’ está aumentando. Assim, parece que o futuro das organizações religiosas é incerto. Veja neste artigo o que acontece em alguns desses países.

 Por que a religião está sendo abandonada?

As pessoas estão ficando desiludidas com a religião por diversos motivos, que incluem atos violentos e terroristas cometidos em nome da religião e o envolvimento de líderes religiosos em escândalos sexuais. Há também fatores menos evidentes que podem contribuir muito para que as pessoas abandonem a religião. Alguns desses fatores são:

  • Prosperidade material: “Quanto mais rico alguém fica, menos religioso se considera”, diz o Índice Global de Religião e Ateísmo (em inglês). Isso é significativo porque em muitos países a prosperidade material aumentou consideravelmente. John Nye, professor universitário de Economia, diz que em alguns lugares as pessoas têm um “padrão de vida que faria o rei mais poderoso de 200 anos atrás morrer de inveja”.

    O QUE A BÍBLIA DIZ: A Bíblia predisse que “nos últimos dias” o amor ao dinheiro e aos prazeres substituiria o amor a Deus e ao próximo. (2 Timóteo 3:1-5) Um escritor bíblico, que sabia como a riqueza pode afetar a espiritualidade, disse a Jeová Deus: “Não me dês nem pobreza nem riquezas.” Por que ele pediu isso? Ele mesmo explicou: “Para que eu não me farte e te negue.” — Provérbios 30:8, 9.

  • Tradições religiosas e padrões de moral: Muitas pessoas, principalmente os jovens, acham que as organizações religiosas são antiquadas e deixaram de ter importância. Outras não confiam mais na religião. Tim Maguire, assessor de comunicação da Humanist Society Scotland (Sociedade Humanista da Escócia), disse: “Se você observar como as igrejas têm se comportado durante os séculos, verá que as pessoas viraram as costas para elas porque não as consideram mais uma autoridade moral.”

    O QUE A BÍBLIA DIZ: Referindo-se aos falsos instrutores, Jesus Cristo avisou: “Pelos seus frutos vocês os reconhecerão. . . . Toda árvore boa produz fruto bom, mas toda árvore ruim produz fruto imprestável.” (Mateus 7:15-18) O “fruto imprestável” inclui se envolver na política e aceitar práticas que ofendem a Deus, como o homossexualismo. (João 15:19; Romanos 1:25-27) Também inclui substituir os excelentes ensinos da Bíblia por rituais e tradições sem valor. (Mateus 15:3, 9) Jesus disse: ‘Alimentem as minhas ovelhinhas.’ (João 21:17) Mas muitas pessoas hoje estão famintas em sentido espiritual.

  •   Religião e dinheiro: Segundo o Pew Research Center, muitas pessoas acham que a religião dá muito destaque ao dinheiro. E, para piorar, alguns líderes religiosos, diferentemente de seus rebanhos, têm um estilo de vida ostentoso. Por exemplo, numa cidade da Alemanha, onde muitos religiosos lutam para conseguir o básico, o bispo foi acusado de levar uma vida luxuosa. Esse estilo de vida ofendeu muitos católicos locais. Além disso, uma reportagem na revista GEO diz que na Nigéria, “onde 100 milhões de pessoas vivem com menos de 1 euro por dia, o estilo de vida extravagante de alguns pastores está se tornando um problema”.

    O QUE A BÍBLIA DIZ: O escritor bíblico Paulo declarou: “Não lucramos com a palavra de Deus.” (2 Coríntios 2:17, nota) Paulo era um ministro de destaque na época dos primeiros cristãos, mesmo assim, muitas vezes ele trabalhou para não ser uma carga financeira para os outros. (Atos 20:34) Essa atitude demonstrava que ele obedecia à ordem de Jesus: “Vocês receberam de graça, portanto deem de graça.” — Mateus 10:7, 8.

De acordo com esses princípios, as Testemunhas de Jeová não cobram por suas publicações nem pelo que ensinam sobre a Bíblia. Também não cobram dízimo nem fazem coletas em suas reuniões. Sua obra é financiada por donativos voluntários feitos de modo discreto. — Mateus 6:2, 3.

O abandono da religião foi predito

Poucas décadas atrás, seria difícil imaginar a atual crise da religião. Mas Deus predisse que isso aconteceria e registrou isso na Bíblia. Usando linguagem simbólica, Deus comparou todas as religiões infiéis a uma prostituta extravagante chamada de “Babilônia, a Grande”. — Apocalipse 17:1, 5.

Esse simbolismo é apropriado, pois a religião falsa afirma ser fiel a Deus, mas se associa com os governantes do mundo para ganhar poder e riquezas. “Os reis da terra . . . cometeram imoralidade sexual com ela”, diz Apocalipse 18:9. O termo “Babilônia” também a descreve bem, pois muitos ensinos e práticas da religião falsa, como a imortalidade da alma, tríades de deuses e o ocultismo, têm origem na antiga Babilônia, uma cidade cheia de ensinos religiosos falsos e superstições. * — Isaías 47:1, 8-11.

A poderosa Babilônia caiu quando as águas que a protegiam — um fosso alimentado pelo rio Eufrates — ‘secaram’, abrindo caminho para um exército de medos e persas conquistar a cidade. (Jeremias 50:1, 2, 38) Babilônia foi capturada em apenas uma noite. — Daniel 5:7, 28, 30.

Babilônia, a Grande, também “está sentada sobre muitas águas”. Segundo a Bíblia, essas águas representam “povos” e “multidões” — milhões de pessoas que apoiam a religião falsa. (Apocalipse 17:1, 15) A Bíblia predisse que essas águas simbólicas  secariam. Esse acontecimento indicaria a iminente e rápida destruição de Babilônia, a Grande. (Apocalipse 16:12; 18:8) Mas quem vai destruí-la? Seus aliados políticos. Eles a amam, mas passarão a odiá-la. Também “comerão a sua carne”, ou seja, roubarão os seus bens. — Apocalipse 17:16, 17. *

O recuo das águas em volta de Babilônia representa a saída das pessoas de Babilônia, a Grande

“Saiam dela”!

Por causa da destruição de Babilônia, a Grande, que está tão próxima, Deus amorosamente aconselha: “Saiam dela, meu povo, se não quiserem ser cúmplices dos pecados dela e se não quiserem receber parte das suas pragas.” (Apocalipse 18:4) Observou a palavra “se”, usada duas vezes? Esse é um alerta de Deus para as pessoas que estão incomodadas com ensinos prejudiciais e querem a aprovação de Deus — pessoas como Gaffar e Hediye, já mencionados.

Antes de estudar a Bíblia, Gaffar achava que Deus exigia que as pessoas o obedecessem por medo dele. Gaffar diz: “Foi um alívio aprender que Jeová é um Deus de amor e que ele quer que nós o obedeçamos principalmente por amor a ele.” (1 João 4:8; 5:3) Hediye encontrou paz interior quando aprendeu que Deus não a tornou órfã e que essa situação não foi resultado do destino. Ela foi consolada por textos bíblicos como o de Tiago 1:13, que diz que Deus não testa as pessoas com coisas más. Ela e Gaffar aceitaram a verdade da Bíblia e fugiram de “Babilônia”. — João 17:17.

Quando Babilônia, a Grande, for destruída, nada de mal acontecerá aos que obedecem a Deus e fogem dela para ‘adorar o Pai com espírito e verdade’. (João 4:23) Eles terão a oportunidade de ver a Terra “cheia do conhecimento de Jeová, assim como as águas cobrem o mar”. — Isaías 11:9.

A adoração falsa e seus ‘frutos imprestáveis’ deixarão de existir, pois Deus “não pode mentir”. (Tito 1:2) Por outro lado, a verdadeira adoração terá um futuro eterno!

^ parágrafo 16 Para mais informações sobre Babilônia, a Grande, e o que a Bíblia diz sobre a condição dos mortos, a verdade sobre Deus e o ocultismo, veja o livro O Que a Bíblia Realmente Ensina?. Ele está disponível no site www.jw.org.

^ parágrafo 18 Veja “O Conceito da Bíblia — O fim do mundo”, neste número de Despertai!.