Pular para conteúdo

O que é Babilônia, a Grande?

A resposta da Bíblia

Babilônia, a Grande, descrita no livro de Apocalipse, é o conjunto inteiro de religiões falsas no mundo. Essas religiões não têm a aprovação de Deus. * (Apocalipse 14:8; 17:5; 18:21) Apesar de serem diferentes umas das outras em muitos aspectos, todas elas afastam as pessoas da adoração do Deus verdadeiro, Jeová. — Deuteronômio 4:35.

Como identificar Babilônia, a Grande

  1. Babilônia, a Grande, é um símbolo. A Bíblia a descreve como “uma mulher” e uma “grande prostituta”. Ela tem um nome que é “um mistério: ‘Babilônia, a Grande’”. (Apocalipse 17:1, 3, 5) O livro de Apocalipse é apresentado “em sinais”. Assim, podemos concluir que Babilônia, a Grande, é um símbolo, não uma mulher literal. (Apocalipse 1:1) Além disso, ela “está sentada sobre muitas águas”, que representam “povos, multidões, nações e línguas”. (Apocalipse 17:1, 15) Seria impossível uma mulher literal fazer isso.

  2. Babilônia, a Grande, representa uma organização internacional. Ela é chamada de “a grande cidade que tem um reino sobre os reis da terra”. (Apocalipse 17:18) Assim, ela é uma organização internacional com influência no mundo inteiro.

  3. Babilônia, a Grande, é uma organização religiosa, não uma organização política ou comercial. A Babilônia antiga era uma cidade extremamente religiosa, conhecida pelo uso de “encantamentos” e “feitiçarias”. (Isaías 47:1, 12, 13; Jeremias 50:1, 2, 38) Nessa cidade, as pessoas praticavam adoração falsa em oposição ao Deus verdadeiro, Jeová. (Gênesis 10:8, 9; 11:2-4, 8) Os governantes de Babilônia eram arrogantes e se colocavam acima de Jeová e da adoração verdadeira. (Isaías 14:4, 13, 14; Daniel 5:2-4, 23) Da mesma maneira, Babilônia, a Grande, é conhecida por suas “práticas de ocultismo”. Isso mostra que ela é uma organização religiosa. — Apocalipse 18:23.

    Babilônia, a Grande, não pode ser uma organização política porque “os reis da terra” lamentam a destruição dela. (Apocalipse 17:1, 2; 18:9) Ela também não é uma potência comercial, já que a Bíblia a diferencia dos “comerciantes da terra”. — Apocalipse 18:11, 15.

  4. Placa de pedra do rei Nabonido, de Babilônia, com símbolos da tríade de deuses Sin, Istar e Xamaxe

    Babilônia, a Grande, corresponde à religião falsa. Em vez de ensinar às pessoas como ter amizade com o Deus verdadeiro, Jeová, a religião falsa na verdade faz com que elas adorem outros deuses. A Bíblia chama isso de “prostituição espiritual”. (Levítico 20:6; Êxodo 34:15, 16) Crenças e práticas que existiam na Babilônia antiga ainda são comuns nas religiões falsas, como a Trindade, a imortalidade da alma e o uso de imagens. Em sua adoração, essas religiões também demonstram amor ao mundo. A Bíblia descreve isso como adultério espiritual. — Tiago 4:4.

    A riqueza e a ostentação das religiões falsas combinam com a descrição que a Bíblia faz de Babilônia, a Grande, que está “vestida de púrpura e escarlate” e “adornada de ouro, pedras preciosas e pérolas”. (Apocalipse 17:4) Babilônia, a Grande, é a fonte “das coisas repugnantes da terra”, ou seja, dos ensinos e práticas que desonram a Deus. (Apocalipse 17:5) Os membros das religiões falsas são os “povos, multidões, nações e línguas” que apoiam Babilônia, a Grande. — Apocalipse 17:15.

Babilônia, a Grande, é responsável pelas mortes “de todos os que foram mortos na terra”. (Apocalipse 18:24) No decorrer da história, a religião falsa promoveu guerras e instigou atos de terrorismo. Além disso, fracassou em ensinar às pessoas a verdade sobre Jeová, o Deus de amor. (1 João 4:8) Isso contribuiu para muito derramamento de sangue. Por isso, os que querem agradar a Deus devem ‘sair dela’, ou seja, devem se separar das religiões falsas. — Apocalipse 18:4; 2 Coríntios 6:14-17.

^ parágrafo 3 Veja o artigo “Como posso encontrar a religião verdadeira?”.