As Boas Novas Segundo João 20:1-31

20  No primeiro dia da semana, Maria Madalena chegou cedo ao túmulo,+ enquanto ainda estava escuro, e viu que a pedra já havia sido retirada do túmulo.+  Assim, ela foi correndo ao encontro de Simão Pedro e do outro discípulo, a quem Jesus amava,+ e lhes disse: “Retiraram o Senhor do túmulo,+ e não sabemos onde o colocaram.”  Então, Pedro e o outro discípulo saíram em direção ao túmulo.  Os dois começaram a correr juntos, mas o outro discípulo correu mais rápido que Pedro e chegou ao túmulo primeiro.  Inclinando-se para a frente, ele viu os panos de linho deixados ali,+ mas não entrou.  Depois Simão Pedro, que o seguia, chegou também, entrou no túmulo e viu os panos de linho deixados ali.  O pano que tinha sido posto na cabeça dele não estava mais ali junto com as outras faixas, mas estava enrolado num lugar à parte.  Então o outro discípulo, que tinha chegado primeiro ao túmulo, também entrou, viu e acreditou.  Porque eles ainda não entendiam a passagem das Escrituras que dizia que ele tinha de ser levantado dentre os mortos.+ 10  Assim, os discípulos voltaram para casa. 11  Maria, porém, ficou chorando do lado de fora, perto do túmulo. Enquanto chorava, ela se inclinou para a frente a fim de olhar para dentro do túmulo 12  e viu dois anjos+ de branco sentados no lugar onde o corpo de Jesus tinha sido colocado, um à cabeceira e outro aos pés. 13  Eles perguntaram a ela: “Mulher, por que está chorando?” Ela lhes respondeu: “Levaram embora o meu Senhor, e não sei onde o colocaram.” 14  Depois de dizer isso, ela se virou e viu Jesus em pé ali, mas não percebeu que era Jesus.+ 15  Jesus lhe perguntou: “Mulher, por que está chorando? Quem você está procurando?” Pensando que fosse o jardineiro, ela lhe disse: “Se o senhor o tirou daqui, diga-me onde o colocou, e eu o levarei embora.” 16  Jesus lhe disse: “Maria!” Voltando-se para ele, ela disse em hebraico: “Rabôni!” (que significa: “Instrutor!”). 17  Jesus lhe disse: “Pare de me segurar, porque ainda não subi para o Pai. Mas vá aos meus irmãos+ e diga-lhes: ‘Eu vou subir para o meu Pai+ e Pai de vocês, para o meu Deus+ e Deus de vocês.’” 18  Maria Madalena foi e levou a notícia aos discípulos: “Eu vi o Senhor!” E contou a eles o que ele tinha lhe dito.+ 19  Já era tarde naquele dia, o primeiro dia da semana, e as portas do lugar onde os discípulos se encontravam estavam trancadas, por medo dos judeus. Jesus apareceu então no meio deles e lhes disse: “Que a paz esteja com vocês.”+ 20  Depois de dizer isso, ele lhes mostrou suas mãos e o seu lado.+ Então os discípulos se alegraram ao ver o Senhor.+ 21  Jesus lhes disse novamente: “Que a paz esteja com vocês.+ Assim como o Pai me enviou,+ eu também os envio.”+ 22  Depois de dizer isso, soprou sobre eles e lhes disse: “Recebam espírito santo.+ 23  Se vocês perdoarem os pecados de alguém, eles estão perdoados; se não perdoarem os pecados de alguém, eles não estão perdoados.” 24  Mas Tomé,+ um dos Doze,+ que era chamado Gêmeo, não estava com eles quando Jesus apareceu. 25  Então os outros discípulos lhe disseram: “Nós vimos o Senhor!” Mas ele lhes disse: “Se eu não vir nas mãos dele a marca dos pregos, não colocar o dedo na marca dos pregos e não colocar a mão no lado dele,+ de modo algum acreditarei.”+ 26  Oito dias depois, seus discípulos estavam novamente reunidos, e Tomé estava com eles. Embora as portas estivessem trancadas, Jesus apareceu no meio deles e disse: “Que a paz esteja com vocês.”+ 27  Depois, disse a Tomé: “Coloque o dedo aqui e veja as minhas mãos; estenda a mão e coloque-a no meu lado. Pare de duvidar* e acredite.” 28  Em resposta Tomé lhe disse: “Meu Senhor e meu Deus!”+ 29  Jesus lhe disse: “Você acreditou porque me viu? Felizes os que não viram, mas mesmo assim acreditam.”+ 30  Certamente, Jesus realizou muitos outros sinais diante dos discípulos, os quais não estão escritos neste rolo.+ 31  Mas estes foram escritos para que vocês creiam que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, por crerem, tenham vida por meio do nome dele.+

Notas de rodapé

Lit.: “ser incrédulo”.

Notas de estudo

o primeiro dia da semana: Ou seja, 16 de nisã. Para os judeus, o dia que vinha logo depois do sábado era o primeiro dia da semana.

No primeiro dia da semana: Veja a nota de estudo em Mt 28:1.

túmulo: Ou: “túmulo memorial”. — Veja o Glossário, “Túmulo memorial”.

aquele a quem Jesus amava: Ou seja, aquele a quem Jesus amava especialmente. Esta é a primeira das cinco vezes que este Evangelho menciona um discípulo “a quem Jesus amava”. (Jo 13:23; 19:26; 20:2; 21:7, 20) Acredita-se que esse discípulo seja o apóstolo João, filho de Zebedeu e irmão de Tiago. (Mt 4:21; Mr 1:19; Lu 5:10) Um motivo para essa conclusão é que o apóstolo João não é mencionado por nome nenhuma vez neste Evangelho. A única referência mais específica a ele está em Jo 21:2, que fala dos “filhos de Zebedeu”. Outro motivo é que Jo 21:20-24 mostra que “o discípulo que Jesus amava” foi o escritor deste Evangelho. Além disso, nesse mesmo relato Jesus disse o seguinte sobre esse discípulo: “Se eu quiser que ele permaneça até eu vir, o que importa isso a você [Pedro]?” Essas palavras dão a entender que o discípulo que Jesus amava viveria bem mais do que Pedro e os outros apóstolos, o que se encaixa com o que aconteceu com o apóstolo João. — Veja as notas de estudo em Jo Título e Jo 1:6; 21:20.

um outro discípulo: Aparentemente se refere ao apóstolo João. Isso estaria de acordo com o fato de que João não fala de si mesmo por nome nenhuma vez em seu Evangelho. (Veja as notas de estudo em Jo 13:23; 19:26; 20:2; 21:7; 21:20.) Além disso, João e Pedro são mencionados juntos no relato de Jo 20:2-8 sobre os acontecimentos depois da ressurreição de Jesus. A Bíblia não explica como foi que João, que era da Galileia, se tornou conhecido do sumo sacerdote. Mas, por conhecer os servos do sumo sacerdote, João conseguiu entrar no pátio e depois conseguiu que “a serva que tomava conta da porta” deixasse Pedro entrar. — Jo 18:16.

o Pai ama o Filho: Ou: “o Pai tem afeição pelo Filho”. Aqui, Jesus descreve a forte união e amizade que existem entre ele e o seu Pai desde o princípio da criação. (Pr 8:30) Quando João registrou estas palavras de Jesus, ele usou uma forma do verbo grego filéo, que envolve sentimentos de carinho e afeto. Esse verbo muitas vezes descreve um forte apego, do tipo que verdadeiros amigos têm um pelo outro. Por exemplo, ele é usado para descrever o que Jesus sentia por seu amigo Lázaro. (Jo 11:3, 36) Esse verbo também é usado para descrever os sentimentos entre pais e filhos. (Mt 10:37) Além disso, filéo é usado para falar do forte apego que Jeová tem por cada um dos seguidores de seu Filho e também para falar dos sentimentos que esses seguidores têm pelo Filho de Deus. — Jo 16:27.

ama vocês: Ou: “tem afeição por vocês”. O verbo grego filéo pode ser traduzido como “ter afeição”, “amar”, “gostar” e “beijar”. (Jo 12:25; Mt 23:6; Mr 14:44) Esse verbo muitas vezes descreve um forte apego, do tipo que verdadeiros amigos têm um pelo outro. Quando Jesus estava a caminho do túmulo de Lázaro e “começou a chorar”, as pessoas disseram: “Vejam como ele o amava [uma forma do verbo filéo]!” (Jo 11:35, 36) Esse verbo também é usado para descrever o relacionamento achegado que costuma existir entre pais e filhos. (Mt 10:37) Além disso, como mostra este versículo, filéo é usado para falar do forte apego que Jeová tem por cada um dos seguidores de seu Filho e também para falar dos sentimentos que esses seguidores têm pelo Filho de Deus. Em Jo 5:20, esse mesmo verbo é usado para descrever o forte apego que o Pai tem pelo Filho.

Jesus perguntou a Simão Pedro: Nesta conversa, Jesus perguntou três vezes o que Pedro sentia por ele, até que “Pedro ficou triste”. (Jo 21:17) Ela aconteceu pouco tempo depois de Pedro ter negado Jesus três vezes. O relato de Jo 21:15-17 usa dois verbos gregos que foram traduzidos como amar em português, agapáo e filéo. Nas duas primeiras vezes que Jesus perguntou a Pedro “você me ama?”, ele usou o verbo agapáo. Pedro respondeu usando o verbo filéo, que inclui sentimentos de carinho e afeto. Na terceira vez, tanto Jesus como Pedro usaram o verbo filéo. O relato mostra que, cada vez que Pedro reafirmou seu amor, Jesus respondeu enfatizando que o amor de Pedro devia motivá-lo a alimentar e ‘pastorear’ espiritualmente os discípulos de Jesus, que ele chamou de seus cordeiros, ou “ovelhinhas”. (Jo 21:16, 17; 1Pe 5:1-3) Jesus deu a Pedro a oportunidade de confirmar seu amor por ele três vezes e, então, lhe deu a responsabilidade de cuidar de suas ovelhas. Assim, Pedro, que tinha negado Jesus três vezes, pôde ter certeza absoluta de que Jesus tinha lhe perdoado.

do outro discípulo, a quem Jesus amava: Ou: “do outro discípulo, por quem Jesus tinha afeição”. Ou seja, aquele a quem Jesus amava especialmente. Esta é a terceira das cinco vezes que este Evangelho menciona um discípulo “a quem Jesus amava”. (Jo 13:23; 19:26; 20:2; 21:7, 20) Acredita-se que esse discípulo seja o apóstolo João. (Veja as notas de estudo em Jo 13:23; 18:15.) Em quatro das cinco vezes, a palavra grega traduzida como “amava” é agapáo. Este versículo usa um sinônimo, filéo, que passa a ideia de carinho e afeto e aparece em textos como Mt 10:37; Jo 11:3, 36; 16:27; 21:15-17; 1Co 16:22; Tit 3:15 e Ap 3:19. — Veja as notas de estudo em Jo 5:20; 16:27; 21:15.

a passagem das Escrituras: A passagem mencionada aqui é provavelmente o Sal 16:10 ou Is 53:10. Nem mesmo os discípulos de Jesus entendiam algumas das profecias sobre o Messias, especialmente as que tinham a ver com ele ser rejeitado, sofrer, morrer e ser ressuscitado. — Is 53:3, 5, 12; Mt 16:21-23; 17:22, 23; Lu 24:21; Jo 12:34.

hebraico: Nas Escrituras Gregas Cristãs, os escritores inspirados da Bíblia chamaram de “hebraico” o idioma falado pelos judeus (Jo 19:13, 17, 20; At 21:40; 22:2; Ap 9:11; 16:16) e usado pelo glorificado Jesus ao falar com Saulo de Tarso (At 26:14, 15). O texto de At 6:1 diferencia os “judeus que falavam hebraico” dos “judeus que falavam grego”. Alguns estudiosos afirmam que todas essas ocorrências da palavra “hebraico” deveriam ser traduzidas como “aramaico”, mas há bons motivos para acreditar que a palavra realmente se refere ao idioma hebraico. Por exemplo, o médico Lucas diz em Atos que o apóstolo Paulo falou ao povo de Jerusalém “no idioma hebraico”. Paulo estava falando com pessoas que gastavam grande parte de seu tempo estudando a Lei de Moisés, em hebraico. Além disso, os Rolos do Mar Morto (um conjunto de muitos fragmentos e manuscritos bíblicos e não bíblicos), em sua maior parte, foram escritos em hebraico, mostrando que o idioma era usado pelos judeus no dia a dia. Também foram encontrados alguns fragmentos em aramaico, mas isso mostra apenas que os dois idiomas eram usados. Assim, parece muito improvável que os escritores bíblicos usassem a palavra “hebraico” para se referir ao idioma aramaico, ou sírio. (At 21:40; 22:2; compare com At 26:14.) Em 2Rs 18:26, as Escrituras Hebraicas diferenciam o “aramaico” do “idioma dos judeus”. E o historiador judeu Josefo, comentando sobre esse mesmo relato de 2 Reis, fala do “aramaico” e do “hebraico” como dois idiomas diferentes. (Antiguidades Judaicas) É verdade que o hebraico e o aramaico têm algumas palavras bem parecidas e que algumas palavras hebraicas vêm do aramaico. Mas parece não haver motivo para os escritores das Escrituras Gregas Cristãs terem usado “hebraico” se estivessem se referindo ao “aramaico”.

hebraico: Veja a nota de estudo em Jo 5:2.

Rabôni!: Palavra semítica que significa “meu instrutor”. É possível que a palavra “Rabôni” originalmente fosse considerada mais respeitosa ou carinhosa do que sua forma mais simples, “Rabi”. Mas, aqui e em Jo 1:38, João disse que essas duas palavras significavam simplesmente instrutor. Pode ser que, quando João escreveu seu Evangelho, o significado especial da forma “Rabôni” já tivesse se perdido.

Pare de me segurar: O verbo grego que aparece aqui, háptomai, pode ter o sentido de “tocar” ou de “segurar; agarrar”. Algumas Bíblias traduzem as palavras de Jesus como: “Não me toque.” Mas Jesus não estava proibindo Maria de tocar nele, senão ele teria feito o mesmo com as mulheres que “abraçaram os pés dele” quando viram que tinha sido ressuscitado. (Mt 28:9) Tudo indica que Maria Madalena achava que Jesus estava prestes a subir ao céu. Ela queria tanto continuar na companhia do Senhor Jesus que tentou impedir que ele partisse. Jesus pediu a Maria que parasse de segurá-lo e que, em vez disso, fosse contar aos discípulos que ele tinha sido ressuscitado. Assim, ele mostrou a Maria que ele ainda não estava indo para o céu.

o meu Deus e Deus de vocês: Esta conversa entre Jesus e Maria Madalena, no dia 16 de nisã de 33 d.C., mostra que Jesus continuava considerando o Pai como o seu Deus, assim como Maria Madalena considerava o Pai como o Deus dela. Dois dias antes, quando estava na estaca de tortura, Jesus se dirigiu a seu Pai com as palavras: “Deus meu, Deus meu.” Ao fazer isso, ele cumpriu o Sal 22:1 e reconheceu que o Pai era o seu Deus. (Mt 27:46; Mr 15:34; Lu 23:46) Em Ap 3:2, 12, Jesus também chama o Pai de “meu Deus”. Esses relatos mostram que, mesmo depois de ressuscitado e glorificado, Jesus continua adorando ao Pai como seu Deus, assim como os discípulos dele fazem.

os judeus: No Evangelho de João, a palavra “judeus” pode ter significados diferentes, dependendo do contexto. Ela pode se referir aos judeus em geral, aos habitantes da região da Judeia ou aos que moravam em Jerusalém ou perto dali. Ela também pode ter um sentido mais específico e se referir aos judeus que se apegavam às tradições humanas acrescentadas à Lei mosaica. Essas tradições muitas vezes iam contra o espírito da Lei. (Mt 15:3-6) Quem tomava a frente entre esse último grupo de “judeus” eram as autoridades judaicas, os líderes religiosos dos judeus, que odiavam Jesus. O contexto indica que, aqui e em alguns outros versículos do capítulo 7, a palavra “judeus” se refere a essas autoridades judaicas. — Jo 7:13, 15, 35a; veja o Glossário, “Judeu”.

dos judeus: Aqui, a palavra “judeus” pelo visto se refere às autoridades judaicas, os líderes religiosos dos judeus. — Veja a nota de estudo em Jo 7:1.

Tomé: O nome grego traduzido como “Tomé” vem de uma palavra aramaica que significa “gêmeo”. Esse apóstolo também era conhecido por outro nome grego, Dídymos, que também significa Gêmeo. Algumas Bíblias em português dizem neste versículo: “Tomé, chamado Dídimo.”

o meu Deus e Deus de vocês: Esta conversa entre Jesus e Maria Madalena, no dia 16 de nisã de 33 d.C., mostra que Jesus continuava considerando o Pai como o seu Deus, assim como Maria Madalena considerava o Pai como o Deus dela. Dois dias antes, quando estava na estaca de tortura, Jesus se dirigiu a seu Pai com as palavras: “Deus meu, Deus meu.” Ao fazer isso, ele cumpriu o Sal 22:1 e reconheceu que o Pai era o seu Deus. (Mt 27:46; Mr 15:34; Lu 23:46) Em Ap 3:2, 12, Jesus também chama o Pai de “meu Deus”. Esses relatos mostram que, mesmo depois de ressuscitado e glorificado, Jesus continua adorando ao Pai como seu Deus, assim como os discípulos dele fazem.

a Palavra era um deus: Ou: “a Palavra era divina; a Palavra era semelhante a um deus”. João está se referindo a uma qualidade ou característica de Jesus Cristo, que ele chama aqui de “a Palavra” (em grego, ho lógos; veja a nota de estudo em a Palavra neste versículo). Jesus é o Filho primogênito de Deus, e por meio dele Deus criou todas as outras coisas. Por isso, ele tem uma posição superior a todas as outras criaturas e pode ser descrito como “um deus; alguém semelhante a um deus; divino; um ser divino”. Muitos preferem traduzir essa declaração como “a Palavra (o Verbo) era Deus”, passando a ideia de que a Palavra era o Deus Todo-Poderoso. Mas existem bons motivos para afirmar que João não queria dizer isso. Primeiro: João diz claramente, tanto antes como depois, que “a Palavra” estava “com Deus”. Segundo: a palavra grega theós (deus) aparece três vezes nos versículos 1 e 2. Na primeira e na terceira ocorrências, João usou o artigo definido antes da palavra theós, mas na segunda ocorrência ele não usou. Muitos estudiosos concordam que essa diferença é importante. Quando a palavra theós está acompanhada do artigo definido nesses versículos, ela se refere ao Deus Todo-Poderoso. Mas, quando ela é usada sem o artigo definido (na segunda ocorrência), ela descreve uma característica da “Palavra”. Por isso, existem Bíblias em alemão, francês e inglês, além de uma Bíblia interlinear em português, que traduzem o texto de um modo parecido com a Tradução do Novo Mundo, passando a ideia de que “a Palavra” era “um deus; divina; um ser divino; de natureza divina; semelhante a um deus”. Antigas traduções do Evangelho de João para o saídico e o boáirico (dialetos da língua copta), que provavelmente foram produzidas nos séculos 3 e 4 d.C., apoiam essa ideia. Elas também traduzem a segunda ocorrência de theós em Jo 1:1 de maneira diferente da primeira. Na segunda ocorrência, theós é uma qualidade que Jesus (a Palavra) tinha, ou seja, ele tinha a mesma natureza de Deus. Mas essas traduções não dão a entender que “a Palavra” era a mesma pessoa que seu Pai, o Deus Todo-Poderoso. Concordando com esse entendimento de Jo 1:1, o texto de Col 2:9 diz que Jesus Cristo tem “toda a plenitude da qualidade divina”. E 2Pe 1:4 diz que até mesmo os que iriam reinar com Cristo ‘participariam da natureza divina’. Terceiro: a palavra grega theós geralmente é usada na Septuaginta como equivalente das palavras hebraicas ʼel e ʼelohím. Essas palavras hebraicas são traduzidas como “Deus”, e entende-se que elas têm o sentido básico de “poderoso; forte”. Elas são usadas para se referir ao Deus Todo-Poderoso, a outros deuses e a humanos. (Veja a nota de estudo em Jo 10:34.) Chamar a Palavra de “um deus” ou de “alguém poderoso” estaria de acordo com a profecia de Is 9:6. Esse texto predisse que o Messias seria chamado de “Deus Poderoso” (não “Deus Todo-Poderoso”) e que ele seria o “Pai Eterno” de todos os que tivessem o privilégio de ser governados por ele. O “zelo de Jeová dos exércitos”, o Pai do Messias, faria isso acontecer. — Is 9:7.

Meu Senhor e meu Deus!: Lit.: “O Senhor de mim e o Deus [ho theós] de mim!” Alguns estudiosos acreditam que, embora estas palavras de espanto de Tomé tenham sido ditas a Jesus, elas se dirigiam a Deus, o Pai. Outros dizem que o texto grego não abre essa possibilidade e que essas palavras se dirigiam ao próprio Jesus. Mesmo que isso seja verdade, o sentido da expressão “meu Senhor e meu Deus” precisa estar de acordo com o restante das Escrituras inspiradas. O relato mostra que, antes disso, Jesus tinha enviado a seus discípulos a mensagem: “Eu vou subir para o meu Pai e Pai de vocês, para o meu Deus e Deus de vocês.” Assim, não existe motivo para acreditar que Tomé achasse que Jesus era o Deus Todo-Poderoso. (Veja a nota de estudo em Jo 20:17.) Além disso, Tomé tinha ouvido Jesus orar ao “Pai” e chamá-lo de “o único Deus verdadeiro”. (Jo 17:1-3) Levando isso em conta, Tomé pode ter chamado Jesus de “meu Deus” por um dos seguintes motivos: Ele acreditava que Jesus era “um deus”, mas não o Deus Todo-Poderoso. (Veja a nota de estudo em Jo 1:1.) Ou Tomé pode ter imitado o modo como alguns servos fiéis do passado tinham se dirigido a anjos que estavam representando a Deus, conforme registrado nas Escrituras Hebraicas. Tomé com certeza conhecia relatos em que o próprio escritor do livro bíblico, ou outra pessoa, se dirigia a um anjo enviado por Deus como se o anjo fosse o próprio Jeová Deus. (Compare com Gên 16:7-11, 13; 18:1-5, 22-33; 32:24-30; Jz 6:11-15; 13:20-22.) Dessa forma, Tomé pode ter chamado Jesus de “meu Deus” porque reconhecia que Jesus era o representante ou porta-voz do verdadeiro Deus.

No texto grego, o artigo definido aparece antes das palavras “senhor” e “deus”, e alguns dizem que isso indica que essas palavras se referem ao Deus Todo-Poderoso. Mas, neste contexto, o artigo definido pode ter sido usado apenas para deixar essas palavras no vocativo, uma forma usada para chamar uma pessoa ou dirigir a palavra a ela. Alguns exemplos de textos em que uma pessoa se dirige a alguém dessa forma são Lu 12:32 (onde no texto grego o artigo definido aparece antes de “pequeno rebanho”) e Col 3:18–4:1 (onde no texto grego o artigo definido aparece antes de “esposa”, “marido”, “filhos”, “pais”, “escravos” e “senhores”). De modo parecido, no texto grego de 1Pe 3:7, o artigo definido aparece antes da palavra “marido” (lit.: “os maridos”). Assim, o uso do artigo definido talvez não seja suficiente para determinar o que Tomé queria dizer com essas palavras.

Mídia