Pular para conteúdo

Pular para sumário

 AJUDA PARA A FAMÍLIA | JOVENS

Quando você precisa voltar a morar com os pais

Quando você precisa voltar a morar com os pais

O DESAFIO

Já ouviu falar da “geração bumerangue”? Trata-se de jovens adultos que saíram de casa e tentaram morar sozinhos, mas que tiveram que voltar a morar com os pais por causa de dificuldades econômicas. Isso aconteceu com você?

Mesmo que você ame seu pai e sua mãe, voltar a morar com eles pode ser difícil. Por exemplo, Sarah * diz: “Morar sozinha me fez sentir mais confiante porque eu não tinha que depender de outros. Mas ter que voltar a morar com meus pais me fez sentir uma criança de novo.” Richard também se sentiu assim. Ele diz: “Eu não queria voltar, mas não tinha condições de me sustentar. Eu me senti um fracasso.”

Se você se sente assim, este artigo pode ajudá-lo a recuperar sua independência financeira.

POR QUE ACONTECE

Falta de dinheiro. Muitos jovens têm um choque e tanto quando se deparam pela primeira vez com o alto custo de vida. “Gastei todas as minhas economias tentando me manter”, diz Richard, já mencionado. Aconteceu algo parecido com Sheila, que saiu de casa aos 24 anos e voltou um ano e meio depois. “Eu podia ter administrado melhor minhas finanças”, admite ela. “Saí de casa sem dinheiro e voltei endividada.” *

Problemas com emprego. Mesmo quando alguém faz um bom planejamento para ter uma vida independente, perder o emprego pode atrapalhar bastante. Foi isso que Sheila descobriu. “Eu me formei na área médica e, com a ajuda de uma agência, encontrei um emprego”, diz ela. “Mas depois acabei perdendo esse emprego e fiquei num beco sem saída. Eu morava numa região rural, e não havia nenhum outro emprego em minha área.”

Expectativas irrealistas. Alguns jovens adultos que entram no mercado de trabalho não imaginam o desafio que é ganhar o sustento. Muitas vezes, o trabalho deles é mais difícil do que imaginavam, e acabam ficando decepcionados com a vida independente que tanto queriam. Eles não esperavam que a vida adulta fosse tão desafiadora.

 O QUE VOCÊ PODE FAZER

Fale com seus pais sobre sua volta para casa. Converse sobre questões como: Quanto tempo você vai precisar ficar na casa deles? Enquanto estiver lá, como vai ajudar nas despesas da casa? De que tarefas domésticas você poderia cuidar? Que passos você vai tomar para recuperar sua independência financeira? Seja qual for sua idade, lembre-se de que, ao voltar a morar debaixo do teto de seus pais, você precisa obedecer às regras deles. — Princípio bíblico: Êxodo 20:12.

Aprenda a administrar seu dinheiro. O livro Guia Completo de Finanças Pessoais: para Adolescentes e Estudantes Universitários (em inglês) diz: “O modo como você gasta seu dinheiro indica se você vai conseguir ou não fazer uma boa administração de suas finanças. . . . É essencial entender o conceito básico de não gastar dinheiro com coisas de que você não precisa.” — Princípio bíblico: Lucas 14:28.

Procure conselhos confiáveis. Os pais ou outros adultos podem ajudar você a desenvolver habilidades práticas como administrar contas bancárias, fazer orçamentos e pagar as contas. “Tive que aprender tudo do zero”, diz Marie. “Uma amiga me ajudou a fazer uma lista de despesas necessárias e desnecessárias. Não acreditei no que descobri — a maioria dos meus gastos eram totalmente desnecessários! Também aprendi a desenvolver uma qualidade essencial para ter independência financeira: a autodisciplina.” — Princípio bíblico: Provérbios 13:10.

O que importa não é o que você faz, mas ser bom no que você faz

Dê os passos necessários para encontrar um emprego. Enquanto estiver desempregado, aproveite o tempo para procurar emprego. Mas cuidado: algumas pessoas talvez lhe digam para “correr atrás do seu sonho” ao escolher uma carreira. Só que procurar o “emprego dos seus sonhos” provavelmente limitará suas opções de emprego e o impedirá de ver as oportunidades que estão bem à sua frente. Em vez de perder tempo se concentrando num tipo de emprego, tenha a mente aberta para outras opções. Lembre-se: o que importa não é o que você faz, mas ser bom no que você faz. Na verdade, tem se observado que quanto mais experiência e habilidade um trabalhador adquire, mais ele gosta do trabalho. Você não precisa fazer o que ama para amar o que faz.

^ parágrafo 5 Os nomes neste artigo foram mudados.

^ parágrafo 8 Nos Estados Unidos, estudantes universitários muitas vezes enfrentam uma situação parecida. Segundo uma reportagem do The Wall Street Journal, um aluno que fez um empréstimo para pagar a faculdade se forma com uma dívida de uns 33 mil dólares.