Pular para conteúdo

As Testemunhas de Jeová dividem ou unem as famílias?

Como Testemunhas de Jeová, nos esforçamos para que as famílias sejam unidas, tanto a nossa como a de outros. Nós respeitamos a Deus, o Criador da família. (Gênesis 2:21-24; Efésios 3:14, 15) Na Bíblia, ele ensina princípios que já ajudaram pessoas do mundo inteiro a ter um casamento feliz e bem-sucedido.

Como as Testemunhas de Jeová ajudam as famílias a serem mais unidas

Nós fazemos nosso máximo para seguir os conselhos da Bíblia, pois eles nos ajudam a melhorar como maridos, esposas ou pais. (Provérbios 31:10-31; Efésios 5:22–6:4; 1 Timóteo 5:8) A sabedoria encontrada na Bíblia pode ajudar até mesmo as famílias que possuem membros de religiões diferentes. (1 Pedro 3:1, 2) Veja o que algumas pessoas disseram quando seus cônjuges se tornaram Testemunhas de Jeová:

  • “Até os seis primeiros anos de casados, vivíamos com brigas e decepções. Depois que Ivete se tornou uma Testemunha de Jeová, sua paciência e submissão amorosa foram me conquistando. As mudanças que ela fez salvaram nosso casamento.” — Clauir, do Brasil.

  • “Eu fui contra quando Chansa, meu marido, começou a estudar a Bíblia com as Testemunhas de Jeová, porque eu sempre achei que elas dividiam as famílias. Mas agora eu vejo que, na verdade, a Bíblia ajudou o nosso casamento.” — Agness, de Zâmbia.

Em nossa obra de pregação, mostramos a todos que aplicar o que a Bíblia diz pode nos ajudar a

Será que mudar de religião pode causar problemas no casamento?

Às vezes, sim. Por exemplo, em 1998, o instituto de pesquisas Sofres analisou casamentos em que apenas um dos cônjuges se tornou Testemunha de Jeová. A pesquisa revelou que, em cada vinte casamentos, um teve problemas sérios.

Jesus predisse que aqueles que seguissem seus ensinos poderiam às vezes enfrentar conflitos na família. (Mateus 10:32-36) O historiador Will Durant observou que, durante o Império Romano, “o cristianismo estava sendo acusado de destruir o lar” *. Hoje, algumas Testemunhas de Jeová são vítimas da mesma acusação. Mas é mesmo o cônjuge que se torna Testemunha de Jeová quem causa a discórdia?

Tribunal Europeu dos Direitos do Homem

Ao lidar com a acusação de que as Testemunhas de Jeová dividem famílias, o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem disse que os membros da família que não são Testemunhas de Jeová muitas vezes causam conflitos por se recusarem “a aceitar e respeitar a liberdade que seu parente tem de manifestar e praticar sua religião”. O Tribunal acrescentou: “Essa situação é comum a todos os casamentos em que os cônjuges são de religiões diferentes, e as Testemunhas de Jeová não são exceção.” * No entanto, mesmo que enfrentem intolerância religiosa, as Testemunhas de Jeová se apegam ao conselho da Bíblia: “Não retribuais a ninguém mal por mal. . . . Se possível, no que depender de vós, sede pacíficos para com todos os homens.” — Romanos 12:17, 18.

Por que as Testemunhas de Jeová creem que devem casar apenas com quem também é Testemunha de Jeová

As Testemunhas de Jeová seguem a instrução bíblica de casar “somente no Senhor”, ou seja, casar com uma pessoa que seja da mesma religião delas. (1 Coríntios 7:39) Essa ordem, além de bíblica, é prática. Por exemplo, um artigo publicado no Journal of Marriage and Family em 2010 disse que “casais em que marido e esposa são da mesma religião e que compartilham as mesmas práticas e crenças” têm mais chances de ter um relacionamento muito mais estável. *

Por outro lado, as Testemunhas de Jeová não incentivam alguém a se separar do seu cônjuge que não é Testemunha de Jeová. A Bíblia diz: “Se algum irmão tiver esposa incrédula, e ela, contudo, estiver disposta a morar com ele, que ele não a deixe; e a mulher que tiver marido incrédulo, e ele, contudo, estiver disposto a morar com ela, não deixe seu marido.” (1 Coríntios 7:12, 13) As Testemunhas de Jeová respeitam essa ordem.

^ parágrafo 17 Veja César e Cristo, página 506.

^ parágrafo 18 Veja o julgamento proferido no caso Testemunhas de Jeová de Moscou vs. Rússia, páginas 26 e 27, parágrafo 111.

^ parágrafo 20 Veja o Journal of Marriage and Family, volume 72, número 4, (agosto de 2010), página 963.