Pular para conteúdo

A Ceia do Senhor — por que as Testemunhas de Jeová celebram de modo diferente?

Nós seguimos de perto as orientações da Bíblia ao realizar a Ceia do Senhor, que é a celebração da morte de Jesus, também conhecida como “Última Ceia” ou “Santa Ceia”. (1 Coríntios 11:20) Mas o que muitas religiões creem ou fazem nessa ocasião não reflete o que a Bíblia ensina.

Qual é o objetivo dessa celebração?

A Ceia do Senhor é celebrada para lembrar de Jesus e mostrar gratidão pelo sacrifício que ele fez por nós. (Mateus 20:28; 1 Coríntios 11:24) Essa celebração não é um sacramento, ou seja, uma prática religiosa que dá à pessoa a graça de Deus ou o perdão de seus pecados. * A Bíblia ensina que nossos pecados podem ser perdoados somente pela fé em Jesus, não por meio de uma cerimônia religiosa. — Romanos 3:25; 1 João 2:1, 2.

Com que frequência deve ser feita?

Jesus disse que seus discípulos deveriam celebrar a Ceia do Senhor, mas não disse quantas vezes isso deveria ser feito. (Lucas 22:19) Algumas pessoas acham que a celebração deve ser feita a cada mês; outras acham que deve ser uma vez por semana, diariamente ou até várias vezes no mesmo dia. Ainda outras dizem que cada um pode decidir quantas vezes quer celebrar a Ceia do Senhor. * Mas há algumas coisas que precisam ser levadas em conta.

Jesus celebrou a Ceia do Senhor na mesma data em que os judeus comemoravam a Páscoa, e ele morreu naquele mesmo dia. (Mateus 26:1, 2) Isso não foi apenas uma coincidência. A Bíblia compara o sacrifício de Jesus com o sacrifício do cordeiro pascoal. (1 Coríntios 5:7, 8) A Páscoa era celebrada uma vez por ano. (Êxodo 12:1-6; Levítico 23:5) Da mesma forma, os primeiros cristãos realizavam a Celebração da morte de Jesus uma vez por ano, * e as Testemunhas de Jeová seguem esse exemplo que se baseia na Bíblia.

Quando e a que horas?

Analisar o que Jesus fez quando realizou a Celebração nos ajuda a determinar não apenas a frequência dela, mas também a data e a hora em que deve ser feita. Ele instituiu a celebração depois do pôr do sol, no dia 14 do mês de nisã, no ano 33. Essa data se baseava no calendário lunar da Bíblia. (Mateus 26:18-20, 26) Nós continuamos celebrando a morte dele anualmente nessa mesma data, seguindo o exemplo dos primeiros cristãos. *

O dia 14 de nisã do ano 33 caiu numa sexta-feira, mas o dia correspondente a essa data no nosso calendário pode cair cada ano em diferentes dias da semana. Para saber quando será o dia 14 de nisã usamos o mesmo método da época de Jesus, em vez de usar o calendário judaico atual. *

Pão e vinho

Na celebração que Jesus instituiu, ele usou o pão sem fermento e o vinho tinto que tinham sobrado da refeição da Páscoa. (Mateus 26:26-28) Nós seguimos o seu exemplo. Usamos pão feito sem fermento e sem adição de outros ingredientes. E o vinho é tinto e puro, não suco de uva ou vinho misturado com açúcar, bebidas destiladas ou ervas.

Algumas religiões usam pão com fermento, mas o fermento muitas vezes é símbolo de pecado e corrupção na Bíblia. (Lucas 12:1; 1 Coríntios 5:6-8; Gálatas 5:7-9) Por isso, somente o pão sem fermento e sem outros ingredientes pode servir como símbolo apropriado do corpo sem pecado de Cristo. (1 Pedro 2:22) Outra prática que a Bíblia não apoia é usar suco de uva não fermentado em vez de vinho. Algumas igrejas fazem isso porque proíbem o consumo de álcool. Mas essa proibição não tem base bíblica. — 1 Timóteo 5:23.

O pão e o vinho são apenas símbolos

O pão sem fermento e o vinho tinto servidos na Celebração são emblemas, ou símbolos, da carne e do sangue de Cristo. Eles não se transformam milagrosamente nem são misturados com a carne e o sangue literais de Jesus, como alguns pensam. Veja o que a Bíblia diz sobre isso.

  • Jesus não mandou que seus discípulos bebessem seu sangue. Ele conhecia a lei de Deus que proibia consumir sangue, pois o sangue é sagrado. (Gênesis 9:4; Atos 15:28, 29) E Jesus com certeza nunca incentivaria ninguém a violar a lei de Deus. — João 8:28, 29.

  • Os apóstolos não poderiam ter realmente bebido o sangue de Jesus enquanto ele ainda estava vivo. Seu sangue ainda não havia sido derramado. — Mateus 26:28.

  • O sacrifício de Jesus foi feito “de uma vez para sempre”. (Hebreus 9:25, 26) Se o pão e o vinho servidos na Ceia do Senhor se transformassem na carne e no sangue de Jesus, os que participam dessa celebração estariam repetindo o sacrifício dele, como que derramando novamente o seu sangue.

  • Jesus disse: “Persistam em fazer isso em memória de mim”, e não: “Persistam em fazer isso para repetir meu sacrifício.” — 1 Coríntios 11:24.

Alguns acreditam na doutrina da transubstanciação, ou seja, creem que o pão e o vinho se transformam no corpo e no sangue de Jesus. Eles se baseiam na tradução de alguns textos bíblicos. Por exemplo, muitas versões da Bíblia registram as palavras de Jesus em Mateus 26:28 desta forma: “Isto é o meu sangue.” Mas essa frase pode ser traduzida como: “Isto significa o meu sangue” ou “Isto representa o meu sangue”. * Jesus usou aqui uma metáfora, uma forma de comparação, como sempre fazia ao ensinar. — Mateus 13:34, 35.

Quem come o pão e bebe o vinho?

Quando as Testemunhas de Jeová celebram a Ceia do Senhor, poucas pessoas participam dos emblemas, ou comem o pão e bebem o vinho. Por quê?

O sangue derramado de Jesus estabeleceu “um novo pacto”, que ficou no lugar do pacto feito entre Jeová Deus e a antiga nação de Israel. (Hebreus 8:10-13) Os que estão incluídos nesse novo pacto comem o pão e bebem o vinho na Celebração. Esse grupo não inclui todos os cristãos, mas apenas os que foram “chamados” de uma forma especial por Deus. (Hebreus 9:15; Lucas 22:20) Essas pessoas vão governar com Cristo no céu, e a Bíblia diz que somente 144 mil terão esse privilégio. — Lucas 22:28-30; Apocalipse 5:9, 10; 14:1, 3.

Aqueles que vão governar com Cristo são chamados de “pequeno rebanho”. Em contraste, a grande maioria de nós tem a esperança de ser parte da “grande multidão” de pessoas que vão receber a vida eterna na Terra. (Lucas 12:32; Apocalipse 7:9, 10) Os que têm esperança de viver na Terra não comem o pão nem bebem o vinho na Celebração, mas estão presentes nessa ocasião para mostrar que são gratos pelo sacrifício que Jesus fez por todos. — 1 João 2:2.

^ parágrafo 4 A obra Cyclopedia, de McClintock e Strong, Volume IX, página 212, diz: “O termo sacramento não aparece no N[ovo] T[estamento]; e a palavra grega μυστήριον [my·sté·ri·on] não é aplicada nenhuma vez ao batismo, à ceia do Senhor ou a outra celebração visível.”

^ parágrafo 6 Algumas versões da Bíblia usam a expressão “todas as vezes” no texto de 1 Coríntios 11:25, 26, que fala sobre a Ceia do Senhor. Muitos entendem que essa frase indica quantas vezes a ceia deveria ser celebrada. Mas o sentido correto do termo na língua original é “sempre que” ou “cada vez”. — 1 Coríntios 11:25, 26; Nova Versão Internacional; Bíblia na Linguagem de Hoje.

^ parágrafo 7 Veja The New Schaff-Herzog Encyclopedia of Religious Knowledge (Nova Enciclopédia de Conhecimento Religioso, de Schaff-Herzog), Volume IV, páginas 43-44, e Cyclopedia, de McClintock e Strong, Volume VIII, página 836.

^ parágrafo 9 Veja The New Cambridge History of the Bible (A Nova História da Bíblia, de Cambridge), Volume 1, página 841.

^ parágrafo 10 No calendário judaico atual, o primeiro dia do mês de nisã coincide com a lua nova astronômica, mas essa não era a técnica usada no primeiro século. O mês começava no dia em que se podia ver a lua nova pela primeira vez em Jerusalém, o que poderia ser um ou mais dias depois da lua nova astronômica. Essa é uma das razões pelas quais as Testemunhas de Jeová nem sempre celebram a Ceia do Senhor na mesma data em que os judeus atuais celebram a Páscoa.

^ parágrafo 20 Veja as Bíblias: A New Translation of the Bible, de James Moffatt, The New Testament—A Translation in the Language of the People, de Charles B. Williams e The Original New Testament, de Hugh J. Schonfield.