Pular para conteúdo

Prisioneiro muda sua vida — uma história entre muitas

Na Espanha, as Testemunhas de Jeová visitam 68 prisões, e cerca de 600 detentos estudam a Bíblia.

Antes de se tornar Testemunha de Jeová, Miguel ficou preso por 12 anos. Mas hoje ele volta à prisão toda semana. Por quê? Para ajudar outros presos a transformar sua vida, assim como aconteceu com ele.

Nos últimos oito anos, Miguel já ensinou a Bíblia a muitos presos. Ele disse: “Para mim é um prazer poder ajudar os detentos da prisão em que eu mesmo estive. Fico muito feliz quando vejo que eles realmente querem abandonar a vida do crime.”

Quando Miguel tinha 4 anos, seu pai foi atropelado por um motorista bêbado e acabou morrendo. Assim, sua mãe teve de trabalhar muito para sustentar a família.

Miguel e seu irmão mais velho começaram a faltar às aulas para assaltar casas e arrombar carros. Aos 12 anos, Miguel cometia pequenos roubos. Aos 15 anos, já estava ganhando muito dinheiro vendendo drogas. Mas seu vício em heroína e cocaína o levou a roubar cada vez mais. Aos 16 anos, ele já havia sido preso várias vezes, e foi assim que se tornou um criminoso insensível. Ele disse: “Era como se eu fosse uma mosca presa numa teia de aranha. Eu tinha certeza de que um dia morreria, ou na cadeia, ou de overdose.”

Mas, em 1994, enquanto Miguel estava na prisão, um amigo pediu que uma Testemunha de Jeová escrevesse uma carta para ele. Nessa carta, Miguel aprendeu que Deus vai transformar a Terra num Paraíso. Também foi incentivado a fazer mudanças na vida para que pudesse presenciar o cumprimento dessa promessa. Miguel disse: “As palavras daquela carta tocaram o meu coração. Depois daquele dia, tudo mudou para mim, e eu decidi estudar a Bíblia, mesmo sabendo que não seria nada fácil.”

Miguel disse isso porque estava viciado em cigarro e em drogas, coisas que ele podia conseguir facilmente na prisão. Seu colega de cela lhe oferecia drogas todos os dias. Miguel orou muitas vezes pedindo forças para vencer seu vício, até que finalmente conseguiu.

Três meses depois, Miguel já estava falando de suas crenças a outros detentos. No ano seguinte, foi libertado e se batizou como Testemunha de Jeová. Ele também planejava se casar, mas surgiu um problema. Um mês antes do casamento, ele foi sentenciado a mais dez anos de prisão por causa de alguns casos pendentes. No entanto, foi libertado três anos e meio depois, graças ao seu bom comportamento na prisão. Por fim, conseguiu se casar e nunca mais voltou à vida do crime.