Pular para conteúdo

Pular para menu secundário

Testemunhas de Jeová

Português

A Sentinela  |  Maio de 2012

 Como Ter uma Família Feliz

Recuperar a confiança

Recuperar a confiança

Carlos *: “Nunca pensei que a Juliana me trairia. Perdi toda a confiança nela. Só Deus sabe como foi difícil perdoá-la.”

Juliana: “Eu compreendo por que o Carlos deixou de confiar em mim. Levou muitos anos para eu conseguir provar que estava arrependida.”

SEGUNDO a Bíblia, as vítimas de adultério têm o direito de escolher se divorciar ou não. * (Mateus 19:9) Carlos decidiu não se divorciar de Juliana. Eles resolveram salvar seu casamento. Mas logo viram que isso envolveria muito mais do que apenas permanecer juntos. Por quê? Como vimos, a infidelidade de Juliana destruiu toda a confiança que existia entre eles. Visto que a confiança mútua é essencial para um casamento feliz, eles tinham muito trabalho pela frente.

Caso você e seu cônjuge estejam se esforçando para salvar seu casamento depois de algo tão grave como o adultério, sem dúvida estão diante de um enorme desafio. Os primeiros meses após a traição ser revelada podem ser especialmente difíceis. Mas não desistam! Seu casamento pode ser salvo. Como? O que vocês podem fazer para recuperar a confiança? A sabedoria da Bíblia pode ajudá-los. Vejamos as quatro sugestões seguintes.

1 Sejam honestos um com o outro.

O apóstolo Paulo aconselhou os cristãos: ‘Agora que vocês puseram de lado a falsidade, falem a verdade.’ (Efésios 4:25) Mentiras, meias-verdades e até mesmo o silêncio minam a confiança. Então, é preciso ser franco e honesto um com o outro.

 De início, o clima talvez esteja pesado demais para vocês conversarem sobre a infidelidade. No entanto, mais cedo ou mais tarde, terão de falar com franqueza sobre isso. Pode ser que prefiram não entrar em detalhes, mas evitar o assunto não é bom. “No começo, achei extremamente difícil e desagradável falar sobre o que aconteceu”, diz Juliana. “Eu estava muito arrependida e só queria pôr uma pedra no assunto.” Mas essa falta de comunicação causou problemas. Por quê? Carlos diz: “Como a Juliana não queria falar sobre sua infidelidade, continuei desconfiado.” Hoje Juliana reconhece: “Não falar com meu marido sobre o que aconteceu atrapalhou o processo de cura.”

Sem dúvida, qualquer conversa sobre a traição será dolorosa. Renato traiu sua esposa, Débora, com a secretária. Débora diz: “Eu tinha muitas perguntas. Como? Por quê? Sobre o que eles conversavam? Fiquei emocionalmente fragilizada, pensando o tempo todo sobre o assunto, e quanto mais o tempo passava, mais coisas eu queria saber.” Renato diz: “É claro que às vezes nossas conversas acabavam em briga. Mas depois sempre pedíamos desculpas. Essas conversas francas nos aproximaram mais um do outro.”

Como tornar essas conversas menos tensas? Lembre-se que o objetivo principal não é punir seu cônjuge, mas sim aprender do que aconteceu e fortalecer o casamento. Por exemplo, Chul Soo e sua esposa, Mi Young, reavaliaram seu relacionamento, levando em consideração a infidelidade dele. “Eu me dei conta de que ficava ocupado demais com meus próprios interesses”, diz Chul Soo. “Também me preocupava muito em agradar os outros e atender às suas expectativas. Eu lhes dava todo o meu tempo e atenção. Por isso, passava pouquíssimo tempo com minha esposa.” Essa análise permitiu que eles fizessem mudanças que, com o tempo, ajudaram a fortalecer seu casamento.

TENTEM O SEGUINTE: Se foi você que traiu, não fique se justificando nem jogue a culpa em seu cônjuge. Assuma a responsabilidade por suas ações e pelo sofrimento que causou. Se você for a pessoa inocente, não grite com seu cônjuge nem use linguagem ofensiva. Por evitar esse tipo de comportamento, você vai incentivá-lo a continuar sendo franco. — Efésios 4:32.

2 Trabalhem em equipe.

“Melhor dois do que um”, diz a Bíblia. Por quê? “Porque eles têm boa recompensa pelo seu trabalho árduo. Pois, se um deles cair, o outro pode levantar seu associado.” (Eclesiastes 4:9, 10) Isso é verdade especialmente quando se luta para recuperar a confiança no casamento.

Juntos, vocês podem combater a desconfiança que contaminou seu relacionamento. Mas os dois precisam estar determinados a salvar o casamento. Se você tentar lidar com o problema sozinho, poderá acabar criando outros problemas. Vocês precisam encarar um ao outro como parceiros.

Foi isso o que Carlos e Juliana descobriram. Ela diz: “Levou tempo, mas eu e o Carlos lutamos juntos para desenvolver uma relação sólida. Eu estava determinada a nunca mais fazê-lo passar por aquilo. E, embora o Carlos estivesse magoado, ele estava decidido a não deixar que nosso casamento acabasse. Todo dia, eu procurava maneiras de lhe mostrar minha lealdade, e ele sempre demonstrava seu amor por mim. Serei eternamente grata a ele por isso.”

TENTEM O SEGUINTE: Comprometam-se a trabalhar em equipe para recuperar a confiança em seu casamento.

3 Mude seus hábitos.

Depois de alertar seus ouvintes contra o adultério, Jesus aconselhou: “Se, pois, aquele olho direito teu te faz tropeçar, arranca-o e lança-o para longe  de ti.” (Mateus 5:27-29) Se foi você que traiu, consegue pensar em ações e atitudes que deveriam ser ‘arrancadas e lançadas para longe’ a fim de salvar seu casamento?

Naturalmente, você terá de cortar todo contato com a outra pessoa. * (Provérbios 6:32; 1 Coríntios 15:33) Renato, já citado, mudou seu horário de trabalho e o número de seu celular para não ter mais contato com a outra mulher. Mas ela não desistiu. Assim, visto que estava determinado a recuperar a confiança de sua esposa, Renato saiu do emprego. Também se desfez de seu celular e passou a usar apenas o de sua esposa. Esses inconvenientes valeram a pena? Sua esposa, Débora, diz: “Apesar de já terem se passado seis anos, de vez em quando ainda fico pensando se ela vai procurar o Renato. Mas hoje eu tenho certeza de que ele não vai ceder à tentação.”

Se foi você que traiu, talvez precise fazer mudanças em sua personalidade. Por exemplo, pode ser que goste de flertar ou seu jeito passe essa impressão, ou goste de fantasiar sobre relações românticas com outras pessoas. Se esse for o caso, ‘desnude-se da velha personalidade com as suas práticas’. Substitua hábitos antigos por hábitos novos que fortaleçam a confiança de seu cônjuge em você. (Colossenses 3:9, 10) Será que, por causa de sua criação, você tem dificuldade em expressar afeto? Mesmo que não se sinta à vontade no início, seja generoso em expressar e reafirmar seu amor. Carlos se lembra: “Juliana sempre me fazia um carinho e dizia: ‘Eu te amo.’”

Por um tempo, seria bom contar a seu cônjuge todos os detalhes de seu dia a dia. Mi Young, já citada, diz: “Chul Soo fazia questão de me contar tudo o que acontecia durante o dia, até mesmo coisas pequenas, para mostrar que não tinha nada a esconder.”

TENTEM O SEGUINTE: Perguntem um ao outro que coisas poderiam ajudá-los a recuperar a confiança. Façam uma lista dessas coisas e as coloquem em prática. Também incluam em sua rotina atividades que possam fazer juntos.

4 Saibam quando ir em frente.

Não se precipitem em achar que já é hora de agir como se tudo tivesse voltado ao normal. Provérbios 21:5 adverte: “Todo precipitado seguramente se encaminha para a carência.” Vai levar tempo, talvez anos, para se recuperar a confiança.

Se você for a pessoa inocente, dê a si mesmo tempo para perdoar por completo. Mi Young se lembra: “Antes eu achava estranho uma esposa não perdoar a infidelidade de seu marido. Eu não conseguia entender como uma pessoa podia ficar tão magoada por tanto tempo. Mas, quando meu marido me traiu, entendi por que é tão difícil perdoar.” O mais provável é que o perdão — e a confiança — venha aos poucos.

Ainda assim, Eclesiastes 3:1-3 diz que há um “tempo para curar”. De início, você talvez ache que se isolar emocionalmente de seu cônjuge é o melhor a fazer. Mas estender isso por muito tempo não o ajudará a recuperar a confiança nele. Para restaurar o relacionamento, perdoe seu cônjuge e expresse esse perdão por compartilhar pensamentos e sentimentos íntimos com ele. Também lhe peça para contar suas alegrias e preocupações.

Não alimente o ressentimento. Esforce-se para superá-lo. (Efésios 4:32) Talvez seja de ajuda meditar no exemplo do próprio Deus. Ele ficou muito magoado quando seus adoradores no Israel antigo voltaram as costas para ele. Jeová Deus até mesmo se comparou a um marido traído. (Jeremias 3:8, 9; 9:2) Mas ele não ‘ficou ressentido por tempo indefinido’. (Jeremias 3:12) Quando seu povo mostrou arrependimento sincero, ele os perdoou.

 Com o tempo, quando sentirem que as mudanças necessárias em seu relacionamento já foram feitas, vocês passarão a ter um senso de segurança. Então, em vez de ficarem o tempo todo preocupados apenas em salvar o casamento, juntos poderão se concentrar em outros alvos. Mesmo assim, sempre reservem tempo para analisar seu progresso. Não se acomodem. Resolvam pequenos retrocessos e reafirmem seu compromisso um com o outro. — Gálatas 6:9.

TENTEM O SEGUINTE: Não queiram fazer com que seu casamento volte a ser como era. Encarem a situação como uma oportunidade de construir um relacionamento novo e mais forte.

Seu casamento pode ser salvo

Em momentos de incerteza, lembrem-se: Deus é o Originador do casamento. (Mateus 19:4-6) Portanto, com a ajuda dele, vocês podem fazer com que seu casamento dê certo. Todos os casais citados neste artigo aplicaram os sábios conselhos da Bíblia e conseguiram salvar seu casamento.

Já se passaram mais de 20 anos desde a crise que Carlos e Juliana enfrentaram. Carlos resume o processo de recuperação deles da seguinte forma: “Foi depois que começamos a estudar a Bíblia com as Testemunhas de Jeová que nosso casamento realmente melhorou. A ajuda que recebemos foi inestimável. Assim conseguimos sobreviver àquele período difícil.” Juliana diz: “Eu me sinto muito abençoada por termos conseguido superar aquela fase terrível. Por estudarmos a Bíblia juntos, e com muito esforço, hoje nós temos um casamento maravilhoso.”

^ parágrafo 3 Os nomes foram mudados.

^ parágrafo 5 A fim de obter ajuda para tomar uma decisão assim, veja a revista Despertai! de 22 de abril de 1999, página 6, e a de 8 de agosto de 1995, páginas 10 e 11.

^ parágrafo 17 Se por algum tempo não for possível evitar todo contato (como no trabalho), limite-o ao mínimo necessário. Fale com a pessoa apenas na presença de outros e com total conhecimento de seu cônjuge.

PERGUNTE-SE . . .

  • Por que eu decidi preservar meu casamento, apesar do que aconteceu?

  • Que qualidades eu vejo em meu cônjuge hoje?

  • De que maneiras simples eu expressava meu amor durante o namoro, e como posso voltar a fazer isso?