Pular para conteúdo

Pular para sumário

Conselhos confiáveis para criar filhos

Conselhos confiáveis para criar filhos

 Conselhos confiáveis para criar filhos

“EU TINHA 19 anos, morava longe de meus familiares e estava totalmente despreparada”, diz Ruth sobre sua primeira gravidez. Ela era filha única e nunca havia pensado em ser mãe. Onde poderia encontrar conselhos confiáveis sobre o assunto?

Jan, por outro lado, agora pai de três filhos, lembra-se: “No princípio, eu estava muito confiante. Mas não levou muito tempo para eu perceber que não tinha conhecimento prático.” Quer os pais se sintam perdidos logo no início quer com o passar do tempo, onde podem encontrar ajuda para criar os filhos?

Atualmente, um número cada vez maior de pais recorre à internet. Talvez você se pergunte, porém, até que ponto os conselhos encontrados ali são confiáveis. Há boas razões para ser cauteloso. Será que você conhece mesmo quem o está aconselhando pela internet? Foram bem-sucedidos na criação de seus próprios filhos? Sem dúvida você deseja tomar cuidado quando se trata de assuntos que afetam a sua família. Às vezes, conforme indicado no artigo anterior, mesmo conselhos de especialistas mostram-se desapontadores. Então, onde procurar conselhos?

A Fonte suprema de conselhos sobre criar filhos é Jeová Deus, o Originador da família. (Efésios 3:15) Ele é o único especialista legítimo. Em sua Palavra, a Bíblia, ele fornece instruções práticas e confiáveis que realmente funcionam. (Salmo 32:8; Isaías 48:17, 18) No entanto, cabe a nós segui-las.

Pediu-se a vários casais, que criaram filhos equilibrados e tementes a Deus, que relatassem o que aprenderam dessa experiência. Seu sucesso, conforme eles mesmos disseram, foi primariamente em resultado de aplicarem princípios bíblicos. Descobriram que os conselhos da Bíblia são tão confiáveis hoje como eram quando ela foi escrita.

Passe tempo com seus filhos

Quando se perguntou a Catherine, mãe de dois filhos, qual conselho mais a ajudou, ela imediatamente mencionou Deuteronômio 6:7. Esse texto da Bíblia diz: “Tens de inculcá-las [as orientações da Bíblia] a teu filho, e tens de falar delas sentado na tua casa e andando pela estrada, e ao deitar-te e ao levantar-te.” Catherine se deu conta de que, para seguir esse conselho, teria de passar tempo com os filhos.

‘É mais fácil falar do que fazer’, você talvez pense. Visto que em muitos lares pai e mãe precisam trabalhar fora para sustentar a família, como podem passar mais tempo com os filhos sendo tão ocupados? Torlief, cujo filho agora tem sua própria família, diz que a chave é seguir o conselho que se encontra em Deuteronômio. Leve seus filhos com você aonde quer que for, e as oportunidades para conversar surgirão naturalmente. “Eu e meu filho fazíamos juntos pequenos serviços em casa”, relata Torlief. “Viajávamos em família e tomávamos refeições juntos.” Em resultado disso, diz ele, “nosso filho sempre se sentia à vontade para se expressar”.

E se houver falhas na comunicação e as conversas ficarem cada vez mais difíceis? Isso às vezes acontece à medida que os filhos vão crescendo. Novamente, passar mais tempo com os filhos pode ser de ajuda. Ken, marido de Catherine, lembra que quando a filha era adolescente, ela reclamava que ele não a escutava. Essa é uma reclamação comum entre os adolescentes. O que ele podia fazer? Ken diz: “Decidi passar mais tempo a sós com ela, conversando sobre suas opiniões, sentimentos e frustrações.  Isso foi de muita ajuda.” (Provérbios 20:5) Ken acredita, porém, que o motivo de esse método ter dado certo é que a comunicação em casa não era algo novo. Ele diz: “Eu e minha filha sempre tivemos um bom relacionamento, por isso ela sentiu que podia se abrir comigo.”

É interessante que um estudo recente mostrou que os adolescentes estão três vezes mais propensos que os pais a dizer que pais e filhos não passam tempo suficiente juntos. Então, por que não seguir os conselhos da Bíblia? Passe todo o tempo que puder com seus filhos — ao descansar e ao trabalhar, em casa e ao viajar, de manhã ao acordar e à noite, antes de dormir. Se possível, leve-os com você aonde quer que for. Como indica Deuteronômio 6:7, não há o que substitua passar tempo com os filhos.

Ensine valores corretos aos filhos

Mario, pai de dois filhos, também recomenda: “Dê muito amor aos filhos e leia para eles.” No entanto, isso não é apenas para estimular a inteligência dos filhos. Você precisa ensiná-los a discernir o certo do errado. Mario acrescenta: “Estude a Bíblia com eles.”

Sobre isso, a Bíblia aconselha: “Pais, não tratem os seus filhos de um jeito que faça com que eles fiquem irritados. Pelo contrário, vocês devem criá-los com a disciplina e os ensinamentos cristãos.” (Efésios 6:4, Bíblia na Linguagem de Hoje) Em muitos lares hoje em dia não se dá importância à instrução moral. Alguns acreditam que quando os filhos ficarem mais velhos eles serão capazes de decidir por si mesmos que valores vão aceitar. Isso faz sentido para você? Assim como corpos jovens necessitam de alimentação sadia para crescer fortes e saudáveis, mentes e corações jovens também precisam de instrução. Se você não ensinar valores morais aos filhos dentro de casa, eles provavelmente adotarão os conceitos dos colegas de escola e professores ou dos meios de comunicação.

A Bíblia pode ajudar os pais a ensinar os filhos a distinguir o certo do errado. (2 Timóteo 3:16, 17) Jeff, um ancião experiente e pai de dois filhos, recomenda usar a Bíblia para ensinar valores corretos aos filhos. Ele diz: “Usar a Bíblia ajuda os filhos a ter o ponto de vista do Criador e não somente o dos pais. Notamos que a Bíblia tem um efeito sem igual na mente e no coração. A fim de lidarmos com conduta e pensamentos errados, tomávamos tempo para encontrar um texto bíblico que se encaixasse no assunto. Depois, a sós com a criança, pedíamos que ela lesse o texto. O que geralmente acontecia era que os olhos dela se enchiam de lágrimas, e às vezes ela chorava mesmo. Ficávamos impressionados de ver como a Bíblia tinha um impacto maior do que qualquer coisa que pudéssemos dizer ou fazer.”

Hebreus 4:12 explica: “A palavra de Deus é viva e exerce poder, . . . e é capaz de discernir os pensamentos e as intenções do coração.” A mensagem da Bíblia, portanto, não é a mera visão pessoal ou as experiências de vida dos humanos que Deus usou para escrevê-la. Em vez disso, ela apresenta o pensamento de Deus sobre questões de moral. Isso distingue a Bíblia de qualquer outra fonte de conselhos. Por usá-la para educar os filhos, você estará ajudando-os a pensar como Deus pensa. Desse modo, seu ensino terá maior impacto, e vocês terão mais chances de tocar o coração de seu filho.

Catherine, mencionada anteriormente, concorda. Ela diz: “Quanto mais difícil era a situação, mais procurávamos orientações na Palavra de Deus — e dava certo!” Será que você pode usar mais a Bíblia ao ensinar seus filhos a distinguir o certo do errado?

Seja razoável

O apóstolo Paulo salienta ainda outro princípio importante que é de ajuda para criar filhos. Ele aconselhou seus companheiros cristãos: “Seja a vossa razoabilidade conhecida de todos os homens.” (Filipenses 4:5) Certamente isso inclui deixar claro aos filhos a nossa razoabilidade. Lembre-se de que essa qualidade reflete “a sabedoria de cima”. — Tiago 3:17.

 Como se relaciona a razoabilidade com a criação dos filhos? Apesar de lhes darmos toda a ajuda possível, não ficamos controlando cada ação deles. Por exemplo, Mario, mencionado antes, é Testemunha de Jeová e lembra-se: “Sempre incentivávamos nossos filhos a se batizar, a ingressar no ministério de tempo integral e a ter outros alvos espirituais. Mas deixávamos claro que cabia a eles tomar essas decisões quando chegasse o tempo para isso.” Qual foi o resultado? Seus dois filhos servem hoje como evangelizadores de tempo integral.

A Bíblia aconselha os pais em Colossenses 3:21: “Não estejais exasperando os vossos filhos, para que não fiquem desanimados.” Catherine gosta muito desse versículo. Quando o pai ou a mãe começa a perder a paciência, é fácil ficar nervoso e exigente. Mas ela diz: “Não exija dos filhos o mesmo que espera de você.” Catherine também é Testemunha de Jeová, e acrescenta: “Faça com que servir a Jeová seja algo agradável.”

Jeff, já mencionado, faz a seguinte observação prática: “Quando nossos filhos ficaram um pouco mais velhos, um amigo achegado disse que havia percebido quantas vezes ele teve de dizer não aos pedidos de seus filhos. Isso os deixava frustrados, sentindo-se oprimidos. Para evitar isso, ele recomendou que procurássemos maneiras de dizer sim.”

“Foi um bom conselho”, diz Jeff. “Começamos a procurar oportunidades para nossos filhos fazerem coisas com outros em circunstâncias que aprovávamos. Assim, dizíamos: ‘Vocês sabiam que fulano vai fazer isso ou aquilo? Por que não vão também?’ Ou, quando eles nos pediam para levá-los a algum lugar, nós nos obrigávamos a ir mesmo estando cansados. Fazíamos isso só para evitar dizer não.” Essa é a própria essência da razoabilidade: ser justo, atencioso e ceder sem violar princípios bíblicos.

Beneficie-se de conselhos confiáveis

Os casais mencionados, na sua maioria, são hoje avós. Eles sentem prazer em ver que esses mesmos princípios bíblicos ajudam seus filhos a serem bons pais. Será que você pode se beneficiar dos conselhos da Bíblia?

Quando Ruth, mencionada no início, se tornou mãe, ela e seu marido se sentiam às vezes desamparados. Mas na verdade não estavam. Eles possuíam o conselho superior da Palavra de Deus, a Bíblia. As Testemunhas de Jeová produzem uma grande variedade de publicações bíblicas que podem ajudar os pais. Essas incluem os livros Aprenda do Grande Instrutor, Meu Livro de Histórias Bíblicas, Os Jovens Perguntam — Respostas Práticas e O Maior Homem Que Já Viveu. Torlief, marido de Ruth, diz: “Hoje existe uma ampla variedade de conselhos baseados na Bíblia à disposição dos pais. Se eles tão-somente se aproveitarem disso, terão ajuda para lidar com todos os aspectos da vida dos filhos à medida que estes crescem.”

 [Quadro/Foto na página 5]

O que os ESPECIALISTAS dizem . . . O que a BÍBLIA diz

Sobre mostrar afeto:

Em seu livro The Psychological Care of Infant and Child (Cuidados Psicológicos do Bebê e da Criança, 1928), o Dr. John Broadus Watson aconselhou os pais: “Nunca abrace e beije” seus filhos. “Nunca os deixe sentar em seu colo.” Mais recentemente, porém, as doutoras Vera Lane e Dorothy Molyneaux mencionaram na revista Our Children, de março de 1999: “As pesquisas indicam que as crianças privadas de contato físico e demonstrações de afeto em geral têm dificuldades de se desenvolver.”

Em contraste com isso, Isaías 66:12 compara o amor que Deus demonstra a seu povo com expressões de amor materno. De modo similar, quando os discípulos tentaram impedir as pessoas de levar crianças a Jesus, ele os corrigiu dizendo: “Deixai vir a mim as criancinhas; não tenteis impedi-las.” Então, “tomou as criancinhas nos seus braços e começou a abençoá-las”. — Marcos 10:14, 16.

Sobre ensinar valores corretos:

Num artigo da New York Times Magazine, publicado em 1969, o Dr. Bruno Bettelheim enfatizou que a criança tem o “direito de formar opiniões próprias no íntimo, não influenciada pelos [sermões] autoritários [dos pais], mas apenas por sua própria experiência de vida”. No entanto, quase 30 anos depois, o Dr. Robert Coles, autor do livro Inteligência Moral das Crianças (1997), em inglês, admitiu: “As crianças precisam muito de um senso de objetivo e orientação na vida e de um conjunto de valores” aprovados pelos pais e por outros adultos.

Provérbios 22:6 recomenda aos pais: “Educa o rapaz segundo o caminho que é para ele; mesmo quando envelhecer não se desviará dele.” A palavra hebraica traduzida ‘educar’ também significa “iniciar” e aqui indica o início das primeiras instruções dadas à criança. Assim, os pais são incentivados a ensinar valores corretos aos filhos desde a infância. (2 Timóteo 3:14, 15) O que os filhos aprenderem durante os anos de formação provavelmente se tornará parte deles.

Sobre a disciplina:

O Dr. James Dobson escreveu em seu livro The Strong-Willed Child [A Criança Teimosa (1978)]: “A punição física dada por um pai amoroso é um recurso de ensino que inibe o comportamento prejudicial.” Por outro lado, num artigo adaptado da sétima edição do bem-conhecido livro Baby and Child Care [Como Cuidar de Bebês e Crianças Pequenas (1998)], o Dr. Benjamin Spock disse: “Bater ensina à criança que a pessoa maior e mais forte pode fazer o que quiser, esteja ela certa ou não.”

Com respeito à disciplina, a Bíblia declara: “A vara e a repreensão é que dão sabedoria.” (Provérbios 29:15) Nem toda criança, porém, precisa de punição física. Provérbios 17:10 nos diz: “Uma censura penetra mais em quem tem entendimento do que golpear cem vezes um estúpido.”

[Foto]

Use a Bíblia para tocar o coração

[Foto na página 7]

Pais sábios programam momentos de recreação para seus filhos