Pular para conteúdo

Pular para sumário

Nascidos na nação escolhida de Deus

Nascidos na nação escolhida de Deus

 Nascidos na nação escolhida de Deus

“Foi a ti que Jeová, teu Deus, escolheu para te tornares seu povo.” — DEUTERONÔMIO 7:6.

1, 2. Que atos poderosos Jeová realizou a favor de seu povo, e em que tipo de relação com Deus os israelitas entraram?

EM 1513 AEC, Jeová providenciou que seus servos na Terra entrassem numa nova relação com ele. Naquele ano, ele humilhou uma potência mundial e libertou os israelitas da escravidão. Ao fazer isso, Jeová se tornou seu Salvador e Dono. Antes de agir, ele disse a Moisés: “Dize aos filhos de Israel: ‘Eu sou Jeová, e certamente vos farei sair de debaixo dos fardos dos egípcios e vos livrarei da sua escravidão, e deveras vos reivindicarei com braço estendido e com grandes julgamentos. E certamente [vou] tomar-vos como o meu povo e deveras mostrarei ser vosso Deus.’” — Êxodo 6:6, 7, notas; 15:1-7, 11.

2 Logo após saírem do Egito, os israelitas entraram numa relação pactuada com seu Deus, Jeová. Em vez de lidar com indivíduos, famílias ou clãs, daí em diante Jeová teria na Terra um povo organizado, uma nação. (Êxodo 19:5, 6; 24:7) Ele deu a seu povo leis que governariam sua vida diária e, mais importante ainda, sua adoração. Moisés lhes disse: “Que grande nação há que tenha deuses perto de si do modo como Jeová, nosso Deus, está em todas as nossas invocações? E que grande nação há que tenha regulamentos justos e decisões judiciais semelhantes a toda esta lei que hoje ponho diante de vós?” — Deuteronômio 4:7, 8.

Nascidos numa nação de testemunhas

3, 4. Qual era um importante motivo da existência de Israel como nação?

3 Séculos depois, por meio de seu profeta Isaías, Jeová lembrou aos israelitas um motivo importante para eles existirem como nação. Isaías disse: “Assim disse Jeová, teu Criador, ó Jacó, e teu Formador, ó Israel: ‘Não tenhas medo, porque eu te resgatei. Eu te chamei pelo teu nome. Tu és meu. Porque eu sou Jeová, teu Deus, o Santo de Israel, teu Salvador. . . . Traze meus filhos de longe, e minhas filhas, da extremidade da terra, todo aquele que for chamado pelo meu nome e que eu criei para a minha glória, que eu formei, sim, que eu fiz. Vós sois as minhas testemunhas’, é a pronunciação de Jeová, ‘sim, meu servo a quem escolhi, . . . o povo que formei para mim, para que narrassem o meu louvor’.” — Isaías 43:1, 3, 6, 7, 10, 21.

 4 Como povo que levava o nome de Jeová, os israelitas agiriam como testemunhas de sua soberania perante as nações. Seriam um povo ‘criado para a glória de Jeová’. Haviam de ‘narrar o louvor de Jeová’, relatar seus maravilhosos atos de libertação e, dessa forma, glorificar o seu santo nome. Em resumo, seriam uma nação de testemunhas a favor de Jeová.

5. Em que sentidos Israel era uma nação dedicada?

5 No século 11 AEC, o Rei Salomão indicou que Jeová havia feito de Israel uma nação distinta, separada das outras. Ele declarou em oração a Jeová: “Tu mesmo os separaste como a tua herança dentre todos os povos da terra.” (1 Reis 8:53) Cada israelita também tinha uma relação especial com Jeová. Algum tempo antes, Moisés havia lhes dito: “Sois filhos de Jeová, vosso Deus. . . . Porque és um povo santo para Jeová, teu Deus.” (Deuteronômio 14:1, 2) Portanto, os israelitas jovens não precisavam dedicar sua vida a Jeová. Eles já nasciam como membros do povo dedicado de Deus. (Salmo 79:13; 95:7) Cada nova geração era instruída nas leis de Jeová e tinha a obrigação de guardar essas leis, por causa do pacto que sujeitava Israel a Jeová. — Deuteronômio 11:18, 19.

Livres para escolher

6. Que escolha cada israelita tinha de fazer?

6 Embora os israelitas nascessem numa nação dedicada, cada pessoa tinha de tomar sua própria decisão de servir a Deus. Antes de entrarem na Terra Prometida, Moisés lhes disse: “Tomo hoje os céus e a terra por testemunhas contra vós de que pus diante de ti a vida e a morte, a bênção e a invocação do mal; e tens de escolher a vida para ficar vivo, tu e tua descendência, amando a Jeová, teu Deus, escutando a sua voz e apegando-te a ele; pois ele é a tua vida e a longura dos teus dias, para morares no solo de que Jeová jurou aos teus antepassados Abraão, Isaque e Jacó que lhes havia de dar.” (Deuteronômio 30:19, 20) Assim, cada israelita tinha de escolher amar a Jeová, escutar sua voz e apegar-se a ele. Visto que possuíam livre-arbítrio, os israelitas teriam de arcar com as conseqüências de sua escolha. — Deuteronômio 30:16-18.

7. O que aconteceu depois da morte da geração dos dias de Josué?

7 O período dos juízes ilustra bem as conseqüências da fidelidade e da infidelidade. Pouco antes de começar aquele período, os israelitas seguiram o bom exemplo de Josué e foram abençoados. “O povo continuou a servir a Jeová todos os dias de Josué e todos os dias dos anciãos que prolongaram os seus dias depois de Josué, e que tinham visto todo o grande trabalho de Jeová, que ele fizera para Israel.” No entanto, algum tempo depois da morte de Josué, “começou a surgir outra geração que não conhecia a Jeová, nem o trabalho que tinha feito para Israel. E os filhos de Israel puseram-se a fazer o que era mau aos olhos de Jeová”. (Juízes 2:7, 10, 11) Pelo visto, a geração nova e inexperiente não prezava sua herança como membros de um povo dedicado, a favor do qual seu Deus, Jeová, tinha realizado atos poderosos no passado. — Salmo 78:3-7, 10, 11.

Viver à altura da dedicação

8, 9. (a) Que provisão permitia aos israelitas demonstrar sua dedicação a Jeová? (b) O que ganhavam os que faziam ofertas voluntárias?

8 Jeová deu a seu povo oportunidades de viver à altura de sua dedicação como nação. Por exemplo, a Lei provia um sistema de sacrifícios, ou ofertas, sendo alguns obrigatórios, outros, voluntários. (Hebreus 8:3) Os sacrifícios voluntários incluíam ofertas queimadas, ofertas de cereais e ofertas de participação em comum — dádivas apresentadas a  Jeová para ganhar seu favor e expressar agradecimento. — Levítico 7:11-13.

9 Esses sacrifícios voluntários agradavam a Jeová. A oferta queimada e a oferta de cereais eram consideradas “cheiro repousante para Jeová”. (Levítico 1:9; 2:2) No sacrifício de participação em comum, o sangue e a gordura do animal eram oferecidos a Jeová, e porções da carne eram consumidas pelos sacerdotes e pela pessoa que trazia a oferta. Era, portanto, uma refeição simbólica que significava uma relação pacífica com Jeová. A lei declarava: “Ora, caso ofereçais a Jeová um sacrifício de participação em comum, deveis sacrificá-lo para ganhar aprovação para vós.” (Levítico 19:5) Embora todos os israelitas já nascessem dedicados a Jeová, os que tornavam sua dedicação significativa por fazer ofertas voluntárias ‘ganhavam aprovação para si’ e eram muito abençoados. — Malaquias 3:10.

10. Como Jeová expressou seu desagrado nos dias de Isaías e de Malaquias?

10 Com freqüência, porém, a nação dedicada de Israel foi infiel a Jeová. Por meio do seu profeta Isaías, Jeová lhes disse: “Não me trouxeste o ovídeo do teu holocausto e não me glorificaste com os teus sacrifícios. Não te compeli a servir-me com um presente.” (Isaías 43:23) Além disso, as ofertas que não eram feitas de livre e espontânea vontade e por amor não tinham nenhum valor aos olhos de Jeová. Por exemplo, três séculos depois de Isaías, nos dias do profeta Malaquias, os israelitas ofereceram animais defeituosos. Por isso, Malaquias lhes disse: “‘Não me agrado de vós’, disse Jeová dos exércitos, ‘e não tenho prazer na oferenda da vossa mão’. . . . ‘Trouxestes o que fora arrebatado, e o coxo, e o doente; sim, vós o trouxestes como presente. Posso eu ter prazer nele da vossa mão?’ disse Jeová.” — Malaquias 1:10, 13; Amós 5:22.

Rejeitada como nação dedicada

11. Que oportunidade foi dada a Israel?

11 Quando os israelitas se tornaram uma  nação dedicada a Jeová, ele lhes prometeu: “Se obedecerdes estritamente à minha voz e deveras guardardes meu pacto, então vos haveis de tornar minha propriedade especial dentre todos os outros povos, pois minha é toda a terra. E vós mesmos vos tornareis para mim um reino de sacerdotes e uma nação santa.” (Êxodo 19:5, 6) O prometido Messias surgiria no meio deles e lhes daria a oportunidade de serem os primeiros a se tornar membros do governo do Reino de Deus. (Gênesis 22:17, 18; 49:10; 2 Samuel 7:12, 16; Lucas 1:31-33; Romanos 9:4, 5) Mas grande parte da nação israelita não viveu à altura de sua dedicação. (Mateus 22:14) Eles rejeitaram o Messias e por fim o mataram. — Atos 7:51-53.

12. Que declarações feitas por Jesus mostram que Jeová rejeitou Israel como nação dedicada?

12 Poucos dias antes de morrer, Jesus disse aos líderes religiosos judaicos: “Nunca lestes nas Escrituras: ‘A pedra que foi rejeitada pelos construtores é a que se tem tornado a principal pedra angular. Isto procede de Jeová e é maravilhoso aos nossos olhos’? É por isso que vos digo: O reino de Deus vos será tirado e será dado a uma nação que produza os seus frutos.” (Mateus 21:42, 43) Para mostrar que Jeová os havia rejeitado como nação dedicada a Ele, Jesus disse: “Jerusalém, Jerusalém, matadora dos profetas e apedrejadora dos que lhe são enviados — quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, assim como a galinha ajunta os seus pintinhos debaixo de suas asas! Mas vós não o quisestes. Eis que a vossa casa vos fica abandonada.” — Mateus 23:37, 38.

Uma nova nação dedicada

13. Que declaração profética Jeová fez nos dias de Jeremias?

13 Nos dias do profeta Jeremias, Jeová predisse algo novo sobre o seu povo. Lemos: “‘Eis que vêm dias’, é a pronunciação de Jeová, ‘e eu vou concluir um novo pacto com a casa de Israel e com a casa de Judá; não um igual ao pacto que concluí com os seus antepassados no dia em que os tomei pela mão para os tirar da terra do Egito, “pacto meu que eles próprios violaram, embora eu mesmo tivesse a posse marital deles”, é a pronunciação de Jeová’. ‘Pois este é o pacto que concluirei com a casa de Israel depois daqueles dias’, é a pronunciação de Jeová. ‘Vou pôr a minha lei no seu íntimo e a escreverei no seu coração. E vou tornar-me seu Deus e eles mesmos se tornarão meu povo.’” — Jeremias 31:31-33.

14. Quando e em que base a nova nação dedicada de Jeová veio a existir? Identifique essa nova nação.

14 A base para esse novo pacto foi lançada quando Jesus morreu e depois apresentou ao Pai em 33 EC o valor de seu sangue derramado. (Lucas 22:20; Hebreus 9:15, 24-26) Mas com o derramamento do espírito santo no Pentecostes de 33 EC e o nascimento duma nova nação, “o Israel de Deus”, o novo pacto entrou em vigor. (Gálatas 6:16; Romanos 2:28, 29; 9:6; 11:25, 26) Escrevendo aos cristãos ungidos, o apóstolo Pedro declarou:  “Vós sois ‘raça escolhida, sacerdócio real, nação santa, povo para propriedade especial, para que divulgueis as excelências’ daquele que vos chamou da escuridão para a sua maravilhosa luz. Porque vós, outrora, não éreis povo, mas agora sois povo de Deus.” (1 Pedro 2:9, 10) A relação especial entre Jeová e o Israel carnal havia terminado. Em 33 EC, o favor de Jeová tinha sido transferido do Israel terrestre para o Israel espiritual, a congregação cristã, ‘uma nação que produzia os frutos’ do Reino messiânico. — Mateus 21:43.

Dedicação individual

15. No dia de Pentecostes de 33 EC, o apóstolo Pedro incentivou seus ouvintes a se submeterem a que tipo de batismo?

15 Depois do Pentecostes de 33 EC, todos, judeus ou gentios, tinham de fazer uma dedicação pessoal a Deus e ser batizados “em o nome do Pai, e do Filho, e do espírito santo”. * (Mateus 28:19) No Pentecostes, o apóstolo Pedro disse a judeus e a prosélitos receptivos: “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado no nome de Jesus Cristo, para o perdão de vossos pecados, e recebereis a dádiva gratuita do espírito santo.” (Atos 2:38) Esses judeus e prosélitos tiveram de indicar pelo seu batismo que, não apenas tinham dedicado sua vida a Jeová, mas também tinham aceitado a Jesus como o meio que Jeová usaria para perdoar seus pecados. Eles tinham de reconhecê-lo como sumo sacerdote de Jeová e como seu líder, o Cabeça da congregação cristã. — Colossenses 1:13, 14, 18.

16. Nos dias de Paulo, como os corretamente dispostos, tanto judeus como gentios, se tornavam parte do Israel espiritual?

16 Anos mais tarde, o apóstolo Paulo disse: “Tanto aos em Damasco, primeiro, como aos em Jerusalém, e por todo o país da Judéia, e às nações, fui levar a mensagem de que se arrependessem e se voltassem para Deus por fazerem obras próprias de arrependimento.” (Atos 26:20) Depois de convencer tanto judeus como gentios de que Jesus era o Cristo, o Messias, Paulo os ajudava a chegar à dedicação e ao batismo. (Atos 16:14, 15, 31-33; 17:3, 4; 18:8) Por voltarem-se para Deus, esses novos discípulos se tornavam membros do Israel espiritual.

17. Que obra de selagem está chegando ao fim, e que outra obra continua em ritmo acelerado?

17 Hoje está próxima a selagem final do restante dos israelitas espirituais. Quando ela estiver completa, os “quatro anjos” que seguram os destrutivos ventos da “grande tribulação” serão autorizados a soltá-los. Nesse meio tempo, continua em ritmo acelerado o ajuntamento da “grande multidão”, que espera viver para sempre na Terra. Essas “outras ovelhas” escolhem de livre e espontânea vontade ter fé no “sangue do Cordeiro” e são batizadas em símbolo de sua dedicação a Jeová. (Revelação [Apocalipse] 7:1-4, 9-15; 22:17; João 10:16; Mateus 28:19, 20) Existem entre elas muitos jovens que foram criados por pais cristãos. Se você for um desses jovens, se interessará em ler o próximo artigo.

[Nota(s) de rodapé]

Recapitulação

• Por que os jovens israelitas não precisavam fazer uma dedicação pessoal a Jeová?

• Como os israelitas podiam mostrar que viviam à altura de sua dedicação?

• Por que Jeová rejeitou Israel como sua nação dedicada, e como ela foi substituída?

• A partir do Pentecostes de 33 EC, o que tanto judeus como gentios tinham de fazer para se tornarem membros do Israel espiritual?

[Perguntas de Estudo]

[Foto na página 21]

Os israelitas jovens nasciam como membros da nação escolhida de Deus

[Foto na página 23]

Cada israelita tinha de tomar sua própria decisão de servir a Deus

[Foto na página 23]

As ofertas voluntárias davam aos israelitas a oportunidade de demonstrarem seu amor a Jeová

[Foto na página 25]

Depois do Pentecostes de 33 EC, os seguidores de Cristo tinham de fazer uma dedicação pessoal a Deus e simbolizar isso por meio do batismo