Pular para conteúdo

Pular para sumário

Perguntas dos Leitores

Perguntas dos Leitores

 Perguntas dos Leitores

Por que a Lei mosaica declarava que certas funções sexuais naturais tornavam a pessoa “impura”?

Deus criou o sexo tanto para a reprodução da raça humana como para dar prazer aos casais. (Gênesis 1:28; Provérbios 5:15-18) Nos capítulos 12 e 15 de Levítico, porém, encontramos leis pormenorizadas a respeito das impurezas atribuídas à ejaculação, à menstruação e ao parto. (Levítico 12:1-6; 15:16-24) Essas leis, dadas ao Israel antigo, promoviam um estilo de vida saudável, apoiavam elevados valores morais e enfatizavam a santidade do sangue e a necessidade de expiação dos pecados.

Os requisitos da Lei mosaica a respeito das funções sexuais contribuíam, entre outras coisas, para a saúde geral da comunidade israelita. O livro The Bible and Modern Medicine (A Bíblia e a Medicina Moderna) declara: “A observância das leis relacionadas com o ciclo menstrual, proibindo relações sexuais durante a menstruação, mostrou ser uma prevenção eficaz contra certas doenças sexuais . . . e também um fator definitivo para impedir a formação e o desenvolvimento de cânceres uterinos.” Essas leis protegiam o povo de Deus contra doenças que talvez não conhecessem ou até nem tivessem condições de detectar. A higiene sexual saudável aumentava a fertilidade da nação, que havia sido abençoada por Deus com a promessa de aumento e prosperidade. (Gênesis 15:5; 22:17) A saúde emocional do povo de Deus também estava envolvida. Por obedecer a essas leis, maridos e esposas aprendiam a controlar o impulso sexual.

No entanto, a questão principal envolvida nos tipos de impureza resultantes de funções sexuais era o fluxo ou a perda de sangue. As leis de Jeová com respeito ao sangue incutiam na mente dos israelitas não apenas a santidade do sangue, mas também o lugar especial que ele ocupa na adoração a Jeová, isto é, nos sacrifícios e na expiação dos pecados. — Levítico 17:11; Deuteronômio 12:23, 24, 27.

Portanto, os requisitos pormenorizados da Lei nesse respeito estão intimamente relacionados à imperfeição humana. Os israelitas sabiam que Adão e Eva — depois de terem pecado — não podiam gerar filhos perfeitos. Todos os seus descendentes sofreriam os efeitos do pecado herdado — a imperfeição e a morte. (Romanos 5:12) Por causa disso, pais poderiam transmitir apenas vida imperfeita e pecadora, embora os órgãos reprodutivos humanos tenham sido projetados originalmente para transmitir vida perfeita dentro da instituição do casamento.

Assim, os requisitos da Lei sobre purificação lembravam aos israelitas não apenas sua pecaminosidade herdada, mas também a necessidade de um sacrifício de resgate para cobrir os pecados e restabelecer a perfeição humana. É claro que isso não era possível por meio dos sacrifícios de animais que eles ofereciam. (Hebreus 10:3, 4) O objetivo da Lei mosaica era conduzi-los a Cristo e ajudá-los a entender que o verdadeiro perdão era possível apenas por meio do sacrifício humano perfeito de Cristo, abrindo aos fiéis o caminho para a vida eterna. — Gálatas 3:24; Hebreus 9:13, 14.