Pular para conteúdo

Pular para sumário

Pastores que são “exemplos para o rebanho”

Pastores que são “exemplos para o rebanho”

 Pastores que são “exemplos para o rebanho”

“Pastoreai o rebanho de Deus, que está aos vossos cuidados, . . . espontaneamente, . . . com anelo; . . . tornando-vos exemplos para o rebanho.” — 1 PEDRO 5:2, 3.

1, 2. (a) Que privilégio Jesus confiou a Pedro, e por que essa confiança não foi em vão? (b) O que Jeová sente pelos pastores designados?

CERTA manhã, pouco antes do Pentecostes de 33 EC, Pedro e outros seis discípulos estavam à beira do mar da Galiléia tomando uma refeição preparada por Jesus. Não era a primeira vez que Pedro via o ressuscitado Jesus e, sem dúvida, estava emocionado por saber que Ele estava vivo. Mas talvez Pedro também estivesse ansioso. Afinal, poucos dias antes, ele havia afirmado publicamente que nunca conhecera Jesus. (Lucas 22:55-60; 24:34; João 18:25-27; 21:1-14) Será que Jesus censurou o arrependido Pedro por sua falta de fé? Não. Em vez disso, ele confiou a Pedro o privilégio de alimentar e pastorear as Suas “ovelhinhas”. (João 21:15-17) Como mostra o registro bíblico sobre a congregação cristã do primeiro século, a confiança que Jesus depositou em Pedro não foi em vão. Durante um período de provações intensas e de rápida expansão, ele passou a pastorear a congregação cristã com outros apóstolos e anciãos em Jerusalém. — Atos 1:15-26; 2:14; 15:6-9.

2 Nos nossos dias, por meio de Jesus, Jeová designa homens qualificados para servir como pastores espirituais a fim de conduzir Suas ovelhas nestes tempos, os mais críticos da história humana. (Efésios 4:11, 12; 2 Timóteo 3:1) É em vão que Jeová confia em tais homens? A pacífica fraternidade cristã no mundo todo mostra que não. É verdade que esses superintendentes, assim como Pedro, são imperfeitos. (Gálatas 2:11-14; Tiago 3:2) Mesmo assim, Jeová confia neles para cuidar das ovelhas, que “ele comprou com o sangue do seu próprio Filho”. (Atos 20:28) Jeová tem profunda afeição por esses homens e considera-os “dignos de dupla honra”. — 1 Timóteo 5:17.

3. Como os pastores espirituais conseguem continuar servindo espontaneamente e com anelo?

3 Como os pastores espirituais conseguem continuar servindo espontaneamente e com anelo, tornando-se, desse modo, exemplos para o rebanho? Assim como Pedro e os outros anciãos do primeiro século, eles confiam no espírito santo de Deus, que lhes dá a força necessária para levar sua carga de responsabilidade. (2 Coríntios 4:7) O espírito santo também produz neles os frutos do espírito — amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, brandura e autodomínio. (Gálatas 5:22, 23) Consideremos agora maneiras específicas pelas quais os superintendentes podem ser exemplos em demonstrar esses frutos à medida que pastoreiam o rebanho de Deus que está aos seus cuidados.

Amam o rebanho e também cada uma das ovelhas

4, 5. (a) Como Jeová e Jesus mostram seu amor pelo rebanho? (b) Quais são algumas maneiras que os pastores espirituais mostram seu amor pelo rebanho?

4 A qualidade principal produzida pelo espírito de Deus é o amor. Jeová manifesta o seu amor pelo rebanho como um todo ao prover  uma fartura de alimento espiritual. (Isaías 65:13, 14; Mateus 24:45-47) No entanto, seu amor vai além de apenas alimentar o rebanho. Ele sente afeição por cada ovelha. (1 Pedro 5:6, 7) Jesus também ama o rebanho. Ele deu sua vida para resgatá-lo e conhece cada ovelha pessoalmente, “por nome”. — João 10:3, 14-16.

5 Os pastores espirituais imitam a Jeová e a Jesus. Eles demonstram amor pelo rebanho de Deus como um todo por se ‘aplicarem a ensinar’ a congregação. Suas palestras baseadas na Bíblia ajudam a alimentar e a proteger o rebanho, e esse esforço diligente é percebido por todos. (1 Timóteo 4:13, 16) Menos notado é o tempo que eles gastam com registros e correspondências, elaborando programações e tratando de muitos outros detalhes para garantir que as reuniões congregacionais e outras atividades ocorram “decentemente e por arranjo”. (1 Coríntios 14:40) Uma boa parte desse trabalho não é vista pelos outros e talvez receba pouco reconhecimento. De fato, é um trabalho motivado por amor. — Gálatas 5:13.

6, 7. (a) Qual é um dos modos de os pastores conhecerem melhor as ovelhas? (b) Por que às vezes é benéfico partilhar nossos sentimentos com um ancião?

6 Pastores cristãos amorosos procuram mostrar interesse pessoal em cada ovelha da congregação. (Filipenses 2:4) Um modo de os pastores conhecerem melhor as ovelhas é por trabalhar lado a lado com elas na obra de pregação. Jesus muitas vezes levava seus discípulos no ministério e usava essas ocasiões para encorajá-los. (Lucas 8:1) Um ancião cristão experiente comenta: “Descobri que uma das melhores maneiras de conhecer e encorajar um irmão ou uma irmã é trabalhar com ele ou ela no ministério de campo.” Se você não teve recentemente a oportunidade de trabalhar com um dos anciãos, por que não combina fazer isso em breve?

 7 O amor levou Jesus a participar das alegrias e das tristezas dos seus seguidores. Por exemplo, quando 70 discípulos voltaram alegres do ministério, Jesus “ficou cheio de alegria”. (Lucas 10:17-21) Por outro lado, quando ele viu o efeito que a morte de Lázaro teve em Maria, nos familiares e amigos, ‘Jesus entregou-se ao choro’. (João 11:33-35) Da mesma forma, nos nossos dias, pastores amorosos não são indiferentes aos sentimentos das ovelhas. O amor os leva a se ‘alegrar com os que se alegram’ e a ‘chorar com os que choram’. (Romanos 12:15) Quer nas alegrias quer nas tristezas, você pode ficar à vontade para partilhar seus sentimentos com os anciãos cristãos. Eles ficarão encorajados com as suas alegrias. (Romanos 1:11, 12) Ao saber das provações que você está passando, eles poderão fortalecê-lo e confortá-lo. — 1 Tessalonicenses 1:6; 3:1-3.

8, 9. (a) Como certo ancião demonstrava amor pela esposa? (b) Quão importante é que um superintendente demonstre amor por sua família?

8 O amor que o pastor tem pelo rebanho fica evidente em especial no modo como ele trata a própria família. (1 Timóteo 3:1, 4) Se for casado, o amor e a honra que ele demonstra à esposa servem de exemplo para outros maridos imitarem. (Efésios 5:25; 1 Pedro 3:7) Considere o que Linda, uma cristã, comentou. Seu marido serviu como superintendente por 20 anos antes de falecer. Ela diz: “Ele estava sempre muito ocupado, cuidando da congregação. Mas me fazia sentir como se formássemos uma equipe. Muitas vezes ele me dizia o quanto apreciava o meu apoio e também passava o seu tempo livre comigo. Assim, eu me sentia amada e não tinha ciúmes do tempo que ele passava servindo a congregação.”

9 Se um superintendente cristão tiver filhos, a disciplina amorosa e os elogios freqüentes que ele lhes dá servem de modelo para outros pais seguirem. (Efésios 6:4) De fato, o amor que ele demonstra pela família fornece evidência constante de que merece a confiança que foi depositada nele quando foi designado por espírito santo. — 1 Timóteo 3:4, 5.

Promovem alegria e paz por meio da comunicação

10. (a) O que pode prejudicar a alegria e a paz da congregação? (b) Qual foi a questão que ameaçou a paz da congregação do primeiro século, e como foi resolvida?

10 O espírito santo pode produzir alegria e paz no coração de um cristão como indivíduo, num corpo de anciãos e na congregação como um todo. No entanto, a falta de comunicação franca pode prejudicar a alegria e a paz. O Rei Salomão observou: “Há frustração de planos quando não há palestra confidencial.” (Provérbios 15:22) Por outro lado, a comunicação respeitosa e franca promove alegria e paz. Por exemplo, quando a questão da circuncisão ameaçou a paz da congregação do primeiro século, o corpo governante em Jerusalém buscou a orientação do espírito santo. Eles também expuseram seus diferentes pontos de vista sobre o assunto. Depois de um diálogo longo e intenso, tomaram uma decisão. Quando informaram a decisão unânime às congregações, os irmãos “alegraram-se com o encorajamento”. (Atos 15:6-23, 25, 31; 16:4, 5) Isso resultou em aumento de paz e alegria.

11. Como podem os anciãos promover alegria e paz na congregação?

11 Da mesma forma hoje, os pastores espirituais promovem alegria e paz na congregação por serem bons comunicadores. Quando problemas ameaçam a paz da congregação, eles se reúnem e cada um expressa francamente seu ponto de vista e escuta as opiniões dos outros anciãos, de modo respeitoso. (Provérbios 13:10; 18:13) Depois de orar pedindo espírito santo, eles tomam decisões com base em princípios bíblicos e em orientações publicadas pelo “escravo fiel e discreto”. (Mateus 24:45-47; 1 Coríntios 4:6) Depois de o corpo de anciãos tomar uma decisão fundamentada nas Escrituras, cada um deles submete-se à  orientação do espírito santo por apoiar a decisão tomada, mesmo que a sua opinião sobre o assunto não tenha sido aceita pela maioria. Essa atitude modesta promove alegria e paz, além de estabelecer um bom exemplo para as ovelhas de como andar com Deus. (Miquéias 6:8) Você está apoiando modestamente as decisões que os anciãos da congregação tomam com base na Bíblia?

Longânimes e benignos

12. Por que Jesus precisou de longanimidade e benignidade ao lidar com os apóstolos?

12 Jesus era longânime e benigno ao lidar com os apóstolos, apesar de repetirem as mesmas falhas. Por exemplo, vez após vez Jesus tentava fazê-los entender a necessidade de serem humildes. (Mateus 18:1-4; 20:25-27) No entanto, na última noite da sua vida terrestre, pouco depois de dar aos apóstolos uma lição de humildade por lavar os pés deles, ‘levantou-se uma disputa acalorada entre eles sobre qual parecia ser o maior’. (Lucas 22:24; João 13:1-5) Será que Jesus censurou os apóstolos? Não, ele bondosamente raciocinou com eles por dizer: “Quem é maior, aquele que se recosta à mesa ou aquele que ministra? Não é aquele que se recosta à mesa? Mas eu estou no vosso meio como quem ministra.” (Lucas 22:27) A longanimidade e a benignidade de Jesus — acompanhadas de seu bom exemplo — com o tempo tocaram o coração dos apóstolos.

13, 14. Quando, em especial, os anciãos têm de demonstrar benignidade?

13 Da mesma forma, um ancião talvez precise aconselhar um irmão várias vezes sobre determinada falha. Isso pode fazer o ancião ficar irritado com a pessoa. No entanto, por se lembrar de suas próprias falhas ao ‘admoestar os desordeiros’, o ancião consegue demonstrar longanimidade e benignidade para com seu irmão. Agindo assim, ele imita Jesus e Jeová, que demonstram essas qualidades para com todos os cristãos, incluindo os pastores. — 1 Tessalonicenses 5:14; Tiago 2:13.

14 Às vezes, os anciãos têm de dar conselhos fortes a alguém que cometeu um pecado grave. Se essa pessoa não se arrepender, eles têm a obrigação de remover o transgressor da congregação. (1 Coríntios 5:11-13) Mas mesmo assim, o modo como lidam com a pessoa mostra que odeiam o pecado e não o pecador. (Judas 23) Uma atitude benigna por parte dos pastores pode, depois de algum tempo, facilitar o retorno da ovelha perdida ao rebanho. — Lucas 15:11-24.

Atos de bondade motivados pela fé

15. Qual é uma maneira de os superintendentes imitarem a bondade de Jeová, e o que os motiva a fazer isso?

15 “Jeová é bom para com todos”, incluindo os que não têm apreço pelas coisas que Ele faz por eles. (Salmo 145:9; Mateus 5:45) A bondade de Jeová é demonstrada, em especial, pelo fato de ele enviar seu povo para pregar as “boas novas do reino”. (Mateus 24:14) Os superintendentes refletem a bondade de Jeová por liderar o trabalho de pregação. O que motiva os seus esforços incansáveis? Uma forte fé em Jeová e nas suas promessas. — Romanos 10:10, 13, 14.

16. Como os pastores espirituais podem ‘fazer o que é bom’ para com as ovelhas?

 16 Além de fazer “o que é bom para com todos” por pregarem, os pastores espirituais têm a responsabilidade de fazer o que é bom “especialmente para com os aparentados [com eles] na fé”. (Gálatas 6:10) Um modo de fazer isso é pelas suas encorajadoras visitas de pastoreio. “Eu gosto de fazer visitas de pastoreio”, diz um ancião. “Elas me dão a oportunidade de elogiar os irmãos pelos seus esforços e de ajudá-los a saber que o bom trabalho que fazem é apreciado.” Às vezes, os anciãos podem sugerir a um irmão modos de aprimorar o seu serviço a Jeová. Ao fazer isso, anciãos perspicazes imitam o apóstolo Paulo. Considere o modo como ele incentivou os irmãos em Tessalônica: “Temos confiança no Senhor, quanto a vós, de que fazeis e continuareis a fazer as coisas que ordenamos.” (2 Tessalonicenses 3:4) Expressões de confiança como essa estimulam as boas tendências das ovelhas e tornam mais fácil para elas ‘serem obedientes aos que tomam a dianteira’. (Hebreus 13:17) Quando você receber uma visita de pastoreio encorajadora, por que não expressar seu apreço?

A brandura requer autodomínio

17. Que lição Pedro aprendeu com Jesus?

17 Jesus era de temperamento brando, mesmo ao ser provocado. (Mateus 11:29) Quando foi traído e preso, demonstrou brandura e muito autodomínio. Pedro, de forma impulsiva, puxou uma espada e retaliou, mas Jesus lembrou-lhe: “Pensas que não posso apelar para meu Pai, para fornecer-me neste momento mais de doze legiões de anjos?” (Mateus 26:51-53; João 18:10) Pedro aprendeu bem a lição e mais tarde lembrou aos cristãos: “Cristo sofreu por vós, deixando-vos um modelo para seguirdes de perto os seus passos. . . . Quando estava sendo injuriado, não injuriava em revide. Quando sofria, não ameaçava.” — 1 Pedro 2:21-23.

18, 19. (a) Quando, em especial, os pastores espirituais têm de demonstrar brandura e autodomínio? (b) Que questões serão consideradas no próximo artigo?

18 De forma similar, bons pastores espirituais demonstram brandura até mesmo quando tratados de forma injusta. Por exemplo, alguns irmãos na congregação podem reagir mal quando os anciãos tentam ajudá-los. Se alguém que precisa de ajuda está fraco ou doente em sentido espiritual, talvez reaja aos conselhos ‘falando irrefletidamente como que com as estocadas duma espada’. (Provérbios 12:18) No entanto, como Jesus, os anciãos não revidam com palavras duras ou atitudes vingativas. Em vez disso, exercem autodomínio e continuam a demonstrar empatia, o que poderá ser uma verdadeira bênção para a pessoa que precisa de ajuda. (1 Pedro 3:8, 9) Será que você aprende do exemplo dos anciãos e demonstra brandura e autodomínio quando recebe conselhos?

19 Não há dúvida de que Jeová e Jesus têm muito apreço pelo trabalho árduo dos milhares de pastores que, de boa vontade, cuidam do rebanho mundial. Jeová e seu Filho também sentem profunda afeição pelos milhares de servos ministeriais que apóiam os anciãos em ‘ministrar aos santos’. (Hebreus 6:10) Sendo assim, por que alguns irmãos batizados hesitam em procurar alcançar essa “obra excelente”? (1 Timóteo 3:1) E como Jeová treina aqueles que designa como pastores? No próximo artigo consideraremos essas questões.

Lembra-se?

• Quais são algumas maneiras de os pastores mostrarem amor pelo rebanho?

• Como todos na congregação podem promover a alegria e a paz?

• Por que os pastores são longânimes e benignos quando dão conselhos?

• Como os anciãos demonstram bondade e fé?

[Perguntas de Estudo]

[Foto na página 18]

Os anciãos servem às congregações motivados pelo amor

[Fotos na página 18]

Também gastam tempo com a família, tanto na recreação . . .

. . . como no ministério

[Foto na página 20]

A boa comunicação entre os anciãos promove alegria e paz na congregação