Pular para conteúdo

Pular para sumário

Destaques do livro de Ester

Destaques do livro de Ester

 A Palavra de Jeová É Viva

Destaques do livro de Ester

O PLANO não tem como falhar. O massacre dos judeus será completo e eficaz. Todos os judeus do império, que se estende da Índia à Etiópia, serão eliminados num único dia preestabelecido. Isso é o que pensa o homem que planejou o massacre. Mas ele havia despercebido um detalhe fundamental. O Deus dos céus pode livrar seu povo escolhido de qualquer situação desesperadora. O livramento está registrado no livro bíblico de Ester.

Escrito por um judeu idoso chamado Mordecai, o livro de Ester abrange um período de uns 18 anos, durante o reinado do rei persa Assuero, ou Xerxes I. Essa narrativa dramática mostra como Jeová salva seu povo dos planos perversos de seus inimigos, mesmo que seus servos estejam espalhados em todo um vasto império. Atualmente, esse conhecimento com certeza fortalece a fé do povo de Jeová, que presta serviço sagrado a ele em 235 países. Além disso, os personagens apresentados no livro de Ester nos fornecem exemplos que queremos imitar e outros que queremos evitar. Realmente, “a palavra de Deus é viva e exerce poder”. — Hebreus 4:12.

A RAINHA PRECISA INTERCEDER

(Ester 1:1-5:14)

Em seu terceiro ano de reinado (493 AEC), Assuero oferece um banquete real. A Rainha Vasti, famosa por seu encanto, desagrada muito o rei e é removida de sua posição. Hadassa, uma moça judia, é escolhida dentre todas as belas virgens do país para ocupar o lugar de Vasti. Seguindo a orientação de seu primo Mordecai, ela oculta sua identidade judaica e usa seu nome persa, Ester.

Com o tempo, um homem orgulhoso chamado Hamã é nomeado primeiro-ministro. Hamã fica enfurecido com a recusa de Mordecai de ‘dobrar-se e prostrar-se diante dele’, e elabora um plano para eliminar todos os judeus do Império Persa. (Ester 3:2) Hamã convence Assuero e consegue fazer com que o rei emita um decreto para a realização do massacre. Mordecai ‘veste-se de serapilheira e põe cinzas’ sobre si. (Ester 4:1) Agora Ester precisa intervir. Ela convida o rei e seu primeiro-ministro para um banquete particular. Quando atendem o convite com prazer, ela pede a eles que voltem no dia seguinte para mais um banquete. Hamã fica radiante. Mas ele está furioso com a recusa de Mordecai a honrá-lo e por isso ele elabora um plano para matar Mordecai antes do banquete no dia seguinte.

Perguntas bíblicas respondidas:

1:3-5 — O banquete durou 180 dias? O relato não diz que o banquete durou tanto tempo assim, mas que o rei mostrou aos oficiais as riquezas e a beleza de seu glorioso reino  por 180 dias. Talvez o rei tenha usado esse longo evento para exibir a glória de seu reinado, com o objetivo de impressionar os nobres e convencê-los de sua habilidade de realizar seus planos. Neste caso, os versículos 3 e 5 poderiam referir-se ao banquete de 7 dias realizado após o término do ajuntamento de 180 dias.

1:8 — De que maneira não havia ‘compulsão quanto ao tempo de se beber segundo a lei’? Naquela ocasião, o Rei Assuero abriu uma exceção ao que parece ter sido um costume persa de as pessoas induzirem umas às outras a beber certa quantidade quando estavam reunidas nesse tipo de evento. “Eles podiam beber muito ou pouco, conforme desejassem”, diz certa obra de referência.

1:10-12 — Por que a Rainha Vasti insistiu em se recusar a comparecer diante do rei? Alguns eruditos sugerem que a rainha se recusou a obedecer porque ela preferiu não se rebaixar diante dos convidados bêbados do rei. Ou talvez a rainha, fisicamente bela, não fosse realmente submissa. Apesar de a Bíblia não dizer o motivo da recusa, os homens sábios daqueles dias achavam que a obediência ao marido definitivamente era importante e que o mau exemplo de Vasti poderia influenciar todas as esposas nas províncias da Pérsia.

2:14-17 — Ester teve relações sexuais imorais com o rei? A resposta é não. O relato diz que as outras mulheres que haviam sido levadas ao rei voltaram de manhã para a segunda casa que ficava sob a responsabilidade do eunuco do rei, o “guardião das concubinas”. Dessa maneira, as mulheres que passaram a noite com o rei tornaram-se suas concubinas, ou esposas secundárias. Mas Ester não foi levada à casa das concubinas depois de ver o rei. Quando ela foi levada diante de Assuero, “o rei veio a amar Ester mais do que a todas as outras mulheres, de modo que ela obteve mais favor e benevolência diante dele do que todas as outras virgens”. (Ester 2:17) Como ela conseguiu ganhar o ‘favor e a benevolência’ do rei? Da mesma maneira que havia conquistado o favor das outras pessoas. “A moça agradava aos seus olhos [de Hegai], de modo que ela obteve benevolência diante dele.” (Ester 2:8, 9) Hegai a favoreceu estritamente com base no que ele observou — aparência e boas qualidades. De fato, “Ester ganhara continuamente favor aos olhos de todos os que a viam”. (Ester 2:15) Da mesma maneira, o rei ficou impressionado com o que viu em Ester e passou a amá-la.

3:2; 5:9 — Por que Mordecai se recusou a curvar-se diante de Hamã? Não era errado para os israelitas prostrar-se diante de uma pessoa importante, em reconhecimento de sua posição superior. Mas no caso de Hamã havia mais envolvido. Hamã era agagita, provavelmente um amalequita, e Jeová havia destinado Amaleque ao extermínio. (Deuteronômio 25:19) Para Mordecai, curvar-se diante de Hamã era um assunto que envolvia a integridade a Jeová. Ele se recusou terminantemente a fazer isso, declarando que era judeu. — Ester 3:3, 4.

Lições para nós:

2:10, 20; 4:12-16. Ester aceitou orientações e conselhos de um adorador veterano de Jeová. É uma questão de sabedoria ‘obedecer aos que tomam a dianteira entre nós e sermos submissos’. — Hebreus 13:17.

2:11; 4:5. Não devemos ‘visar, em interesse pessoal, apenas os nossos próprios assuntos, mas também, em interesse pessoal, os dos outros’. — Filipenses 2:4.

2:15. Ester demonstrou modéstia e autodomínio por não pedir mais jóias e roupas melhores do que as que Hegai lhe havia fornecido. Foi “a pessoa secreta do coração, na vestimenta incorruptível dum espírito quieto e brando”, que levou Ester a ganhar o favor do rei. — 1 Pedro 3:4.

 2:21-23. Ester e Mordecai foram bons exemplos de ‘sujeição às autoridades superiores’. — Romanos 13:1.

3:4. Em algumas situações é prudente não divulgar nossa identidade, assim como fez Ester. Mas quando a questão envolve tomar uma posição em assuntos importantes, como a soberania de Jeová e a nossa integridade, não devemos ter medo de dizer que somos Testemunhas de Jeová.

4:3. Ao enfrentarmos provações, devemos orar a Jeová em busca de força e sabedoria.

4:6-8. Mordecai procurou uma solução dentro da lei para resolver a ameaça criada pela conspiração de Hamã. — Filipenses 1:7.

4:14. A confiança de Mordecai em Jeová foi exemplar.

4:16. Com plena confiança em Jeová, Ester enfrentou de maneira fiel e corajosa uma situação que poderia ter resultado em sua morte. É fundamental que aprendamos a confiar em Jeová e não em nós mesmos.

5:6-8. Para ganhar o favor de Assuero, Ester o convidou a um segundo banquete. Ela agiu com prudência, assim como nós devemos fazer. — Provérbios 14:15.

A SITUAÇÃO SE INVERTE

(Ester 6:1-10:3)

Com o decorrer dos acontecimentos, a situação se inverte. Hamã é pendurado na estaca que fez para Mordecai, e aquele que era para ser a vítima torna-se o primeiro-ministro. E o massacre planejado para os judeus? Isso também se inverteria de maneira notável.

A fiel Ester manifesta-se novamente. Colocando a vida em risco, ela comparece diante do rei com um pedido para encontrar alguma maneira de desfazer a trama de Hamã. Assuero sabe o que precisa ser feito. Assim, quando  finalmente chega o dia do massacre, não são os judeus que morrem, mas aqueles que procuravam prejudicá-los. Mordecai decreta que a Festividade de Purim seja celebrada todos os anos para comemorar essa grande libertação. Atuando como a maior autoridade depois do Rei Assuero, Mordecai ‘trabalha para o bem de seu povo e fala a paz a toda a descendência deles’. — Ester 10:3.

Perguntas bíblicas respondidas:

7:4 — Em que sentido o extermínio dos judeus traria “dano para o rei”? Ao mencionar, com tato, a possibilidade de os judeus serem vendidos como escravos, Ester trouxe à atenção do rei o prejuízo que ele teria com a destruição deles. Os 10 mil talentos de prata que Hamã havia prometido seriam muito menos rentáveis ao tesouro do rei do que a riqueza que poderia ter sido gerada se Hamã tivesse planejado vender os judeus como escravos. A execução da trama também teria significado a perda da rainha.

7:8 — Por que os oficiais da corte cobriram a face de Hamã? Isso provavelmente dava a entender vergonha ou morte iminente. Segundo uma obra de referência, “os [povos] antigos às vezes cobriam a cabeça de quem estava para ser executado”.

8:17 — Em que sentido “muitos dos povos da terra declaravam-se judeus”? Por entenderem que a contra-ordem permitida pelo rei era indício de que os judeus tinham o favor de Deus, muitos persas evidentemente tornaram-se judeus prosélitos. O mesmo princípio está em operação no cumprimento da profecia encontrada no livro de Zacarias, que declara: “Dez homens dentre todas as línguas das nações agarrarão, sim, agarrarão realmente a aba da veste dum homem judeu, dizendo: ‘Iremos convosco, pois ouvimos que Deus está convosco.’” — Zacarias 8:23.

9:10, 15, 16 — Embora o decreto autorizasse os judeus a saquear os despojos, por que eles não agiram assim? Isso não deixou dúvida de que o objetivo deles era a preservação de suas vidas, não o enriquecimento.

Lições para nós:

6:6-10. “O orgulho vem antes da derrocada e o espírito soberbo antes do tropeço.” — Provérbios 16:18.

7:3, 4. Temos a coragem de nos identificar como Testemunhas de Jeová, embora isso possa resultar em perseguição?

8:3-6. Nós podemos e devemos apelar às autoridades governamentais e aos tribunais para nos proteger de nossos inimigos.

8:5. Ester teve tato em não mencionar a responsabilidade do rei no decreto elaborado para eliminar os judeus. Nós também precisamos usar de tato ao dar testemunho a autoridades.

9:22. Não devemos nos esquecer dos pobres em nosso meio. — Gálatas 2:10.

Jeová providenciará “alívio e livramento”

Mordecai faz alusão ao propósito de Deus por Ester obter a dignidade real. Quando ameaçados, os judeus jejuaram e oraram por ajuda. A rainha aparece diante do rei sem ser convidada e é atendida a cada vez. O rei não consegue dormir exatamente na noite crítica. De fato, o livro de Ester nos mostra que Jeová manobra os acontecimentos em benefício de seu povo.

O emocionante relato de Ester é de interesse especial para nós, que vivemos no “tempo do fim”. (Daniel 12:4) “Na parte final dos dias”, ou na parte final do tempo do fim, Gogue de Magogue — Satanás, o Diabo — fará um ataque completo contra o povo de Jeová. Seu objetivo não será nada menos que eliminar os verdadeiros adoradores. Mas, assim como nos dias de Ester, Jeová proverá “alívio e livramento” para seus adoradores. — Ezequiel 38:16-23; Ester 4:14.

[Foto na página 10]

Ester e Mordecai diante de Assuero