Pular para conteúdo

Pular para sumário

Uma lei do amor escrita nos corações

Uma lei do amor escrita nos corações

 Uma lei do amor escrita nos corações

“Vou pôr a minha lei no seu íntimo e a escreverei no seu coração.” — JEREMIAS 31:33.

1, 2. (a) O que será considerado agora? (b) Como Jeová se manifestou no monte Sinai?

NOS dois artigos anteriores vimos que, ao descer do monte Sinai, o rosto de Moisés emitia raios que refletiam a glória de Jeová. Consideramos também o véu que Moisés usava. Vejamos agora um assunto relacionado que tem significado para os cristãos atuais.

2 Quando Moisés estava no monte Sinai, recebeu instruções de Jeová. Reunidos diante do monte, os israelitas presenciaram uma espantosa manifestação do próprio Deus. “Começou a haver trovões e relâmpagos, e uma pesada nuvem sobre o monte e um som muito forte de buzina, de modo que todo o povo no acampamento começou a tremer. . . . E todo o monte Sinai fumegava devido ao fato de Jeová ter descido sobre ele em fogo; e sua fumaça ascendia como a fumaça dum forno de calcinação e todo o monte tremia muitíssimo.” — Êxodo 19:16-18.

3. Por que meios Jeová deu os Dez Mandamentos a Israel, e o que essa nação veio a entender?

3 Jeová falou ao povo por meio de um anjo, fornecendo-lhes o que veio a ser chamado de Dez Mandamentos. (Êxodo 20:1-17) Assim, não poderia haver dúvida de que essas leis eram do Todo-Poderoso. Jeová escreveu esses mandamentos em tábuas de pedra — que Moisés despedaçou quando viu os israelitas adorar um bezerro de ouro. Jeová escreveu novamente os mandamentos em pedra. Dessa vez, quando Moisés desceu com as tábuas, seu rosto emitia raios. Assim, todos podiam entender que tais leis tinham um enorme significado. — Êxodo 32:15-19; 34:1, 4, 29, 30.

4. Por que os Dez Mandamentos eram de grande importância?

4 As duas tábuas sobre as quais foram escritos os Dez Mandamentos foram colocadas dentro da arca do pacto, no compartimento Santíssimo do tabernáculo e, mais tarde, do  templo. As leis escritas nelas esboçavam os princípios fundamentais do pacto da Lei mosaica e formavam a base para a administração teocrática de um governo nacional. Eram uma evidência de que Jeová lidava com um povo específico, um povo escolhido.

5. De que maneiras as leis divinas dadas a Israel refletiam o amor de Deus?

5 Essas leis revelavam muita coisa a respeito de Jeová, em especial seu amor pelo seu povo. Que dádiva preciosa para os que as obedeciam! Certo erudito escreveu: “Nenhum sistema moral formulado por humanos antes ou depois . . . pode chegar perto, muito menos se igualar ou ser melhor do que esses dez mandamentos de Deus.” A respeito da Lei mosaica como um todo, Jeová disse: “Se obedecerdes estritamente à minha voz e deveras guardardes meu pacto, então vos haveis de tornar minha propriedade especial dentre todos os outros povos, pois minha é toda a terra. E vós mesmos vos tornareis para mim um reino de sacerdotes e uma nação santa.” — Êxodo 19:5, 6.

Uma lei escrita no coração

6. Que lei se tem mostrado de maior valor do que as leis escritas em pedra?

6 De fato, essas leis divinas tinham grande valor. Mas você sabia que os cristãos ungidos possuem algo muito mais valioso do que leis escritas em pedra? Jeová predisse que seria feito um novo pacto, diferente do pacto da Lei feito com a nação de Israel. “Vou pôr a minha lei no seu íntimo e a escreverei no seu coração.” (Jeremias 31:31-34) Jesus, o Mediador do novo pacto, não forneceu pessoalmente um código escrito de leis para seus seguidores. Ele inculcou a lei de Jeová na mente e no coração de seus discípulos por meio das coisas que disse e fez.

7. A quem foi dada primeiro a “lei do Cristo”, e quem mais tarde a aceitou?

7 Essa lei é chamada de “lei do Cristo”. Ela foi dada primeiro não à nação do Israel natural, composta dos descendentes de Jacó, mas sim a uma nação espiritual, o “Israel de Deus”. (Gálatas 6:2, 16; Romanos 2:28, 29) O Israel de Deus compõe-se de cristãos ungidos com o espírito. Com o tempo, juntou-se a eles uma “grande multidão” de pessoas dentre todas as nações que também procuram adorar a Jeová. (Revelação [Apocalipse] 7:9, 10; Zacarias 8:23) Como “um só rebanho” sob “um só pastor”, ambos os grupos aceitam a “lei do Cristo”, permitindo que ela governe todas as suas ações. — João 10:⁠16.

8. Qual era uma diferença entre a Lei mosaica e a lei do Cristo?

8 Diferentemente dos israelitas naturais, que já nasciam sujeitos à Lei mosaica, os cristãos permanecem sob a lei do Cristo por  opção. Fatores tais como raça ou lugar de nascimento são irrelevantes. Eles aprendem sobre Jeová e seu modo de agir, e anseiam fazer a Sua vontade. Tendo a lei de Deus “no seu íntimo”, escrita, por assim dizer, “no seu coração”, os cristãos ungidos não obedecem a Deus apenas porque ele pode punir os desobedientes; tampouco o obedecem somente por um senso de dever. A sua obediência está enraizada em algo mais fundamental e muito mais poderoso, e os das outras ovelhas também são obedientes porque têm a lei de Deus inscrita no coração.

Leis baseadas no amor

9. De que modo Jesus indicou que o amor era a essência das leis de Jeová?

9 A essência de todas as leis e regulamentos de Jeová pode ser resumida numa única palavra: amor. Isso sempre tem sido e sempre será uma parte essencial da adoração pura. Ao lhe ser perguntado qual era o maior mandamento da Lei, Jesus respondeu: “Amar a Jeová, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua mente.” O segundo: “Amar o teu próximo como a ti mesmo.” Daí, ele disse: “Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas.” (Mateus 22:35-40) Com isso Jesus indicou que, não apenas a Lei com os Dez Mandamentos se baseava no amor, mas também as Escrituras Hebraicas como um todo.

10. Como sabemos que o amor é fundamental na lei do Cristo?

10 Será que o amor a Deus e ao próximo também é fundamental na lei no coração dos cristãos? Certamente! A lei do Cristo envolve  amor sincero a Deus e inclui um novo mandamento — os cristãos devem ter amor abnegado uns pelos outros. Devem amar assim como Jesus, que voluntariamente entregou sua vida em favor de seus amigos. Ele ensinou seus discípulos a amar a Deus e ao próximo, assim como ele os amou. O notável amor que demonstram uns pelos outros é a principal qualidade que identifica os cristãos verdadeiros. (João 13:34, 35; 15:12, 13) Jesus até mesmo os instruiu a amar seus inimigos. — Mateus 5:44.

11. De que modo Jesus demonstrou amor a Deus e à humanidade?

11 Jesus deu o exemplo perfeito em mostrar amor. Como poderosa criatura espiritual no céu, ele aceitou com prazer a oportunidade de promover os interesses de seu Pai na Terra. Além de dar sua vida humana a fim de que outros pudessem viver para sempre, Jesus mostrou às pessoas como deviam viver. Demonstrou humildade, bondade e consideração, e ajudava os sobrecarregados e oprimidos. Além disso, transmitiu “declarações de vida eterna” e foi incansável em ajudar outros a conhecer a Jeová. — João 6:68.

12. Por que se pode dizer que o amor a Deus e ao próximo estão inseparavelmente ligados?

12 De fato, o amor a Deus e ao próximo estão inseparavelmente ligados. O apóstolo João declarou: “O amor é de Deus . . . Se alguém fizer a declaração: ‘Eu amo a Deus’, e ainda assim odiar o seu irmão, é mentiroso. Pois, quem não ama o seu irmão, a quem tem visto, não pode estar amando a Deus, a quem não tem visto.” (1 João 4:7, 20) Jeová é tanto a fonte como a própria personificação do amor. Tudo o que ele faz é influenciado pelo amor. Nós amamos porque fomos feitos à Sua imagem. (Gênesis 1:27) Por mostrar amor ao próximo demonstramos nosso amor a Deus.

Amar significa obedecer

13. Para amar a Deus, o que temos de fazer primeiro?

13 Como podemos amar a Deus, a quem não podemos ver? O primeiro passo vital é conhecê-lo. Não podemos realmente amar um desconhecido, ou confiar nele. Por isso, a Palavra de Deus nos incentiva a conhecer a Deus por ler a Bíblia, orar e nos associar com aqueles que já o conhecem e já o amam. (Salmo 1:1, 2; Filipenses 4:6; Hebreus 10:25) Os quatro Evangelhos são especialmente valiosos, pois revelam a personalidade de Jeová conforme refletida na vida e no ministério de Jesus Cristo. O nosso desejo de obedecer a Deus e imitar sua personalidade aumenta à medida que o conhecemos melhor e reconhecemos o amor que mostrou por nós. O amor a Deus envolve obediência.

14. Por que se pode dizer que as leis de Deus não são pesadas?

14 Quando amamos alguém, sabemos o que essa pessoa gosta e o que ela não gosta, e agimos de acordo. Não queremos desagradar a quem amamos. O apóstolo João escreveu: “O amor de Deus significa o seguinte: que observemos os seus mandamentos; contudo, os seus mandamentos não são pesados.” (1 João 5:3) Não são pesados, nem numerosos. O amor dirige a nossa vida. Não precisamos decorar uma longa lista de regras para orientar cada uma de nossas ações; somos guiados pelo amor a Deus. Se amamos a Deus, é um prazer fazer a sua vontade. Com isso ganhamos a sua aprovação e nos beneficiamos, pois as orientações divinas sempre visam o nosso bem. — Isaías 48:17.

15. O que nos motivará a imitar a Jeová? Explique.

15 O amor a Deus nos move a imitar suas qualidades. Quando amamos uma pessoa, admiramos suas qualidades e procuramos ser como ela é. Consideremos a relação entre Jeová e Jesus. Eles estavam juntos no céu por  talvez bilhões de anos. Entre eles existia um amor puro e profundo. Jesus se assemelhava tanto ao Pai celestial que podia dizer aos discípulos: “Quem me tem visto, tem visto também o Pai.” (João 14:9) À medida que adquirimos conhecimento sobre Jeová e seu Filho, e apreço por eles, somos motivados a imitá-los. O nosso amor a Jeová, com a ajuda de seu espírito santo, nos ajudará a ‘nos desnudar da velha personalidade com as suas práticas e a nos revestir da nova personalidade’. — Colossenses 3:9, 10; Gálatas 5:22, 23.

O amor em ação

16. Em que sentido a nossa atividade de pregação e ensino é uma demonstração de amor a Deus e ao próximo?

16 Como cristãos, permitimos que o amor a Deus e ao próximo nos motive a participar na obra de pregar o Reino e fazer discípulos. Fazendo isso, agradamos a Jeová Deus, “cuja vontade é que toda sorte de homens sejam salvos e venham a ter um conhecimento exato da verdade”. (1 Timóteo 2:3, 4) Desse modo podemos nos alegrar em ajudar outros a ter a lei do Cristo escrita nos seus corações. E com grande prazer os observamos transformar sua personalidade, que passa a refletir as qualidades divinas de Jeová. (2 Coríntios 3:18) Realmente, ajudar outros a conhecer a Deus é a dádiva mais preciosa que podemos lhes oferecer. Aqueles que aceitam a amizade de Jeová poderão usufruí-la por toda a eternidade.

17. Por que é sensato cultivar amor a Deus e ao próximo em vez de a coisas materiais?

17 Vivemos num mundo em que as coisas materiais são muito valorizadas, até mesmo  amadas. Mas elas não são eternas. Podem ser roubadas ou até mesmo se deteriorar. (Mateus 6:19) A Bíblia nos alerta: “O mundo está passando, e assim também o seu desejo, mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre.” (1 João 2:16, 17) De fato, Jeová permanecerá para sempre, bem como aqueles que o amam e o servem. Portanto, não acha que é mais sensato cultivar amor a Deus e ao próximo em vez de ir atrás das coisas do mundo que, quando muito, são apenas temporárias?

18. De que modo certa missionária demonstrou amor abnegado?

18 Aqueles que praticam o amor produzem louvor a Jeová. Veja o caso de Sonia, missionária no Senegal. Ela estudou a Bíblia com Heidi, que havia contraído o vírus HIV de seu marido não-cristão. Depois da morte do marido, Heidi foi batizada, mas logo adoeceu e foi internada com Aids. Sonia relata: “A equipe do hospital fez o possível, mas era pequena. Foram convocados voluntários da congregação para cuidar de Heidi no hospital. Na segunda noite, fiquei numa esteira ao lado de sua cama e ajudei a cuidar dela até a morte. O médico responsável disse: ‘O nosso maior problema é que muitas vezes até mesmo os parentes abandonam os membros da família ao saberem que estes têm Aids. Como é possível que a senhora, que não é parente, não é do mesmo país e nem mesmo da mesma cor se dispõe a colocar a sua vida em risco?’ Eu expliquei que, para mim, Heidi era realmente minha irmã, tão achegada como se tivéssemos o mesmo pai e a mesma mãe. Por ter conhecido essa minha nova irmã, foi um prazer cuidar dela.” A propósito, Sonia não sofreu nenhum efeito negativo de seus esforços amorosos de cuidar de Heidi.

19. Tendo a lei de Deus escrita no nosso coração, o que devemos fazer em toda oportunidade?

19 Há muitos exemplos de amor abnegado entre os servos de Jeová. Nenhum código de leis escrito identifica hoje o povo de Deus. Em vez disso, vemos o cumprimento do que está escrito em Hebreus 8:10: “‘Este é o pacto que celebrarei com a casa de Israel depois daqueles dias’, diz Jeová. ‘Porei as minhas leis na sua mente e as escreverei nos seus corações. E eu me tornarei seu Deus e eles é que se tornarão meu povo.’” Prezemos sempre a lei do amor que Jeová escreveu nos nossos corações, aproveitando toda oportunidade para mostrar amor.

20. Por que a lei do Cristo é um bem de valor inestimável?

20 Que grande alegria é servir a Deus junto com uma fraternidade mundial que demonstra esse amor! Aqueles que têm a lei do Cristo no coração possuem um bem precioso neste mundo sem amor. Não apenas desfrutam do amor de Jeová, mas também se alegram com o forte vínculo de amor na fraternidade. “Quão bom e quão agradável é irmãos morarem juntos em união!” Apesar da enorme diversidade de países, línguas e culturas das Testemunhas de Jeová, elas desfrutam de uma união religiosa sem igual. Essa união resulta no favor de Jeová. O salmista escreveu: “Ali [entre um povo unido em amor] Jeová ordenou que estivesse a bênção, sim, vida por tempo indefinido.” — Salmo 133:1-3.

Sabe responder?

• Qual era a importância dos Dez Mandamentos?

• O que é a lei escrita nos corações?

• Que papel desempenha o amor na “lei do Cristo”?

• De que maneiras podemos demonstrar nosso amor a Deus e ao próximo?

[Perguntas de Estudo]

[Foto na página 25]

Os israelitas tinham leis escritas em tábuas de pedra

[Fotos na página 26]

Os cristãos têm a lei de Deus escrita no coração

[Foto na página 28]

Sonia com uma menina senegalesa no congresso de distrito de 2004