Pular para conteúdo

Pular para sumário

Os efeitos devastadores da morte

Os efeitos devastadores da morte

 Os efeitos devastadores da morte

“CRIANÇA DE SEIS ANOS SE SUICIDA”. Essa chocante manchete referia-se à morte trágica de uma menina chamada Jackie. Sua mãe tinha falecido havia pouco tempo de uma doença terminal. Antes de se jogar na frente de um trem, Jackie disse a seus irmãos que queria ‘tornar-se um anjo e estar com a mãe’.

Ian tinha 18 anos quando implorou a um sacerdote que lhe explicasse por que seu pai havia morrido de câncer. Visto que o pai de Ian era um ‘homem bom’, disse o sacerdote, ‘Deus o queria no céu’. Depois dessa explicação, Ian decidiu que não desejava conhecer esse Deus cruel. Visto que a vida parecia ser tão sem sentido, ele decidiu levar uma vida de prazeres. Para isso, recorreu ao álcool, às drogas e à imoralidade. Sua vida estava fugindo ao controle.

“Os viventes estão cônscios de que morrerão”

Esses dois casos lamentáveis ilustram como a morte pode devastar a vida das pessoas, em especial se for repentina. Com certeza, todos se dão conta do seguinte fato, declarado na Bíblia: “Os viventes estão cônscios de que morrerão.” (Eclesiastes 9:5) Mas muitos preferem ignorar essa dura realidade. E você? A vida exige tanto de nosso tempo e atenção que talvez nem pensemos na aparentemente distante perspectiva da morte.

“A maioria das pessoas teme a morte e evita pensar nela”, diz a enciclopédia World Book. No entanto, um acidente grave ou uma doença séria pode subitamente nos obrigar a encará-la. Ou talvez o enterro de um amigo ou parente nos faça pensar no triste fim que aguarda toda a humanidade.

Mesmo assim, como dizem muitos enlutados nos funerais, “a vida continua”. De fato continua. E parece que a vida passa tão depressa que logo é preciso encarar os problemas da idade avançada. Nesse ponto, a morte não é mais aquela perspectiva remota. Há muitos funerais para assistir e muitas perdas de velhos amigos. Muitos idosos se fazem a perturbadora pergunta: “Quando será a minha vez?”

A grande interrogação

Embora ninguém negue a certeza da morte, o que acontece depois dela pode ser um grande ponto de interrogação. Por causa das muitas explicações contraditórias, os cépticos talvez encarem o assunto como debate inútil sobre o desconhecido. A pessoa pragmática talvez conclua que, visto que “a vida é uma só”, deve-se aproveitar bem as boas coisas que ela oferece.

Outros, porém, não acreditam que a morte seja o fim de tudo. No entanto, não têm idéia clara do que vem depois. Alguns acham que a  vida continua num lugar de felicidade eterna, ao passo que outros pensam que viverão de novo em algum tempo futuro, talvez como pessoa diferente.

Parentes enlutados invariavelmente se perguntam: “Onde estão os mortos?” Alguns anos atrás, um time de futebol americano viajava num microônibus para um jogo quando, de repente, um caminhão se chocou com o veículo deles, que capotou fora da estrada. Cinco membros do time morreram. Desde a morte do filho nesse acidente, a vida de certa mãe praticamente acabou. Ela sempre se pergunta onde está seu filho. Visita regularmente o túmulo do rapaz e fala com ele em voz alta durante horas. “Não posso acreditar que não exista nada depois da morte”, lamenta, “mas não tenho certeza”.

Obviamente, a nossa atitude para com a morte pode afetar nossa vida. Em vista das reações das pessoas diante da tragédia da morte, como você responderia a perguntas como estas: Será que não devemos nem pensar na morte, concentrando-nos apenas em viver? Deve-se permitir que a ameaçadora realidade da morte estrague a nossa vida? Será que um parente enlutado precisa ficar eternamente se perguntando onde está seu ente querido? A morte tem de continuar sendo um enigma?