Pular para conteúdo

Pular para sumário

Perguntas dos Leitores

Perguntas dos Leitores

 Perguntas dos Leitores

Deve o cristão dar gorjeta ou presente a um funcionário do governo por serviços prestados, ou isso seria considerado suborno?

Onde quer que vivam, os cristãos procuram usar de sabedoria prática em situações locais, lembrando-se de que aquilo que é aceitável e legal em um país pode ser totalmente inaceitável e ilegal em outro. (Provérbios 2:6-9) Naturalmente, o cristão sempre deve lembrar-se de que aquele que quer ser ‘hóspede na tenda de Jeová’ tem de evitar o suborno. — Salmo 15:1, 5; Provérbios 17:23.

O que é suborno? Segundo a Enciclopédia Delta Universal, “suborno é o ato que consiste em oferecer algum valor a uma pessoa em cargo ou posição de confiança, esperando que ela viole a lei ou seu dever para beneficiar o doador”. De modo que, não importa onde viva, é suborno dar dinheiro ou um presente a um juiz ou a um policial para que ele viole a lei, ou a um fiscal para que ele desconsidere uma falta ou uma violação da lei. Também é considerado suborno dar um presente para receber tratamento preferencial, como por exemplo adiantar o nome numa lista de espera ou passar na frente de outros numa fila. Tal proceder revela também falta de amor. — Mateus 7:12; 22:39.

Mas será que é suborno dar um presente ou uma gorjeta, digamos, a um servidor público, para conseguir serviço e tratamento justos? Por exemplo, em alguns países, autoridades podem negar-se a registrar crianças na escola, internar alguém num hospital ou emitir documentos de imigração a menos que recebam gorjeta. Ou podem atrasar a renovação de licenças ou autorizações.

A prática de dar gorjeta e a atitude geral em relação a isso variam de um lugar para outro. Em lugares onde tais pagamentos são costumeiros ou esperados, alguns cristãos podem achar que, contanto que estejam dentro da lei, não estão violando princípios bíblicos quando dão uma gorjeta a um funcionário para que ele cumpra seu dever. Em alguns países, as pessoas podem até mesmo encarar tais pagamentos como um presente para complementar a baixa renda do funcionário. Lembre-se de que há uma diferença entre dar um presente por um serviço legítimo e oferecer um suborno para um favor ilegal.

Por outro lado, ao fazerem pedidos legítimos, algumas Testemunhas de Jeová se negam a dar gorjetas a fiscais, funcionários de alfândega ou outros, mesmo quando é comum fazer isso. Visto que as Testemunhas são conhecidas localmente tanto pela sua atitude conscienciosa como pela sua honestidade, elas às vezes recebem um tipo de tratamento que a maioria das pessoas só recebe quando paga por ele. — Provérbios 10:9; Mateus 5:16.

Em resumo, cada servo de Jeová tem de decidir por si mesmo se é correto dar uma gorjeta para receber um serviço legítimo ou para evitar um tratamento injusto. Acima de tudo, deve adotar um proceder que o deixe com a consciência limpa, que não traga vitupério ao nome de Jeová e que não faça outros tropeçar. — Mateus 6:9; 1 Coríntios 10:31-33; 2 Coríntios 6:3; 1 Timóteo 1:5.