Pular para conteúdo

Pular para sumário

A verdade está produzindo frutos naqueles a quem você ensina?

A verdade está produzindo frutos naqueles a quem você ensina?

 A verdade está produzindo frutos naqueles a quem você ensina?

QUANDO o jovem Eric avisou aos pais que não queria mais ser Testemunha de Jeová, eles ficaram arrasados. Isso os pegou de surpresa. Quando era mais novo, Eric sempre participava do estudo da Bíblia em família, assistia às reuniões cristãs e acompanhava a congregação na obra de pregação. Ele parecia estar na verdade, como costumamos dizer. Mas só depois que saiu de casa é que seus pais perceberam que a verdade não estava nele. Isso foi ao mesmo tempo um choque e uma decepção para eles.

Outros têm experimentado uma sensação semelhante de perda quando um estudante da Bíblia inesperadamente pára de estudar. Nesses momentos, é comum as pessoas se perguntarem: ‘Como eu não percebi que isso ia acontecer?’ Será que é possível, antes que aconteça um desastre em sentido espiritual, descobrir se a verdade está produzindo frutos em quem ensinamos? Como podemos ter certeza de que a verdade está agindo tanto em nós como naqueles a quem ensinamos? Por meio da conhecida parábola do semeador, Jesus nos ajuda a encontrar a resposta a essas perguntas.

A verdade precisa tocar o coração

“A semente é a palavra de Deus”, disse Jesus. “Quanto àquela em solo excelente, estes são os que, depois de ouvirem a palavra com um coração excelente e bom, a retêm e dão fruto com perseverança.” (Lucas 8:11, 15) Vemos assim que, antes de a verdade do Reino ser capaz de produzir algum efeito em nossos estudantes, ela precisa criar raízes no seu coração figurativo. Jesus nos garantiu que, quando a verdade divina entra em contato com um bom coração, ela começa imediatamente a agir e produzir frutos, assim como a semente boa em solo excelente. A que, então, devemos estar atentos?

Devemos procurar discernir as qualidades do coração, não só as aparências. Apenas manter uma boa rotina de adoração nem sempre revela o que realmente se passa no coração da pessoa. (Jeremias 17:9, 10; Mateus 15:7-9) Precisamos ir mais fundo. Deve haver uma mudança evidente nos seus desejos, motivações e prioridades. Ela deve desenvolver a nova personalidade, que está de acordo com a vontade de Deus. (Efésios 4:20-24) Para ilustrar: quando os tessalonicenses ouviram as boas novas, Paulo disse que eles as aceitaram prontamente como a palavra de Deus. Mas foi a perseverança, a fidelidade e o amor que eles demonstraram no decorrer do tempo que confirmaram que a verdade ‘estava operando neles’. — 1 Tessalonicenses 2:13, 14; 3:6.

É claro que, não importa o que esteja no coração do estudante, mais cedo ou mais tarde isso vai se revelar no seu comportamento, como mostrou o exemplo de Eric. (Marcos 7:21, 22; Tiago 1:14, 15) Infelizmente, quando certas características indesejáveis se tornam plenamente evidentes nas ações de uma pessoa, pode ser tarde demais. O desafio, então, é tentar identificar fraquezas específicas antes que se tornem pedras de tropeço em sentido espiritual. Precisamos aprender a olhar o que há dentro do coração. Como podemos fazer isso?

 Aprenda com Jesus

Jesus, sem dúvida, era capaz de ler os corações de modo infalível. (Mateus 12:25) Nenhum de nós pode fazer isso. Mas ele mostrou que nós também podemos discernir os desejos, as motivações e as prioridades de uma pessoa. Um bom médico usa diversos métodos de diagnóstico para detectar o que há de errado com o coração físico de um paciente. De modo similar, Jesus usava a Palavra de Deus para ‘puxar para fora’ e expor os “pensamentos e as intenções do coração”, mesmo que ainda estivessem ocultos aos olhos da maioria. — Provérbios 20:5; Hebreus 4:12.

Por exemplo, em certa ocasião, Jesus trouxe à atenção de Pedro uma fraqueza que mais tarde se tornou mesmo uma pedra de tropeço. Jesus sabia que Pedro o amava, pois um pouco antes havia confiado a ele “as chaves do reino”. (Mateus 16:13-19) Mas Jesus também sabia que os apóstolos estavam na mira de Satanás. Nos dias à frente, eles sofreriam enorme pressão para transigir. Evidentemente, Jesus havia percebido que alguns dos discípulos tinham fraquezas na fé. Por isso ele não teve receio de mostrar-lhes em que campos precisavam melhorar. Observe como Jesus trouxe o assunto à atenção deles.

Mateus 16:21 diz: “Daquele tempo em diante, Jesus Cristo principiou a mostrar aos seus discípulos que ele tinha de . . . sofrer . . . e que tinha de ser morto.” Note que Jesus não apenas disse, mas mostrou a eles o que aconteceria com ele. É bem provável que ele tenha usado textos bíblicos, como Salmo 22:14-18 ou Isaías 53:10-12, para explicar que o Messias teria de sofrer e morrer. De qualquer modo, por ler ou citar diretamente das Escrituras, Jesus deu a Pedro e aos outros a oportunidade de revelar o que tinham no coração. Como eles reagiriam à idéia de sofrer perseguição?

Surpreendentemente, embora Pedro já tivesse demonstrado muito zelo e coragem, sua resposta impulsiva nessa ocasião revelou uma falha perigosa no seu modo de pensar. “Sê benigno contigo mesmo, Senhor”, disse ele, “não terás absolutamente tal destino”. Era evidente que o seu conceito estava equivocado, pois, como Jesus deixou claro, Pedro não tinha “os pensamentos de Deus, mas os de homens” — um erro grave que poderia ter sérias conseqüências. O que Jesus fez então? Depois de censurar Pedro, disse a ele e aos outros discípulos: “Se alguém quer vir após mim negue-se a si mesmo e apanhe a sua estaca de tortura, e siga-me continuamente.” Com base em idéias encontradas no Salmo 49:8 e 62:12, ele lembrou-lhes bondosamente que suas perspectivas eternas não dependiam de homens, que não poderiam salvá-los, mas de Deus. — Mateus 16:22-28.

Embora Pedro mais tarde sucumbisse temporariamente ao medo e negasse Jesus três vezes, essa e outras conversas sem dúvida contribuíram para a sua rápida recuperação em sentido espiritual. (João 21:15-19) Apenas 50 dias depois, Pedro se pôs de pé destemidamente perante as multidões em Jerusalém para dar testemunho da ressurreição de Jesus. Nas semanas, meses e anos que se seguiram, ele foi repetidas vezes detido, espancado e preso, e enfrentou tudo isso com coragem, deixando um exemplo notável de firme integridade. — Atos 2:14-36; 4:18-21; 5:29-32, 40-42; 12:3-5.

O que aprendemos disso? Percebeu o que Jesus fez para ‘puxar para fora’ e expor o que Pedro  tinha no coração? Primeiro, ele escolheu textos bíblicos adequados a fim de chamar a atenção de Pedro para o problema específico. A seguir, deu a Pedro a oportunidade de revelar o que tinha no coração. Por fim, deu mais conselhos bíblicos para ajudar Pedro a corrigir seu modo de pensar e seus sentimentos. Talvez você ache que nunca vai conseguir ensinar assim, mas analisemos dois casos que ilustram como a boa preparação e a confiança em Jeová podem ajudar qualquer um de nós a seguir o exemplo de Jesus.

‘Puxar para fora’ o que há no coração

Quando um pai cristão ficou sabendo que seus dois filhos, um na primeira e o outro na segunda série, haviam pegado bombons da mesa da professora, sentou-se e raciocinou com eles. Em vez de simplesmente deixar passar e encarar o ocorrido como travessura infantil e inofensiva, o pai conta o que fez: “Tentei puxar para fora do coração deles o porquê de terem feito aquilo.”

O pai perguntou aos meninos se eles se lembravam do que havia acontecido com Acã, conforme relatado em Josué, capítulo 7. Os meninos imediatamente entenderam a questão e admitiram o erro. A consciência deles já estava incomodando. O pai pediu então que eles lessem Efésios 4:28, que diz: “O gatuno não furte mais, antes, porém, trabalhe arduamente . . . a fim de que tenha algo para distribuir a alguém em necessidade.” Ele fez os filhos comprar bombons para dar de presente à professora como forma de compensá-la, e isso reforçou o conselho bíblico.

“Nós tentávamos cortar pela raiz quaisquer más motivações logo que as percebíamos”, diz o pai, “e substituí-las por motivações boas e puras, raciocinando com os meninos”. Por imitarem a Jesus ao ensinar os filhos, esses pais com certeza tiveram bons resultados no decorrer do tempo. Anos mais tarde, os dois filhos foram convidados a se tornar membros da equipe da sede mundial no Betel de Brooklyn, Nova York, onde um deles já serve há 25 anos.

Considere também como uma cristã conseguiu ajudar sua estudante da Bíblia. A estudante assistia às reuniões, participava no ministério e já havia expressado o desejo de ser batizada. Mas ela parecia confiar demais em si mesma, em vez de em Jeová. “Visto que era solteira, ela havia se tornado independente demais sem se dar conta disso”, lembra-se a instrutora. “Eu temia que ela estivesse a caminho do esgotamento físico ou de uma queda em sentido espiritual.”

A instrutora tomou então a iniciativa de raciocinar com a estudante sobre Mateus 6:33, incentivando-a a ajustar suas prioridades, pôr o Reino em primeiro lugar e confiar em Jeová para resolver os assuntos da melhor maneira. Ela perguntou francamente: “Você acha que sua independência às vezes torna difícil confiar em outros, até mesmo em Jeová?” A estudante admitiu que quase não orava mais. A publicadora incentivou-a então a seguir o conselho encontrado no Salmo 55:22 e lançar seu fardo sobre Jeová, porque, conforme 1 Pedro 5:7 garante, ‘ele cuida’ de seus servos. Essas palavras tocaram seu coração. A instrutora conta: “Essa foi uma das poucas vezes que a vi chorar.”

A verdade continua agindo em você?

Quando aqueles que ensinamos aceitam a verdade da Bíblia, sentimos grande alegria. Mas para os nossos esforços serem recompensados, nós mesmos temos de dar bom exemplo. (Judas  22, 23) Todos nós precisamos ‘persistir em produzir a nossa própria salvação com temor e tremor’. (Filipenses 2:12) Isso inclui deixar regularmente que as Escrituras iluminem nosso coração, examinando-o em busca de atitudes, desejos e tendências que talvez precisem ser corrigidos. — 2 Pedro 1:19.

Por exemplo, será que o nosso zelo nas atividades cristãs tem diminuído ultimamente? Em caso afirmativo, por quê? Talvez você esteja confiando demais em si mesmo. Como você pode descobrir isso? Leia Ageu 1:2-11 e reflita honestamente, acompanhando a linha de raciocínio que Jeová apresentou aos judeus repatriados. Depois pergunte-se: ‘Estou preocupado demais com minha segurança financeira e confortos materiais? Confio realmente que Jeová cuidará da minha família se eu der prioridade aos interesses espirituais? Ou acho que tenho de cuidar de mim mesmo primeiro?’ Se perceber a necessidade de ajustes em seu modo de pensar e sentimentos a respeito desses assuntos, não hesite em fazê-los. Os conselhos da Bíblia, como os encontrados em Mateus 6:25-33, Lucas 12:13-21 e 1 Timóteo 6:6-12, servem de base para termos um ponto de vista equilibrado sobre as necessidades e bens materiais. Isso garante que continuaremos a receber a bênção de Jeová. — Malaquias 3:10.

Fazer esse tipo de avaliação honesta de si mesmo pode dar muito em que pensar. E reconhecer fraquezas específicas que outros nos trazem à atenção pode ser emocionalmente doloroso. Apesar disso, quando você amorosamente toma a iniciativa de ajudar seu filho, seu estudante da Bíblia ou até você mesmo — por mais íntimo ou delicado que seja o assunto — é bem possível que esteja dando o primeiro passo para salvar a vida deles ou a sua própria. — Gálatas 6:1.

Mas e se os seus esforços parecerem inúteis? Não desista logo. Reajustar um coração imperfeito pode ser um empenho delicado, demorado e às vezes frustrante. Mas também pode ser gratificante.

O jovem Eric, mencionado no início do artigo, com o tempo caiu em si e começou a ‘andar na verdade’ de novo. (2 João 4) “Foi só depois de me dar conta do que havia perdido que eu voltei para Jeová”, diz ele. Com a ajuda de seus pais, Eric agora serve a Deus fielmente. Antes ele ficava aborrecido com seus pais por repetidamente tentarem fazê-lo examinar o que tinha no coração, mas agora ele aprecia profundamente o que eles fizeram. “Meus pais são maravilhosos”, diz ele. “Nunca deixaram de me amar.”

Usar a Palavra de Deus para iluminar o coração daqueles que ensinamos é uma demonstração de benevolência. (Salmo 141:5) Continue a examinar o coração de seus filhos e estudantes da Bíblia, procurando evidências de que a nova personalidade cristã está realmente criando raízes neles. Faça a verdade continuar agindo tanto em outros como em você mesmo por ‘manejar corretamente a palavra da verdade’. — 2 Timóteo 2:15.

[Foto na página 29]

As palavras de Jesus revelaram uma fraqueza em Pedro

[Foto na página 31]

Use a Bíblia para puxar para fora o que há no coração