Pular para conteúdo

Pular para sumário

Sigamos o modelo estabelecido por Jesus

Sigamos o modelo estabelecido por Jesus

 Sigamos o modelo estabelecido por Jesus

“Estabeleci o modelo para vós, a fim de que, assim como eu vos fiz, vós também façais.” — JOÃO 13:15.

1. Por que os cristãos devem imitar a Jesus?

EM TODA a história humana, só houve uma pessoa que nunca pecou em toda a sua vida. Foi Jesus. Além dele, “não há homem que não peque”. (1 Reis 8:46; Romanos 3:23) Por isso, os cristãos genuínos encaram Jesus como modelo perfeito a ser imitado. De fato, em 14 de nisã de 33 EC, pouco antes de sua morte, o próprio Jesus ordenou que seus seguidores o imitassem. Ele disse: “Estabeleci o modelo para vós, a fim de que, assim como eu vos fiz, vós também façais.” (João 13:15) Naquela última noite, Jesus deu vários exemplos que os cristãos devem se esforçar para seguir. Neste artigo, vamos analisar alguns deles.

A necessidade de humildade

2, 3. De que maneiras Jesus foi um modelo perfeito de humildade?

2 Quando Jesus exortou os discípulos a seguir seu modelo, ele se referia especificamente à humildade. Em mais de uma ocasião, Jesus havia aconselhado seus seguidores a ser humildes e, na noite de 14 de nisã, ele demonstrou sua própria humildade lavando os pés dos apóstolos. Daí ele disse: “Se eu, embora Senhor e Instrutor, lavei os vossos pés, vós também deveis lavar os pés uns dos outros.” (João 13:14) Depois, Jesus recomendou que seus apóstolos seguissem seu exemplo. E que belo exemplo de humildade!

3 O apóstolo Paulo nos informa que, antes de vir à Terra, Jesus ‘existia em forma de Deus’. No entanto, “ele se esvaziou” e tornou-se um humilde ser humano. Mais do que isso, ‘humilhou-se e tornou-se obediente até à morte numa estaca de tortura’. (Filipenses 2:6-⁠8) Pense nisso. Jesus, o segundo maior personagem do Universo, consentiu em tornar-se inferior aos anjos, nascer como bebê indefeso, ser criado em sujeição a pais imperfeitos e, por fim, morrer como criminoso desprezível. (Colossenses 1:15, 16; Hebreus 2:6, 7) Que humildade! É possível imitar essa “atitude mental” e cultivar tal “humildade mental”? (Filipenses 2:3-5) Sim, é possível, mas não é fácil.

4. Cite algumas coisas que causam orgulho nas pessoas e explique por que isso é perigoso.

4 O contrário de humildade é orgulho.  (Provérbios 6:16-19) O orgulho levou à queda de Satanás. (1 Timóteo 3:6) Essa má qualidade facilmente cria raízes no coração humano e, uma vez alojada ali, é difícil removê-la. As pessoas se orgulham de seu país, raça, bens, instrução, realizações, condição social, aparência, habilidade esportiva e de muitas outras coisas. Mas nada disso é importante para Jeová. (1 Coríntios 4:7) E, se coisas assim nos tornarem orgulhosos, poderemos prejudicar nossa relação com ele. “Jeová é enaltecido, e ainda assim vê ao humilde; mas ao soberbo ele só conhece de longe.” — Salmo 138:6; Provérbios 8:13.

Ser humilde entre nossos irmãos

5. Por que é vital que os anciãos sejam humildes?

5 Nem mesmo a nossa colaboração ou realizações no serviço de Jeová nos devem deixar orgulhosos; tampouco as responsabilidades que talvez tenhamos na congregação. (1 Crônicas 29:14; 1 Timóteo 6:17, 18) Realmente, quanto mais pesadas forem as nossas responsabilidades, mais humildes devemos ser. O apóstolo Pedro exortou os anciãos a ‘não dominarem sobre os que são a herança de Deus, mas se tornarem exemplos para o rebanho’. (1 Pedro 5:3) Os anciãos são designados para ser servos e exemplos, não chefes ou senhores. — Lucas 22:24-26; 2 Coríntios 1:24.

6. Em que aspectos da vida cristã precisamos de humildade?

6 Os anciãos não são os únicos que precisam de humildade. Aos homens mais jovens, que talvez se orgulhem de sua mente mais ágil e corpos mais fortes do que os de mais idade, Pedro escreveu: “Cingi-vos de humildade mental uns para com os outros, porque Deus se opõe aos soberbos, mas dá benignidade imerecida aos humildes.” (1 Pedro 5:5) Sim, a humildade cristã é vital para todos. Exige humildade pregar as boas novas, especialmente em face de indiferença ou hostilidade. Exige humildade aceitar conselhos ou simplificar a vida para aumentar nossa participação no ministério. Além disso, precisamos de humildade e fé corajosa para suportar publicidade negativa, restrições legais ou perseguição violenta. — 1 Pedro 5:6.

7, 8. Quais são algumas das maneiras de cultivar humildade?

7 Como a pessoa pode vencer o orgulho e agir “com humildade mental, considerando os outros superiores” a si? (Filipenses 2:3) Ela precisa encarar a si mesma como Jeová a encara. Jesus explicou a atitude correta ao dizer: “Quando tiverdes feito todas as coisas que vos foram determinadas, dizei: ‘Somos escravos imprestáveis. O que temos feito é o que devíamos fazer.’” (Lucas 17:10) Lembre-se de que nada do que possamos fazer poderá se comparar com o que Jesus fez. Mesmo assim, ele era humilde.

8 Além disso, podemos pedir a ajuda de Jeová para cultivar o conceito correto sobre nós mesmos. Como o salmista, podemos orar: “Ensina-me a própria bondade, a sensatez e o conhecimento, pois tive fé nos teus mandamentos.”  (Salmo 119:66) Jeová nos ajudará a desenvolver um conceito sensato e equilibrado sobre nós mesmos e abençoará nossa humildade. (Provérbios 18:12) Jesus disse: “Quem se enaltecer, será humilhado, e quem se humilhar, será enaltecido.” — Mateus 23:12.

Conceito correto do que é certo e do que é errado

9. Como Jesus encarava o certo e o errado?

9 Apesar de viver 33 anos no meio de pessoas imperfeitas, Jesus permaneceu “sem pecado”. (Hebreus 4:15) De fato, profetizando a respeito do Messias, o salmista disse: “Amaste a justiça e odiaste a iniqüidade.” (Salmo 45:7; Hebreus 1:9) Também nisso os cristãos se esforçam em imitar a Jesus. Não apenas sabem distinguir o certo do errado; eles odeiam o que é errado e amam o que é certo. (Amós 5:15) Isso os ajuda a lutar contra suas inclinações pecaminosas inatas. — Gênesis 8:21; Romanos 7:21-25.

10. Que atitude revelaremos se fizermos “coisas ruins” de propósito?

10 Jesus disse ao fariseu Nicodemos: “Quem pratica coisas ruins odeia a luz e não se chega à luz, a fim de que as suas obras não sejam repreendidas. Mas, quem faz o que é verdadeiro se chega à luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas como tendo sido feitas em harmonia com Deus.” (João 3:20, 21) Considere isto: João identificou Jesus como “a verdadeira luz que dá luz a toda sorte de homem”. (João 1:9, 10) E Jesus disse que se praticarmos “coisas ruins” — coisas erradas, inaceitáveis a Deus — estaremos odiando a luz. Pode imaginar odiar Jesus e o que ele representa? Mas essa é a situação dos que pecam de propósito. Talvez não encarem o assunto dessa maneira, mas é óbvio que é assim que Jesus o encara.

Como cultivar o conceito de Jesus sobre o certo e o errado

11. O que é vital para cultivarmos o conceito de Jesus sobre o certo e o errado?

11 Precisamos entender com clareza o que é certo e o que é errado do ponto de vista de Jeová. Esse entendimento vem apenas por meio do estudo da Palavra de Deus, a Bíblia. Ao passo que nos dedicamos a esse estudo, precisamos orar como o salmista: “Faze-me saber os teus próprios caminhos, ó Jeová; ensina-me as tuas próprias veredas.” (Salmo 25:4) Lembre-se, porém, de que Satanás é enganador. (2 Coríntios 11:14) Ele pode camuflar o erro e fazê-lo parecer aceitável para o cristão incauto. Portanto, precisamos meditar profundamente no que aprendemos e seguir bem de perto os conselhos do “escravo fiel e discreto”. (Mateus 24:45-47) Estudar, orar e meditar no que aprendemos nos ajudará a atingir a madureza e a estar entre os que “pelo uso têm as suas faculdades perceptivas treinadas para distinguir tanto o certo como o errado”. (Hebreus 5:14) Assim estaremos inclinados a odiar o que é errado e amar o que é certo.

12. Que conselho bíblico nos ajuda a não praticar o que é errado?

12 Se odiarmos o que é mau, não permitiremos o desenvolvimento de desejos errados no coração. Muitos anos depois da morte de Jesus, o apóstolo João escreveu: ‘Não estejais amando o mundo nem as coisas no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não  está nele; porque tudo o que há no mundo — o desejo da carne, o desejo dos olhos e a ostentação dos meios de vida da pessoa — não se origina do Pai, mas origina-se do mundo.’ — 1 João 2:15, 16.

13, 14. (a) Por que é perigoso para os cristãos amar as coisas do mundo? (b) Como se pode evitar o amor pelas coisas do mundo?

13 Alguns talvez argumentem que nem tudo no mundo é errado. Mesmo que isso seja verdade, o mundo e seus atrativos podem facilmente nos desviar de servir a Jeová. E nada do que o mundo oferece tem como objetivo nos achegar mais a Deus. Portanto, se viermos a amar as coisas do mundo, mesmo as que em si não sejam erradas, corremos perigo. (1 Timóteo 6:9, 10) Além do mais, grande parte das coisas do mundo são realmente más e podem nos corromper. Se assistirmos a filmes ou programas de televisão que destacam a violência, o materialismo ou a imoralidade sexual, tais coisas podem tornar-se aceitáveis — e daí tentadoras. Se nos associarmos com pessoas cujo interesse principal é melhorar seu estilo de vida ou buscar oportunidades de negócios, tais coisas poderão se tornar de importância primária para nós também. — Mateus 6:24; 1 Coríntios 15:33.

14 Por outro lado, se tivermos prazer na Palavra de Jeová, ‘o desejo da carne, o desejo dos olhos e a ostentação dos meios de vida’ perderão grande parte de seu atrativo. Ainda mais, se nos associarmos com aqueles que dão prioridade aos interesses do Reino de Deus, nos tornaremos semelhantes a eles — amando o que eles amam e evitando o que eles evitam. — Salmo 15:4; Provérbios 13:20.

15. Como no caso de Jesus, de que modo o amor à justiça e o ódio ao que é errado nos fortalece?

15 Ter odiado o que é errado e amado a justiça ajudou Jesus a concentrar-se na “alegria que se lhe apresentou”. (Hebreus 12:2) O mesmo se pode dar no nosso caso. Sabemos que “o mundo está passando, e assim também o seu desejo”. Qualquer recompensa que esse mundo ofereça é apenas temporária. No entanto, “aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre”. (1 João 2:17) Visto que Jesus fez a vontade de Deus, ele abriu o caminho para humanos ganharem a vida eterna. (1 João 5:13) Que todos nós o imitemos e nos beneficiemos de sua integridade!

Ao sofrer perseguição

16. Por que Jesus exortou seus seguidores a amar uns aos outros?

16 Jesus indicou ainda outro exemplo de como seus discípulos o imitariam, dizendo: “Este é o meu mandamento, que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei.” (João 15:12, 13, 17) Há muitas razões pelas quais os cristãos amam seus irmãos. Quando disse o acima, Jesus pensava principalmente no ódio que seus discípulos enfrentariam por parte do mundo. Ele acrescentou: “Se o mundo vos odeia, sabeis que me odiou antes de odiar a vós.  . . . O escravo não é maior do que o seu amo. Se perseguiram a mim, perseguirão também a vós.” (João 15:18, 20) Realmente, mesmo em caso de perseguição, a situação dos cristãos é semelhante à de Jesus. Precisam  desenvolver um forte vínculo de amor que os ajude a suportar esse ódio.

17. Por que o mundo odeia os cristãos verdadeiros?

17 Por que o mundo odeia os cristãos? Porque, como Jesus, eles “não fazem parte do mundo”. (João 17:14, 16) São neutros em assuntos militares e políticos e seguem os princípios bíblicos — respeitando a santidade da vida e mantendo elevadas regras de moral. (Atos 15:28, 29; 1 Coríntios 6:9-11) Seus objetivos primários são espirituais, não materiais. Eles vivem no mundo, mas, como Paulo escreveu, “não o usam plenamente”. (1 Coríntios 7:31) Alguns elogiam os elevados padrões das Testemunhas de Jeová, é verdade. Mas elas não transigem em busca de elogios ou aceitação. Por isso, a maioria das pessoas no mundo não as entende, e muitas as odeiam.

18, 19. Seguindo o modelo de Jesus, como os cristãos lidam com a oposição e a perseguição?

18 Os apóstolos de Jesus viram como era grande o ódio do mundo quando Jesus foi preso e executado, e viram também como ele lidou com esse ódio. No jardim de Getsêmani, os opositores religiosos de Jesus vieram prendê-lo. Pedro tentou protegê-lo com uma espada, mas Jesus lhe disse: “Devolve a espada ao seu lugar, pois todos os que tomarem a espada perecerão pela espada.” (Mateus 26:52; Lucas 22:50, 51) Em tempos anteriores, os israelitas lutavam com espadas contra seus inimigos. Mas agora as coisas eram diferentes. O Reino de Deus ‘não fazia parte deste mundo’, e não tinha fronteiras nacionais para defender. (João 18:36) Pedro logo passaria a fazer parte duma nação espiritual, cujos membros teriam sua cidadania no céu. (Gálatas 6:16; Filipenses 3:20, 21) Dali em diante, então, os seguidores de Jesus lidariam com o ódio e a perseguição assim como Jesus lidou — com coragem, porém de modo pacífico. Deixariam confiantemente o resultado dos assuntos nas mãos de Jeová e recorreriam a ele em busca de força para suportar as pressões. — Lucas 22:42.

19 Anos mais tarde, Pedro escreveu: “Cristo sofreu por vós, deixando-vos um modelo para seguirdes de perto os seus passos.  . . . Quando estava sendo injuriado, não injuriava em revide. Quando sofria, não ameaçava, mas encomendava-se àquele que julga justamente.” (1 Pedro 2:21-23) Exatamente como Jesus alertou, os cristãos têm sofrido dura perseguição ao longo dos tempos. Nos nossos dias, assim como se deu no primeiro século, eles têm imitado o exemplo de Jesus e estabelecido um registro excelente de perseverança fiel, demonstrando que são pessoas pacíficas e fiéis. (Revelação [Apocalipse] 2:9, 10) Façamos todos nós o mesmo, quando as circunstâncias o exigirem! — 2 Timóteo 3:12.

“Revesti-vos do Senhor Jesus Cristo”

20-22. Em que sentido os cristãos ‘se revestem do Senhor Jesus Cristo’?

20 Paulo escreveu à congregação em Roma: “Revesti-vos do Senhor Jesus Cristo e não estejais planejando antecipadamente os desejos da carne.” (Romanos 13:14) Os cristãos ‘se revestem de’ Jesus, por assim dizer, como se vestissem uma roupa. Esforçam-se em imitar suas qualidades e ações a ponto de se tornarem um reflexo — ainda que imperfeito — de seu Senhor. — 1 Tessalonicenses 1:6.

21 Nós conseguiremos ‘nos revestir do Senhor Jesus Cristo’ se viermos a conhecer a Sua  vida e nos esforçarmos em viver assim como ele viveu. Imitamos sua humildade, seu amor à justiça, seu ódio àquilo que é errado, seu amor pelos irmãos, sua recusa em fazer parte do mundo e sua paciência ao suportar sofrimento. Nós ‘não planejamos antecipadamente os desejos da carne’ — isto é, nosso objetivo principal na vida não é alcançar alvos seculares ou satisfazer os desejos da carne. Em vez disso, ao tomar uma decisão ou lidar com um problema, nós nos perguntamos: ‘O que Jesus faria nesse caso? O que ele gostaria que eu fizesse?’

22 Por fim, nós imitamos a diligência de Jesus em ‘pregar as boas novas’. (Mateus 4:23; 1 Coríntios 15:58) Também desse modo, os cristãos seguem o modelo estabelecido por Jesus, e o próximo artigo explicará como.

Sabe explicar?

• Por que é vital que o cristão seja humilde?

• Como podemos cultivar um conceito correto sobre o que é certo e o que é errado?

• Como os cristãos imitam a Jesus ao enfrentar oposição e perseguição?

• Como é possível ‘revestir-se do Senhor Jesus Cristo’?

[Perguntas de Estudo]

[Foto na página 7]

Jesus estabeleceu o modelo perfeito de humildade

[Foto na página 8]

Todo aspecto da vida cristã, incluindo a pregação, exige humildade

[Foto na página 9]

Satanás pode fazer com que uma diversão imprópria pareça aceitável para o cristão

[Foto na página 10]

O amor de nossos irmãos nos fortalecerá contra a oposição