Pular para conteúdo

Pular para sumário

Perguntas dos Leitores

Perguntas dos Leitores

 Perguntas dos Leitores

Como a congregação cristã encara a glutonaria?

A Palavra de Deus condena tanto a embriaguez como a glutonaria e mostra que esses comportamentos são incompatíveis com o serviço a Deus. Portanto, a congregação cristã considera um glutão do mesmo modo como encara um beberrão. Nem um nem outro pode fazer parte da congregação cristã.

Provérbios 23:20, 21 diz: “Não venhas a ficar entre os beberrões de vinho, entre os que são comilões de carne. Porque o beberrão e o glutão ficarão pobres, e a sonolência vestirá a pessoa de meros trapos.” Lemos em Deuteronômio 21:20 a respeito de uma pessoa ‘obstinada e rebelde’ que merecia ser morta sob a Lei Mosaica. Segundo esse versículo, duas características daquela pessoa rebelde e impenitente eram ser “glutão e beberrão”. Isso indica claramente que no Israel antigo a glutonaria era encarada como prática inaceitável para os que desejavam servir a Deus.

No entanto, o que é um glutão, e o que dizem as Escrituras Gregas Cristãs a respeito desse assunto? Um glutão é definido como “aquele que come em excesso e com avidez”. (Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa) Portanto, a glutonaria é uma forma de ganância, e a Palavra de Deus nos diz que as pessoas ‘gananciosas’ não herdarão o Reino de Deus. (1 Coríntios 6:9, 10; Filipenses 3:18, 19; 1 Pedro 4:3) Além disso, quando o apóstolo Paulo advertiu os cristãos contra praticar  “as obras da carne”, ele mencionou “bebedeiras, festanças e coisas semelhantes a estas”. (Gálatas 5:19-21) As pessoas que participam em bebedeiras e festanças muitas vezes acabam comendo em excesso. Além disso, a glutonaria certamente está incluída na expressão de Paulo, de “coisas semelhantes a estas”. Assim como as outras “obras da carne”, o cristão que se torna conhecido pela sua glutonaria, e que obstinadamente se nega a mudar seu comportamento ganancioso, deve ser removido da congregação. — 1 Coríntios 5:11, 13. *

Embora a Palavra de Deus coloque um beberrão no mesmo nível de um glutão, o primeiro é muito mais fácil de identificar do que o segundo. Os indícios de que alguém bebeu demais geralmente são bastante visíveis. No entanto, o mesmo não acontece com alguém que se torna um glutão crônico. Por isso, cuidar de situações assim exige muito cuidado e discernimento da parte dos anciãos na congregação.

Por exemplo, a obesidade pode ser indício de glutonaria, mas esse nem sempre é o caso. Alguém pode ter excesso de peso por motivo de doença. Fatores hereditários também podem contribuir para a obesidade. Devemos também ter em mente que a obesidade é uma condição física; a glutonaria é uma atitude mental. A obesidade é uma condição caracterizada por acumulo excessivo de gordura, ao passo que a glutonaria é comer muito e com avidez. De modo que a glutonaria não é determinada pelo peso de alguém, mas pela sua atitude para com a comida. Alguém pode ter peso normal, ou até mesmo ser magro, e ainda assim ser um glutão. Além disso, o que é considerado como peso ideal varia muito de lugar para lugar.

Quais são os indícios de glutonaria? O glutão costumeiramente não se controla e empanturra-se a ponto de se sentir muito desconfortável ou de ficar doente. Sua falta de autodomínio indica que realmente não se preocupa com o vitupério que isso traz a Jeová e à boa reputação de Seu povo. (1 Coríntios 10:31) Por outro lado, quem ocasionalmente come demais não seria automaticamente considerado uma “pessoa gananciosa”. (Efésios 5:5) No entanto, no espírito de Gálatas 6:1, tal cristão talvez precise de ajuda. Paulo declarou: “Irmãos, mesmo que um homem dê um passo em falso antes de se aperceber disso, vós, os que tendes qualificações espirituais, tentai reajustar tal homem num espírito de brandura.”

Por que hoje em dia é especialmente importante o conselho bíblico de não comer em excesso? Porque foi especialmente com referência aos nossos dias que Jesus falou: “Prestai atenção a vós mesmos, para que os vossos corações nunca fiquem sobrecarregados com o excesso no comer, e com a imoderação no beber, e com as ansiedades da vida, e aquele dia venha sobre vós instantaneamente como um laço.” (Lucas 21:34, 35) Quando evitamos comer em excesso estamos de certo modo evitando também um modo de vida espiritualmente prejudicial.

A moderação é uma virtude cristã. (1 Timóteo 3:2, 11) Assim, Jeová ajudará a todos os que seriamente procurarem seguir o conselho bíblico de ser moderado no comer e beber. — Hebreus 4:16.

[Nota(s) de rodapé]

^ parágrafo 5 Veja “Perguntas dos Leitores” no número de 1.° de maio de 1986 de A Sentinela.