Pular para conteúdo

Pular para sumário

Jeová é o nosso ‘baluarte em tempos de aflição’

Jeová é o nosso ‘baluarte em tempos de aflição’

 Jeová é o nosso ‘baluarte em tempos de aflição’

“A salvação dos justos vem de Jeová; ele é o seu baluarte no tempo da aflição.” — SALMO 37:39.

1, 2. (a) O que Jesus pediu em oração a favor dos seus discípulos? (b) Qual é a vontade de Deus para o seu povo?

JEOVÁ é todo-poderoso. Ele tem o poder de proteger os seus adoradores fiéis do modo como deseja. Poderia até separar fisicamente o seu povo do resto do mundo e colocá-lo em um ambiente seguro e pacífico. No entanto, quando orou por seus discípulos, Jesus pediu a seu Pai celestial: “Solicito-te, não que os tires do mundo, mas que vigies sobre eles, por causa do iníquo.” — João 17:15.

2 Jeová preferiu ‘não nos tirar do mundo’. Em vez disso, a sua vontade é que vivamos entre a população em geral deste mundo a fim de proclamarmos a sua mensagem de esperança e consolo. (Romanos 10:13-15) Mas, conforme Jesus deu a entender em sua oração, vivermos neste mundo nos expõe ao “iníquo”. A humanidade desobediente e as forças espirituais iníquas causam muita dor e angústia, e os cristãos não estão imunes à aflição. — 1 Pedro 5:9.

3. Que realidade até os adoradores fiéis de Jeová devem encarar, mas que consolo encontramos na Palavra de Deus?

3 Sob tais provações, é natural passar por períodos de desânimo. (Provérbios 24:10) O registro bíblico contém diversos relatos de adoradores fiéis que ficaram aflitos. “Muitas são as calamidades do justo”, diz o salmista, “mas Jeová o livra de todas elas”. (Salmo 34:19) Esse texto confirma que até com o “justo” acontecem coisas ruins. Como no caso do salmista Davi, às vezes talvez fiquemos ‘entorpecidos e quebrantados ao extremo’. (Salmo 38:8) Mesmo assim, é consolador saber que “perto está Jeová dos que têm coração quebrantado; e [ele] salva os que têm espírito esmagado”. — Salmo 34:18; 94:19.

4, 5. (a) De acordo com Provérbios 18:10, o que devemos fazer para nos beneficiar da proteção de Deus? (b) Quais são alguns passos específicos para receber ajuda de Deus?

4 Em harmonia com a oração de Jesus, Jeová realmente vigia sobre nós. Ele é o nosso “baluarte no tempo da aflição”. (Salmo 37:39)  O livro de Provérbios usa palavras similares quando diz: “O nome de Jeová é uma torre forte. O justo corre para dentro dela e recebe proteção.” (Provérbios 18:10) Esse texto revela uma verdade básica a respeito da preocupação amorosa de Jeová com as suas criaturas. Deus oferece proteção especialmente aos justos que o buscam de modo ativo, como que correndo para se abrigar dentro de uma torre forte.

5 Quando enfrentamos problemas que nos deixam aflitos, como podemos buscar a proteção de Jeová? Consideremos três passos vitais para receber a ajuda dele. Primeiro, devemos recorrer ao nosso Pai celestial em oração. Segundo, precisamos agir em harmonia com o seu espírito santo. E terceiro, devemos aceitar a provisão que Jeová fez para nós, procurando nos associar com os nossos companheiros cristãos, que podem aliviar a nossa aflição.

O poder da oração

6. Como os cristãos verdadeiros consideram a oração?

6 Alguns especialistas em saúde recomendam a oração como tratamento para combater a depressão e o estresse. Talvez seja verdade que um período tranqüilo de reflexão semelhante a uma oração alivie o estresse, mas pode-se dizer praticamente o mesmo a respeito de certos sons da natureza ou até de uma massagem nas costas. Os verdadeiros cristãos não banalizam a oração, encarando-a apenas como uma terapia para promover o bem-estar. Para nós, orar é comunicar-se de modo reverente com o Criador. Envolve a nossa devoção e confiança em Deus. De fato, a oração é parte da nossa adoração.

7. O que significa orar com confiança, e como orar assim nos ajuda a lidar com aflições?

7 As nossas orações devem ser acompanhadas de um senso de confiança em Jeová. O apóstolo João escreveu: “Esta é a confiança que temos nele, que, não importa o que peçamos segundo a sua vontade, ele nos ouve.” (1 João 5:14) Jeová, o Ser Supremo, o único Deus verdadeiro e todo-poderoso, dá realmente atenção especial às orações sinceras dos seus adoradores. O simples fato de saber que nosso amoroso Deus nos escuta quando falamos a ele de nossas ansiedades e problemas já é consolador. — Filipenses 4:6.

8. Por que os cristãos fiéis nunca deveriam sentir-se envergonhados ou indignos ao orar a Jeová?

8 Os cristãos fiéis nunca deveriam sentir-se envergonhados, indignos ou inseguros ao orar a Jeová. É verdade que, quando estamos desapontados conosco mesmos, ou quando nos sentimos sobrecarregados de problemas, talvez não tenhamos vontade de orar a Jeová com muita freqüência. Em tais ocasiões, faríamos bem em lembrar-nos de que Jeová “mostra misericórdia para com os seus próprios atribulados” e que “consola os abatidos”.  (Isaías 49:13; 2 Coríntios 7:6) É especialmente em tempos de angústia e aflição que precisamos recorrer confiantes ao nosso Pai celestial como nosso baluarte.

9. Que papel a fé desempenha nas nossas orações a Deus?

9 Para tirarmos pleno proveito do privilégio da oração, precisamos ter verdadeira fé. A Bíblia diz que “aquele que se aproxima de Deus tem de crer que ele existe e que se torna o recompensador dos que seriamente o buscam”. (Hebreus 11:6) A fé é mais do que apenas ‘crer que Deus existe’. A fé genuína envolve crer firmemente na capacidade e no desejo de Deus de recompensar nossa vida de obediência a ele. “Os olhos de Jeová estão sobre os justos e os seus ouvidos estão atentos às súplicas deles.” (1 Pedro 3:12) Se estivermos sempre atentos a como Jeová demonstra sua preocupação amorosa conosco, nossas orações serão muito mais significativas.

10. Como devem ser as nossas orações se havemos de ser sustentados espiritualmente por Jeová?

10 Jeová escuta nossas orações quando as fazemos de pleno coração. O salmista escreveu: “Clamei de todo o meu coração. Responde-me, ó Jeová.” (Salmo 119:145) Diferentemente das orações ritualísticas de muitas religiões, nossas orações não são mecânicas nem pro forma. Quando oramos a Jeová de ‘todo o nosso coração’, nossas palavras são repletas de significado e objetivo. Depois de tais orações sinceras, sentimos o alívio que resulta de lançarmos o nosso “fardo sobre o próprio Jeová”. Conforme a Bíblia promete, ‘ele mesmo nos susterá’. — Salmo 55:22; 1 Pedro 5:6, 7.

O espírito de Deus é nosso ajudador

11. Qual é um modo de Jeová nos responder quando ‘persistimos em pedir’ a sua ajuda?

11 Jeová não se limita a ouvir nossas orações, ele também as responde. (Salmo 65:2) Davi escreveu: “Vou invocar-te no dia da minha aflição, pois tu me responderás.” (Salmo 86:7) Por esse motivo, Jesus incentivou os seus discípulos a ‘persistir em pedir’ a ajuda de Jeová, porque “o Pai, no céu, dará espírito santo aos que lhe pedirem”. (Lucas 11:9-13) A força ativa de Deus age realmente como ajudador, ou consolador, do seu povo. — João 14:16.

12. Como o espírito de Deus pode nos ajudar quando os problemas parecem esmagadores?

12 Mesmo quando enfrentamos provações, o espírito de Deus pode infundir em nós “o poder além do normal”. (2 Coríntios 4:7) O apóstolo Paulo, que suportou muitas situações estressantes, disse com confiança: “Para todas as coisas tenho força em virtude daquele que me confere poder.” (Filipenses 4:13) Do mesmo modo, muitos cristãos hoje em dia têm sentido a sua força espiritual e emocional ser renovada em resposta às suas súplicas. Muitas vezes, problemas aflitivos não parecem tão esmagadores depois que recebemos a ajuda do espírito de Deus. Graças a essa força dada por Deus, podemos dizer o mesmo que o apóstolo: “Somos apertados de todos os modos, mas não comprimidos sem nos podermos mover; estamos perplexos, mas não inteiramente sem saber o que fazer; somos perseguidos, mas não ficamos cambaleando; somos derrubados, mas não destruídos.” — 2 Coríntios 4:8, 9.

13, 14. (a) Como Jeová tem mostrado ser o nosso baluarte por meio da sua Palavra escrita? (b) Como pôr em prática os princípios bíblicos tem ajudado você pessoalmente?

13 O espírito santo também inspirou e protegeu a Palavra escrita de Deus para o nosso benefício. Como Jeová tem mostrado ser o nosso baluarte em tempos de aflição por meio das páginas da sua Palavra? Um modo é por ele nos dar sabedoria prática e raciocínio. (Provérbios 3:21-24) A Bíblia treina nossas habilidades mentais e melhora nossa faculdade de raciocínio. (Romanos 12:1) Por meio da leitura e do estudo regulares da Palavra de Deus, junto com a aplicação do que aprendemos, podemos ter as nossas “faculdades perceptivas treinadas para distinguir tanto o certo como o  errado”. (Hebreus 5:14) Você talvez já tenha sentido pessoalmente como os princípios da Bíblia o ajudaram a tomar decisões sábias ao enfrentar dificuldades. A Bíblia nos dá a argúcia que pode nos ajudar a encontrar soluções práticas para problemas aflitivos. — Provérbios 1:4.

14 A Palavra de Deus torna disponível a nós outra fonte de força — a esperança de salvação. (Romanos 15:4) A Bíblia nos informa que as coisas ruins não continuarão para sempre. Quaisquer tribulações que soframos são temporárias. (2 Coríntios 4:16-18) Nós temos a “esperança de vida eterna que Deus, que não pode mentir, prometeu antes dos tempos de longa duração”. (Tito 1:2) Se nos alegrarmos nessa esperança, tendo sempre em mente o futuro maravilhoso que Jeová promete, poderemos perseverar sob tribulação. — Romanos 12:12; 1 Tessalonicenses 1:3.

A congregação — expressão do amor de Deus

15. Como os cristãos podem ser uma bênção uns para os outros?

15 Outra provisão de Jeová que pode nos ajudar em tempos de aflição é o companheirismo que usufruímos na congregação cristã. A Bíblia diz: “O verdadeiro companheiro está amando todo o tempo e é um irmão nascido para quando há aflição.” (Provérbios 17:17) A Palavra de Deus incentiva todos na congregação a honrar e amar uns aos outros. (Romanos 12:10) “Que cada um persista em buscar, não a sua própria vantagem, mas a da outra pessoa”, escreveu o apóstolo Paulo. (1 Coríntios 10:24) Ter essa mentalidade pode ajudar a nos concentrar nas necessidades dos outros em vez de nas nossas próprias dificuldades. Quando damos de nós mesmos a outros, não somente os ajudamos, mas também sentimos certa medida de felicidade e satisfação, que torna os nossos fardos mais suportáveis. — Atos 20:35.

16. Como cada cristão pode animar outros?

16 Homens e mulheres espiritualmente maduros podem ser uma importante fonte de fortalecimento para outros. Para isso, procuram ser acessíveis e estar disponíveis. (2 Coríntios 6:11-13) É uma verdadeira bênção para a congregação quando todos tiram tempo para elogiar os jovens, fortalecer a fé dos novos na verdade e animar os deprimidos. (Romanos 15:7) O amor fraternal também nos ajudará a evitar o espírito de desconfiança. Não devemos concluir logo que problemas pessoais sejam um indício de fraqueza espiritual. Nesse sentido, é oportuno que Paulo incentive os cristãos a ‘falar consoladoramente às almas deprimidas’. (1 Tessalonicenses 5:14) A Bíblia mostra que até mesmo cristãos fiéis sofrem aflição. — Atos 14:15.

17. Que oportunidades temos de fortalecer nosso vínculo de fraternidade cristã?

 17 As reuniões cristãs nos fornecem uma excelente oportunidade para consolar e animar uns aos outros. (Hebreus 10:24, 25) Esse convívio amoroso não se limita às reuniões congregacionais. Pelo contrário, o povo de Deus também se reúne em ocasiões informais para desfrutar da boa companhia uns dos outros. Quando surgem situações aflitivas, ajudamos prontamente uns aos outros devido ao forte vínculo de amizade que já estabelecemos. O apóstolo Paulo escreveu que não deve haver “divisão no corpo”, mas que “os seus membros” devem ter “cuidado uns para com os outros”. Ele acrescentou: “E, se um membro sofre, todos os outros membros sofrem com ele; ou, se um membro é glorificado, todos os outros membros se alegram com ele.” — 1 Coríntios 12:25, 26.

18. Que tendência devemos evitar quando estamos desanimados?

18 Às vezes, estamos tão desanimados que não sentimos vontade de nos associar com os nossos amigos cristãos. Devemos combater tais sentimentos, para não nos privarmos do consolo e da ajuda que eles podem nos dar. A Bíblia nos adverte: “Quem se isola procurará o seu próprio desejo egoísta; estourará contra toda a sabedoria prática.” (Provérbios 18:1) Os nossos irmãos são uma demonstração do cuidado de Deus conosco. Se dermos valor a essa amorosa provisão divina, encontraremos alívio em tempos de aflição.

Mantenha uma atitude positiva

19, 20. Como as Escrituras nos ajudam a repelir pensamentos negativos?

19 Quando ficamos tristes e desanimados, é fácil entretermos pensamentos negativos. Por exemplo, ao passar por situações difíceis, alguns talvez comecem a duvidar da própria espiritualidade, concluindo que o seu problema é um sinal da desaprovação de Deus. Lembre-se, porém, de que Jeová não prova ninguém com “coisas más”. (Tiago 1:13) “Não é do seu próprio coração que [Deus] tem atribulado ou está causando pesar aos filhos dos homens”, diz a Bíblia. (Lamentações 3:33) Pelo contrário, Jeová fica profundamente triste quando seus servos sofrem. — Isaías 63:8, 9; Zacarias 2:8.

20 Jeová é “o Pai de ternas misericórdias e o Deus de todo o consolo”. (2 Coríntios 1:3) Ele cuida de nós e nos enaltecerá no tempo devido. (1 Pedro 5:6, 7) Se estivermos sempre atentos a como Deus demonstra afeição por nós, será mais fácil manter a atitude positiva, até mesmo a alegria. Tiago escreveu: “Considerai tudo com alegria, meus irmãos, ao enfrentardes diversas provações.” (Tiago 1:2) Por quê? Ele mesmo responde: “Porque, ao ser aprovado, receberá a coroa da vida, que Jeová prometeu aos que continuarem a amá-lo.” — Tiago 1:12.

21. Apesar das dificuldades que enfrentamos, que garantia Deus dá aos que são fiéis a ele?

21 Conforme Jesus nos avisou, no mundo teríamos tribulação. (João 16:33) Mas a Bíblia promete que nenhuma ‘tribulação, aflição, perseguição, fome, nudez ou perigo’ nos separará do amor de Jeová ou do amor do seu Filho. (Romanos 8:35, 39) Como é consolador saber que qualquer aflição que passemos é apenas temporária! Nesse meio tempo, enquanto esperamos o fim do sofrimento humano, nosso amoroso Pai, Jeová, vigia sobre nós. Se recorrermos a ele em busca de proteção, ele mostrará ser “uma altura protetora para todo o esmagado, uma altura protetora em tempos de aflição”. — Salmo 9:9.

O que aprendemos?

• O que os cristãos devem esperar enquanto viverem neste mundo iníquo?

• Como as nossas orações sinceras podem nos fortalecer quando enfrentamos provações?

• Em que sentido o espírito de Deus é um ajudador?

• O que podemos fazer para nos ajudar uns aos outros?

[Perguntas de Estudo]

[Foto na página 18]

Devemos buscar a Jeová como se estivéssemos correndo para dentro de uma torre forte

[Foto na página 20]

Cristãos espiritualmente maduros aproveitam cada oportunidade para elogiar e animar outros