Pular para conteúdo

Pular para sumário

O desafio de educar filhos hoje em dia

O desafio de educar filhos hoje em dia

 O desafio de educar filhos hoje em dia

JÁ É TARDE da noite e o dono de um restaurante se prepara para fechar as portas e ir embora, quando duas mulheres e uma criança chegam e pedem uma refeição. Ele está tão cansado que sente vontade de lhes dizer que já fechou o restaurante, mas decide ficar e atendê-los. Enquanto as duas mulheres conversam e comem, o menino corre pelo restaurante, deixando cair biscoitos no chão e pisando neles. Em vez de mandá-lo parar, a mãe do menino sorri. Quando os fregueses finalmente vão embora, o dono do estabelecimento, exausto, é obrigado a limpar a sujeira.

Como você provavelmente já sabe, essa situação da vida real ilustra que, em muitas famílias, a educação dos filhos não anda bem. Diversas razões contribuem para isso. Alguns pais são permissivos e deixam os filhos fazer o que bem entendem, achando que eles devem ser criados num ambiente de liberdade. Ou talvez os pais levem uma vida tão ocupada que não reservam tempo para dar aos filhos a atenção e a educação que precisam. Alguns pais são da opinião de que a instrução escolar é a coisa mais importante para o filho, de modo que lhe dão liberdade quase total, desde que ele tire boas notas e entre para uma faculdade bem conceituada.

No entanto, alguns dizem que os valores dos pais e da sociedade em geral precisam ser corrigidos. Alegam que os jovens estão se envolvendo em crimes de todo tipo e que a violência nas escolas está aumentando dia após dia. Foi por isso que o diretor de uma escola em Seul, na República da Coréia, enfatizou que a formação da personalidade deve ter prioridade. Disse: “Depois de se desenvolver um excelente caráter é que vem a instrução escolar.”

Muitos pais que desejam que seus filhos entrem para a faculdade e sejam bem-sucedidos na vida não dão ouvidos a conselhos de alerta. Se você é pai ou mãe, que tipo de pessoa quer que seu filho se torne? Um adulto de boa moral e com senso de responsabilidade? Que tenha consideração pelos outros, que seja flexível e otimista? Em caso afirmativo, leia com atenção o próximo artigo.