Pular para conteúdo

Pular para sumário

Dê o devido valor à dádiva da vida

Dê o devido valor à dádiva da vida

 Dê o devido valor à dádiva da vida

“O sangue do Cristo . . . purificará as nossas consciências de obras mortas, para que prestemos serviço sagrado ao Deus vivente.” — HEBREUS 9:14.

1. O que prova que damos muito valor à vida?

SE LHE perguntassem quanto vale a sua vida, o que diria? Nós damos muito valor à vida — à nossa e à de outros. A prova disso é que vamos ao médico para receber tratamento quando estamos doentes, ou para fazer regularmente um check-up. Queremos continuar vivos e saudáveis. Mesmo a maioria dos idosos ou incapacitados não querem morrer; querem continuar vivos.

2, 3. (a) Que obrigação destaca Provérbios 23:22? (b) Como Deus está envolvido na obrigação mencionada em Provérbios 23:22?

2 O valor que você dá à vida afeta seu relacionamento com outros. Por exemplo, a Palavra de Deus ordena: “Escuta teu pai que causou o teu nascimento e não desprezes a tua mãe só porque ela envelheceu.” (Provérbios 23:22) ‘Escutar’ significa mais do que apenas ouvir palavras; esse provérbio significa ouvir e depois obedecer. (Êxodo 15:26; Deuteronômio 7:12; 13:18; 15:5; Josué 22:2; Salmo 81:13) Que motivo dá a Palavra de Deus para isso? Não é apenas a questão de seus pais serem mais velhos do que você ou terem mais experiência. O motivo dado pelo texto é que eles ‘causaram o seu nascimento’. Certa versão verte esse versículo da seguinte maneira: “Escute o teu pai, pois você lhe deve a vida.” É compreensível que, se você dá valor à sua vida, sente que tem alguma obrigação para com a fonte dela.

3 Naturalmente, se você é um verdadeiro cristão, reconhece que Jeová é a suprema Fonte da sua vida. Por meio dele você ‘tem vida’, pode ‘se mover’ e agir como criatura consciente; por isso você ‘existe’, e pode pensar e fazer planos para o futuro, um futuro infindável. (Atos 17:28; Salmo 36:9; Eclesiastes 3:11) Segundo Provérbios 23:22, é apropriado ‘escutar’ obedientemente a Deus, desejando compreender seu ponto de vista sobre a vida e agir de acordo, em vez de preferir seguir o conceito de outros.

Mostre que respeita a vida

4. No início da história do homem, como o respeito pela vida se tornou uma questão importante?

4 No início da história do homem, Jeová esclareceu que não cabia aos humanos usar a vida (ou abusar dela) como bem quisessem. Tomado de fúria e ciúme, Caim tirou uma vida inocente, a do seu irmão Abel. Você acha que Caim tinha o direito de tomar tal decisão a respeito da vida? Deus achava que não. Ele chamou Caim a uma prestação de contas: “Que fizeste? Escuta! O sangue de teu irmão está clamando a mim desde o solo.” (Gênesis 4:10) Note que o sangue no solo representava a vida de Abel, que fora brutalmente interrompida, e ele clamava a Deus por vingança. — Hebreus 12:24.

5. (a) Que proibição Deus fez nos dias de Noé, e a quem se aplicava? (b) Em que sentido essa proibição era um passo importante?

5 Após o Dilúvio, a humanidade recomeçou com apenas oito almas. Numa declaração que se aplica a todos os humanos, Deus revelou mais sobre o valor que ele dá à vida e ao sangue. Disse que os humanos podiam comer carne animal, mas impôs a seguinte restrição: “Todo animal movente que está vivo pode servir-vos de alimento. Como no caso da vegetação verde, deveras vos dou tudo. Somente a carne com a sua alma — seu sangue — não deveis comer.”  (Gênesis 9:3, 4) Alguns judeus interpretaram isso como significando que os humanos não deviam comer a carne ou o sangue de um animal ainda vivo. Mas o tempo mostraria claramente que o que Deus estava proibindo ali era consumir sangue para sustentar a vida. Além disso, o decreto de Deus por meio de Noé era um grande passo na realização do Seu elevado propósito envolvendo o sangue — um propósito que permitiria que os humanos obtivessem vida eterna.

6. Como Deus enfatizou, por meio de Noé, Seu conceito sobre o valor da vida?

6 Deus continuou: “Exigirei de volta vosso sangue das vossas almas. Da mão de cada criatura vivente o exigirei de volta; e da mão do homem, da mão de cada um que é seu irmão exigirei de volta a alma do homem. Quem derramar o sangue do homem, pelo homem será derramado o seu próprio sangue, pois à imagem de Deus fez ele o homem.” (Gênesis 9:5, 6) Essa declaração a toda a família humana mostra que Deus considera o sangue do homem como representando a vida. O Criador dá vida à pessoa, e ninguém deve tirar essa vida, representada pelo sangue. Se alguém, assim como Caim, comete um assassinato, o Criador tem o direito de ‘exigir de volta’ a vida do assassino.

7. Por que a declaração que Deus fez a Noé a respeito do sangue deve nos interessar?

7 Por meio dessa declaração, Deus orientou os humanos a não usarem mal o sangue. Já se perguntou sobre o motivo disso? Também, sobre o que estava por trás do conceito de Deus sobre o sangue? Na realidade, a resposta envolve um dos mais importantes ensinos da Bíblia. É o próprio âmago da mensagem cristã, embora muitas igrejas escolham ignorar isso. Que ensino é esse, e como a sua vida, suas decisões e ações estão envolvidas nisso?

O sangue — como poderia ser usado?

8. Na Lei, que limitação Jeová impôs ao uso de sangue?

8 Jeová forneceu mais pormenores a respeito da vida e do sangue quando deu a Israel o código da Lei. Ao fazer isso, ele deu mais um passo no cumprimento do seu propósito. É provável que saiba que a Lei exigia que o povo fizesse ofertas a Deus, tais como cereais, azeite e vinho. (Levítico 2:1-4; 23:13; Números 15:1-5) Havia também sacrifícios de animais. Deus disse a respeito desses: “A alma da carne está no sangue, e eu mesmo o pus para vós sobre o altar para fazer expiação pelas vossas almas, porque é o sangue que faz expiação pela alma nele. Foi por isso que eu disse aos filhos de Israel: ‘Nenhuma alma vossa deve comer sangue.’” Jeová acrescentou que, se alguém, um caçador ou lavrador, matasse um animal para se alimentar, ele tinha de derramar o sangue e cobri-lo com pó. Sendo a Terra o escabelo de Deus, a pessoa, por derramar o sangue sobre a terra, reconhecia que a vida tinha de ser devolvida ao Dador da Vida. — Levítico 17:11-13; Isaías 66:1.

9. Qual era o único uso do sangue especificado na Lei, e qual era o objetivo disso?

9 Essa Lei não era um mero rito religioso sem importância para nós. Entendeu por que motivo os israelitas não deviam consumir sangue? Deus disse: “Foi por isso que eu disse aos filhos de Israel: ‘Nenhuma alma vossa deve comer sangue.’” Qual era o motivo disso? “Eu mesmo o pus [o sangue] para vós sobre o altar para fazer expiação pelas vossas almas.” Percebe que isso nos faz entender por que Deus disse a Noé que os humanos não deviam comer sangue? O Criador atribuiu ao sangue um significado elevado, restringindo-o a um uso especial que poderia salvar muitas vidas. Desempenharia um papel vital em cobrir os pecados (expiação). Portanto, sob a Lei, o único uso do sangue autorizado por Deus era no altar, para fazer expiação pela vida dos israelitas que procuravam o perdão de Jeová.

10. Por que o sangue de animais não podia trazer pleno perdão, mas que lembrete davam os sacrifícios feitos sob a Lei?

10 Esse conceito não foi excluído do cristianismo. Referindo-se a essa provisão divina especificada na Lei, o apóstolo cristão Paulo  escreveu: “Quase todas as coisas são purificadas com sangue, segundo a Lei, e a menos que se derrame sangue, não há perdão.” (Hebreus 9:22) Paulo esclareceu que os sacrifícios exigidos não transformavam os israelitas em humanos perfeitos, sem pecado. Ele escreveu: “Por meio destes sacrifícios há de ano em ano uma lembrança dos pecados, porque não é possível que o sangue de touros e de bodes tire pecados.” (Hebreus 10:1-4) Ainda assim, esses sacrifícios eram úteis. Lembravam aos israelitas que eles eram pecaminosos e que precisavam de algo mais para obter pleno perdão. Mas se o sangue que representava a vida de animais não podia cobrir completamente os pecados humanos, será que algum outro tipo de sangue poderia?

A solução do Dador da Vida

11. Como sabemos que os sacrifícios de sangue de animais apontavam para algo mais?

11 Na realidade, a Lei apontava para algo muito mais eficaz no cumprimento da vontade de Deus. Paulo perguntou: “Por que, então, a Lei?” Ele respondeu: “Ela foi acrescentada para tornar manifestas as transgressões, até que chegasse o descendente a quem se fizera a promessa; e ela foi transmitida por intermédio de anjos, pela mão dum mediador [Moisés].” (Gálatas 3:19) De modo similar Paulo escreveu: “A Lei tem uma sombra das boas coisas vindouras, mas não a própria substância das coisas.” — Hebreus 10:1.

12. Com respeito ao sangue, como é possível ver o desenrolar do propósito de Deus?

12 Em resumo, lembre-se de que, nos dias de Noé, Deus decretou que os humanos podiam comer carne animal para o seu sustento, mas não podiam ingerir sangue. Depois, Deus declarou que “a alma da carne está no sangue”. De fato, ele decidiu considerar o sangue como representando a vida e disse: “Eu mesmo o pus para vós sobre o altar para fazer expiação pelas vossas almas.” No entanto, haveria um maravilhoso esclarecimento adicional do propósito de Deus. A Lei prefigurava boas coisas vindouras. Quais?

13. Por que a morte de Jesus foi importante?

13 A realidade girava em torno da morte de Jesus Cristo. Você sabe que Jesus foi torturado e pregado numa estaca. Ele morreu como um criminoso. Paulo escreveu: “Cristo, enquanto ainda éramos fracos, morreu por homens ímpios, no tempo designado. . . . Deus recomenda a nós o seu próprio amor, por Cristo ter morrido por nós enquanto éramos ainda pecadores.” (Romanos 5:6, 8) Morrendo por nós, Cristo forneceu um resgate para cobrir os nossos pecados. Esse resgate é a base da mensagem cristã. (Mateus 20:28; João 3:16; 1 Coríntios 15:3; 1 Timóteo 2:6) O que isso tem que ver com o sangue e a vida, e como envolve a sua vida?

14, 15. (a) Como algumas traduções de Efésios 1:7 enfatizam a morte de Jesus? (b) O que poderia passar despercebido no texto de Efésios 1:7?

14 Algumas igrejas dão ênfase à morte de Jesus, e seus adeptos dizem algo como “Jesus morreu por mim”. Considere como algumas traduções da Bíblia vertem Efésios 1:7: “É nele e pela sua morte que temos livramento, quer dizer, a eliminação de nossas ofensas.” (The American Bible, de Frank Scheil Ballentine, 1902) “Pela morte de Cristo somos libertados, e nossos pecados são perdoados.” (Today’s English Version,  1966) “É em Cristo e por meio dele e do sacrifício da sua vida que fomos libertados, o que significa o perdão de nossos pecados.” (The New Testament, de William Barclay, 1969) “É por meio da morte de Cristo que nossos pecados são perdoados e somos libertados.” (The Translator’s New Testament, 1973) Como pode ver, essas versões enfatizam a morte de Jesus. ‘Mas’, alguns talvez digam, ‘a morte de Jesus é realmente importante. Então, o que está faltando nessas versões?’

15 De fato, se tivesse de depender de tais traduções, um ponto muito importante poderia passar despercebido, e isso poderia limitar seu entendimento da mensagem da Bíblia. Essas versões obscurecem o fato de que o texto original de Efésios 1:7 contém uma palavra grega que significa “sangue”. Por isso, muitas Bíblias, tais como a Tradução do Novo Mundo, se aproximam mais do original: “Mediante ele temos o livramento por meio de resgate, por intermédio do sangue desse, sim, o perdão de nossas falhas, segundo as riquezas de sua benignidade imerecida.”

16. O que a expressão “do sangue desse” deve trazer à nossa mente?

16 A expressão “do sangue desse” está cheia de significado e deve trazer à nossa mente muitos fatores que envolvem o sangue. Era preciso mais do que uma morte, mesmo a morte do homem perfeito Jesus. Ele cumpriu o que foi prefigurado na Lei, sobretudo no Dia da Expiação. Naquele dia especial, sacrificavam-se animais estipulados pela Lei. Daí, o sumo sacerdote levava parte do sangue deles ao compartimento do Santíssimo do tabernáculo ou do templo, onde o apresentava a Deus, como se estivesse na presença dele. — Êxodo 25:22; Levítico 16:2-19.

17. Como Jesus cumpriu o que foi prefigurado pelo Dia da Expiação?

17 Jesus cumpriu o que foi prefigurado pelo Dia da Expiação, conforme Paulo explicou. Primeiro, ele mencionou que o sumo sacerdote em Israel entrava uma vez por ano no Santíssimo com sangue oferecido “por si mesmo e pelos pecados de ignorância do povo”. (Hebreus 9:6, 7) Fiel a este modelo, depois de Jesus ter sido ressuscitado como espírito, ele subiu ao próprio céu. Como espírito, não tendo um corpo de carne e sangue, ele podia aparecer “por nós perante a pessoa de Deus”. O que apresentou a Deus? Não algo físico, mas algo muito significativo. Paulo continuou: “Quando Cristo veio como sumo sacerdote . . . , ele entrou no lugar santo, não, não com o sangue de bodes e de novilhos, mas com o seu próprio sangue, de uma vez para sempre, e obteve para nós um livramento eterno. Pois, se o sangue de bodes e de touros . . . santifica até à purificação da carne, quanto mais o sangue do Cristo, o qual, por intermédio dum espírito eterno, se ofereceu a Deus sem mácula, purificará as nossas consciências de obras mortas, para que prestemos serviço sagrado ao Deus vivente?” De fato, Jesus apresentou a Deus o valor do seu sangue que representava sua vida. — Hebreus 9:11-14, 24, 28; 10:11-14; 1 Pedro 3:18.

18. Por que as declarações bíblicas a respeito do sangue têm grande importância para os cristãos atualmente?

18 Essa verdade divina nos permite compreender todos os maravilhosos aspectos que a  Bíblia apresenta sobre o sangue: o porquê do conceito de Deus, qual deve ser o nosso conceito e por que devemos respeitar as restrições que Deus impôs ao uso do sangue. Ao ler os livros das Escrituras Gregas Cristãs, encontrará muitas referências ao sangue do Cristo. (Veja o quadro.) Essas tornam claro que todos os cristãos devem ter fé ‘no sangue de Jesus’. (Romanos 3:25) Só podemos obter o perdão de Deus e ter paz com ele “por intermédio do sangue que [Jesus] derramou”. (Colossenses 1:20) Isso certamente se dá com aqueles com quem Jesus fez um pacto especial para reinarem com ele no céu. (Lucas 22:20, 28-30; 1 Coríntios 11:25; Hebreus 13:20) O mesmo se dá hoje com os da “grande multidão”, que sobreviverão à vindoura “grande tribulação” e terão vida eterna num paraíso terrestre. Em sentido figurativo, eles ‘lavaram as suas vestes compridas no sangue do Cordeiro’. — Revelação (Apocalipse) 7:9, 14.

19, 20. (a) Por que decidiu Deus restringir o uso do sangue e como devemos nos sentir a respeito disso? (b) O que devemos estar interessados em saber?

19 É evidente que o sangue tem um significado especial aos olhos de Deus. Também deve ter para nós. O Criador, que se importa muito com a vida, tem o direito de estabelecer restrições a como os humanos usam o sangue. Devido ao seu grande interesse pela vida, até mesmo pela nossa, ele determinou restringir o uso do sangue para que fosse utilizado de um modo muitíssimo importante — o único modo que torna possível a vida eterna. Isso envolveu o sangue precioso de Jesus. Podemos ser muito gratos por Jeová Deus ter agido para  o nosso bem, usando sangue — o de Jesus — para salvar vidas. E como devemos ser gratos a Jesus por ter derramado seu sangue como sacrifício por nós! Realmente, podemos compreender os sentimentos expressos pelo apóstolo João: “Àquele que nos ama e que nos soltou dos nossos pecados por meio de seu próprio sangue — e ele fez de nós um reino, sacerdotes para seu Deus e Pai — sim, a ele seja a glória e o poderio para sempre. Amém.” — Revelação 1:5, 6.

20 Nosso Deus todo-sábio e Dador da Vida tinha em mente por muito tempo o uso do sangue para este objetivo — salvar vidas. De modo que poderíamos perguntar: ‘Como deve isso influenciar as nossas decisões e ações?’ O próximo artigo tratará dessa questão.

Como responderia?

• O que podemos aprender dos relatos envolvendo Abel e Noé a respeito do conceito de Deus sobre o sangue?

• Na Lei, que restrições Deus estabeleceu para o uso de sangue, e por quê?

• Como Jesus cumpriu o que foi prefigurado pelo Dia da Expiação?

• Como pode o sangue de Jesus salvar a nossa vida?

[Perguntas de Estudo]

[Quadro na página 18]

O SANGUE DE QUEM SALVA VIDAS?

“Prestai atenção a vós mesmos e a todo o rebanho, entre o qual o espírito santo vos designou superintendentes para pastorear a congregação de Deus, que ele comprou com o sangue do seu próprio Filho.” — Atos 20:28.

“Muito mais, portanto, visto que agora fomos declarados justos pelo seu sangue, havemos de ser salvos do furor por intermédio dele.” — Romanos 5:9.

“Não tínheis esperança e estáveis sem Deus no mundo. Mas agora, em união com Cristo Jesus, vós, os que outrora estáveis longe, chegastes a estar perto pelo sangue do Cristo.” — Efésios 2:12, 13.

“Deus achou bom que morasse nele toda a plenitude, e, por intermédio dele, reconciliar novamente todas as outras coisas consigo mesmo, por fazer a paz por intermédio do sangue que ele derramou na estaca de tortura.” — Colossenses 1:19, 20.

“Portanto, irmãos, . . . temos denodo para com o caminho de entrada no lugar santo, pelo sangue de Jesus.” — Hebreus 10:19.

“Não foi com coisas corruptíveis . . . que fostes livrados da vossa forma infrutífera de conduta, recebida por tradição de vossos antepassados. Mas foi com sangue precioso, como o de um cordeiro sem mácula nem mancha, sim, o de Cristo.” — 1 Pedro 1:18, 19.

“Se estivermos andando na luz, assim como ele mesmo está na luz, temos parceria um com o outro, e o sangue de Jesus, seu Filho, purifica-nos de todo o pecado.” — 1 João 1:7.

“Digno és de tomar o rolo e de abrir os seus selos, porque foste morto e com o teu sangue compraste pessoas para Deus, dentre toda tribo, e língua, e povo, e nação.” — Revelação (Apocalipse) 5:9.

“Foi lançado para baixo o acusador dos nossos irmãos . . . E eles o venceram por causa do sangue do Cordeiro e por causa da palavra do seu testemunho.” — Revelação 12:10, 11.

[Foto na página 16]

Por meio da Lei, Deus esclareceu que o sangue podia ser usado para o perdão de pecados

[Foto na página 17]

Por meio do sangue de Jesus, muitas vidas podem ser salvas