Pular para conteúdo

Pular para sumário

Confie no espírito de Deus ao lidar com mudanças na vida

Confie no espírito de Deus ao lidar com mudanças na vida

 Confie no espírito de Deus ao lidar com mudanças na vida

“Faze o máximo para te apresentar a Deus aprovado.” — 2 TIMÓTEO 2:15.

1. Que mudanças podem ser um desafio para o nosso bem-estar espiritual?

O MUNDO em volta de nós está sempre mudando. Observamos impressionante progresso científico e tecnológico, acompanhado por um acentuado declínio dos valores morais. Conforme consideramos no artigo precedente, os cristãos precisam resistir ao espírito do mundo que está em oposição a Deus. No entanto, ao passo que o mundo passa por mudanças, nós também mudamos de diversas maneiras. Passamos da infância para a vida adulta. Podemos obter ou perder riqueza, saúde ou entes queridos. Muitas dessas mudanças estão além do nosso controle, e podem apresentar novos e imensos desafios para o nosso bem-estar espiritual.

2. Que mudanças ocorreram na vida de Davi?

2 Poucos hoje em dia sofrem mudanças tão radicais na vida como Davi, filho de Jessé. Ele deixou de ser um jovem pastor praticamente  desconhecido para ser um herói com fama em todo o país. Mais tarde, ele se tornou fugitivo e foi caçado como animal por um rei ciumento. Depois disso, Davi se tornou rei e conquistador. Suportou as conseqüências dolorosas dum grave pecado. Sofreu tragédia e houve divisão na família. Acumulou riquezas, ficou idoso e sentiu as fraquezas da idade avançada. No entanto, apesar das muitas mudanças pelas quais passou ao longo de sua vida, Davi mostrou confiança e fé em Jeová e no Seu espírito. Procurou apresentar-se “a Deus aprovado”, e Jeová o abençoou. (2 Timóteo 2:15) Embora as nossas circunstâncias sejam diferentes das de Davi, podemos aprender algo do modo como ele conduziu sua vida. O seu exemplo pode ajudar-nos a compreender como podemos continuar a ter a ajuda do espírito de Deus ao enfrentarmos mudanças na vida.

A humildade de Davi é um excelente exemplo

3, 4. Como Davi, um jovem pastor praticamente desconhecido, passou a ter fama em todo o Israel?

3 Quando era menino, Davi não se destacava nem mesmo dentro de sua própria família. Durante a visita do profeta Samuel a Belém, o pai de Davi lhe apresentou sete dos seus oito filhos. Davi, o mais novo, havia ficado no campo para tomar conta das ovelhas. No entanto, era Davi que Jeová havia escolhido para ser o futuro rei de Israel. Mandou-se trazer Davi do campo. A seguir, o registro bíblico diz: “Samuel tomou o chifre de óleo e ungiu-o no meio dos seus irmãos. E o espírito de Jeová começou a tornar-se ativo em Davi daquele dia em diante.” (1 Samuel 16:12, 13) Davi confiou nesse espírito durante toda a sua vida.

4 Em pouco tempo, esse jovem pastor passaria a ter fama em todo o Israel. Foi chamado para ficar ao serviço do rei e tocar harpa para ele. Matou o guerreiro Golias, um gigante tão terrível, que até mesmo os soldados experientes de Israel temiam enfrentá-lo. Davi foi escolhido para liderar os homens de guerra e saiu-se bem ao lutar contra os filisteus. O povo o amava. Compuseram-se canções em seu louvor. Antes disso, um conselheiro do Rei Saul descreveu o jovem Davi não só como alguém “perito em tocar” a harpa, mas também como “homem poderoso, valente, e homem de guerra, e conversador inteligente, e homem de bom porte”. — 1 Samuel 16:18; 17:23, 24, 45-51; 18:5-⁠7.

5. O que poderia ter feito com que Davi se tornasse arrogante, mas como sabemos que isso não aconteceu?

5 Fama, beleza física, juventude, eloqüência, habilidade musical, perícia militar, favor divino — Davi parecia ter tudo isso. Qualquer uma dessas coisas poderia ter feito com que ele ficasse arrogante, mas isso não aconteceu. Note a resposta de Davi ao Rei Saul, que lhe ofereceu a sua filha em casamento. Com verdadeira humildade, Davi disse: “Quem sou eu e quem é a minha gente, a família de meu pai, em Israel, para eu me tornar genro do rei?” (1 Samuel 18:18) Comentando esse versículo, certo erudito escreveu: “Davi queria dizer que nem qualificações pessoais, nem sua posição social ou parentesco o faziam sentir-se merecedor da honra de se tornar genro do rei.”

6. Por que devemos cultivar a humildade?

6 A humildade de Davi se baseava em ele reconhecer a absoluta superioridade de Jeová em relação aos humanos imperfeitos. Davi até se admirava do  fato de Deus se importar com o ser humano. (Salmo 144:3) Sabia também que qualquer importância que tivesse se devia inteiramente à humildade de Jeová, que como que se curvava para sustentá-lo, protegê-lo e cuidar dele. (Salmo 18:35) Que bela lição isso é para nós! Nossos talentos, nossas realizações e nossos privilégios nunca devem tornar-nos orgulhosos. “Deveras, o que tens que não tenhas recebido?”, escreveu o apóstolo Paulo. “Se, agora, deveras o tens recebido, por que te jactas como se não o tivesses recebido?” (1 Coríntios 4:7) Para termos o espírito santo de Deus e obtermos a aprovação dele, temos de cultivar e manter a humildade. — Tiago 4:6.

‘Não se vinguem’

7. Que oportunidade Davi teve para matar o Rei Saul?

7 Embora a fama de Davi não lhe subisse ao coração, criou um ciúme assassino no Rei Saul, de quem o espírito de Deus havia se afastado. Embora Davi não tivesse feito nada de errado, ele fugiu para salvar a vida e passou a morar no deserto. Numa ocasião, o Rei Saul entrou numa caverna quando perseguia implacavelmente a Davi. Ele não sabia que Davi e seus companheiros estavam escondidos ali. Os companheiros de Davi o incentivaram a matar Saul, achando que aquela era uma oportunidade dada por Deus. Podemos visualizá-los na escuridão sussurrando para Davi: “Eis o dia em que Jeová te diz: ‘Eis que te entrego teu inimigo na mão e tens de fazer-lhe conforme parecer bem aos teus olhos.’” — 1 Samuel 24:2-⁠6.

8. Por que Davi se refreou de se vingar?

8 Davi se negou a causar dano a Saul. Tendo fé e paciência, contentou-se em deixar os assuntos nas mãos de Jeová. Depois de o rei sair da caverna, Davi disse a ele em voz alta: “Julgue Jeová entre mim e ti; e Jeová terá de tomar vingança de ti por mim, mas a minha própria mão não virá a estar sobre ti.” (1 Samuel 24:12) Embora soubesse que Saul estava errado, Davi não se vingou, não falou mal dele nem o tratou desrespeitosamente. Davi negou-se, em diversas ocasiões, a fazer justiça com as próprias mãos. Em vez disso, esperou que Jeová endireitasse as coisas. — 1 Samuel 25:32-34; 26:10, 11.

9. Por que não devemos revidar quando sofremos oposição ou perseguição?

9 Assim como Davi, você pode enfrentar situações provadoras. Talvez sofra oposição ou perseguição de colegas de escola ou de trabalho, de membros da família ou outros que não compartilham a sua fé. Não revide. Espere em Jeová, pedindo a ajuda do Seu espírito santo. É possível que esses descrentes fiquem impressionados  pela sua boa conduta e se tornem crentes. (1 Pedro 3:1) De qualquer modo, tenha certeza de que Jeová vê a sua situação e fará algo a respeito no seu devido tempo. O apóstolo Paulo escreveu: “Não vos vingueis, amados, mas cedei lugar ao furor; pois está escrito: ‘A vingança é minha; eu pagarei de volta, diz Jeová.’” — Romanos 12:19.

‘Escute a disciplina’

10. O que levou Davi a cometer pecado, e como procurou encobri-lo?

10 Os anos se passaram. Davi tornou-se um rei amado de enorme destaque. Sua vida de notável fidelidade, junto com os belos salmos que escreveu em louvor a Jeová, poderiam facilmente dar a impressão de que ele era um homem que jamais seria capaz de cometer um pecado grave. No entanto, cometeu. Certo dia, o rei viu do alto do seu terraço uma bela mulher tomando banho. Davi procurou saber quem era a mulher. Ficou sabendo que era Bate-Seba e que o marido dela, Urias, tinha ido à guerra. Davi mandou buscá-la e teve relações com ela. Mais tarde, descobriu que ela estava grávida. Que escândalo isso teria causado se o assunto fosse exposto! A Lei Mosaica prescrevia pena de morte para quem cometesse adultério. O rei evidentemente pensou que o pecado talvez pudesse ser encoberto. De modo que enviou ordens para que o exército mandasse Urias de volta à Jerusalém. Davi esperava que Urias passasse a noite com Bate-Seba, mas isso não aconteceu. Davi, agora desesperado, mandou Urias de volta à guerra com uma carta para Joabe, o comandante militar. A carta dizia que Urias devia ser colocado numa posição durante a batalha que resultasse na sua morte. Joabe obedeceu e Urias foi morto. Depois que passou o tempo de luto, Bate-Seba se tornou esposa de Davi. — 2 Samuel 11:1-27.

11. Natã apresentou que situação a Davi, e como reagiu este?

11 Parecia que Davi havia conseguido encobrir seu pecado, embora soubesse que não podia esconder suas ações de Jeová. (Hebreus 4:13) Meses se passaram e a criança nasceu. Então, sob a orientação de Deus, o profeta Natã foi até Davi. O profeta apresentou ao rei uma situação em que um homem rico, que possuía muitas ovelhas, pegou e matou a única ovelha que um homem pobre tinha — a sua ovelha de estimação. Davi ficou indignado com o que, do seu ponto de vista, era um ato de injustiça, mas não percebeu o verdadeiro significado da história. Ele não hesitou em condenar o homem rico. Cheio de ira, disse a Natã: “O homem que fez isso merece morrer!” — 2 Samuel 12:1-6.

12. Que julgamento Jeová proferiu contra Davi?

12 “Tu mesmo és o homem!”, respondeu o profeta. Davi havia testificado contra si mesmo. Sem dúvida, a indignação de Davi logo cedeu lugar a uma profunda vergonha e grande tristeza. Atordoado, escutou Natã proferir o inevitável julgamento de Jeová. Não havia nenhuma palavra de alívio ou de consolo. Davi havia desprezado a palavra de Jeová ao fazer o que era mau. Não havia matado Urias com a espada do inimigo? Igualmente, uma espada  não se afastaria de sua casa. Não havia ele tomado secretamente a esposa de Urias? Um mal semelhante viria sobre ele, não em secreto, mas publicamente. — 2 Samuel 12:7-12.

13. Como Davi reagiu à disciplina de Jeová?

13 Algo que contou a favor de Davi foi que ele não negou a sua culpa. Não ficou irado com o profeta Natã. Não lançou a culpa em outros, nem tentou se justificar pelo que fez. Confrontado com os seus pecados, Davi assumiu a responsabilidade, dizendo: “Pequei contra Jeová.” (2 Samuel 12:13) O Salmo 51 mostra a angústia dele pela sua culpa e a profundidade do seu arrependimento. Rogou a Jeová: “Não me lances fora de diante da tua face; e não tires de mim o teu espírito santo.” Acreditou que Jeová, na sua misericórdia, não desprezaria “um coração quebrantado e esmagado” devido ao pecado. (Salmo 51:11, 17) Davi continuou a confiar no espírito de Deus. Embora Jeová não o protegesse contra as conseqüências amargas do seu pecado, ele o perdoou.

14. Como devemos reagir à disciplina de Jeová?

14 Todos nós somos imperfeitos e pecamos. (Romanos 3:23) Talvez cometamos um grave pecado, assim como Davi. Da mesma forma que um pai amoroso disciplina os filhos, Jeová corrige os que procuram servi-lo. No entanto, embora a disciplina seja benéfica, não é fácil aceitá-la. Na realidade, às vezes ela causa “pesar”. (Hebreus 12:6, 11) Contudo, se ‘escutarmos a disciplina’, podemos recuperar nossa amizade com Jeová. (Provérbios 8:33) Para continuarmos a receber a bênção do espírito de Jeová, temos de aceitar a correção e nos empenharmos a ser aprovados por Ele.

Não ponha a sua esperança em riquezas incertas

15. (a) Como alguns usam as riquezas? (b) Como desejava Davi usar a sua riqueza?

15 Nada indica que Davi tivesse vindo de uma família importante ou rica. No entanto, durante o seu reinado, Davi acumulou grandes riquezas. Como sabemos, muitos acumulam riquezas, procuram aumentá-las de modo ganancioso ou gastá-las egoistamente. Outros usam o dinheiro para obter glória. (Mateus 6:2) Davi usava suas riquezas de modo diferente. Ele ansiava honrar a Jeová. Falou a Natã sobre o seu desejo de construir um templo para Jeová a fim de abrigar a arca do pacto que então estava em Jerusalém “morando no meio de panos de tenda”. Jeová se agradou das intenções de Davi, mas disse-lhe por meio de Natã que a construção do templo ficaria para seu filho Salomão. — 2 Samuel 7:1, 2, 12, 13.

16. Que preparativos Davi fez para a construção do templo?

16 Davi ajuntou os materiais que seriam usados naquele grande projeto de construção. Ele disse a Salomão: “Preparei para a casa de Jeová cem mil talentos de ouro e um milhão de talentos de prata, e não há meio de se pesar o cobre e o ferro, porque vieram a ser em tal quantidade; e preparei madeiras e pedras, mas tu lhes  farás acréscimos.” Ele contribuiu da sua própria fortuna 3.000 talentos de ouro e 7.000 talentos de prata. * (1 Crônicas 22:14; 29:3, 4) A generosidade de Davi não era simplesmente para se exibir, mas uma manifestação de fé e de devoção a Jeová Deus. Reconhecendo a Fonte das suas riquezas, ele disse a Jeová: “Tudo procede de ti e da tua própria mão o demos a ti.” (1 Crônicas 29:14) O coração generoso de Davi o induziu a fazer todo o possível para promover a adoração pura.

17. Como se aplica o conselho de 1 Timóteo 6:17-19 tanto aos ricos como aos pobres?

17 Que nós, similarmente, usemos os nossos recursos para fazer o bem! Em vez de nos empenharmos num modo de vida materialista, é melhor procurarmos a aprovação de Deus — que é a forma de se obter verdadeira sabedoria e felicidade. Paulo escreveu: “Dá ordens aos que são ricos no atual sistema de coisas, que não sejam soberbos e que não baseiem a sua esperança nas riquezas incertas, mas em Deus, que nos fornece ricamente todas as coisas para o nosso usufruto; para praticarem o bem, para serem ricos em obras excelentes, para serem liberais, prontos para partilhar, entesourando para si seguramente um alicerce excelente para o futuro, a fim de que se apeguem firmemente à verdadeira vida.” (1 Timóteo 6:17-19) Não importa qual seja a nossa situação econômica, confiemos no espírito de Deus e levemos uma vida que nos faça ‘ricos para com Deus’. (Lucas 12:21) Não há nada mais valioso do que ter a aprovação do nosso amoroso Pai celestial.

Apresente-se a Deus aprovado

18. Como Davi deu um excelente exemplo aos cristãos?

18 Durante a sua vida, Davi procurou ter a aprovação de Jeová. Clamou num cântico: “Mostra-me favor, ó Deus, mostra-me favor, porque em ti se refugiou a minha alma.” (Salmo 57:1) Sua confiança em Jeová não foi em vão. Davi envelheceu “farto de dias”. (1 Crônicas 23:1) Embora tenha cometido sérios erros, ele é lembrado como uma das muitas testemunhas de Deus que demonstraram ter notável fé. — Hebreus 11:32.

19. Como poderemos apresentar-nos a Deus aprovados?

19 Quando se confrontar com uma mudança de situação, lembre-se de que, assim como Jeová sustentou, fortaleceu e corrigiu Davi, ele pode fazer o mesmo por você. O apóstolo Paulo, assim como Davi, enfrentou muitas mudanças na vida. Mas ele também continuou fielmente confiando no espírito de Deus. Escreveu: “Para todas as coisas tenho força em virtude daquele que me confere poder.” (Filipenses 4:12, 13) Se confiarmos em Jeová, ele nos ajudará a ser bem-sucedidos. Ele quer que sejamos bem-sucedidos. Se prestarmos atenção a Jeová e nos achegarmos a ele, então nos dará força para fazer a Sua vontade. E se continuarmos a confiar no espírito de Deus, poderemos ‘apresentar-nos a Deus aprovados’, agora e por toda a eternidade. — 2 Timóteo 2:15.

[Nota(s) de rodapé]

^ parágrafo 16 O valor da contribuição de Davi, pelos valores de hoje, seria o equivalente a mais de 1.200.000.000 de dólares americanos.

Como responderia?

• Como podemos proteger-nos contra o orgulho?

• Por que não devemos vingar-nos?

• Como devemos encarar a disciplina?

• Por que devemos confiar em Deus e não nas riquezas?

[Perguntas de Estudo]

[Foto nas páginas 16, 17]

Davi confiava no espírito de Deus e procurava ter aprovação divina. Você faz o mesmo?

[Foto na página 18]

“Tudo procede de ti e da tua própria mão o demos a ti”