Pular para conteúdo

Pular para sumário

Um “escravo” tanto fiel como discreto

Um “escravo” tanto fiel como discreto

 Um “escravo” tanto fiel como discreto

“Quem é realmente o escravo fiel e discreto a quem o seu amo designou sobre os seus domésticos?” — MATEUS 24:45.

1, 2. Por que é vital que recebamos hoje um suprimento regular de alimento espiritual?

NA TARDE de terça-feira, 11 de nisã de 33 EC, os discípulos de Jesus levantaram uma questão que, para nós hoje, tem um significado bem profundo. Fizeram-lhe a pergunta: “Qual será o sinal da tua presença e da terminação do sistema de coisas?” Em resposta, Jesus proferiu uma notável profecia. Falou sobre um período turbulento de guerras, fomes, terremotos e doenças. E disse que isso seria apenas “um princípio das dores de aflição”. Aconteceriam coisas piores. Que perspectiva assustadora! — Mateus 24:3, 7, 8, 15-22; Lucas 21:10, 11.

2 Desde 1914, a maior parte das facetas da profecia de Jesus tem se cumprido. A humanidade sofre as “dores de aflição” em plena medida. Mesmo assim, os verdadeiros cristãos não precisam ter medo. Jesus prometeu que os sustentaria com alimento espiritual nutritivo. Visto que Jesus está agora no céu, como ele providenciou que nós, aqui na Terra, recebêssemos o suprimento de alimento espiritual?

3. Que provisões Jesus fez para recebermos “alimento no tempo apropriado”?

3 O próprio Jesus deu a resposta a essa pergunta. No decorrer da sua grande profecia, ele perguntou: “Quem é realmente o escravo fiel e discreto a quem o seu amo designou sobre os seus domésticos, para dar-lhes o seu alimento no tempo apropriado?” Depois ele disse: “Feliz aquele escravo, se o seu amo, ao chegar, o achar fazendo assim! Deveras, eu vos digo: Ele o designará sobre todos os seus bens.” (Mateus 24:45-47) Sim, haveria um “escravo” designado para fornecer alimento espiritual, um “escravo” que seria tanto fiel como discreto. Seria esse escravo uma determinada pessoa, uma sucessão de pessoas, ou outra coisa? Visto que o escravo fiel fornece o alimento espiritual tão necessário, temos interesse em descobrir a resposta.

Uma pessoa ou uma classe?

4. Como sabemos que “o escravo fiel e discreto” não pode ser uma só pessoa?

4 “O escravo fiel e discreto” não pode ser uma só pessoa. Por que não? Porque o escravo começou a servir alimento espiritual lá no primeiro século e, segundo Jesus, ele ainda estaria ativo quando o Amo chegasse em 1914. Isso significaria uns 1.900 anos de serviço fiel prestado por uma única pessoa. Nem mesmo Metusalém viveu tanto! — Gênesis 5:27.

5. Explique por que a expressão “escravo fiel e discreto” não se aplica a cada cristão.

 5 Será que o termo “escravo fiel e discreto” se aplica em sentido geral a cada cristão? É verdade que todos os cristãos têm de ser fiéis e discretos; no entanto, é evidente que Jesus estava pensando em algo mais do que isso quando falou sobre “o escravo fiel e discreto”. Como sabemos isso? Porque ele disse que o “amo, ao chegar”, designaria o escravo “sobre todos os seus bens”. Como poderia cada cristão ser designado sobre tudo — sobre “todos” os bens do Senhor? Impossível!

6. Como devia a nação de Israel atuar como “servo” ou “escravo” de Deus?

6 Portanto, a única conclusão razoável é que Jesus se referiu a um grupo de cristãos como “o escravo fiel e discreto”. Pode haver um escravo composto? Pode, sim. Setecentos anos antes de Cristo, Jeová se referiu à inteira nação de Israel como “minhas testemunhas” e “meu servo a quem escolhi”. (Isaías 43:10) Cada membro da nação de Israel era parte dessa classe de servos, desde 1513 AEC, quando foi dada a Lei Mosaica, até o Pentecostes de 33 EC. A maioria dos israelitas não tinha participação direta em administrar os assuntos da nação ou em coordenar o programa de alimentação espiritual. Para tais tarefas, Jeová usou reis, juízes, profetas, sacerdotes e levitas. Mesmo assim, Israel, como nação, havia de representar a soberania de Jeová e proclamar os seus louvores entre as nações. Cada israelita devia ser uma testemunha de Jeová. — Deuteronômio 26:19; Isaías 43:21; Malaquias 2:7; Romanos 3:1, 2.

Um “servo” é despedido

7. Por que a antiga nação de Israel desqualificou-se como “servo” de Deus?

7 Visto que Israel era o “servo” de Deus há séculos, era também o escravo sobre quem Jesus falou? Não, porque o Israel antigo lamentavelmente não foi fiel nem discreto. Paulo resumiu a situação ao citar as palavras de Jeová dirigidas à nação: “O nome de Deus está sendo blasfemado entre as nações por causa de vós.” (Romanos 2:24) De fato, a longa história de rebelião de Israel atingiu um clímax quando eles rejeitaram a Jesus. Diante disso, Jeová os rejeitou. — Mateus 21:42, 43.

8. Quando Israel foi substituído por um “servo” designado, e sob que circunstâncias?

8 A infidelidade por parte do “servo”, Israel, não significava que adoradores fiéis seriam para sempre privados de alimento espiritual. No Pentecostes de 33 EC, cinqüenta dias após a ressurreição de Jesus, derramou-se espírito santo sobre uns 120 dos seus discípulos, num quarto de andar superior em Jerusalém. Naquele instante nasceu uma nova nação. Apropriadamente, seu nascimento foi divulgado quando seus membros começaram a falar com destemor aos habitantes de Jerusalém sobre “as coisas magníficas de Deus”. (Atos 2:11) Assim, aquela nova nação, uma espiritual, tornou-se o “servo” que divulgaria às nações a glória de Jeová e proveria alimento no tempo devido. (1 Pedro 2:9) Ela passou a ser chamada apropriadamente de “Israel de Deus”. — Gálatas 6:16.

9. (a) Quem constitui “o escravo fiel e discreto”? (b) Quem são os “domésticos”?

9 Cada membro do “Israel de Deus” é um  cristão dedicado, batizado e ungido com espírito santo, tendo uma esperança celestial. Portanto, a expressão “escravo fiel e discreto” refere-se a todos os membros dessa ungida nação espiritual como grupo na Terra em qualquer época desde 33 EC até agora, assim como todo israelita que vivia em qualquer época desde 1513 AEC até o Pentecostes de 33 EC era parte da classe do “escravo” da era pré-cristã. No entanto, quem são os “domésticos”, que recebem do escravo a nutrição espiritual? No primeiro século EC, todo cristão tinha a esperança celestial. Portanto, os domésticos também eram cristãos ungidos, não considerados como grupo, mas como pessoas. Todos eles, inclusive os em cargos de responsabilidade na congregação, precisavam do alimento espiritual que o escravo fornecia. — 1 Coríntios 12:12, 19-27; Hebreus 5:11-13; 2 Pedro 3:15, 16.

“A cada um o seu trabalho”

10, 11. Como sabemos que nem todos os membros da classe do “escravo” têm a mesma designação de serviço?

10 Ao passo que “o Israel de Deus” é a classe do escravo fiel e discreto com uma designação de trabalho, cada membro também tem responsabilidades pessoais. Isso é esclarecido pelas palavras de Jesus, registradas em Marcos 13:34. Ele disse: “É semelhante a um homem que viajou para fora e deixou a sua casa, dando autoridade aos seus escravos, a cada um o seu trabalho, e ordenou ao porteiro que se mantivesse vigilante.” De modo que cada membro da classe do “escravo” recebeu uma designação — aumentar os bens terrestres de Cristo. Cumprem essa tarefa segundo a capacidade e as oportunidades que cada um tem. — Mateus 25:14, 15.

11 Além disso, o apóstolo Pedro disse aos cristãos ungidos nos seus dias: “Na proporção em que cada um recebeu um dom, usai-o em ministrar uns aos outros como mordomos excelentes da benignidade imerecida de Deus, expressa de vários modos.” (1 Pedro 4:10) Portanto, esses ungidos têm a responsabilidade de ministrar um ao outro usando os dons que Deus lhes deu. Além disso, as palavras de Pedro indicam que nem todos os cristãos teriam as mesmas habilidades, responsabilidades ou privilégios. No entanto, cada membro da classe do “escravo” poderia contribuir de algum modo para o aumento da nação espiritual. Como?

12. Como contribuiu cada membro da classe do “escravo”, quer homem quer mulher, para o aumento do escravo?

12 Primeiro, cada um tinha a responsabilidade de ser Testemunha de Jeová, pregando as boas novas do Reino. (Isaías 43:10-12; Mateus 24:14) Pouco antes de Jesus ascender ao céu,  ele ordenou que todos os seus discípulos, tanto homens como mulheres, fossem instrutores. Disse: “Ide, portanto, e fazei discípulos de pessoas de todas as nações, batizando-as em o nome do Pai, e do Filho, e do espírito santo, ensinando-as a observar todas as coisas que vos ordenei. E eis que estou convosco todos os dias, até à terminação do sistema de coisas.” — Mateus 28:19, 20.

13. Que privilégio todos os ungidos tiveram?

13 Ao encontrarem novos discípulos, estes deviam ser bem ensinados a cumprir tudo o que Cristo havia ordenado aos seus discípulos. Com o tempo, eles se tornaram habilitados para ensinar outros. Alimento espiritual nutritivo foi tornado disponível a prospectivos membros da classe do “escravo” em muitas nações. Todos os cristãos ungidos, homens e mulheres, participaram em cumprir a comissão de fazer discípulos. (Atos 2:17, 18) Seria um trabalho contínuo desde o momento em que surgiu o escravo até o fim deste sistema de coisas.

14. A quem estavam limitados os privilégios de ensinar na congregação, e qual era a atitude das fiéis mulheres ungidas diante disso?

14 Os recém-batizados ungidos tornaram-se parte do escravo, e, não importando quem os instruiu inicialmente, continuaram a receber instrução da parte dos membros da congregação, que satisfaziam as qualificações bíblicas para servir quais anciãos. (1 Timóteo 3:1-7; Tito 1:6-9) Esses homens designados foram assim privilegiados de contribuir para o aumento da nação de modo especial. As fiéis cristãs ungidas não se ressentiam de que o ensino na congregação foi designado apenas a homens cristãos. (1 Coríntios 14:34, 35) Antes, sentiam-se felizes de tirar proveito do trabalho árduo dos homens da congregação, e eram gratas pelos privilégios que mulheres podiam ter, inclusive o de levar as boas novas a outros. Hoje em dia, as zelosas irmãs ungidas mostram a mesma atitude humilde, quer os anciãos designados sejam da classe ungida quer não.

15. Qual era uma das principais fontes de alimento espiritual no primeiro século, e quem tomava a dianteira em provê-lo?

15 O alimento espiritual fundamental no primeiro século era provido diretamente por meio das cartas dos apóstolos e de outros discípulos que tomavam a dianteira. As cartas que escreveram — especialmente as encontradas entre os 27 livros inspirados que constituem as Escrituras Gregas Cristãs — circulavam entre as congregações e, sem dúvida, forneciam a base do ensino provido pelos anciãos locais. Desse modo, representantes do escravo distribuíam fielmente abundante alimento espiritual aos cristãos sinceros. A classe do “escravo” do primeiro século foi fiel à sua comissão.

O “escravo” 19 séculos mais tarde

16, 17. Como a classe do “escravo” se mostrou fiel em cumprir com a sua designação nos anos até 1914?

16 Que dizer de hoje? Quando a presença de Jesus começou em 1914, será que ele encontrou um grupo de cristãos ungidos que proviam fielmente alimento no tempo apropriado? Certamente que sim. Esse grupo pôde ser claramente identificado por causa dos excelentes frutos que produzia. (Mateus 7:20) Desde então, a História tem provado a exatidão dessa identificação.

17 Por ocasião da chegada de Jesus, havia uns 5.000 domésticos ocupados em divulgar a verdade bíblica. Os trabalhadores eram poucos, mas o escravo usava alguns métodos engenhosos para divulgar as boas novas. (Mateus 9:38) Por exemplo, eles providenciaram que sermões sobre temas bíblicos fossem divulgados em até 2.000 jornais. Desse modo, a verdade da Palavra de Deus chegou a dezenas de milhares de leitores ao mesmo tempo. Além disso, preparou-se um programa de oito horas com slides coloridos e filmes. Graças a essa apresentação inovadora, a mensagem bíblica, contada  desde o princípio da Criação até o fim do Reinado Milenar, foi transmitida a mais de nove milhões de pessoas em três continentes. Publicações impressas foram outro meio usado. Por exemplo, em 1914, publicaram-se uns 50.000 exemplares desta revista.

18. Quando Jesus designou o escravo sobre todos os seus bens, e por quê?

18 Realmente, quando o Amo chegou, ele encontrou o escravo fiel alimentando conscienciosamente os domésticos e também pregando as boas novas. Maiores responsabilidades aguardavam então esse escravo. Jesus disse: “Deveras, eu vos digo: Ele o designará sobre todos os seus bens.” (Mateus 24:47) Jesus fez isso em 1919, depois de o escravo ter passado por um período de provas. No entanto, por que “o escravo fiel e discreto” recebeu maiores responsabilidades? Porque os bens do Amo haviam aumentado. Jesus recebeu o reinado em 1914.

19. Explique como as necessidades espirituais da “grande multidão” têm sido supridas.

19 Sobre que bens o recém-coroado Amo designou seu escravo fiel? Sobre todos os assuntos espirituais que Lhe pertencem aqui na Terra. Por exemplo, duas décadas depois da entronização de Cristo em 1914, foi identificada “uma grande multidão” de “outras ovelhas”. (Revelação [Apocalipse] 7:9; João 10:16) Essas não eram membros ungidos do “Israel de Deus”, mas homens e mulheres sinceros que tinham uma esperança terrestre, e amavam a Jeová, querendo servi-lo, assim como faziam os ungidos. Na realidade, diziam ao “escravo fiel e discreto”: “Iremos convosco, pois ouvimos que Deus está convosco.” (Zacarias 8:23) Esses cristãos recém-batizados recebiam o mesmo rico alimento espiritual que os domésticos ungidos, e as duas classes têm compartilhado essa mesa espiritual desde então. Que bênção isso tem sido para os membros da “grande multidão”!

20. Que papel tem desempenhado a “grande multidão” em aumentar os bens do Senhor?

20 Os membros da “grande multidão” se juntaram de bom grado aos da classe do “escravo” como pregadores das boas novas. Ao passo que pregavam, os bens terrestres do Amo aumentavam, resultando em maiores responsabilidades para o “escravo fiel e discreto”. Com o aumento do número de pessoas em busca da verdade, tornou-se necessário ampliar as instalações gráficas para satisfazer a demanda de publicações bíblicas. Abriram-se congêneres das Testemunhas de Jeová num país após outro. Enviaram-se missionários “até à parte mais distante da terra”. (Atos 1:8) As fileiras dos louvadores de Deus aumentaram atualmente dos aproximadamente cinco mil ungidos em 1914 para mais de seis milhões, a maioria deles sendo da “grande multidão”. Com certeza, os bens do Rei têm multiplicado desde a sua coroação em 1914!

21. Que duas parábolas serão consideradas no próximo estudo?

21 Tudo isso mostra que o escravo tem sido “fiel e discreto”. Pouco depois de Jesus falar a respeito do “escravo fiel e discreto”, ele apresentou duas parábolas que destacam essas qualidades: a parábola das virgens discretas e das tolas, e a parábola dos talentos. (Mateus 25:1-30) Elas despertam ainda mais nosso interesse. Qual é o significado delas para nós hoje em dia? Consideraremos essa pergunta no próximo artigo.

Qual é a sua resposta?

• Quem compõe “o escravo fiel e discreto”?

• Quem são os “domésticos”?

• Quando foi que todos os bens do Senhor foram designados ao escravo fiel, e por que naquela época?

• Quem tem ajudado a aumentar os bens do Senhor nas últimas décadas, e de que modo?

[Perguntas de Estudo]

[Foto na página 10]

A classe do “escravo” do primeiro século foi fiel à sua comissão