Pular para conteúdo

Pular para sumário

Por que tantos vão à igreja

Por que tantos vão à igreja

 Por que tantos vão à igreja

“A REPÚBLICA da Coréia tem agora quase quatro vezes mais presbiterianos do que os Estados Unidos.” Essa declaração na revista Newsweek talvez tenha surpreendido muitos dos seus leitores, visto que a maioria acha que a Coréia é uma sociedade confucionista ou budista. Atualmente, o visitante encontrará ali um bom número de igrejas “cristãs”, em geral identificadas por cruzes de néon vermelho. Aos domingos, é comum ver grupos de duas ou três pessoas com Bíblias na mão indo à igreja. Segundo uma pesquisa feita em 1998, quase 30 por cento dos coreanos, um número maior do que os que afirmam ser budistas, vão a uma igreja quer católica, quer protestante.

Hoje em dia, embora seja incomum ver tantas pessoas freqüentarem uma igreja, isso está acontecendo na Coréia, em outros países asiáticos, bem como na África e na América Latina. Por que tantos professam crer em Deus, quando na Terra a apatia e a indiferença à religião parecem ter atingido grandes proporções? Por que as pessoas vão à igreja?

Uma pesquisa Gallup revelou que mais da metade dos coreanos que vão à igreja estão em busca de paz mental; cerca de um terço deles espera ter vida eterna após a morte; e 1 em 10 está à procura de saúde, riquezas e prosperidade.

Muitos na China vão às igrejas esperando encontrar algo que satisfaça o vazio espiritual resultante da substituição gradual da ideologia comunista pelas aspirações capitalistas. Todo ano imprimem-se e distribuem-se na China milhões de exemplares da Bíblia, e as pessoas parecem lê-la assim como faziam com o pequeno livro vermelho de Mao Tse-tung.

Alguns católicos no Brasil, especialmente os da geração mais jovem, não se contentam com a promessa de felicidade na vida após a morte, pois querem tê-la agora. A revista noticiosa Tudo observou: “Se, na década de 70, a teologia da libertação fazia cabeças e  corações, hoje, o que mobiliza a turma é a teologia da prosperidade.” Uma pesquisa feita na Grã-Bretanha pediu que os freqüentadores de igrejas mencionassem uma coisa de que gostavam da sua igreja. Invariavelmente, o companheirismo ocupou o primeiro lugar.

Tudo isso mostra que, embora um bom número de pessoas ainda acredite em Deus, a maioria se preocupa mais com o que pode obter agora, do que com o que há de vir — ou mesmo com o próprio Deus. Na sua opinião, qual é o real motivo para se crer em Deus? O que a Bíblia diz sobre este assunto? Encontrará a resposta no próximo artigo.