Pular para conteúdo

Pular para sumário

Por que devemos orar incessantemente?

Por que devemos orar incessantemente?

 Por que devemos orar incessantemente?

“Orai incessantemente. Dai graças em conexão com tudo.” — 1 Tessalonicenses 5:17, 18.

1, 2. Como Daniel mostrou que estimava o privilégio de orar, e como isso influenciou sua relação com Deus?

O PROFETA Daniel tinha o costume de orar a Deus três vezes por dia. Ele se ajoelhava junto à janela do seu quarto de terraço, que dava para a cidade de Jerusalém, e fazia as suas petições. (1 Reis 8:46-49; Daniel 6:10) Mesmo quando um decreto do rei proibiu que se fizessem petições a qualquer outro, a não ser a Dario, o rei medo, Daniel não vacilou nem por um instante. Quer isso pusesse sua vida em perigo, quer não, esse homem que tinha o costume de orar implorava incessantemente a Jeová.

2 Como Jeová encarava Daniel? Quando o anjo Gabriel veio para responder a uma das orações de Daniel, ele descreveu o profeta como “alguém muito desejável” ou “um homem mui amado”. (Daniel 9:20-23; Trinitariana) Na profecia de Ezequiel, Jeová se referiu a Daniel como homem justo. (Ezequiel 14:14, 20) Durante sua vida, por meio de suas orações, Daniel evidentemente desenvolveu uma relação achegada com Deus, o que foi reconhecido até mesmo por Dario. — Daniel 6:16.

3. Conforme mostra a experiência de um missionário, como pode a oração ajudar-nos a manter a integridade?

3 A oração regular pode também ajudar-nos a enfrentar provações severas. Por exemplo, considere o caso de Harold King, missionário na China, que foi sentenciado a cinco anos na solitária. Referente à sua experiência, o irmão King disse: “Eu podia ficar isolado de meus companheiros, mas ninguém poderia separar-me de Deus.  . . . Assim, eu me ajoelhava três vezes por dia e orava em voz alta, não importando quem passasse por  minha cela, lembrando-me de Daniel, mencionado na Bíblia.  . . . Parecia que em tais ocasiões o espírito de Deus orientava a minha mente nas questões mais benéficas e me tranqüilizava. Que força espiritual e conforto me proporcionava a oração!”

4. Que perguntas referentes à oração consideraremos neste artigo?

4 A Bíblia declara: “Orai incessantemente. Dai graças em conexão com tudo.” (1 Tessalonicenses 5:17, 18) Em vista desse conselho, consideremos as seguintes perguntas: Por que devemos prestar atenção à qualidade e regularidade de nossas orações? Que motivos temos para nos achegar constantemente a Jeová em oração? E o que devemos fazer quando nos sentimos indignos de orar a Deus por causa das nossas faltas?

Desenvolva a amizade por meio da oração

5. Que amizade sem igual podemos ter com a ajuda da oração?

5 Gostaria que Jeová o considerasse como amigo? Ele se referiu ao patriarca Abraão como seu amigo. (Isaías 41:8; Tiago 2:23) Jeová quer que desenvolvamos esse tipo de relacionamento com ele. Na realidade, convida-nos a nos achegar a ele. (Tiago 4:8) Não deve esse convite fazer-nos refletir sobre a provisão sem igual da oração? É muito difícil marcar uma entrevista com uma importante autoridade governamental, quanto mais tornar-se seu amigo! No entanto, o Criador do Universo nos incentiva a nos achegar a ele livremente em oração, sempre que quisermos ou precisarmos fazer isso. (Salmo 37:5) Nossas orações incessantes nos ajudam a ter uma amizade achegada com Jeová.

6. O que o exemplo de Jesus nos ensina a respeito da necessidade de ‘orar continuamente’?

6 No entanto, como é fácil negligenciar as orações! Lidar com as pressões da vida pode absorver tanto de nossa atenção, que deixamos de fazer esforço para falar com Deus. Jesus incentivou seus discípulos a ‘orar continuamente’, e ele mesmo fazia isso. (Mateus 26:41) Embora ele estivesse constantemente ocupado desde a manhã até o anoitecer, reservava tempo para falar com seu Pai celestial. Às vezes Jesus se levantava “de manhã cedo, quando ainda estava escuro”, para orar. (Marcos 1:35) Em outras ocasiões, ele se retirava para um lugar isolado, no fim do dia, para orar a Jeová. (Mateus 14:23) Jesus sempre reservava tempo para orar, e nós devemos fazer o mesmo. — 1 Pedro 2:21.

7. Que circunstâncias devem motivar-nos a falar diariamente com nosso Pai celestial?

 7 Muitas vezes, durante o dia, surgem momentos apropriados para orarmos em particular, quando enfrentamos problemas, nos confrontamos com tentações e temos de tomar decisões. (Efésios 6:18) Ao passo que procuramos a orientação de Deus em todos os aspectos da vida, nossa amizade com ele certamente se aprofunda. Quando dois amigos enfrentam problemas juntos, isso não reforça os vínculos de amizade entre eles? (Provérbios 17:17) O mesmo se dá quando recorremos a Jeová e sentimos a sua ajuda. — 2 Crônicas 14:11.

8. O que aprendemos dos exemplos de Neemias, Jesus e Ana a respeito da duração das nossas orações pessoais?

8 Devemos ser gratos a Deus por ele não estabelecer restrições à duração ou freqüência de nossas orações. Neemias proferiu uma oração curta e silenciosa antes de fazer uma petição ao rei da Pérsia. (Neemias 2:4, 5) Jesus também fez uma breve oração quando pediu que Jeová lhe desse poder para ressuscitar Lázaro. ( João 11:41, 42) Ana, por outro lado, orou “prolongadamente perante Jeová” ao lhe expor o que tinha no coração. (1 Samuel 1:12, 15, 16) Nossas orações podem ser breves ou longas, conforme a necessidade e as circunstâncias.

9. Por que devem as nossas orações incluir expressões de louvor e agradecimento por tudo o que Jeová faz por nós?

9 Muitas orações na Bíblia expressam, de coração, reconhecimento pela posição suprema de Jeová e gratidão pelas suas obras maravilhosas. (Êxodo 15:1-19; 1 Crônicas 16:7-36; Salmo 145) Numa visão, o apóstolo João viu os 24 anciãos — o número completo dos cristãos ungidos na sua posição celestial — louvarem a Jeová, dizendo: “Digno és, Jeová, sim, nosso Deus, de receber a glória, e a honra, e o poder, porque criaste todas as coisas e porque elas existiram e foram criadas por tua vontade.” (Revelação [Apocalipse] 4:10, 11) Nós também temos motivos para louvar regularmente ao Criador. Como os pais se sentem felizes quando seu filho lhes agradece de coração por algo que fizeram para ele! Refletirmos com apreço nos atos bondosos de Jeová e expressarmos de coração nossa gratidão por eles é um modo excelente de melhorar a qualidade das nossas orações.

“Orai incessantemente” — por quê?

10. Que papel desempenha a oração em fortalecer a nossa fé?

10 A oração regular é essencial para termos fé. Depois de Jesus ter ilustrado a necessidade  ‘de sempre orar e de nunca desistir’, ele perguntou: “Quando chegar o Filho do homem, achará realmente fé na terra?” (Lucas 18:1-8) As orações significativas, feitas de coração, edificam a fé. Quando o patriarca Abraão estava ficando velho e ainda não tinha descendente, dirigiu-se a Deus e falou sobre o assunto. Jeová, em resposta, primeiro pediu que olhasse para os céus e contasse as estrelas, se fosse capaz disso. Depois, Deus garantiu a Abraão: “Assim se tornará o teu descendente.” Qual foi o resultado disso? Abraão “depositou fé em Jeová; e este passou a imputar-lhe isso como justiça”. (Gênesis 15:5, 6) Se abrirmos o coração a Jeová em oração, aceitarmos as garantias que Ele dá na Bíblia e lhe obedecermos, ele fortalecerá a nossa fé.

11. Como a oração pode nos ajudar a lidar com problemas?

11 A oração também pode ajudar-nos a lidar com problemas. Será que a nossa vida é difícil e enfrentamos circunstâncias adversas? A Bíblia nos diz: “Lança teu fardo sobre o próprio Jeová, e ele mesmo te susterá. Nunca permitirá que o justo seja abalado.” (Salmo 55:22) Quando nos confrontamos com decisões difíceis, podemos imitar o exemplo de Jesus. Ele passou a noite inteira orando em particular antes de escolher os 12 apóstolos. (Lucas 6:12-16) E na noite antes de morrer, Jesus orou com tanta intensidade que “seu suor tornou-se como gotas de sangue caindo ao chão”. (Lucas 22:44) Com que resultado? “Ele foi ouvido favoravelmente pelo seu temor piedoso.” (Hebreus 5:7) Nossas orações fervorosas e incessantes nos ajudarão a lidar com situações estressantes e provas difíceis.

12. Como a oração mostra que Jeová tem interesse pessoal em nós?

12 Outro motivo de nos achegarmos a Jeová por meio da oração é que ele, por sua vez, se achega mais a nós. (Tiago 4:8) Quando abrimos o coração a Jeová em oração, não sentimos que ele está interessado nas nossas necessidades e cuida de nós ternamente? Sentimos de forma muito pessoal o amor de Deus. Jeová não delegou a outra pessoa a responsabilidade de escutar cada uma das orações que seus servos fazem a ele como seu Pai celestial. (Salmo 66:19, 20; Lucas 11:2) E nos convida a ‘lançar sobre ele toda a nossa ansiedade, porque tem cuidado de nós’. — 1 Pedro 5:6, 7.

13, 14. Que motivos temos para orar incessantemente?

13 A oração pode infundir em nós maior zelo pelo ministério público e fortalecer-nos quando a apatia ou a oposição talvez nos faça querer  parar. (Atos 4:23-31) A oração também pode proteger-nos contra “as maquinações do Diabo”. (Efésios 6:11, 17, 18) Ao enfrentarmos as provações diárias, podemos pedir constantemente que Deus nos fortaleça. A oração-modelo de Jesus inclui o pedido para que Jeová ‘nos livre do iníquo’, Satanás, o Diabo. — Mateus 6:13.

14 Se continuarmos a orar por ajuda para controlar nossas inclinações pecaminosas, sentiremos a mão ajudadora de Jeová. Temos a seguinte garantia: “Deus é fiel, e ele não deixará que sejais tentados além daquilo que podeis agüentar, mas, junto com a tentação, ele proverá também a saída, a fim de que a possais agüentar.” (1 Coríntios 10:13) O próprio apóstolo Paulo sentiu o cuidado fortalecedor de Jeová numa ampla variedade de situações. “Para todas as coisas tenho força em virtude daquele que me confere poder”, disse ele. — Filipenses 4:13; 2 Coríntios 11:23-29.

Persista em oração apesar das falhas

15. O que pode acontecer quando a nossa conduta não está à altura das normas de Deus?

15 Para que as nossas orações sejam ouvidas favoravelmente, não podemos rejeitar o conselho da Palavra de Deus. “Tudo o que pedimos recebemos dele”, escreveu o apóstolo João, “porque estamos observando os seus mandamentos e estamos fazendo as coisas que são agradáveis aos seus olhos”. (1 João 3:22) Mas o que pode acontecer se a nossa conduta não estiver à altura das normas de Deus? Adão e Eva se esconderam depois do seu pecado no jardim do Éden. Talvez também estejamos inclinados a nos esconder “da face de Jeová” e parar de orar. (Gênesis 3:8) “Tenho notado que, no caso dos que se afastam de Jeová e da sua organização, quase sempre o primeiro erro que cometem é o de deixar de orar”, observa Klaus, um experiente superintendente viajante. (Hebreus 2:1) Isso se deu com José Ángel. Ele diz: “Durante quase oito anos eu raramente orei a Jeová. Não me sentia digno de me dirigir a ele, embora ainda o considerasse meu Pai celestial.”

16, 17. Cite exemplos de como a oração regular pode nos ajudar a superar a fraqueza espiritual.

16 Alguns de nós talvez nos sintamos indignos de orar por causa de fraqueza espiritual ou por estarmos envolvidos em transgressão. Mas é exatamente nessas ocasiões que precisamos aproveitar plenamente a provisão da oração. Jonas fugiu de sua designação. Mas, ‘em aflição, Jonas clamou a Jeová, e Ele passou a responder-lhe. Do ventre do Seol Jonas clamou por ajuda, e Jeová ouviu a sua voz’. ( Jonas 2:2) Jonas orou, Jeová respondeu a sua oração, e Jonas se recuperou espiritualmente.

17 José Ángel também orou fervorosamente pedindo ajuda. Ele se lembra: “Abri meu coração e roguei a Deus que me perdoasse. E ele realmente me ajudou. Não acho que teria voltado para a verdade sem a ajuda da oração. Agora oro todos os dias com regularidade, e aguardo ansiosamente essas ocasiões.” Sempre devemos sentir-nos à vontade para falar francamente com Deus sobre os nossos erros e com humildade pedir o seu perdão. Quando o Rei Davi confessou as suas transgressões, Jeová lhe perdoou os pecados. (Salmo 32:3-5) Jeová quer ajudar-nos, não condenar-nos. (1 João 3:19, 20) E as orações dos anciãos da congregação podem nos ajudar espiritualmente, porque essas petições têm “muita força”. — Tiago 5:13-16.

18. Que confiança podem ter os servos de Deus, não importa quanto talvez tenham se desviado?

 18 Qual é o pai que rejeitaria o filho que humildemente recorresse a ele pedindo ajuda e conselho depois de cometer uma falha? A parábola do filho pródigo mostra que, não importa quanto tenhamos nos desviado, nosso Pai celestial se alegra quando voltamos para ele. (Lucas 15:21, 22, 32) Jeová exorta todos os errantes a recorrerem a ele, “porque perdoará amplamente”. (Isaías 55:6, 7) Embora Davi tivesse cometido vários pecados graves, ele clamou a Jeová, dizendo: “Dá deveras ouvidos à minha oração, ó Deus; e não te ocultes diante do meu pedido de favor.” Disse também: “À noitinha e de manhã, bem como ao meio-dia, somente me preocupo e solto gemidos, e ele [Jeová] ouve a minha voz.” (Salmo 55:1, 17) Como isso é reanimador!

19. Por que não devemos concluir que orações aparentemente não atendidas sejam evidência da desaprovação de Deus?

19 E se o nosso pedido não for logo atendido? Então temos de certificar-nos de que ele esteja em harmonia com a vontade de Jeová e que seja feito no nome de Jesus. ( João 16:23; 1 João 5:14) O discípulo Tiago referiu-se a alguns cristãos cujas orações não foram atendidas, porque eles estavam “pedindo com propósito errado”. (Tiago 4:3) Por outro lado, não devemos logo concluir que as orações aparentemente não atendidas sempre são evidência da desaprovação de Deus. Jeová pode às vezes permitir que adoradores fiéis continuem por algum tempo a orar sobre um assunto antes de a resposta dele se tornar evidente. “Persisti em pedir, e dar-se-vos-á”, disse Jesus. (Mateus 7:7) Por isso, temos de ‘persistir em oração’. — Romanos 12:12.

Ore regularmente

20, 21. (a) Por que precisamos orar incessantemente nestes “últimos dias”? (b) O que receberemos se nos dirigirmos diariamente ao trono de benignidade imerecida de Jeová?

20 As pressões e os problemas se multiplicam nestes “últimos dias”, marcados por “tempos críticos, difíceis de manejar”. (2 Timóteo 3:1) E as provações podem facilmente se tornar fonte de preocupação. No entanto, as nossas incessantes orações nos ajudarão a manter a vida direcionada para as coisas espirituais, apesar de persistentes problemas, tentações e desânimo. Orarmos diariamente a Jeová pode dar-nos o apoio vital de que precisamos.

21 Jeová, o “Ouvinte de oração”, nunca está ocupado demais para nos escutar. (Salmo 65:2) Nunca estejamos ocupados demais para nos dirigir a ele. Nossa amizade com Deus é o bem mais valioso que temos. Nunca devemos encará-la como automática. “Aproximemo-nos, portanto, com franqueza no falar, do trono de benignidade imerecida, para obtermos misericórdia e acharmos benignidade imerecida para ajuda no tempo certo.” — Hebreus 4:16.

Como responderia?

• O que aprendemos do profeta Daniel sobre o valor da oração?

• Como podemos fortalecer nossa amizade com Jeová?

• Por que devemos orar incessantemente?

• Por que sentimentos de desmerecimento não devem impedir-nos de orar a Jeová?

[Perguntas de Estudo]

[Foto na página 16]

Neemias fez uma oração curta e silenciosa antes de falar com o rei

[Foto na página 17]

Ana orou “prolongadamente perante Jeová”

[Fotos na página 18]

Jesus passou a noite inteira orando antes de escolher os 12 apóstolos

[Fotos na página 20]

Durante todo o dia surgem oportunidades para orar