Pular para conteúdo

Pular para sumário

Confie plenamente em Jeová em tempos de aflição

Confie plenamente em Jeová em tempos de aflição

 Confie plenamente em Jeová em tempos de aflição

“Deus é para nós refúgio e força, uma ajuda encontrada prontamente durante aflições.” — SALMO 46:1.

1, 2. (a) Que exemplo mostra que não basta afirmar que confiamos em Deus? (b) Por que temos de fazer mais do que apenas dizer que confiamos em Jeová?

UMA coisa é afirmar que confiamos em Deus. Outra coisa bem diferente é mostrarmos isso pelas nossas ações. Por exemplo, a frase “Em Deus Confiamos” já por muito tempo aparece nas cédulas e nas moedas dos Estados Unidos. * Em 1956, o Congresso americano aprovou uma lei declarando que essa expressão era o lema nacional dos Estados Unidos. É irônico que muitas pessoas — não apenas naquele país, mas no mundo todo — tenham mais confiança no dinheiro e na riqueza material do que em Deus. — Lucas 12:16-21.

2 Nós, como verdadeiros cristãos, temos de fazer mais do que apenas dizer que confiamos em Jeová. Assim como “a fé sem obras está morta”, também a afirmação de que confiamos em Deus não tem sentido, a menos que a apoiemos com ações. (Tiago 2:26) No artigo precedente, aprendemos que manifestamos a nossa confiança em Jeová por nos dirigirmos a ele em oração, por procurarmos obter instrução da sua Palavra e por recorrermos à sua organização para orientação. Consideremos agora como podemos dar esses três passos em tempos de aflição.

Quando se perde o emprego ou a renda é baixa

3. Com que pressões econômicas se confrontam os servos de Jeová nestes “tempos críticos”, e como sabemos que Deus está disposto a nos ajudar?

3 Nos atuais “tempos críticos”, nós, cristãos, sofremos as mesmas pressões econômicas que outras pessoas. (2 Timóteo 3:1) Portanto, podemos perder de repente o nosso emprego. Ou talvez não tenhamos outra escolha senão trabalhar  muitas horas por um salário baixo. Em tais circunstâncias, talvez achemos difícil ‘fazer provisões para os nossos próprios’. (1 Timóteo 5:8) Será que o Deus Altíssimo, nessas ocasiões, está disposto a nos ajudar? Definitivamente que sim! É claro que Jeová não nos protege contra todas as dificuldades da vida neste sistema de coisas. Contudo, se confiarmos nele, em nosso caso se mostrarão verazes as palavras do Salmo 46:1: “Deus é para nós refúgio e força, uma ajuda encontrada prontamente durante aflições.” No entanto, como podemos mostrar que confiamos plenamente em Jeová em épocas de dificuldades financeiras?

4. Quando nos confrontamos com problemas financeiros, o que podemos pedir em oração, e como Jeová responde a tais orações?

4 Um modo de mostrarmos a nossa confiança em Jeová é recorrer a ele em oração. Mas o que podemos pedir em oração? Bem, quando nos confrontamos com problemas financeiros, talvez precisemos mais do que nunca de sabedoria prática. Portanto, não deixe de orar, pedindo-a! A Palavra de Jeová nos assegura: “Se alguém de vós tiver falta de sabedoria, persista ele em pedi-la a Deus, pois ele dá generosamente a todos, e sem censurar; e ser-lhe-á dada.” (Tiago 1:5) Sim, peça sabedoria a Jeová — a capacidade de fazer bom uso de conhecimento, entendimento e discernimento — para tomar decisões sábias e fazer escolhas certas. Nosso amoroso Pai celestial nos assegura que ouvirá tais orações. Ele está sempre disposto a endireitar as veredas dos que confiam nele de todo o coração. — Salmo 65:2; Provérbios 3:5, 6.

5, 6. (a) Por que podemos recorrer à Palavra de Deus a fim de obter ajuda para lidar com pressões econômicas? (b) O que poderíamos fazer para reduzir a ansiedade quando nos confrontamos com a perda do emprego?

5 Recorrer à Palavra de Deus para obter orientação é outro modo de mostrar que confiamos em Jeová. As suas advertências sábias, encontradas na Bíblia, têm mostrado ser “mui fidedignas”. (Salmo 93:5) Embora esse livro inspirado tenha sido completado há mais de 1.900 anos, contém conselho confiável e perspicácia que pode ajudar-nos a lidar melhor com pressões econômicas. Veja alguns exemplos de sabedoria bíblica.

6 O sábio Rei Salomão observou há muito tempo: “Doce é o sono de quem serve, quer seja pouco quer muito o que ele come; mas a fartura do rico não o deixa dormir.” (Eclesiastes 5:12) Requer tempo e dinheiro para consertar, limpar, manter e proteger bens materiais. De modo que, quando nos confrontamos com a perda do emprego, talvez possamos aproveitar a oportunidade para reexaminar nosso estilo de vida e tentar separar as necessidades dos desejos. Para reduzirmos a ansiedade, talvez seja sábio fazer algumas mudanças. Por exemplo, é possível simplificarmos a vida, talvez mudando-nos para uma casa menor ou desfazendo-nos de bens materiais desnecessários? — Mateus 6:22.

7, 8. (a) Como Jesus mostrou que se apercebia de que seres humanos imperfeitos têm a tendência de se preocupar demais com coisas materiais? (Veja também a nota de rodapé.) (b) Que conselho sábio Jesus deu sobre como evitar a ansiedade indevida?

7 No Sermão do Monte, Jesus aconselhou: “Parai de estar ansiosos pelas vossas almas, quanto a que haveis de comer ou quanto a que haveis de beber, ou pelos vossos corpos, quanto a que haveis de vestir.” * (Mateus 6:25) Jesus sabia que seres humanos imperfeitos naturalmente se preocupam em obter as necessidades básicas. No entanto, como podemos ‘parar de estar ansiosos’ por tais coisas? “Persisti . . . em buscar primeiro o reino”, disse Jesus. Não importa com que problemas nos confrontemos, temos de continuar a dar prioridade à adoração de Jeová na nossa vida. Se fizermos isso, então todas as  nossas necessidades diárias nos “serão acrescentadas” pelo nosso Pai celestial. De uma forma ou de outra, ele nos ajudará a perseverar. — Mateus 6:33.

8 Jesus deu mais este conselho: “Nunca estejais ansiosos quanto ao dia seguinte, pois o dia seguinte terá as suas próprias ansiedades.” (Mateus 6:34) Não é sábio ficar indevidamente ansioso pelo que pode acontecer amanhã. Um erudito observou: “Nossos temores quanto ao futuro dificilmente correspondem à realidade.” Acatarmos humildemente o conselho bíblico de enfocarmos bem as nossas prioridades e de vivermos um dia por vez pode ajudar-nos a evitar a ansiedade indevida. — 1 Pedro 5:6, 7.

9. Quando nos confrontamos com problemas financeiros, que ajuda podemos encontrar nas publicações do “escravo fiel e discreto”?

9 Quando nos confrontamos com problemas financeiros, também podemos mostrar que confiamos em Jeová por recorrer às publicações do “escravo fiel e discreto” em busca de ajuda. (Mateus 24:45) De vez em quando, a revista Despertai! publica artigos com conselhos e sugestões úteis sobre como enfrentar desafios econômicos. O artigo “Perder o Emprego — Quais São as Soluções?”, na revista de 8 de agosto de 1991, apresentou oito orientações práticas que têm ajudado muitos a manter o equilíbrio em sentido financeiro e emocional ao se confrontarem com a perda do emprego. * Naturalmente, essas orientações têm de ser equilibradas com o conceito correto sobre a verdadeira importância do dinheiro. Isso foi considerado no artigo “Algo Mais Vital do que o Dinheiro”, publicado no mesmo número da revista. — Eclesiastes 7:12.

Quando sofremos problemas de saúde

10. Como o exemplo do Rei Davi mostra que é realístico confiar em Jeová quando sofremos uma doença grave?

10 Será que é realístico confiar em Jeová quando sofremos uma doença grave? Sem dúvida! Jeová é solidário com os doentes entre o seu povo. Além disso, está disposto a ajudar. Por exemplo, pense no caso do Rei Davi. É possível que ele estivesse gravemente doente quando escreveu a respeito de como Deus trata um justo que adoece. Davi disse: “O próprio Jeová o amparará no divã de enfermidade; certamente transformarás toda a sua cama durante a sua doença.” (Salmo 41:1, 3, 7, 8) A confiança que Davi tinha em Deus continuou forte, e por fim o rei se recuperou da doença. No entanto, como  podemos mostrar confiança em Deus quando afligidos por problemas de saúde?

11. Quando acometidos por doença, o que podemos pedir ao nosso Pai celestial?

11 Quando acometidos por doença, um modo de mostrarmos confiança em Jeová é rogar a ele por meio de oração para que nos ajude a perseverar. Podemos pedir que nos ajude a usar de “sabedoria prática” para alcançar certa medida de saúde conforme nossas circunstâncias realisticamente permitem. (Provérbios 3:21) Podemos também pedir que nos ajude a ter paciência e perseverança para suportar a doença. Acima de tudo, queremos pedir a Jeová que ele nos sustente, dando-nos força para continuarmos fiéis a ele e não perdermos nosso equilíbrio, não importa o que aconteça. (Filipenses 4:13) Mantermos a nossa integridade a Deus é ainda mais importante do que preservar a nossa vida atual. Se mantivermos a nossa integridade, o Grande Recompensador nos dará vida e saúde perfeitas, por toda a eternidade. — Hebreus 11:6.

12. Que princípios bíblicos podem ajudar-nos a tomar decisões sábias referentes a tratamento médico?

12 Nossa confiança em Jeová também nos move a recorrer à sua Palavra, a Bíblia, para obter orientação prática. Os princípios encontrados nas Escrituras podem ajudar-nos a tomar decisões sábias referentes a tratamento médico. Por exemplo, reconhecer que a Bíblia condena a “prática de espiritismo” fará com que evitemos qualquer método diagnóstico ou terapia que envolva o espiritismo. (Gálatas 5:19-21; Deuteronômio 18:10-12) Veja outro exemplo da sabedoria prática da Bíblia: “Qualquer inexperiente põe fé em cada palavra, mas o argucioso considera os seus passos.” (Provérbios 14:15) Portanto, ao considerar um tratamento médico, será prudente procurarmos informações confiáveis, em vez de pôr “fé em cada palavra”. Tal “bom juízo” pode ajudar-nos a avaliar bem as opções e a tomar uma decisão com conhecimento de causa. — Tito 2:12.

13, 14. (a) Que artigos informativos sobre saúde têm sido publicados nas revistas A Sentinela e Despertai!? (Veja o quadro na página 17.) (b) Que conselho sobre como lidar com doenças crônicas foi apresentado na Despertai! de 22 de janeiro de 2001?

13 Podemos também mostrar nossa confiança em Jeová por pesquisar as publicações do escravo fiel. As revistas A Sentinela e Despertai! publicam ocasionalmente artigos informativos sobre uma grande variedade de problemas específicos de saúde e doenças. * De vez em quando, essas revistas têm publicado artigos escritos por pessoas que tiveram êxito em lidar com diversas enfermidades, doenças e deficiências físicas. Além disso, certos artigos têm oferecido sugestões bíblicas, bem como conselhos práticos, sobre como conviver com problemas crônicos de saúde.

14 Por exemplo, a Despertai! de 22 de janeiro de 2001 destacou a série de artigos de capa “Consolo para os doentes”. Os artigos apresentaram princípios bíblicos úteis, bem como informações  de primeira mão, obtidas de entrevistas com pessoas informadas, que convivem por muitos anos com doenças incapacitantes. O artigo “Como conviver com a doença?” ofereceu o seguinte conselho: Aprenda o que razoavelmente puder sobre a sua doença. (Provérbios 24:5) Estabeleça alvos razoáveis, inclusive alvos que envolvam ajudar outros, mas dê-se conta de que talvez não consiga alcançar os mesmos objetivos que outros podem alcançar. (Atos 20:35; Gálatas 6:4) Evite o isolamento social. (Provérbios 18:1) Quando outros o visitam torne a ocasião agradável para eles. (Provérbios 17:22) Acima de tudo, mantenha um vínculo achegado com Jeová e com a congregação. (Naum 1:7; Romanos 1:11, 12) Não somos gratos pela orientação fidedigna que Jeová dá por meio da sua organização?

Quando uma fraqueza carnal persiste

15. Como Paulo conseguiu ser bem-sucedido na sua luta contra as fraquezas da carne imperfeita, e que certeza podemos ter?

15 “Na minha carne, não mora nada bom”, escreveu o apóstolo Paulo. (Romanos 7:18) Paulo sabia por experiência própria quão difícil pode ser a luta contra os desejos e as fraquezas da carne imperfeita. No entanto, ele tinha também a confiança de que poderia ser bem-sucedido. (1 Coríntios 9:26, 27) Como? Por confiar plenamente em Jeová. Por isso, Paulo podia dizer: “Homem miserável que eu sou! Quem me resgatará do corpo que é submetido a esta morte? Graças a Deus, por intermédio de Jesus Cristo, nosso Senhor!” (Romanos 7:24, 25) Que dizer de nós? Também temos de lutar contra as fraquezas carnais. Ao combatermos tais fraquezas, é fácil perder a confiança e convencer-nos de que nunca vamos conseguir. Mas Jeová nos ajudará, se nós, assim como Paulo, realmente confiarmos nele e não apenas na nossa própria força.

16. Se uma fraqueza carnal persistir, em prol de que poderemos orar, e o que devemos fazer se tivermos uma recaída?

16 Se uma fraqueza carnal persistir, poderemos mostrar que confiamos em Jeová por implorar-lhe por meio de oração. Temos de pedir, até mesmo rogar, a ele a ajuda do seu espírito  santo. (Lucas 11:9-13) Podemos pedir especificamente autodomínio, que faz parte dos frutos do espírito de Deus. (Gálatas 5:22, 23) O que devemos fazer se tivermos uma recaída? Acima de tudo, não devemos desistir. Que nunca nos cansemos de orar humildemente ao nosso Deus misericordioso, pedindo-lhe perdão e ajuda. Jeová nunca rejeitará um coração “quebrantado e esmagado” pelo fardo duma consciência pesada. (Salmo 51:17) Se suplicarmos a ele com o coração sincero e contrito, Jeová nos ajudará a combater a tentação. — Filipenses 4:6, 7.

17. (a) Por que é útil refletir sobre o que Jeová pensa da fraqueza que talvez estejamos combatendo? (b) Que textos podemos memorizar para combater um gênio explosivo, controlar a língua ou resistir à tendência de nos entregar a diversões impróprias?

17 Podemos também mostrar que confiamos em Jeová por buscar ajuda na sua Palavra. Por usarmos uma concordância bíblica ou o Índice das Publicações da Torre de Vigia, podemos procurar a resposta à pergunta: ‘O que Jeová pensa dessa fraqueza que estou combatendo?’ Refletirmos sobre o que Jeová acha do assunto pode fortalecer nosso desejo de agradá-lo. Assim, podemos passar a sentir o mesmo que ele sente, odiando o que ele odeia. (Salmo 97:10) Alguns constataram que é útil memorizar textos bíblicos relacionados com a fraqueza contra a qual lutam. Lutamos contra um gênio explosivo? Nesse caso, podemos decorar textos tais como Provérbios 14:17 e Efésios 4:31. Achamos difícil controlar a língua? Podemos memorizar textos tais como Provérbios 12:18 e Efésios 4:29. Temos a tendência de nos entregar a diversões impróprias? Podemos tentar recordar versículos tais como Efésios 5:3 e Colossenses 3:5.

18. Por que não devemos deixar que o constrangimento nos refreie de pedirmos a ajuda de anciãos para vencer uma fraqueza?

18 Procurar na congregação a ajuda de anciãos designados pelo espírito é outro modo de demonstrarmos nossa confiança em Jeová. (Atos 20:28) Afinal, essas “dádivas em homens” são uma provisão de Jeová, por meio de Cristo, para proteger suas ovelhas e cuidar delas. (Efésios 4:7, 8, 11-14) Deve-se admitir que nem sempre é fácil pedir ajuda para combater uma fraqueza. Podemos sentir-nos constrangidos, temendo que o bom conceito que os anciãos têm a nosso respeito diminua. Sem dúvida, porém, esses homens espiritualmente maduros nos respeitarão pela coragem de pedir a ajuda deles. Além disso, os anciãos procuram refletir as qualidades do próprio Jeová ao lidarem com o rebanho. O consolo e o valor prático de seu conselho e instrução,  provenientes da Palavra de Deus, talvez sejam exatamente o que precisamos para fortalecer o suficiente nossa determinação de vencer a fraqueza. — Tiago 5:14-16.

19. (a) Como Satanás procura usar a futilidade da vida neste sistema? (b) O que está envolvido em ter confiança, e qual deve ser a nossa firme determinação?

19 Nunca se esqueça de que Satanás sabe que o tempo dele é curto. (Revelação [Apocalipse] 12:12) Ele quer usar a futilidade da vida neste mundo para nos desanimar e nos fazer desistir. Tenhamos plena confiança no que Romanos 8:35-39 diz: “Quem nos separará do amor do Cristo? Acaso tribulação, ou aflição, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada? . . . Ao contrário, em todas estas coisas estamos sendo completamente vitoriosos, por intermédio daquele que nos amou. Pois estou convencido de que nem a morte, nem a vida, nem anjos, nem governos, nem coisas presentes, nem coisas por vir, nem poderes, nem altura, nem profundidade, nem qualquer outra criação será capaz de nos separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.” Que declaração de confiança em Jeová! Essa confiança, porém, não é apenas um mero sentimento. Antes, é uma confiança que envolve as decisões ponderadas que tomamos no dia-a-dia. Portanto, estejamos firmemente determinados a confiar plenamente em Jeová em tempos de aflição.

[Nota(s) de rodapé]

^ parágrafo 1 Numa carta dirigida à casa da moeda dos Estados Unidos, com data de 20 de novembro de 1861, o Secretário do Tesouro, Salmon P. Chase, escreveu: “Nenhuma nação pode ser forte a não ser com a força de Deus, nem segura, exceto com a Sua defesa. A confiança que o nosso povo tem em Deus deve ser declarada nas nossas moedas nacionais.” Em resultado disso, o lema “Em Deus Confiamos” apareceu pela primeira vez numa moeda em circulação nos Estados Unidos em 1864.

^ parágrafo 7 Diz-se que a ansiedade descrita aqui é um “temor aflitivo que tira a alegria de viver”. Algumas versões dizem “não fiquem preocupados” ou “não vos preocupeis”. Mas essas versões dão a entender que não devemos começar a ficar ansiosos ou preocupados. Uma obra de referência diz: “O tempo do verbo grego é o imperativo presente, indicando uma ordem de parar de fazer algo já em andamento.”

^ parágrafo 9 Os oito pontos são os seguintes: (1) Não entre em pânico; (2) pense positivamente; (3) abra a mente para novos tipos de trabalho; (4) viva de acordo com seus recursos — não os de outrem; (5) tenha cuidado com as compras a crédito; (6) mantenha a família unida; (7) conserve sua auto-estima; e (8) elabore um orçamento.

^ parágrafo 13 Essas revistas baseadas na Bíblia não endossam nem promovem qualquer tratamento médico específico, reconhecendo que esse é um assunto de decisão pessoal. Antes, os artigos que tratam de doenças ou enfermidades específicas têm por objetivo informar os leitores a respeito dos fatos atualmente conhecidos.

Lembra-se?

• Quando confrontados com problemas econômicos, como podemos demonstrar que confiamos em Jeová?

• Como podemos mostrar que confiamos em Deus quando temos problemas de saúde?

• Se uma fraqueza carnal persistir, como podemos mostrar que realmente confiamos em Jeová?

[Perguntas de Estudo]

[Quadro na página 17]

Lembra-se destes artigos?

Quando somos afligidos por problemas de saúde, é animador ler a respeito de outros que tiveram bom êxito ao enfrentar enfermidades, doenças ou deficiências físicas. Seguem-se alguns artigos que foram publicados nas revistas A Sentinela e Despertai!.

“Enfrentando minhas fraquezas” tratou de como lidar com pensamentos negativos e a depressão. — A Sentinela de 1.° de maio de 1990.

“Nem um pulmão de aço a impedia de pregar”. — Despertai! de 22 de janeiro de 1993.

“Uma bala mudou a minha vida” enfocava como lidar com a paralisia. — Despertai! de 22 de outubro de 1995.

“Nem sabeis qual será a vossa vida amanhã” considerou como lidar com o distúrbio bipolar. — A Sentinela de 1.° de dezembro de 2000.

“Loida vivia num mundo de silêncio” enfocava como lidar com a paralisia cerebral. — Despertai! de 8 de maio de 2000.

“Minha luta contra a endometriose”. — Despertai! de 22 de julho de 2000.

“Minha luta contra a esclerodermia”. — Despertai! de 8 de agosto de 2001.

“Venci a luta contra a depressão pós-parto”. — Despertai! de 22 de julho de 2002.

[Foto na página 15]

Quando confrontados com a perda do emprego, é sábio reexaminarmos nosso estilo de vida

[Foto na página 16]

A história de Loida mostra como a confiança em Jeová ajuda-nos a perseverar. (Veja o quadro na página 17)

[Foto na página 18]

Não devemos sentir-nos constrangidos para pedir ajuda para vencer as nossas fraquezas