Pular para conteúdo

Pular para sumário

Por que celebrar a Refeição Noturna do Senhor?

Por que celebrar a Refeição Noturna do Senhor?

 Por que celebrar a Refeição Noturna do Senhor?

“Eu recebi do Senhor o que também vos transmiti.” — 1 CORÍNTIOS 11:23.

1, 2. O que Jesus fez na noite da Páscoa em 33 EC?

O FILHO unigênito de Jeová e onze homens que ‘haviam ficado com ele nas suas provações’ estavam presentes. (Lucas 22:28) Era a noite de quinta-feira, 31 de março de 33 EC, e é provável que a lua cheia embelezasse o céu acima de Jerusalém. Jesus Cristo e seus apóstolos acabavam de concluir a celebração da Páscoa. O traiçoeiro Judas Iscariotes fora convidado a se retirar, mas ainda não era hora para os outros partirem. Por que não? Porque Jesus estava para fazer algo de máxima importância. O quê?

2 Visto que o evangelista Mateus estava ali, deixemos que ele nos conte. Escreveu: “Jesus tomou um pão, e, depois de proferir uma bênção, partiu-o, e, dando-o aos discípulos, disse: ‘Tomai, comei. Isto significa meu corpo.’ Tomou também um copo, e, tendo dado graças, deu-lho, dizendo: ‘Bebei dele, todos vós; pois isto significa meu “sangue do pacto”, que há de ser derramado em benefício de muitos, para o perdão de pecados.’” (Mateus 26:26-28) Será que essa celebração era para ser realizada apenas uma vez? Qual era seu significado? Tem algum significado para nós, hoje?

“Persisti em fazer isso”

3. Por que foi significativo o que Jesus fez na noite de 14 de nisã de 33 EC?

3 O que Jesus Cristo fez na noite de 14 de nisã de 33 EC foi muito mais do que um incidente passageiro na sua vida. O apóstolo Paulo considerou isso ao escrever aos cristãos ungidos em Corinto, onde a observância instituída por Jesus ainda era realizada mais de 20 anos depois. Paulo não estava com Jesus e os 11 apóstolos em 33 EC, mas ele certamente soube de alguns dos apóstolos o que aconteceu naquela ocasião. Além disso, Paulo evidentemente obteve  confirmação de aspectos daquele evento por meio de uma revelação inspirada. Paulo disse: “Eu recebi do Senhor o que também vos transmiti, que o Senhor Jesus, na noite em que ia ser entregue, tomou um pão, e, depois de ter dado graças, partiu-o e disse: ‘Isto significa meu corpo em vosso benefício. Persisti em fazer isso em memória de mim.’ Ele fez o mesmo também com respeito ao copo, depois de tomar a refeição noturna, dizendo: ‘Este copo significa o novo pacto em virtude do meu sangue. Persisti em fazer isso, todas as vezes que o beberdes, em memória de mim.’” — 1 Coríntios 11:23-25.

4. Por que os cristãos devem celebrar a Refeição Noturna do Senhor?

4 O evangelista Lucas confirma o que Jesus ordenou: “Persisti em fazer isso em memória de mim.” (Lucas 22:19) Essas palavras são também vertidas assim: “Fazei isto em Minha memória.” (António de Brito Cardoso) Na realidade, essa observância é às vezes chamada de Comemoração da morte de Cristo. Paulo também a chama de Refeição Noturna do Senhor — um nome apropriado, visto que foi instituída à noite. (1 Coríntios 11:20) Os cristãos têm a ordem de celebrar a Refeição Noturna do Senhor. Mas por que se instituiu essa celebração?

Por que foi instituída

5, 6. (a) Qual foi um dos motivos de Jesus instituir a Comemoração? (b) Cite outro motivo de se instituir a Refeição Noturna do Senhor.

5 Um motivo de a Comemoração ter sido instituída teve que ver com um dos objetivos da morte de Jesus. Ele morreu como defensor da soberania do seu Pai celestial. Cristo provou assim que Satanás, o Diabo, que havia acusado falsamente os humanos de servirem a Deus apenas por motivos egoístas, era mentiroso. (Jó 2:1-5) A morte fiel de Jesus provou que essa alegação era falsa e alegrou o coração de Jeová. — Provérbios 27:11.

6 Outro motivo de se instituir a Refeição Noturna do Senhor foi para nos lembrar que, por meio da sua morte como humano perfeito, sem pecado, Jesus ‘deu a sua alma como resgate em troca de muitos’. (Mateus 20:28) Quando o primeiro homem pecou contra Deus, perdeu a vida humana perfeita e tudo que isso podia proporcionar. No entanto, Jesus disse: “Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, a fim de que todo aquele que nele exercer fé não seja destruído, mas tenha vida eterna.” (João 3:16) De fato, “o salário pago pelo pecado é a morte, mas o dom dado por Deus é a vida eterna por Cristo Jesus, nosso Senhor”. (Romanos 6:23) A celebração da Refeição Noturna do Senhor nos lembra do grande amor demonstrado tanto por Jeová como por seu Filho, expresso na morte sacrificial de Jesus. Quanto nós devemos apreciar esse amor!

Quando deve ser celebrada?

7. Em que sentido os cristãos ungidos proclamam a morte do Senhor todas as vezes que participam da Comemoração?

7 Referente à Refeição Noturna do Senhor, Paulo disse: “Todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este copo, estais proclamando a morte do Senhor, até que ele chegue.” (1 Coríntios 11:26) Os cristãos ungidos, individuais, tomariam dos emblemas da Comemoração até a morte. Assim, perante Jeová Deus e o mundo, proclamariam repetidamente sua fé na provisão de Deus, do resgate sacrificial de Jesus.

8. Por quanto tempo os ungidos, como grupo, deviam celebrar a Refeição Noturna do Senhor?

8 Por quanto tempo os cristãos ungidos, como grupo, celebrariam a Comemoração da morte de Cristo? “Até que ele chegue”, disse Paulo, evidentemente querendo dizer que continuariam a celebrá-la até que Jesus chegasse para receber no céu os seus seguidores ungidos por meio duma ressurreição durante a sua “presença”. (1 Tessalonicenses 4:14-17) Isso se harmoniza com as palavras de Jesus aos onze apóstolos leais: “Se eu for embora e vos preparar um lugar, virei novamente e vos acolherei a mim, para que, onde eu estiver, vós também estejais.” — João 14:3.

9. O que significam as palavras de Jesus registradas em Marcos 14:25?

 9 Quando Jesus instituiu a Comemoração, ele mencionou o copo de vinho e disse aos seus apóstolos fiéis: “De modo algum beberei mais do produto da videira, até o dia em que o beberei novo no reino de Deus.” (Marcos 14:25) Visto que Jesus não beberia vinho literal no céu, ele obviamente tinha em mente a alegria que às vezes é simbolizada pelo vinho. (Salmo 104:15; Eclesiastes 10:19) Ele e seus seguidores ansiariam com grande expectativa a experiência alegre de estarem juntos no Reino. — Romanos 8:23; 2 Coríntios 5:2.

10. Com que freqüência a Comemoração deve ser realizada?

10 Deve a morte de Jesus ser celebrada mensal, semanal ou mesmo diariamente? Não. Jesus instituiu a Refeição Noturna do Senhor e foi morto no dia da Páscoa, celebrada como “recordação” do livramento de Israel da servidão egípcia em 1513 AEC. (Êxodo 12:14) A Páscoa era realizada apenas uma vez por ano, no dia 14 do mês judaico de nisã. (Êxodo 12:1-6; Levítico 23:5) Isso indica que a morte de Jesus deve ser celebrada com a mesma freqüência da Páscoa — anualmente — não mensal, semanal ou diariamente.

11, 12. O que a História nos diz sobre as primeiras celebrações da Comemoração?

11 Por isso é apropriado celebrar a Comemoração anualmente em 14 de nisã. Certa obra de referência diz: “Os cristãos da Ásia Menor eram chamados de quartodecimanos [celebrantes do décimo quarto dia] por causa do seu costume de celebrar a pascha [a Refeição Noturna do Senhor] invariavelmente em 14 de nisã . . . A data podia cair numa sexta-feira ou em qualquer outro dia da semana.” — The New Schaff-Herzog Encyclopedia of Religious Knowledge (Nova Enciclopédia de Conhecimento Religioso, de Schaff-Herzog), Volume IV, página 44.

12 Comentando essa prática que havia no segundo século EC, o historiador J. L. von Mosheim diz que os quartodecimanos celebravam a Comemoração em 14 de nisã, porque “consideravam que o exemplo de Cristo tinha força de lei”. Outro historiador diz: “O costume das igrejas quartodecimanas da Ásia seguia o da igreja de Jerusalém. No 2.° século, essas igrejas, na sua Pascha no 14 de nisã, comemoravam a redenção realizada pela morte de Cristo.” — Studia Patristica, Volume V, 1962, página 8.

O significado do pão

13. Que tipo de pão Jesus usou quando instituiu a Refeição Noturna do Senhor?

13 Quando Jesus instituiu a Comemoração, “tomou um pão, proferiu uma bênção, partiu-o e o deu [aos apóstolos]”. (Marcos 14:22) O pão disponível naquela ocasião era o que se acabava de usar na Páscoa. (Êxodo 13:6-10) Visto que era feito sem fermento, era achatado, quebradiço, e tinha de ser partido para ser distribuído. O pão que Jesus multiplicou milagrosamente para alimentar milhares de pessoas também era do tipo fino e quebradiço, pois ele o partiu para poder distribuí-lo. (Mateus 14:19; 15:36) Pelo visto, então, partir o pão da Comemoração não tem nenhum significado espiritual.

14. (a) Por que é apropriado que o pão da Comemoração não tenha fermento? (b) Que tipo de pão pode ser adquirido ou feito para uso na Refeição Noturna do Senhor?

14 Referente ao pão usado quando instituiu a Comemoração, Jesus disse: “Isto significa meu corpo em vosso benefício.” (1 Coríntios 11:24; Marcos 14:22) Era apropriado que o pão fosse sem fermento. Por quê? Porque o fermento às vezes simboliza maldade, iniqüidade ou pecado. (1 Coríntios 5:6-8) O pão representava o corpo humano perfeito e sem pecado de Jesus, apropriadamente ofertado como sacrifício resgatador. (Hebreus 7:26; 10:5-10) Cientes disso, as Testemunhas de Jeová seguem o precedente estabelecido por Jesus, por usarem pão sem fermento na Comemoração. Em alguns casos, usam matzos (pães ázimos) judaicos, sem tempero e sem ingredientes extras tais como cebola ou ovos. Em outros casos, pão sem fermento  pode ser feito com uma pequena quantidade de farinha integral (quando possível, de trigo) misturada com um pouco de água. A massa deve ser esticada para ficar fina e pode ser assada numa forma levemente untada, até que o pão fique seco e crocante.

O significado do vinho

15. O que havia no copo que Cristo usou quando instituiu a Comemoração da sua morte?

15 Depois de passar o pão sem fermento, Jesus tomou um copo, “rendeu graças e o deu [aos apóstolos], e todos beberam dele”. Jesus explicou: “Isto significa meu ‘sangue do pacto’, que há de ser derramado em benefício de muitos.” (Marcos 14:23, 24) O que havia no copo? Vinho fermentado, não suco de uva. Quando as Escrituras mencionam vinho, não se referem ao suco de uva não fermentado. Por exemplo, o vinho fermentado, não o suco de uva, rebentaria “odres velhos”, como Jesus disse. E os inimigos de Cristo o acusavam de ser “dado a beber vinho”. Esta acusação não teria sentido se o vinho fosse apenas suco de uva. (Mateus 9:17; 11:19) Bebia-se vinho durante a celebração da Páscoa, e Cristo o usou quando instituiu a Comemoração da sua morte.

16, 17. Que tipo de vinho é apropriado para a Comemoração, e por quê?

16 Somente vinho tinto é um símbolo adequado do sangue derramado por Jesus, representado pelo conteúdo do copo. Ele mesmo disse: “Isto significa meu ‘sangue do pacto’, que há de ser derramado em benefício de muitos.” E o apóstolo Pedro escreveu: “[Vós, cristãos ungidos,] sabeis que não foi com coisas corruptíveis, com prata ou ouro, que fostes livrados da vossa forma infrutífera de conduta, recebida por tradição de vossos antepassados. Mas foi com sangue precioso, como o de um cordeiro sem mácula nem mancha, sim, o de Cristo.” — 1 Pedro 1:18, 19.

17 Sem dúvida, Jesus usou vinho tinto quando instituiu a Comemoração. Alguns vinhos tintos atuais, porém, não são aceitáveis, porque são fortificados com aguardente ou outro tipo de álcool, ou se acrescentam a eles ervas aromáticas e especiarias. O sangue de Jesus era adequado, não precisando de nenhum acréscimo. Portanto, vinhos tais como porto, xerez e vermute não seriam apropriados. O copo da Comemoração deve conter vinho não adocicado e não fortificado. Poderia usar-se vinho tinto sem adoçantes, feito em casa, e também vinhos tintos tais como o borgonha e o clarete.

18. Por que Jesus não realizou um milagre envolvendo o pão e o vinho da Comemoração?

18 Ao instituir essa refeição, Jesus não fez um milagre, transformando os emblemas em sua carne e seu sangue literais. Comer carne humana e beber sangue seria canibalismo, uma violação da lei de Deus. (Gênesis 9:3, 4; Levítico 17:10) O corpo de Jesus, inclusive seu sangue, ainda estava intacto. Seu corpo foi oferecido como sacrifício perfeito, e seu sangue foi derramado na tarde seguinte do mesmo dia judaico, 14 de nisã. Portanto, o pão e o vinho da Comemoração são de natureza emblemática, representando a carne e o sangue de Cristo. *

 A Comemoração — uma refeição de participação em comum

19. Por que se pode usar mais de um copo e mais de um prato na celebração da Refeição Noturna do Senhor?

19 Quando Jesus instituiu a Comemoração, ele convidou seus apóstolos fiéis a beberem do mesmo copo. O Evangelho de Mateus diz: “[Jesus] tomou . . . um copo, e, tendo dado graças, deu-lho, dizendo: ‘Bebei dele, todos vós.’” (Mateus 26:27) Usar apenas “um copo”, não diversos, não era problema, porque naquela ocasião apenas 11 participantes estavam ao redor de aparentemente uma única mesa e podiam com facilidade passar o copo de um para o outro. Este ano, milhões se reunirão para a Refeição Noturna do Senhor em mais de 94.000 congregações das Testemunhas de Jeová em todo o mundo. Com tantos reunidos para a celebração na mesma noite, apenas um copo não poderia ser usado por todos. No entanto, o princípio é mantido nas grandes congregações por se usarem vários copos para que possam ser passados pela assistência num tempo razoável. De modo similar, pode-se usar mais de um prato para o pão. Não há nada nas Escrituras que indique que o próprio copo ou cálice deva ser dum formato específico. Todavia, o copo e o prato devem refletir a dignidade da ocasião. É sábio evitar encher o copo a ponto de correr o risco de se derramar o vinho quando é passado entre os presentes.

20, 21. Por que podemos dizer que a Comemoração é uma refeição de participação em comum?

20 Embora se possa usar mais de um prato de pão e mais de um copo de vinho, a Comemoração é uma refeição de participação em comum. No Israel antigo, um homem podia fornecer uma refeição de participação em comum por levar um animal ao santuário de Deus, onde o animal era abatido. Parte do animal era queimada no altar. Tanto o sacerdote oficiante como os filhos sacerdotais de Arão recebiam uma parte, e o ofertante e sua família participavam da refeição. (Levítico 3:1-16; 7:28-36) A Comemoração também é uma refeição de participação em comum.

21 Jeová é o Autor dessa refeição de participação em comum. Jesus é o sacrifício, e os cristãos ungidos tomam dos emblemas como participantes em conjunto. Comer à mesa de Jeová significa que os participantes estão em paz com ele. Por isso, Paulo escreveu: “O copo de bênção que abençoamos, não é uma participação no sangue do Cristo? O pão que partimos, não é uma participação no corpo do Cristo? Porque há um só pão, nós, embora muitos, somos um só corpo, pois estamos todos participando daquele um só pão.” — 1 Coríntios 10:16, 17.

22. Que perguntas sobre a Comemoração ainda precisamos considerar?

22 A Refeição Noturna do Senhor é a única celebração religiosa anual realizada pelas Testemunhas de Jeová. Isso é apropriado, porque Jesus ordenou aos seus seguidores: “Persisti em fazer isso em memória de mim.” Na Comemoração, celebramos a morte de Jesus, a qual sustentou a soberania de Jeová. Como vimos, nessa refeição de participação em comum, o pão significa o corpo humano sacrificado de Cristo e o vinho, o seu sangue derramado. Todavia, são muito poucos os que tomam dos emblemáticos pão e vinho. Por que isso acontece? Será que a Comemoração tem um significado real para os milhões que não tomam dos emblemas? O que a Refeição Noturna do Senhor deve significar para você?

[Nota(s) de rodapé]

^ parágrafo 18 Veja o Volume 3, páginas 394-5, de Estudo Perspicaz das Escrituras, publicado pelas Testemunhas de Jeová.

Quais são as suas respostas?

• Por que Jesus instituiu a Refeição Noturna do Senhor?

• Com que freqüência a Comemoração deve ser celebrada?

• Qual é o significado do pão sem fermento da Comemoração?

• O que representa o vinho da Comemoração?

[Perguntas de Estudo]

[Foto na página 15]

Jesus instituiu a Refeição Noturna do Senhor