Pular para conteúdo

Pular para sumário

Jovens que amam a verdade

Jovens que amam a verdade

 Jovens que amam a verdade

“COMO purificará um moço a sua vereda?”, perguntou um salmista hebreu há milhares de anos. (Salmo 119:9) Essa pergunta ainda é válida hoje em dia, visto que os jovens se confrontam com muitos problemas no mundo. A atividade sexual promíscua expõe muitos jovens à Aids, sendo que cerca da metade dos portadores dessa terrível doença tem entre 15 e 24 anos de idade. O vício das drogas também causa muitos problemas, abreviando a vida de alguns jovens. Música degradante; filmes, programas de televisão e vídeos violentos e imorais; bem como a pornografia na Internet exercem uma devastadora influência sobre os jovens. Portanto, a pergunta feita pelo salmista é de grande preocupação para muitos pais e jovens hoje.

O mesmo salmista deu esta resposta à sua própria pergunta: “Por estar vigilante segundo a tua palavra.” A Palavra de Deus, a Bíblia, certamente contém excelentes orientações para os jovens, e muitos deles, por segui-las, são bem-sucedidos na vida. (Salmo 119:105) Examinemos alguns exemplos de jovens que amam a Deus e que se esforçam a continuar espiritualmente fortes num mundo materialista e voltado para os prazeres.

Eles são gratos pela orientação dos pais

Jacob Emmanuel foi ministro pioneiro de tempo integral por alguns anos antes de servir na sede das Testemunhas de Jeová no México. Ele se lembra com apreço como seu amor pelo serviço de Deus se desenvolveu: “Meus pais foram a principal influência, embora alguns experientes irmãos espirituais, com os quais passei a ter amizade, também tenham sido de muita ajuda. Eles me motivaram a amar a pregação. Amorosamente eles me orientaram a seguir o caminho certo e eu nunca senti que estavam me pressionando.”

David, que já está há vários anos no ministério de tempo integral, lembra-se de como ficou impressionado com o fato de que seus pais começaram a servir como pioneiros especiais quando ele e seu irmão ainda eram pequenos. Quando seu pai faleceu, sua mãe continuou a ser pioneira especial. Cuidava deles, além de pregar as boas novas. “Eles nunca me obrigaram a ser pioneiro”, diz David, “mas nós gostávamos tanto de realizar esse serviço em família, que o companheirismo e o ambiente me impeliram a fazer o mesmo”. David diz a respeito da importância da boa orientação e atenção dos pais: “Toda noitinha, minha mãe lia para nós histórias do livro Do Paraíso Perdido ao Paraíso Recuperado. * A maneira de ela as contar a nós ajudou-nos a amar o alimento espiritual.”

O apreço pelas reuniões

Alguns jovens acham difícil sentir apreço pelas reuniões cristãs. Vão a elas porque os pais os levam. No entanto, ao continuarem a assistir às reuniões, com o tempo podem passar a gostar delas. Considere o caso de Alfredo, que iniciou o serviço de tempo integral quando tinha 11 anos de  idade. Ele admite que, quando tinha uns cinco anos de idade, procurava meios de não ir às reuniões, porque lhe davam sono, mas os pais não o deixavam dormir durante as reuniões. Ele se lembra: “Ao passo que fui crescendo, aos poucos comecei a me interessar mais pelas reuniões, especialmente depois de aprender a ler e a escrever, porque passei a dar comentários com as minhas próprias palavras.”

Cintia, uma jovem de 17 anos, que serve como pioneira regular, conta como a boa associação desempenhou um grande papel em ela passar a gostar do serviço de Deus. Ela diz: “O bom relacionamento com os irmãos e a assistência regular às reuniões fizeram com que eu não sentisse falta de amigas e de atividades do mundo, tais como ir a danceterias, tão populares entre os jovens. Ouvir comentários e experiências nas reuniões criou em mim o desejo de dar a Jeová tudo o que tenho, e acho que a melhor coisa que tenho é a minha juventude. Por isso decidi usá-la no serviço dele.”

No entanto, ela admite: “Houve uma época, antes de eu ser batizada, em que eu achava fácil perder reuniões, usando deveres de casa ou outras atividades escolares como desculpa. Eu perdi várias reuniões, e isso passou a me afetar espiritualmente. Comecei a me associar com um rapaz que não estudava a Bíblia. Graças a Jeová, corrigi o assunto em tempo.”

Uma decisão pessoal

Quando se perguntou a Pablo, outro jovem que serve a Jeová por tempo integral, o que achava ser a base para se desenvolver amor pela verdade da Palavra de Deus, ele disse: “Acho que são duas coisas: o estudo pessoal regular e o zelo pela pregação. Sou grato aos meus pais por me terem ensinado a verdade a respeito de Jeová, e acho que essa foi a melhor coisa que me puderam dar. Ainda assim, preciso estar pessoalmente convencido do motivo de eu amar a Jeová. Para isso, é preciso saber ‘a largura e a profundidade’ da verdade bíblica. Só assim começamos a sentir anseio pela Palavra de Jeová, que cria dentro de nós ‘um fogo aceso’ para falarmos a outros sobre ela. Esse zelo pela pregação manterá vivo o nosso apreço pela verdade.” — Efésios 3:18; Jeremias 20:9.

Jacob Emmanuel, já mencionado, também se lembra da importância da escolha pessoal de servir a Jeová. Ele diz que seus pais nunca insistiram para ele ser batizado. “Acho que foi melhor assim, pois vejo o bom resultado que isso teve. Por exemplo, alguns dos jovens com quem eu me associava muito tomaram a decisão de ser batizados juntos. Embora isso fosse excelente, notei que alguns agiram por emoção, e que pouco depois seu zelo pelas atividades do Reino se desvaneceu. No meu caso, não fui pressionado por meus pais a dedicar-me a Jeová. Foi uma decisão pessoal.”

O papel desempenhado pela congregação

Alguns jovens aprenderam por conta própria a verdade da Palavra de Deus, sem a ajuda  dos pais. Certamente, sob tais circunstâncias não é fácil aprender a fazer o que é direito e persistir nisso.

Noé se lembra quanto a verdade o beneficiou. Desde bem jovem, ele tinha a tendência de ficar irado e ser violento. Quando começou a estudar a Bíblia à idade de 14 anos, seu temperamento começou a melhorar, o que fez com que seus pais, que na época não estavam interessados na Bíblia, se sentissem muito gratos. Ao passo que Noé progrediu espiritualmente, ele queria usar a vida de modo mais pleno no serviço de Deus. Agora ele é ministro de tempo integral.

De modo similar, Alejandro começou a se interessar pela verdade cristã quando ainda era bem jovem, embora seus pais não se interessassem por ela. Expressando seu apreço pela verdade, ele diz: “Fui criado num lar tradicionalmente católico. No entanto, sentia-me cada vez mais atraído pelo ateísmo comunista, visto que a Igreja não respondia às perguntas que haviam me perturbado desde a infância. A organização de Jeová me ajudou a obter conhecimento de Deus. Isso literalmente salvou minha vida porque, se não tivesse estudado a Bíblia, eu provavelmente me teria envolvido na imoralidade, no alcoolismo ou em drogas. Talvez até mesmo me tivesse tornado parte de algum grupo revolucionário, com conseqüências desastrosas.”

Como pode um jovem persistir na busca da verdade e apegar-se a ela sem o apoio dos pais? É óbvio que os anciãos e outros na congregação desempenham um papel muito importante. Noé se lembra: “Eu nunca me senti sozinho, visto que Jeová sempre estava perto de mim. Também tinha o apoio de muitos irmãos e irmãs amorosos que se tornaram meus pais, mães e irmãos espirituais.” Ele serve agora em Betel e dedica seu tempo ao serviço de Deus. Alejandro diz algo parecido: “Uma coisa pela qual eu sempre serei grato é que tive a bênção de estar numa congregação com um corpo de anciãos que mostrou interesse amoroso em mim como pessoa. Sou especialmente grato porque quando comecei a estudar a Bíblia eu tinha 16 anos, e passava por uma fase de agitação, típica dos jovens. Apesar disso, as famílias na congregação nunca me abandonaram. Sempre havia alguém que me recebia hospitaleiramente e compartilhava comigo não apenas sua casa e refeições, mas também o seu coração.” Alejandro já está no serviço de tempo integral por mais de 13 anos.

Alguns acham que a religião só serve para os de mais idade. No entanto, muitos jovens aprenderam a verdade bíblica quando tinham pouca idade, e eles chegaram a amar a Jeová e continuam fiéis a ele. A esses jovens podem ser aplicadas as palavras de Davi registradas no Salmo 110:3: “Teu povo se oferecerá voluntariamente no dia da tua força militar. Nos esplendores da santidade, da madre da alva, tens a tua companhia de homens jovens assim como gotas de orvalho.”

Exige esforço dos jovens aprender a verdade e apegar-se a ela. Dá muita alegria ver que muitos deles têm se mantido bem achegados à organização de Jeová, assistem regularmente às reuniões e estudam a Bíblia com diligência. Por fazerem isso, conseguiram cultivar amor genuíno pela Palavra e pelo serviço de Deus. — Salmo 119:15, 16.

[Nota(s) de rodapé]

^ parágrafo 6 Publicado pelas Testemunhas de Jeová em 1959; agora esgotado.