Pular para conteúdo

Pular para sumário

Eles continuam andando na verdade

Eles continuam andando na verdade

 Eles continuam andando na verdade

“Não tenho nenhuma causa maior para gratidão do que estas coisas, de que eu esteja ouvindo que os meus filhos estão andando na verdade.” — 3 JOÃO 4.

1. O que enfoca “a verdade das boas novas”?

JEOVÁ aprova apenas os que o adoram “com espírito e verdade”. (João 4:24) Estes obedecem à verdade, aceitando o conjunto inteiro dos ensinos cristãos baseados na Palavra de Deus. Esta “verdade das boas novas” enfoca Jesus Cristo e a vindicação da soberania de Jeová por meio do Reino. (Gálatas 2:14) Deus permite uma “operação do erro” para com aqueles que preferem a falsidade, mas a salvação depende de se ter fé nas boas novas e de se andar na verdade. — 2 Tessalonicenses 2:9-12; Efésios 1:13, 14.

2. Pelo que o apóstolo João era especialmente grato, e que relacionamento tinha com Gaio?

2 Os proclamadores do Reino são “colaboradores na verdade”. Assim como o apóstolo João e seu amigo Gaio, apegam-se resolutamente à verdade e andam nela. Pensando em Gaio, João escreveu: “Não tenho nenhuma causa maior para gratidão do que estas coisas, de que eu esteja ouvindo que os meus filhos estão andando na verdade.” (3 João 3-8) Mesmo que o idoso João não tenha apresentado a verdade a Gaio, a idade avançada, a madureza cristã e a afeição paternal do apóstolo tornavam apropriado que este homem, aparentemente mais jovem, fosse encarado como um dos filhos espirituais de João.

A verdade e a adoração cristã

3. Qual era o objetivo das reuniões realizadas pelos primeiros cristãos e como eles se beneficiavam delas?

3 Para aprender a verdade, os primeiros cristãos se reuniam como congregações, muitas vezes em lares particulares. (Romanos 16:3-5) Recebiam assim encorajamento e estimulavam uns aos outros ao amor e a obras excelentes. (Hebreus 10:24, 25) Referente aos que professavam ser cristãos em épocas posteriores, Tertuliano (c. 155-depois de 220 EC) escreveu: “Reunimo-nos para ler os livros de Deus . . . Com estas palavras sagradas alimentamos a nossa fé, soerguemos a nossa esperança, confirmamos a nossa confiança.” — Apologia, capítulo 39.

4. Que papel tem desempenhado o canto nas reuniões cristãs?

4 Cantar provavelmente fazia parte das primeiras reuniões cristãs. (Efésios 5:19; Colossenses 3:16) O Professor Henry Chadwick escreveu que o crítico Celso, do segundo século, achava que os cantos aparentemente melódicos usados  pelos professos cristãos eram “tão belos, que ele chegou a ficar incomodado com a influência que exerciam sobre suas emoções”. Chadwick acrescentou: “Clemente de Alexandria é o mais antigo escritor bíblico a falar sobre o tipo de música apropriada para uso cristão. Ele recomenda que não deve ser do tipo associado com a música de dança erótica.” (The Early Church [A Igreja Primitiva], páginas 274-5) Assim como os primeiros cristãos evidentemente cantavam quando se reuniam, assim as Testemunhas de Jeová muitas vezes entoam cânticos baseados na Bíblia, os quais incluem profundos louvores a Deus e ao Reino.

5. (a) Como se dava orientação espiritual nas primeiras congregações cristãs? (b) Como os verdadeiros cristãos têm aplicado as palavras de Jesus registradas em Mateus 23:8, 9?

5 Nas primeiras congregações cristãs, os superintendentes ensinavam a verdade e os servos ministeriais ajudavam os concrentes de diversas maneiras. (Filipenses 1:1) Um corpo governante, que confiava na Palavra de Deus e no espírito santo, dava orientação espiritual. (Atos 15:6, 23-31) Não se usavam títulos religiosos, porque Jesus havia ordenado aos seus discípulos: “Não sejais chamados Rabi, pois um só é o vosso instrutor, ao passo que todos vós sois irmãos. Além disso, não chameis a ninguém na terra de vosso pai, pois um só é o vosso Pai, o Celestial.” (Mateus 23:8, 9) Nestes e em muitos outros aspectos há paralelos entre os primeiros cristãos e as Testemunhas de Jeová.

Perseguidos por pregar a verdade

6, 7. Embora proclamem uma mensagem pacífica, como os verdadeiros cristãos têm sido tratados?

6 Embora os primeiros cristãos pregassem a mensagem pacífica do Reino, eles eram perseguidos assim como Jesus havia sido. (João 15:20; 17:14) O historiador John L. von Mosheim chamou os cristãos do primeiro século de “um grupo de homens de caráter absolutamente inofensivo, que jamais nutriram um desejo ou pensamento prejudicial ao bem-estar do Estado”. O Dr. Mosheim declarou que o que “irritava os romanos era a simplicidade da adoração realizada pelos cristãos, que em nada se assemelhava aos ritos sagrados de qualquer outro povo”. Ele acrescentou: “Não tinham sacrifícios, nem templos, nem imagens, nem oráculos, nem ordens sacerdotais; e isso bastava para trazer-lhes o vitupério duma multidão, que imaginava não poder existir uma religião sem estas coisas. De modo que eram considerados uma espécie de ateístas; e, segundo a lei romana, os  acusados de ateísmo eram considerados as pragas da sociedade humana.”

7 Sacerdotes, artífices e outros que ganhavam seu sustento com a idolatria instigavam a população contra os cristãos, que não se empenhavam em práticas idólatras. (Atos 19:23-40; 1 Coríntios 10:14) Tertuliano escreveu: “Eles culpam os cristãos de todo o desastre que sobrevém ao Estado, e de toda desventura do povo. Se as águas do Tibre atingem os muros, se o Nilo não sobe até aos campos, se os céus não se mexem ou a terra se mexe, se ocorre fome, se surge peste, o grito imediato é: ‘Aos leões com os cristãos!’ ” Sem se importar com as conseqüências, os verdadeiros cristãos ‘guardam-se dos ídolos’. — 1 João 5:21.

A verdade e as comemorações religiosas

8. Por que o Natal não é celebrado pelos que andam na verdade?

8 Os que andam na verdade evitam comemorações antibíblicas, porque ‘a luz não tem parceria com a escuridão’. (2 Coríntios 6:14-18) Por exemplo, não comemoram o Natal, celebração realizada em 25 de dezembro. “Não se sabe exatamente o dia em que Jesus nasceu”, admite a Enciclopédia Delta Universal. The Encyclopedia Americana (edição de 1956) declara: “As saturnais, a festa romana celebrada em meados de dezembro, forneceram o modelo para muitos dos costumes festivos do Natal.” A Cyclopædia de M’Clintock e Strong observa: “A celebração do Natal não é de determinação divina, nem de origem do N[ovo] T[estamento].” E o livro Daily Life in the Time of Jesus (A Vida Diária na Época de Jesus) observa: “Os rebanhos . . . passavam o inverno em abrigos; e somente com base nisso já se pode ver que é improvável que a data tradicional do Natal, no inverno, esteja certa, visto que o Evangelho diz que os pastores estavam nos campos.” — Lucas 2:8-11.

9. Por que servos de Jeová no passado e no presente têm evitado celebrações da Páscoa?

9 A celebração de Easter (nome dado à Páscoa nos países de língua inglesa) supostamente comemora a ressurreição de Cristo, mas fontes confiáveis a relacionam com a adoração falsa. The Westminster Dictionary of the Bible (Dicionário Bíblico de Westminster) diz que Easter (Páscoa) era “originalmente a festividade da primavera em honra da deusa teutônica da luz e da primavera, conhecida em anglo-saxão como Eastre”, ou Eostre. De qualquer modo, a Encyclopædia Britannica (11.a edição) declara: “Não há indicação da observância da Easter no Novo Testamento.” Easter (Páscoa) não era comemorada pelos primeiros cristãos, nem é comemorada pelo povo de Jeová hoje em dia.

10. Que observância Jesus instituiu e quem a comemora devidamente?

10 Jesus não mandou que seus seguidores comemorassem nem o seu nascimento nem a sua ressurreição. Mas ele instituiu a Comemoração da sua morte sacrificial. (Romanos 5:8) Realmente, este é o único acontecimento que ele mandou seus discípulos observarem. (Lucas 22:19, 20) Também chamado de Refeição Noturna do Senhor, este acontecimento anual ainda é observado pelas Testemunhas de Jeová. — 1 Coríntios 11:20-26.

A verdade proclamada em toda a Terra

11, 12. Como os que andam na verdade têm sempre sustentado sua atividade de pregação?

11 Os que conhecem a verdade acham que é um privilégio dedicar seu tempo, sua energia e outros recursos à pregação das boas novas. (Marcos 13:10) A obra dos primeiros cristãos era sustentada por donativos voluntários. (2 Coríntios 8:12; 9:7) Tertuliano escreveu: “Mesmo que haja alguma espécie de fundo, este não é constituído de dinheiro pago como taxas de admissão, como se religião fosse uma questão de contrato. Todo homem, uma vez por mês, traz algumas moedas modestas — ou quando quiser, e só se quiser e puder; pois ninguém é obrigado; é uma oferta voluntária.” — Apologia, capítulo 39.

12 A pregação global do Reino pelas Testemunhas de Jeová também é mantida por donativos voluntários. Além das próprias Testemunhas de Jeová, pessoas interessadas, gratas, acham ser  um privilégio apoiar esta atividade por meio de seus donativos. Nisto também há uma similaridade entre os primeiros cristãos e as Testemunhas de Jeová.

A verdade e a conduta pessoal

13. As Testemunhas de Jeová acatam que conselho de Pedro referente à conduta?

13 Os primeiros cristãos, por andarem na verdade, acatavam o conselho do apóstolo Pedro: “Mantende a vossa conduta excelente entre as nações, para que, naquilo em que falam de vós como de malfeitores, eles, em resultado das vossas obras excelentes, das quais são testemunhas oculares, glorifiquem a Deus no dia da sua inspeção.” (1 Pedro 2:12) As Testemunhas de Jeová tomam a peito essas palavras.

14. Qual é o conceito cristão sobre a diversão imoral?

14 Mesmo depois de ter surgido a apostasia, os cristãos nominais evitavam atividades imorais. W. D. Killen, professor de história eclesiástica, escreveu: “A casa de diversões, nos séculos dois e três, em cada cidade grande, era um centro de atrações, e embora os atores em geral fossem pessoas de muito pouca moral, seus espetáculos dramáticos exploravam perpetuamente os desejos depravados daquele período. . . . Todos os verdadeiros cristãos encaravam o teatro com repugnância. . . . Tinham repugnância de sua obscenidade; e os constantes apelos feitos aos deuses e às deusas do paganismo chocavam as convicções religiosas dos cristãos.” (The Ancient Church [A Igreja Antiga], páginas 318-19) Atualmente, os verdadeiros seguidores de Jesus também evitam diversões obscenas e moralmente degradantes. — Efésios 5:3-5.

A verdade e as “autoridades superiores”

15, 16. Quem são as “autoridades superiores” e como têm sido encaradas pelos que andam na verdade?

15 Apesar da excelente conduta dos primeiros cristãos, a maioria dos imperadores romanos os julgava mal. O historiador E. G. Hardy diz que os imperadores os encaravam como “entusiastas um tanto desprezíveis”. A correspondência trocada entre o Governador Plínio, o Moço, de Bitínia, e o Imperador Trajano, mostra que as classes governantes, em geral, desconheciam a verdadeira natureza do cristianismo. Como os cristãos encaram o Estado?

16 Assim como os primeiros seguidores de Jesus, as Testemunhas de Jeová estão em sujeição relativa às “autoridades superiores” governamentais. (Romanos 13:1-7) Quando há um conflito entre uma exigência humana e a vontade divina, elas adotam a posição: “Temos de obedecer a Deus como governante antes que aos homens.” (Atos 5:29) O livro After Jesus—The Triumph of Christianity (Após Jesus — O Triunfo do Cristianismo), diz: “Embora os cristãos não se empenhassem na adoração do imperador,  eles não eram agitadores, e sua religião, embora estranha e às vezes ofensiva do ponto de vista pagão, não representava ameaça ao império.”

17. (a) Que governo os primeiros cristãos defendiam? (b) Como os verdadeiros seguidores de Cristo têm aplicado as palavras de Isaías 2:4?

17 Os primeiros cristãos eram defensores do Reino de Deus, assim como os patriarcas Abraão, Isaque e Jacó tinham fé na prometida ‘cidade construída por Deus’. (Hebreus 11:8-10) Assim como o seu Amo, os discípulos de Jesus ‘não faziam parte do mundo’. (João 17:14-16) E no que se refere às guerras e lutas humanas, empenhavam-se pela paz por “forjar das suas espadas relhas de arado”. (Isaías 2:4) Notando um paralelo interessante, Geoffrey F. Nuttall, professor de história religiosa, comentou: “A atitude dos primeiros cristãos para com a guerra era mais parecida à atitude das Testemunhas de Jeová, o que achamos muito difícil de admitir.”

18. Por que nenhum governo tem qualquer motivo para temer as Testemunhas de Jeová?

18 Por serem neutros e estarem em sujeição às “autoridades superiores”, os primeiros cristãos não eram nenhuma ameaça para qualquer entidade política, nem o são as Testemunhas de Jeová. “É preciso uma imaginação eivada de preconceitos e paranóica para se crer que as Testemunhas de Jeová representam qualquer tipo de ameaça a qualquer regime político”, escreveu um colunista norte-americano. “São tão anti-subversivas e amantes da paz quanto possa ser um grupo religioso.” Autoridades bem informadas sabem que não têm nada a temer em relação às Testemunhas de Jeová.

19. O que se pode dizer dos primeiros cristãos e das Testemunhas de Jeová referente ao pagamento de impostos?

19 Uma maneira de os primeiros cristãos mostrarem respeito pelas “autoridades superiores” era por pagar os impostos. Justino, o Mártir, escrevendo ao imperador romano Antonino Pio (138-161 EC), afirmou que os cristãos pagavam seus impostos “com maior prontidão do que todos os homens”. (First Apology [Primeira Apologia], capítulo 17) E Tertuliano disse aos governantes romanos que seus cobradores de impostos tinham “uma dívida de gratidão para com os cristãos” por seu pagamento consciencioso  de impostos. (Apologia, capítulo 42) Os cristãos eram beneficiados pela pax romana, ou paz romana, com sua lei e ordem, boas estradas e viagens marítimas relativamente seguras. Reconhecendo sua dívida para com a sociedade humana, acatavam as palavras de Jesus: “Pagai de volta a César as coisas de César, mas a Deus as coisas de Deus.” (Marcos 12:17) Os do povo de Jeová seguem hoje este conselho e têm sido elogiados pela sua honestidade, como no caso do pagamento de impostos. — Hebreus 13:18.

A verdade é um vínculo unificador

20, 21. Falando sobre fraternidade pacífica, o que podemos dizer tanto dos primeiros cristãos, como dos atuais servos de Jeová?

20 Por andarem na verdade, os primeiros cristãos estavam unidos numa fraternidade pacífica, assim como acontece com as Testemunhas de Jeová hoje. (Atos 10:34, 35) Uma carta publicada no jornal The Moscow Times disse: “[As Testemunhas de Jeová] têm a reputação de serem muito gentis, bondosas e mansas, muito acessíveis, de não pressionarem outros, de serem pacíficas nos relacionamentos . . . Não aceitam subornos, não há beberrões, nem viciados em drogas entre elas, pela simples razão de que em tudo que fazem ou dizem se esforçam em se deixar guiar pelas suas convicções baseadas na Bíblia. Se todas as pessoas no mundo tentassem, nem que fosse só um pouco, viver segundo a Bíblia assim como as Testemunhas de Jeová, o nosso mundo cruel seria totalmente diferente.”

21 A Encyclopedia of Early Christianity (Enciclopédia do Cristianismo Iniciante) declara: “A igreja iniciante se considerava uma nova humanidade, na qual grupos anteriormente hostis, judeus e gentios, podiam viver juntos em um só grupo pacífico.” As Testemunhas de Jeová também são uma fraternidade internacional que ama a paz — uma verdadeira sociedade do novo mundo. (Efésios 2:11-18; 1 Pedro 5:9; 2 Pedro 3:13) Quando o chefe de segurança do Centro de Exposições de Pretória, na África do Sul, viu como Testemunhas de Jeová de todas as raças se reuniam pacificamente para um congresso, ele disse: “Todos foram e são corteses, pessoas que conversam com educação umas com as outras, a atitude manifestada nos últimos poucos dias — tudo isso comprova o calibre dos membros de sua sociedade e que todos vivem juntos como uma só família feliz.”

Abençoados por ensinar a verdade

22. O que tem acontecido pelo fato de os cristãos tornarem a verdade manifesta?

22 Pela sua conduta e pregação, Paulo e outros cristãos ‘tornaram manifesta a verdade’. (2 Coríntios 4:2) Não concorda que as Testemunhas de Jeová fazem o mesmo e estão ensinando a verdade em todas as nações? Pessoas em toda a Terra aceitam a adoração verdadeira e afluem ao “monte da casa de Jeová” em números cada vez maiores. (Isaías 2:2, 3) Milhares delas são batizadas a cada ano em símbolo da sua dedicação a Deus. Isso resulta na formação de muitas congregações novas.

23. Como você encara aqueles que ensinam a verdade em todas as nações?

23 Embora tenham formações diferentes, os servos de Jeová estão unidos na adoração verdadeira. O amor que demonstram os identifica como discípulos de Jesus. (João 13:35) Consegue ver que ‘Deus está realmente entre eles’? (1 Coríntios 14:25) Tem apoiado os que ensinam a verdade em todas as nações? Em caso afirmativo, demonstre gratidão sem cessar por ter encontrado a verdade e tenha o privilégio de andar nela para sempre.

Como responderia?

• Na questão da adoração, que similaridade existe entre os primeiros cristãos e as Testemunhas de Jeová?

• Qual é a única observância religiosa dos que andam na verdade?

• Quem são as “autoridades superiores” e como os cristãos as encaram?

• Em que sentido a verdade é um vínculo unificador?

[Perguntas de Estudo]

[Foto na página 21]

As reuniões cristãs sempre foram uma bênção para os que andam na verdade

[Fotos na página 23]

Jesus mandou que seus seguidores observassem a Comemoração da sua morte sacrificial

[Foto na página 24]

Assim como os primeiros cristãos, as Testemunhas de Jeová mostram respeito pelas “autoridades superiores”