Pular para conteúdo

Pular para sumário

Oriente seus passos pelos princípios de Deus

Oriente seus passos pelos princípios de Deus

 Oriente seus passos pelos princípios de Deus

“Jeová . . . te ensina a tirar proveito.” — ISAÍAS 48:17.

1. Como o Criador orienta os humanos?

AO PASSO que os cientistas se esforçam a desvendar os segredos do Universo, ficam espantados com a enorme quantidade de energia existente no cosmo em volta de nós. O Sol — uma estrela de tamanho médio — produz tanta energia quanto “100 bilhões de bombas de hidrogênio explodindo por segundo”. O Criador pode controlar e orientar esses enormes corpos celestes com o seu ilimitado poder. (Jó 38:32; Isaías 40:26) Que dizer de nós, humanos, dotados de livre-arbítrio, de capacidade moral, de raciocínio e do potencial de ter espiritualidade? De que modo nosso Criador achou apropriado orientar-nos? Ele nos guia amorosamente pelas suas leis perfeitas e pelos seus princípios elevados, em conjunto com a nossa bem treinada consciência. — 2 Samuel 22:31; Romanos 2:14, 15.

2, 3. Com que espécie de obediência se deleita Deus?

2 Deus se deleita com as criaturas inteligentes que escolhem obedecer a ele. (Provérbios 27:11) Em vez de nos programar para nos sujeitarmos cegamente como robôs irracionais, Jeová nos dotou do livre-arbítrio, para podermos tomar decisões esclarecidas, a fim de fazer o que é certo. — Hebreus 5:14.

3 Jesus, que refletia perfeitamente o seu Pai, disse aos seus discípulos: “Vós sois meus amigos, se fizerdes o que vos mando. Não mais vos chamo de escravos.” (João 15:14, 15) Na antiguidade, o escravo tinha pouca escolha a não ser obedecer às ordens do seu amo. Por outro  lado, a amizade se forma pela demonstração de qualidades que agradam ao coração. Nós podemos tornar-nos amigos de Jeová. (Tiago 2:23) Esta amizade é fortalecida pelo amor mútuo. Jesus relacionou a obediência a Deus com o amor, ao dizer: “Se alguém me amar, observará a minha palavra, e meu Pai o amará.” (João 14:23) Para isso — e para nos guiar com segurança — Jeová nos convida a viver segundo os seus princípios.

Princípios divinos

4. Como descreveria o que é princípio?

4 O que são princípios? Princípio é definido como “lei, doutrina ou acepção fundamental em que outras são baseadas ou de que outras são derivadas”. (Michaelis Moderno Dicionário da Língua Portuguesa) Um estudo cuidadoso da Bíblia revela que nosso Pai celestial dá orientações fundamentais que cobrem uma variedade de situações e aspectos da vida. Faz isso visando nosso benefício eterno. Isto está em harmonia com o que o sábio Rei Salomão escreveu: “Ouve, filho meu, e aceita as minhas declarações. Então os anos de vida se tornarão muitos para ti. Vou instruir-te no próprio caminho da sabedoria; vou fazer que pises nos trilhos da retidão.” (Provérbios 4:10, 11) Os princípios básicos providos por Jeová influenciam nosso relacionamento com ele e com outros humanos, nossa adoração e nossa vida diária. (Salmo 1:1) Consideremos alguns desses princípios fundamentais.

5. Cite exemplos de alguns princípios fundamentais.

5 Jesus declarou a respeito de nosso relacionamento com Jeová: “Tens de amar a Jeová, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua mente.” (Mateus 22:37) Além disso, Deus fornece princípios relacionados com a maneira de tratarmos outros humanos, tais como a Regra de Ouro: “Todas as coisas, portanto, que quereis que os homens vos façam, vós também tendes de fazer do mesmo modo a eles.” (Mateus 7:12; Gálatas 6:10; Tito 3:2) Referente à adoração, somos admoestados: “Consideremo-nos uns aos outros para nos estimularmos ao amor e a obras excelentes, não deixando de nos ajuntar.” (Hebreus 10:24, 25) Sobre os aspectos diários de nossa vida, o apóstolo Paulo disse: “Quer comais, quer bebais, quer façais qualquer outra coisa, fazei todas as coisas para a glória de Deus.” (1 Coríntios 10:31) Há inúmeros outros princípios na Palavra de Deus.

6. Em que os princípios se distinguem das leis?

6 Os princípios são verdades vivas e essenciais que os cristãos aprendem a amar. Jeová inspirou Salomão a escrever: “Presta deveras atenção às minhas palavras. Inclina teu ouvido às minhas declarações. Não se afastem elas dos teus olhos. Guarda-as no meio do teu coração. Porque são vida para os que as acham e saúde para toda a sua carne.” (Provérbios 4:20-22) Em que sentido os princípios diferem das leis? Os princípios constituem a base para as leis. Regras, que tendem a ser específicas, talvez se apliquem apenas a determinado tempo ou situação, mas os princípios são eternos. (Salmo 119:111) Os princípios divinos não ficam antiquados, nem perdem a validade. As palavras inspiradas do profeta Isaías são verdadeiras: “Secou-se a erva verde, murchou a flor; mas, quanto à palavra de nosso Deus, ela durará por tempo indefinido.” — Isaías 40:8.

Pense e aja à base de princípios

7. Como a Palavra de Deus nos incentiva a pensar e a agir à base de princípios?

7 Vez após vez, a “palavra de nosso Deus” nos exorta a pensar e a agir à base de princípios. Quando se pediu a Jesus que resumisse a Lei, ele fez duas declarações sucintas — uma que enfatizava o amor a Jeová, e outra que destacava o amor ao próximo. (Mateus 22:37-40) Fazendo isso, Jesus citou parcialmente um breve resumo de conceitos básicos da Lei Mosaica, encontrado em Deuteronômio 6:4, 5: “Jeová, nosso Deus, é um só Jeová. E tens de amar a Jeová, teu Deus, de todo o teu coração, e de  toda a tua alma, e de toda a tua força vital.” É evidente que Jesus também pensava na diretriz de Deus encontrada em Levítico 19:18. Na conclusão clara, concisa e forte do livro de Eclesiastes, as palavras do Rei Salomão resumem uma multidão de leis divinas: “A conclusão do assunto, tudo tendo sido ouvido, é: Teme o verdadeiro Deus e guarda os seus mandamentos. Pois esta é toda a obrigação do homem. Pois o próprio verdadeiro Deus levará toda sorte de trabalho a julgamento com relação a toda coisa oculta, quanto a se é bom ou mau.” — Eclesiastes 12:13, 14; Miquéias 6:8.

8. Por que serve de proteção entendermos bem os princípios básicos da Bíblia?

8 Compreendermos bem tais princípios básicos pode ajudar-nos a entender e a aplicar diretrizes mais específicas. Além disso, se não compreendermos cabalmente nem aceitarmos princípios básicos, talvez não consigamos tomar decisões sábias e nossa fé pode facilmente ser abalada. (Efésios 4:14) Se gravarmos esses princípios na mente e no coração, poderemos prontamente usá-los para tomar decisões. Aplicá-los com conhecimento de causa resulta em sucesso. — Josué 1:8; Provérbios 4:1-9.

9. Por que nem sempre é fácil discernir e aplicar princípios bíblicos?

9 É mais fácil seguir um conjunto de leis do que discernir e aplicar princípios bíblicos. Por sermos humanos imperfeitos, talvez nos esquivemos do esforço necessário para raciocinar à base de princípios. Talvez prefiramos a comodidade duma regra quando nos confrontamos com uma decisão ou um dilema. Às vezes, talvez procuremos uma orientação de um cristão maduro — possivelmente um ancião da congregação — esperando que nos dê uma regra específica que se aplica à nossa situação. Todavia, a Bíblia ou publicações baseadas nela talvez não especifiquem uma regra, e mesmo que tal regra exista, ela talvez não se aplique a todas as ocasiões e situações. Talvez se lembre de que certo homem perguntou a Jesus: “Instrutor, dize a meu irmão que divida comigo a herança.” Em vez de rapidamente fornecer uma regra para resolver disputas entre irmãos, Jesus lhe indicou um princípio mais abrangente: “Mantende os olhos abertos e guardai-vos de toda sorte de cobiça.” Jesus deu assim uma orientação que era útil tanto naquela ocasião como hoje. — Lucas 12:13-15.

10. Como a nossa conduta em harmonia com princípios revela a motivação de nosso coração?

10 É provável que tenha observado pessoas inclinadas a obedecer às leis com má vontade ou por medo duma penalidade. O respeito pelos princípios impede a pessoa de ter tal atitude. A própria natureza dos princípios induz os governados por eles a obedecer de coração. Na realidade, a maioria dos princípios não envolve uma punição imediata dos que não os acatam. Isto nos dá a oportunidade de revelar por que obedecemos a Jeová e o que motiva o nosso coração. Encontramos um exemplo disso em José recusar as investidas imorais da esposa de Potifar. Embora Jeová ainda não tivesse dado uma lei escrita contra o adultério nem especificado  nenhuma pena por se ter relações com a esposa de outro homem, José se apercebia dos princípios da fidelidade marital ordenados por Deus. (Gênesis 2:24; 12:18-20) À base da sua reação, podemos ver que esses princípios o influenciavam fortemente: “Como poderia eu cometer esta grande maldade e realmente pecar contra Deus?” — Gênesis 39:9.

11. Em que campos querem os cristãos ser guiados pelos princípios de Jeová?

11 Atualmente, os cristãos querem ser guiados pelos princípios de Jeová em assuntos pessoais, tais como a escolha de amizades, de diversão, de música e de matéria de leitura. (1 Coríntios 15:33; Filipenses 4:8) Ao passo que aumentamos em conhecimento, entendimento e apreço por Jeová e pelas normas dele, nossa consciência, nosso senso moral, ajuda-nos a aplicar os princípios divinos em quaisquer situações que enfrentemos, mesmo em assuntos bem particulares. Guiados pelos princípios bíblicos, não procuraremos brechas nas leis de Deus, nem imitaremos os que procuram ver até que ponto podem ir sem realmente violar certa lei. Damo-nos conta de que tais idéias são contraproducentes e prejudiciais. — Tiago 1:22-25.

12. Qual é uma chave para se ser guiado por princípios divinos?

12 Os cristãos maduros reconhecem que uma chave para se seguir princípios divinos é querer saber como Jeová se sente sobre determinado assunto. “Ó vós amantes de Jeová”, exortou o salmista, “odiai o que é mau”. (Salmo 97:10) Alistando algumas das coisas que Deus consideraria como más, Provérbios 6:16-19 diz: “Há seis coisas que Jeová deveras odeia; sim, há sete coisas detestáveis para a sua alma: olhos altaneiros, língua falsa e mãos que derramam sangue inocente, o coração que projeta ardis prejudiciais, pés que se apressam a correr para a maldade, a testemunha falsa que profere mentiras e todo aquele que cria contendas entre irmãos.” Quando nossa vida é governada pelo desejo de refletir os sentimentos de Jeová a respeito de tais questões fundamentais, vivermos de acordo com princípios torna-se uma prática constante. — Jeremias 22:16.

É preciso ter boa motivação

13. Que modo de pensar enfatizou Jesus no seu Sermão do Monte?

13 Conhecermos e aplicarmos princípios também nos protege contra o laço duma adoração sem valor e pro forma. Há diferença entre seguir princípios e obedecer a regras de maneira legalista. Jesus mostrou isso claramente no Sermão do Monte. (Mateus 5:17-48) Lembre-se de que os ouvintes de Jesus eram judeus, de modo que a conduta deles deveria ter sido guiada pela Lei Mosaica. Mas, na realidade, eles tinham um conceito distorcido da Lei. Haviam passado a enfatizar a letra da Lei em vez de seu espírito. E destacavam suas tradições, dando-lhes prioridade ao ensino de Deus. (Mateus 12:9-12; 15:1-9) Em conseqüência disso, o povo, em geral, não foi ensinado a pensar em termos de princípios.

14. Como Jesus ajudou seus ouvintes a pensar à base de princípios?

14 Em contraste, Jesus incluiu no Sermão do  Monte princípios que abrangem cinco campos de moralidade: ira, casamento e divórcio, promessas, vingança, e amor e ódio. Em cada caso, Jesus mostrou os benefícios de se seguir um princípio. Jesus elevou assim as normas de moral para os seus seguidores. Por exemplo, na questão de adultério, ele nos apresentou um princípio que não só protege nossos atos, mas também nossos pensamentos e desejos: “Todo aquele que persiste em olhar para uma mulher, a ponto de ter paixão por ela, já cometeu no coração adultério com ela.” — Mateus 5:28.

15. Como podemos evitar qualquer tendência de ser legalistas?

15 Este exemplo ilustra que nunca devemos perder de vista a intenção e o espírito dos princípios de Jeová. Certamente, não devemos tentar granjear o favor de Deus por meio do formalismo moral. Jesus expôs a falácia dessa atitude por salientar a misericórdia e o amor de Deus. (Mateus 12:7; Lucas 6:1-11) Por seguirmos princípios bíblicos, não tentaremos viver (ou exigir que outros vivam) segundo uma lista longa e rígida de coisas que devem ou não ser feitas, que vão além dos ensinos da Bíblia. Estaremos mais preocupados com os princípios de amor e de obediência para com Deus, do que com a aparência externa da adoração. — Lucas 11:42.

Resultados felizes

16. Cite exemplos dos princípios em que se baseiam algumas das leis bíblicas.

16 Ao passo que nos esforçamos a obedecer a Jeová, é importante que nos demos conta de que as leis dele se baseiam em princípios fundamentais. Por exemplo, os cristãos devem evitar a idolatria, a imoralidade sexual e o mau uso do sangue. (Atos 15:28, 29) Em que se baseia a atitude cristã nestes assuntos? Deus merece nossa devoção exclusiva; devemos ser fiéis ao cônjuge; e Jeová é o Dador da Vida. (Gênesis 2:24; Êxodo 20:5; Salmo 36:9) Reconhecermos estes princípios básicos facilita aceitar e seguir as leis relacionadas.

17. Quais são os bons resultados de se reconhecer e aplicar princípios bíblicos?

17 Ao passo que discernimos os princípios básicos e os aplicamos, damo-nos conta de que são bons para nós. As bênçãos espirituais usufruídas pelo povo de Deus vêm muitas vezes acompanhadas por benefícios tangíveis. Por exemplo, os que se abstêm de fumar, que levam uma vida de boa moral e que respeitam a santidade do sangue evitam certas doenças. De modo similar, viver em harmonia com a verdade divina pode beneficiar-nos em sentido econômico, social e doméstico. Quaisquer desses benefícios tangíveis provam o valor das normas de Jeová, que elas são realmente práticas. Mas obter tais vantagens práticas não é em si mesmo o motivo principal de se aplicar os princípios de Deus. Os verdadeiros cristãos obedecem a Jeová porque o amam, porque ele merece ser adorado por eles e porque esta é a coisa certa a fazer. — Revelação (Apocalipse) 4:11.

18. Se queremos ser cristãos bem-sucedidos, o que deve orientar a nossa vida?

18 Guiarmos nossa vida pelos princípios bíblicos resulta num modo superior de vida, o que por si só pode atrair outros ao caminho de Deus. O mais importante é que o nosso proceder na vida honra a Jeová. Reconhecemos que Jeová é mesmo um Deus amoroso, que deseja o melhor para nós. Quando tomamos decisões segundo princípios bíblicos e vemos como Jeová nos abençoa, passamos a sentir-nos ainda mais achegados a ele. Deveras, desenvolvemos ainda mais o relacionamento amoroso com nosso Pai celestial.

Lembra-se?

• O que é princípio?

• Como se diferenciam os princípios das leis?

• Por que é proveitoso para nós pensar e agir à base de princípios?

[Perguntas de Estudo]

[Quadro na página 20]

Wilson, um cristão de Gana, foi avisado de que, em poucos dias, seria demitido do emprego. No seu último dia de trabalho, mandaram que lavasse o carro particular do diretor-administrativo da firma. Quando Wilson encontrou no carro uma soma de dinheiro, seu superior lhe disse que Deus lhe havia enviado o dinheiro porque Wilson estava para sair do emprego naquele dia. Wilson, porém, aplicando os princípios bíblicos a respeito da honestidade, devolveu o dinheiro ao diretor. Este, surpreso e impressionado, não só ofereceu a Wilson logo um emprego permanente, mas também o promoveu para um cargo de responsabilidade na firma. — Efésios 4:28.

[Quadro na página 21]

Rukia é uma albanesa de uns 60 e poucos anos. Por causa de um desacordo na família, não falou com seu irmão por mais de 17 anos. Ela começou a estudar a Bíblia com as Testemunhas de Jeová e aprendeu que os verdadeiros cristãos têm de estar em paz com outros, e que não devem guardar ressentimentos. Ela orou uma noite inteira, e com o coração na mão, dirigiu-se à casa do irmão. Sua sobrinha abriu a porta. Surpresa, perguntou a Rukia: “Quem morreu? O que está fazendo aqui?” Rukia pediu para falar com o irmão. Explicou calmamente que, por ter aprendido sobre princípios bíblicos e sobre Jeová, sentia-se motivada a fazer as pazes com o irmão. Depois de lágrimas e de abraços, eles comemoraram este reencontro especial! — Romanos 12:17, 18.

 [Foto na página 23]

Mateus 5:27, 28

[Foto na página 23]

Mateus 5:3

[Foto na página 23]

Mateus 5:24

[Foto na página 23]

“Quando viu as multidões, subiu ao monte; e, depois de se assentar, vieram a ele os seus discípulos; e ele abriu a boca e começou a ensiná-los.” — MATEUS 5:1, 2