Pular para conteúdo

Pular para sumário

Confie em Jeová, o Deus que é real

Confie em Jeová, o Deus que é real

 Confie em Jeová, o Deus que é real

Já olhou alguma vez para o céu numa noite sem nuvens e viu centenas de estrelas? Como explica a existência delas?

NO SILÊNCIO da noite, as estrelas como que falaram ao rei Davi do Israel antigo, motivando-o a escrever: “Os céus declaram a glória de Deus; e a expansão está contando o trabalho das suas mãos.” (Salmo 19:1) Deveras, é o Criador, em vez de a criação, que merece “receber a glória, e a honra, e o poder”. — Revelação (Apocalipse) 4:11; Romanos 1:25.

“Quem construiu todas as coisas é Deus”, diz a Bíblia. (Hebreus 3:4) Na realidade, o verdadeiro Deus, ‘cujo nome é Jeová, é o Altíssimo sobre toda a terra’. (Salmo 83:18) E ele não é uma ilusão, uma miragem. Jesus Cristo disse a respeito do seu Pai celestial, Jeová: “Aquele que me enviou é real.” — João 7:28.

Jeová, o Cumpridor das suas promessas

O nome extraordinário de Deus, Jeová, ocorre quase 7.000 vezes só nas Escrituras Hebraicas. Este nome já indica que ele é real. O próprio nome de Deus significa literalmente “Ele Causa que Venha a Ser”. Jeová Deus identifica-se assim como o Cumpridor dos seus propósitos. Quando Moisés perguntou a Deus sobre Seu nome, Jeová explicou o significado do seguinte modo: “Mostrarei ser o que eu mostrar ser.” (Êxodo 3:14) A tradução inglesa de Rotherham declara incisivamente: “Tornar-me-ei o que eu quiser.” Jeová mostra ser, ou decide tornar-se, o que for preciso para realizar seus justos propósitos e promessas. De modo que ele tem uma impressionante série de títulos, tais como Criador, Pai, Soberano Senhor, Pastor, Jeová dos exércitos, Ouvinte de oração, Juiz, Grandioso Instrutor e Resgatador. — Juízes 11:27; Salmo 23:1; 65:2; 73:28; 89:26; Isaías 8:13; 30:20; 40:28; 41:14.

Somente o verdadeiro Deus faz jus ao nome Jeová, porque os humanos nunca podem ter certeza de que seus planos serão bem-sucedidos. (Tiago 4:13, 14) Só Jeová pode dizer: “Assim como desce dos céus a chuvada e a neve, e não volta àquele lugar, a menos que realmente sature a terra e a faça produzir e brotar, e se dê de fato semente ao semeador e pão ao comedor, assim mostrará ser a minha palavra que sai da minha boca. Não voltará a mim sem resultados, mas certamente fará aquilo em que me agradei e terá êxito certo naquilo para que a enviei.” — Isaías 55:10, 11.

Jeová cumpre seu propósito com tanta certeza, que mesmo aquilo que aos humanos talvez pareça irreal, do ponto de vista dele é real. Muito depois de Abraão, Isaque e Jacó terem morrido, Jesus os mencionou e disse: “Ele  [Jeová] é Deus, não de mortos, mas de viventes, pois, para ele, todos estes vivem.” (Lucas 20:37, 38) Os três patriarcas fiéis estavam mortos mas o propósito de Deus, de ressuscitá-los, era tão certo de se cumprir, que para ele estavam como que vivos. Para Jeová, fazer estes servos fiéis da antiguidade viver outra vez não é mais difícil do que foi criar o primeiro homem do pó do solo. — Gênesis 2:7.

O apóstolo Paulo dá outro exemplo de que Deus faz que aconteça o que ele se propõe fazer. Nas Escrituras, Abraão é chamado de “pai de muitas nações”. (Romanos 4:16, 17) Quando Abrão ainda não tinha filhos Jeová mudou-lhe o nome para Abraão, que significa “Pai duma Multidão”. Jeová fez que o significado deste nome se tornasse realidade por restabelecer milagrosamente as faculdades reprodutivas do envelhecido Abraão e da sua idosa esposa, Sara. — Hebreus 11:11, 12.

Habilitado com muito poder e autoridade, Jesus Cristo falou de realidades dum ponto de vista superior ao dos humanos. Embora seu amigo achegado, Lázaro, tivesse morrido, Jesus disse aos seus discípulos: “Lázaro, nosso amigo, foi descansar, mas eu viajo para lá para o despertar do sono.” (João 11:11) Por que Jesus falou dum morto como apenas dormindo?

Quando Jesus chegou a Betânia, aldeia natal de Lázaro, ele foi ao túmulo e mandou que se retirasse a pedra que fechava a entrada. Depois de orar em voz alta, ordenou: “Lázaro, vem para fora!” Ao passo que os espectadores olhavam para o túmulo, “o homem que estivera morto saiu com os pés e as mãos amarrados com faixas, e o seu semblante enrolado num pano”. Jesus disse então: “Soltai-o e deixai-o ir.” (João 11:43, 44) Jesus ressuscitara Lázaro — devolvendo a vida a um homem que estivera morto por quatro dias! Cristo não deturpou a verdade quando disse que seu amigo estava dormindo. Do ponto de vista de Jeová e de Jesus, o falecido Lázaro estava como que apenas dormindo. Deveras, Jesus e seu Pai celestial, Jeová, lidam com realidades.

Jeová pode transformar nossas esperanças em realidades

Que contraste há entre os ídolos enganosos e o Deus real! Os idólatras atribuem erroneamente poderes sobre-humanos aos seus objetos de veneração. No entanto, nenhuma quantidade de reverência pode dar habilidades milagrosas a esses ídolos. Por outro lado, Jeová Deus pode de direito referir-se aos seus servos há muito falecidos como se estivessem vivos, porque ele é capaz de fazê-los viver de novo. “Jeová é verdadeiramente Deus”, e ele nunca engana seu povo. — Jeremias 10:10.

Como é consolador saber que no tempo devido de Jeová, os mortos que ele tem na sua memória serão ressuscitados — restabelecidos com vida! (Atos 24:15) Deveras, a ressurreição envolve a restauração do padrão de vida da pessoa. Lembrar-se do padrão de vida dos falecidos e ressuscitá-los não é problema para o Criador que tem infinita sabedoria e poder. (Jó 12:13; Isaías 40:26) Visto que Jeová tem abundante amor, ele usará a sua memória  perfeita para trazer os mortos de volta à vida, numa Terra paradísica, com a personalidade que tinham antes de falecer. — 1 João 4:8.

Ao passo que se aproxima o fim do mundo de Satanás, certamente é brilhante o futuro dos que confiam no verdadeiro Deus. (Provérbios 2:21, 22; Daniel 2:44; 1 João 5:19) O salmista assegura-nos: “Apenas mais um pouco, e o iníquo não mais existirá; . . . mas os próprios mansos possuirão a terra e deveras se deleitarão na abundância de paz.” (Salmo 37:10, 11) O crime e a violência serão coisas do passado. Prevalecerá a justiça e desaparecerão as dificuldades econômicas. (Salmo 37:6; 72:12, 13; Isaías 65:21-23) Serão eliminados todos os traços de discriminação social, racial, tribal e étnica. (Atos 10:34, 35) Não haverá mais guerras nem armas bélicas. (Salmo 46:9) Naquela época, “nenhum residente dirá: ‘Estou doente.’” (Isaías 33:24) Todos terão saúde perfeita e vibrante. (Revelação 21:3, 4) O Paraíso na Terra se tornará em breve uma realidade. Isso é do propósito de Jeová!

Realmente, dentro em breve se realizarão todas as esperanças baseadas na Bíblia. Por que deveríamos deixar-nos enganar por aquilo que este mundo idolatra, quando podemos depositar plena confiança em Jeová? É da vontade dele que “toda sorte de homens sejam salvos e venham a ter um conhecimento exato da verdade”. (1 Timóteo 2:3, 4) Em vez de gastarmos nosso tempo e nossos recursos com ilusões ou miragens deste sistema de coisas e dos seus deuses, assimilemos mais conhecimento do Deus que é real e confiemos nele de todo o coração. — Provérbios 3:1-6; João 17:3.

[Foto na página 6]

Do ponto de vista de Jeová e de Jesus, Lázaro estava apenas dormindo

[Fotos na página 7]

O Paraíso na Terra logo será uma realidade