Pular para conteúdo

Pular para sumário

Superintendentes e servos ministeriais designados teocraticamente

Superintendentes e servos ministeriais designados teocraticamente

 Superintendentes e servos ministeriais designados teocraticamente

“Prestai atenção a vós mesmos e a todo o rebanho, entre o qual o espírito santo vos designou superintendentes.” — ATOS 20:28.

1, 2. Como se cumpre Isaías 60:22?

JEOVÁ predisse há muito tempo que algo notável ocorreria no tempo do fim. Declarou-se por meio do profeta Isaías: “O próprio pequeno tornar-se-á mil e o menor, uma nação forte. Eu mesmo, Jeová, apressarei isso ao seu próprio tempo.” — Isaías 60:22.

2 Há prova do cumprimento desta profecia hoje em dia? Sim! Durante a década de 1870, formou-se uma congregação do povo de Jeová em Allegheny, na Pensilvânia, EUA. A partir deste pequeno começo, formaram-se e estão florescendo em todo o mundo dezenas de milhares de congregações. Milhões de proclamadores do Reino — uma poderosa nação — associam-se agora nas mais de 91.000 congregações em 235 países em toda a Terra. Não há dúvida de que isso confirma que Jeová está acelerando o ajuntamento de verdadeiros adoradores antes do irrompimento da “grande tribulação”, agora já bem próxima. — Mateus 24:21; Revelação (Apocalipse) 7:9-14.

3. O que significa ser batizado em ‘o nome do Pai, do Filho e do espírito santo’?

3 Esses milhões, depois de cada um ter feito uma dedicação a Jeová, e em harmonia com as instruções de Jesus, foram batizados “em o nome do Pai, e do Filho, e do espírito santo”. (Mateus 28:19) Serem batizados “em o nome do Pai” significa que essas pessoas dedicadas reconhecem a Jeová como seu Pai celestial e Dador da vida, e que se sujeitam à soberania dele. O batismo ‘em o nome do Filho’ significa que reconhecem que Jesus Cristo é seu Resgatador, Líder e Rei. Reconhecem também o papel desempenhado pelo espírito santo ou a força ativa de Deus em orientar a sua vida. Isto indica que foram batizados ‘em o nome do espírito santo’.

4. Como os ministros cristãos são ordenados?

4 Por ocasião do seu batismo, os novos discípulos são ordenados como ministros de Jeová Deus. Quem os ordena? Em princípio, aplicam-se a eles as palavras registradas em 2 Coríntios 3:5: “Estarmos adequadamente habilitados [como ministros] procede de Deus.” Não poderiam desejar honra maior do que ser ordenados pelo próprio Jeová Deus! Depois do seu batismo, continuarão a desenvolver-se espiritualmente como ministros das “boas novas”, enquanto aceitarem a orientação do espírito de Deus e continuarem a aplicar a Palavra Dele. — Mateus 24:14; Atos 9:31.

Uma designação teocrática, não democrática

5. São os superintendentes e os servos ministeriais, cristãos, escolhidos democraticamente? Queira explicar isso.

5 Para se cuidar das necessidades espirituais do crescente número de ministros ativos é necessário supervisão madura realizada por superintendentes habilitados e a ajuda hábil de servos ministeriais. (Filipenses 1:1) Como tais homens espirituais são designados? Não por métodos assim como os usados na cristandade. Por exemplo, os superintendentes cristãos não são eleitos democraticamente, quer dizer, pelo  voto da maioria dos associados com uma congregação. Em vez disso, suas designações são feitas teocraticamente. O que significa isso?

6. (a) O que é uma verdadeira teocracia? (b) Por que as designações de superintendentes e de servos ministeriais são teocráticas?

6 Em termos simples, uma verdadeira teocracia é o governo de Deus. As Testemunhas de Jeová sujeitam-se voluntariamente ao governo dele e cooperam entre si para fazer a vontade divina. (Salmo 143:10; Mateus 6:9, 10) As designações de superintendentes, ou anciãos, e de servos ministeriais, cristãos, são teocráticas, porque o processo de recomendação e de designação desses homens de responsabilidade segue o arranjo de Deus, especificado nas Escrituras Sagradas. E Jeová, como “cabeça sobre todos”, naturalmente tem o direito de determinar como sua organização visível deve funcionar. — 1 Crônicas 29:11; Salmo 97:9.

7. Como as Testemunhas de Jeová são governadas?

7 Em contraste com muitos grupos religiosos na cristandade, as Testemunhas de Jeová não decidem por si mesmas a forma de governo espiritual sob o qual trabalham. Esses cristãos sinceros se esforçam a se apegar às normas de Jeová. Os superintendentes entre eles não recebem o cargo de algum governo eclesiástico de natureza congregacional, hierárquica ou presbiteriana. Quando elementos do mundo procuram interferir nestas designações, os do povo de Jeová se negam a transigir. Mantêm firmemente a posição tão bem expressa pelos apóstolos no primeiro século quando disseram: “Temos de obedecer a Deus como governante antes que aos homens.” (Atos 5:29) De modo que as Testemunhas se sujeitam a Deus em todas as coisas. (Hebreus 12:9; Tiago 4:7) Adotar o procedimento teocrático traz a aprovação divina.

8. Em que diferem os procedimentos democráticos dos teocráticos?

8 Como servos do Grande Teocrata, Jeová, convém que tenhamos em mente as diferenças entre os procedimentos democráticos e os teocráticos. O processo democrático requer que todos sejam representados, e muitas vezes se caracteriza por campanhas para um cargo e eleição pela maioria dos votos. As designações teocráticas não envolvem tais procedimentos. Estas não são feitas por homens; tampouco procedem duma entidade jurídica. Aparentemente aludindo à sua própria designação por Jesus e por Jeová como “apóstolo para as nações”, Paulo disse aos gálatas que ele tinha sido designado “não da parte dos homens, nem por intermédio dum homem, mas por intermédio de Jesus Cristo e de Deus, o Pai, que o levantou dentre os mortos”. — Romanos 11:13; Gálatas 1:1.

Designados por espírito santo

9. O que diz Atos 20:28 sobre a designação de superintendentes cristãos?

9 Paulo lembrou aos superintendentes que moravam em Éfeso que eles tinham sido designados por Deus por meio do espírito santo. Ele disse: “Prestai atenção a vós mesmos e a todo o rebanho, entre o qual o espírito santo vos designou superintendentes para pastorear a congregação de Deus, que ele comprou com o sangue do seu próprio Filho.” (Atos 20:28) Esses superintendentes cristãos tinham de continuar a ser guiados pelo espírito santo ao se desincumbirem dos seus deveres como pastores do rebanho de Deus. Quando um homem que ocupava um cargo designado não mais satisfazia as normas divinas, com o tempo o espírito santo agia para removê-lo do cargo.

10. Como o espírito santo desempenha um papel decisivo nas designações teocráticas?

10 Como o espírito santo desempenha um papel decisivo? Em primeiro lugar, o registro que especifica os requisitos para o exercício da supervisão espiritual foi inspirado pelo espírito santo. Paulo, nas suas cartas a Timóteo e a Tito, delineou as normas a serem satisfeitas por superintendentes e por servos ministeriais. Ao todo, ele mencionou uns 16 requisitos diferentes. Por exemplo, os superintendentes deviam  ser irrepreensíveis, moderados nos hábitos, ajuizados, ordeiros, hospitaleiros, qualificados para ensinar e exemplares como chefes de família. Deviam ser equilibrados no uso de bebidas alcoólicas, não deviam ser amantes do dinheiro e deviam exercer autodomínio. De modo similar, estabeleceram-se padrões elevados para homens que procuravam ser designados como servos ministeriais. — 1 Timóteo 3:1-10, 12, 13; Tito 1:5-9.

11. Quais são algumas das qualificações que devem ser satisfeitas pelos homens que procuram assumir responsabilidades congregacionais?

11 Um exame dessas qualificações mostra que os que tomam a dianteira na adoração de Jeová têm de ter conduta cristã exemplar. Os homens que procuram assumir responsabilidades congregacionais precisam evidenciar que o espírito santo opera neles. (2 Timóteo 1:14) Deve ser evidente que o espírito de Deus produz nesses homens os frutos de “amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, brandura, autodomínio”. (Gálatas 5:22, 23) Esses frutos se manifestariam nos tratos deles com os concrentes e com outros. Naturalmente, alguns talvez se sobressaiam em demonstrar certos frutos do espírito, ao passo que outros talvez satisfaçam outras qualificações de superintendentes num grau superior. No entanto, no seu padrão geral de vida, todos os que esperam ser designados superintendentes ou servos ministeriais devem demonstrar que são homens espirituais, à altura dos requisitos da Palavra de Deus.

12. A designação de quem pode-se dizer que é por espírito santo?

12 Quando Paulo exortou outros a se tornarem imitadores dele, podia fazer isso porque ele mesmo imitava a Jesus Cristo, que ‘nos deixou um modelo para seguirmos de perto os seus passos’. (1 Pedro 2:21; 1 Coríntios 11:1) Pode-se assim dizer que os que preenchem os requisitos bíblicos na ocasião da sua designação como superintendentes ou servos ministeriais são designados por espírito santo.

13. Como o espírito santo ajuda os que fazem recomendações de homens para servirem na congregação?

13 Há outro fator que indica como o espírito santo opera na recomendação e na designação de superintendentes. Jesus disse que ‘o Pai, no céu, dá espírito santo aos que lhe pedem’. (Lucas 11:13) Portanto, quando os anciãos na congregação local se reúnem a fim de recomendar homens para assumir responsabilidades congregacionais, eles oram para que o espírito de Deus os guie. Baseiam suas recomendações no que se declara na Palavra inspirada de Deus, e o espírito santo os habilita a discernir se a pessoa cogitada para ser designada satisfaz os requisitos bíblicos. Os que fazem as recomendações não devem ser indevidamente influenciados pela aparência externa, por realizações acadêmicas e por capacidades naturais da pessoa. Sua consideração primária deve ser se ele é um homem espiritual, alguém a quem os membros da congregação não hesitariam em se dirigir para obter conselho espiritual.

14. O que aprendemos de Atos 6:1-3?

14 Embora corpos de anciãos participem com superintendentes viajantes em recomendar irmãos para servir como anciãos e servos ministeriais, as próprias designações são feitas segundo o padrão estabelecido no primeiro século. Em certa ocasião surgiu a necessidade de homens espiritualmente habilitados cuidarem de uma designação importante. O corpo governante deu a seguinte orientação: “Procurai vós mesmos, dentre vós, sete homens acreditados, cheios de espírito e de sabedoria, para que os possamos designar para esta incumbência necessária.” (Atos 6:1-3) Embora homens envolvidos no caso fizessem recomendações, as designações foram feitas pelos homens responsáveis por isso ali em Jerusalém. Hoje se segue um padrão similar.

15. Qual é o envolvimento do Corpo Governante no assunto de designar homens?

15 O Corpo Governante das Testemunhas de Jeová designa diretamente todos os membros  das comissões que cuidam de filiais e congêneres. Ao decidir quem pode assumir essa pesada responsabilidade, o Corpo Governante lembra-se da declaração de Jesus: “De todo aquele a quem muito foi dado, muito se reclamará dele; e a quem encarregaram de muito, deste reclamarão mais do que o usual.” (Lucas 12:48) Além de designar os membros de comissões responsáveis por filiais e congêneres, o Corpo Governante designa anciãos de Betel e superintendentes viajantes. No entanto, comissiona irmãos dignos de confiança para atuarem em seu lugar para fazer outras designações. Para isso também há um precedente bíblico.

‘Faze designações conforme te dei ordens’

16. Por que Paulo deixou Tito em Creta, e o que indica isso referente às atuais designações teocráticas?

16 Paulo disse ao seu colaborador Tito: “Por esta razão te deixei em Creta, para que corrigisses as coisas defeituosas e fizesses designações de anciãos numa cidade após outra, conforme te dei ordens.” (Tito 1:5) Paulo delineou então as qualificações que Tito devia procurar em homens habilitados para tais designações. Portanto, hoje em dia, o Corpo Governante designa homens qualificados nas filiais e congêneres para representá-lo em fazer designações de anciãos e de servos ministeriais. Exerce-se cuidado para que os que atuam como representantes do Corpo Governante entendam e sigam claramente as orientações bíblicas para fazer tais designações. Portanto, é sob a orientação do Corpo Governante que se designam homens qualificados para servir nas congregações das Testemunhas de Jeová em todo o mundo.

17. Como uma filial ou congênere cuida da designação de superintendentes e de servos ministeriais?

17 Quando se apresentam a uma filial ou congênere da Sociedade Torre de Vigia (dos EUA) recomendações para a designação de superintendentes e de servos ministeriais, homens experientes confiam na orientação do espírito de Deus para fazer as designações. Estes homens sabem que terão que prestar contas, reconhecendo que não devem pôr as mãos  apressadamente sobre um homem, para não participarem dos pecados dele. — 1 Timóteo 5:22.

18, 19. (a) Como certas designações são transmitidas? (b) Como se realiza todo o processo de recomendações e designações?

18 Certas designações podem ser transmitidas por carta com um carimbo oficial duma entidade jurídica. Pode-se usar tal carta para a designação de mais de um irmão na congregação.

19 As designações teocráticas vêm de Jeová por meio do seu Filho e do canal terrestre visível de Deus, “o escravo fiel e discreto” e seu Corpo Governante. (Mateus 24:45-47) Todo o processo de tais recomendações e designações é dirigido, ou orientado, por espírito santo. Isto se dá porque as qualificações são especificadas na Palavra de Deus, inspirada por espírito santo, e a pessoa designada dá evidência de que está produzindo os frutos deste espírito. Portanto, as designações devem ser encaradas como feitas por espírito santo. Assim como no primeiro século os superintendentes e os servos ministeriais foram designados teocraticamente, o mesmo se dá hoje.

Somos gratos pela orientação de Jeová

20. Por que compartilhamos os sentimentos de Davi, registrados no Salmo 133:1?

20 Neste tempo de prosperidade espiritual e de aumento teocrático na atividade da pregação do Reino, somos gratos de que Jeová é o principal responsável pela designação de superintendentes e de servos ministeriais. Esta provisão bíblica ajuda a manter entre nós, Testemunhas de Jeová, as elevadas normas de justiça de Deus. Além disso, o espírito cristão e os esforços sinceros desses homens contribuem grandemente para a nossa maravilhosa paz e união como servos de Jeová. Por isso, assim como o salmista Davi, somos induzidos a exclamar: “Eis que quão bom e quão agradável é irmãos morarem juntos em união!” — Salmo 133:1.

21. Como se cumpre hoje Isaías 60:17?

21 Como somos gratos pela orientação de Jeová por meio da sua Palavra e do espírito santo! E deveras significativas são as palavras registradas em Isaías 60:17: “Em lugar de cobre trarei ouro, e em lugar de ferro trarei prata, e em lugar de madeira, cobre, e em lugar de pedras, ferro; e eu vou designar a paz como teus superintendentes e a justiça como teus feitores.” Ao passo que os procedimentos teocráticos têm sido progressivamente implementados mais plenamente entre as Testemunhas de Jeová, toda a organização terrestre de Deus tem passado a usufruir essas condições abençoadas.

22. Que bons motivos temos para nos sentir gratos e o que devemos estar decididos a fazer?

22 Somos profundamente gratos por estes arranjos teocráticos em vigor entre nós. E apreciamos muito o trabalho árduo, mas gratificante, dos superintendentes e dos servos ministeriais designados teocraticamente. Louvamos de todo o coração nosso amoroso Pai celestial, que nos concedeu prosperidade espiritual e nos abençoou tão ricamente. (Provérbios 10:22) Portanto, estejamos decididos a acompanhar o passo da organização de Jeová. Acima de tudo, continuemos a servir unidos para a honra, o louvor e a glória do grande e santo nome de Jeová.

Como responderia?

• Por que podemos dizer que a designação de superintendentes e de servos ministeriais é teocrática, não democrática?

• De que modo homens cristãos responsáveis são designados por espírito santo?

• Como o Corpo Governante está envolvido na designação de superintendentes e de servos ministeriais?

• Por que devemos ser gratos a Jeová pelas designações teocráticas feitas?

[Perguntas de Estudo]

[Fotos na página 15]

Anciãos e servos ministeriais têm o privilégio de servir por designação teocrática