Pular para conteúdo

Pular para sumário

Perguntas dos Leitores

Perguntas dos Leitores

 Perguntas dos Leitores

O capítulo 53 de Isaías contém uma famosa profecia messiânica. O Isa 53 versículo 10 diz: “O próprio Jeová se agradou em esmigalhá-lo; fez que adoecesse.” O que significa isso?

É fácil entender por que pode surgir uma pergunta a respeito de Isaías 53:10. Os verdadeiros cristãos não acham que nosso compassivo e terno Deus se agrade de esmigalhar alguém ou de fazê-lo adoecer. A Bíblia nos fornece a base para ter confiança de que Deus não se agrada de atormentar os inocentes. (Deuteronômio 32:4; Jeremias 7:30, 31) No decorrer dos séculos, Jeová ocasionalmente pode ter permitido sofrimento por motivos coerentes com a sua sabedoria e o seu amor. Mas ele certamente não causou o sofrimento do seu amado Filho Jesus. Então, o que é que significa esta passagem?

Ora, podemos ser ajudados a entender o sentido quando consideramos o versículo na sua inteireza, notando as ocorrências das palavras “agrado” e “agradou”. Isaías 53:10 reza: “O próprio Jeová se agradou em esmigalhá-lo; fez que adoecesse. Se puseres a sua alma como oferta pela culpa, ele verá a sua descendência, prolongará os seus dias, e na sua mão o agrado de Jeová será bem sucedido.”

A mensagem geral da Bíblia indica que “o agrado de Jeová”, mencionado no fim do versículo, gira em torno da execução do seu propósito por meio do Reino. Fazer Jeová isso vindicará a sua soberania e permitirá que o pecado herdado — nossos pecados — seja removido dos humanos obedientes. (1 Crônicas 29:11; Salmo 83:18; Atos 4:24; Hebreus 2:14, 15; 1 João 3:8) A chave para tudo isso é que o Filho de Deus se tornasse humano e fornecesse o sacrifício de resgate. Como sabemos, neste processo Jesus deveras sofreu. A Bíblia nos diz que ele “aprendeu a obediência pelas coisas que sofreu”. De modo que esse sofrimento trouxe benefício para Jesus. — Hebreus 5:7-9.

Jesus sabia de antemão que o proceder nobre que ele adotaria envolveria alguma agonia. Isto se torna claro nas suas palavras, registradas em João 12:23, 24: “Chegou a hora para o Filho do homem ser glorificado. Eu vos digo em toda a verdade: A menos que o grão de trigo caia ao solo e morra, permanece apenas um só grão; mas, se morre, então dá muito fruto.” Deveras, Jesus sabia que teria de manter a sua integridade mesmo a ponto de sofrer a morte. O relato prossegue: “‘Minha alma está aflita agora, e que hei de dizer? Pai, salva-me desta hora. Não obstante, foi por isso que vim a esta hora. Pai, glorifica o teu nome.’ Saiu, portanto, uma voz do céu: ‘Eu tanto o glorifiquei como o glorificarei de novo.’” — João 12:27, 28; Mateus 26:38, 39.

É neste contexto que podemos entender Isaías 53:10. Jeová sabia muito bem que seu Filho seria esmagado em certo sentido. No entanto, pensando no bem glorioso e extensivo que resultaria disso, Jeová se agradou daquilo pelo qual Jesus teria de passar. Neste sentido, Jeová “se agradou em esmigalhá-lo”, ou em o Messias ser esmigalhado. E Jesus também se agradou do que poderia realizar e do que realizou. Deveras, conforme conclui Isaías 53:10, ‘na sua mão, o agrado de Jeová foi bem sucedido’.