Pular para conteúdo

Pular para sumário

É você um cristão “plenamente desenvolvido”?

É você um cristão “plenamente desenvolvido”?

 É você um cristão “plenamente desenvolvido”?

“QUANDO eu era pequenino, costumava falar como pequenino, pensar como pequenino, raciocinar como pequenino.” Assim escreveu o apóstolo Paulo. Deveras, todos nós já fomos algum dia bebês indefesos. Mas não continuamos assim para sempre. Paulo observou: “Agora que me tornei homem, eliminei as características de pequenino.” — 1 Coríntios 13:11.

De modo similar, todos os cristãos começam como bebês espirituais. Mas, com o tempo, todos podem alcançar “a unidade na fé e no conhecimento exato do Filho de Deus, como homem plenamente desenvolvido, à medida da estatura que pertence à plenitude do Cristo”. (Efésios 4:13) Somos exortados em 1 Coríntios 14:20: “Irmãos, não vos torneis criancinhas na capacidade de entendimento . . . Ficai plenamente desenvolvidos na capacidade de entendimento.”

A presença de cristãos maduros, plenamente desenvolvidos, é uma bênção para os do povo de Deus hoje em dia, especialmente por haver muitos novos. Os cristãos plenamente desenvolvidos dão estabilidade à congregação. Causam um impacto positivo na disposição ou atitude predominante da congregação que freqüentam.

Ao passo que o crescimento físico é mais ou menos automático, o desenvolvimento espiritual ocorre apenas com tempo e esforço. Assim não surpreende que, lá nos dias de Paulo, alguns cristãos deixaram de ‘avançar à madureza’, apesar de terem servido muitos anos a Deus. (Hebreus 5:12; 6:1) Que dizer de você? Quer tenha servido a Deus por muitos anos, quer apenas por um período  relativamente curto, seria apropriado que se examinasse com honestidade. (2 Coríntios 13:5) É você um dos que realmente podem ser chamados de cristãos maduros ou plenamente desenvolvidos? Se não for, como se pode tornar tal?

“Plenamente desenvolvidos na capacidade de entendimento”

O bebê espiritual é facilmente ‘jogado como que por ondas e levado para cá e para lá por todo vento de ensino, pela velhacaria de homens, pela astúcia em maquinar o erro’. Por isso, Paulo instou: “Cresçamos pelo amor em todas as coisas naquele que é a cabeça, Cristo.” (Efésios 4:14, 15) Como se faz isso? Hebreus 5:14 diz: “O alimento sólido . . . é para as pessoas maduras, para aqueles que pelo uso têm as suas faculdades perceptivas treinadas para distinguir tanto o certo como o errado.”

Note que as pessoas maduras têm as suas faculdades perceptivas treinadas pelo uso ou pela experiência na aplicação dos princípios bíblicos. Portanto, é óbvio que ninguém se torna maduro da noite para o dia, pois requer tempo para se desenvolver espiritualmente. Mesmo assim, você pode contribuir muito para facilitar seu desenvolvimento espiritual por estudar — especialmente as coisas mais profundas da Palavra de Deus. Ultimamente, A Sentinela tem considerado muitos assuntos profundos. Os maduros não se esquivam de tais artigos só porque estes contêm “algumas coisas difíceis de entender”. (2 Pedro 3:16) Antes, absorvem ansiosamente esse sólido alimento espiritual!

Pregadores e instrutores zelosos

Jesus ordenou aos seus discípulos: “Ide, portanto, e fazei discípulos de pessoas de todas as nações, batizando-as em o nome do Pai, e do Filho, e do espírito santo, ensinando-as a observar todas as coisas que vos ordenei.” (Mateus 28:19, 20) A participação zelosa na pregação também pode estimular seu desenvolvimento espiritual. Por que não se esforça a ter uma participação plena nela conforme sua situação lhe permite?

Às vezes, as pressões da vida podem dificultar achar tempo para pregar. No entanto, por ‘esforçar-se vigorosamente’ como pregador, você demonstra a importância que dá às “boas novas”. (Lucas 13:24; Romanos 1:16) Assim poderá ser considerado “exemplo para os fiéis”. — 1 Timóteo 4:12.

Mantenedores da integridade

Atingir a madureza também envolve fazer esforços para manter a integridade. Conforme diz o Salmo 26:1, Davi declarou: “Julga-me, ó Jeová, porque eu mesmo tenho andado na minha própria integridade.” Integridade é retidão moral, inteireza. No entanto, não significa perfeição. O próprio Davi cometeu diversos pecados sérios. Mas, por aceitar a repreensão e corrigir seu modo de agir, ele demonstrou que seu coração ainda mantinha o genuíno amor a Jeová Deus. (Salmo 26:2, 3, 6, 8, 11) A integridade envolve inteireza ou totalidade da devoção de coração. Davi disse ao seu filho Salomão: “Conhece o Deus de teu pai e serve-o de pleno coração.” — 1 Crônicas 28:9.

Manter a integridade envolve ‘não fazer parte do mundo’, ficar longe da política das nações e das suas guerras. (João 17:16) Você precisa também refrear-se de práticas corruptas, tais como fornicação, adultério e o vício das drogas. (Gálatas 5:19-21) No entanto, manter a integridade significa mais do que apenas evitar tais coisas. Salomão advertiu: “Moscas mortas fazem o óleo  do fabricante de ungüento cheirar mal, borbulhar. Assim faz um pouco de estultícia àquele que é precioso pela sabedoria e pela glória.” (Eclesiastes 10:1) Deveras, mesmo só “um pouco de estultícia”, tal como impróprios gracejos ou namoricos, pode arruinar a reputação de alguém que é “precioso pela sabedoria”. (Jó 31:1) Portanto, mostre sua madureza por procurar ser exemplar em toda a sua conduta, evitando até mesmo a “aparência do mal”. — 1 Tessalonicenses 5:22, Almeida, revista e corrigida.

Os leais

O cristão plenamente desenvolvido é também leal. Conforme lemos em Efésios 4:24, o apóstolo Paulo exorta os cristãos: “[Vós] vos deveis revestir da nova personalidade, que foi criada segundo a vontade de Deus, em verdadeira justiça e lealdade.” Nas Escrituras Gregas, a palavra “lealdade” na língua original contém a idéia de santidade, justiça e reverência. A pessoa leal é devota, piedosa; cumpre cuidadosamente todos os seus deveres para com Deus.

Quais são algumas das maneiras de você poder desenvolver tal lealdade? Uma é por cooperar com os anciãos da sua congregação local. (Hebreus 13:17) Os cristãos maduros, por reconhecerem que Cristo é o Cabeça designado da congregação cristã, são leais aos designados para “pastorear a congregação de Deus”. (Atos 20:28) Como seria impróprio questionar ou minar a autoridade dos anciãos designados! Você também deve ter o senso de lealdade para com “o escravo fiel e discreto” e as entidades usadas para disseminar o espiritual “alimento no tempo apropriado”. (Mateus 24:45) Leia e aplique prontamente as informações encontradas em A Sentinela e nas suas publicações associadas.

Mostre amor por agir

Paulo escreveu aos cristãos em Tessalônica: “O amor de cada um de vós está aumentando de uns para com os outros.” (2 Tessalonicenses 1:3) Aumentar em amor é um aspecto especialmente importante do desenvolvimento espiritual. Jesus disse, conforme registrado em João 13:35: “Por meio disso saberão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor entre vós.” Esse amor fraternal não se caracteriza por meras emoções ou sentimentos. Vine’s Expository Dictionary of Old and New Testament Words (Dicionário Expositivo de Palavras do Velho e do Novo Testamento, de Vine) observa: “O amor só pode ser conhecido pelas ações que promove.” Deveras, você avança para a madureza neste sentido, por fazer o amor agir!

Por exemplo, lemos em Romanos 15:7: “Acolhei-vos uns aos outros.” Um modo de você mostrar amor é por cumprimentar os concrentes e os novos nas reuniões congregacionais com cordialidade e entusiasmo! Chegue a conhecê-los pessoalmente. Mostre “interesse pessoal” nos outros. (Filipenses 2:4) Talvez possa até mesmo mostrar hospitalidade e convidar diversos à sua casa. (Atos 16:14, 15) As imperfeições de outros podem às vezes testar a profundeza do seu amor, mas, ao passo que aprende a ‘suportá-los em amor’, você mostra que está ficando plenamente desenvolvido. — Efésios 4:2.

Usemos nossos recursos para promover a adoração pura

Na antiguidade, nem todos os do povo de Deus cumpriram sua responsabilidade de apoiar o templo de Jeová. De modo que Deus enviou profetas, tais como Ageu e Malaquias, para estimular Seu povo neste respeito. (Ageu 1:2-6; Malaquias 3:10) Cristãos maduros, hoje em dia, usam alegremente seus recursos para apoiar a adoração de Jeová. Imite-os por seguir o princípio  declarado em 1 Coríntios 16:1, 2, regularmente ‘pondo algo de lado’, a fim de contribuir para a congregação e para a obra mundial das Testemunhas de Jeová. A Palavra de Deus promete: “Quem semear generosamente, ceifará também generosamente.” — 2 Coríntios 9:6.

Não desconsidere outros recursos que você tem, tais como seu tempo e sua energia. Procure ‘comprar o tempo’ de atividades menos importantes. (Efésios 5:15, 16; Filipenses 1:10) Aprenda a ser mais eficiente no uso do seu tempo. Isso poderá possibilitar-lhe participar nos projetos de manutenção do Salão do Reino e em outras atividades similares que promovem a adoração de Jeová. Usar seus recursos desta maneira fornecerá evidência adicional de que você se está tornando um cristão plenamente desenvolvido.

Avance para a madureza!

Homens e mulheres estudiosos e que têm bastante conhecimento, sendo pregadores zelosos, imaculados na sua integridade, leais e amorosos, dispostos a dar apoio físico e material à obra do Reino, são deveras uma grande bênção. Por isso, não é de admirar que o apóstolo Paulo exortasse: “Agora que temos abandonado a doutrina primária a respeito do Cristo, avancemos à madureza.” — Hebreus 6:1.

É você um cristão maduro, plenamente desenvolvido? Ou de certo modo ainda é uma criancinha espiritual? (Hebreus 5:13) De qualquer modo, esteja decidido a esforçar-se a estudar, a pregar e a mostrar amor aos seus irmãos. Aceite qualquer conselho ou disciplina que alguém maduro lhe der. (Provérbios 8:33) Assuma a sua plena carga de responsabilidade cristã. Com tempo e esforço, você também poderá alcançar “a unidade na fé e no conhecimento exato do Filho de Deus, como homem plenamente desenvolvido, à medida da estatura que pertence à plenitude do Cristo”. — Efésios 4:13.

[Destaque na página 27]

Os cristãos plenamente desenvolvidos dão estabilidade à congregação. Causam um impacto positivo na disposição ou atitude predominante dela

[Fotos na página 29]

Os que são maduros contribuem para o espírito da congregação por se interessarem nos outros