Pular para conteúdo

Pular para sumário

É certa a esperança da ressurreição!

É certa a esperança da ressurreição!

 É certa a esperança da ressurreição!

“Eu tenho esperança para com Deus, . . . de que há de haver uma ressurreição.” — ATOS 24:15.

1. Por que podemos ter a esperança da ressurreição?

JEOVÁ nos tem dado bons motivos para termos a esperança da ressurreição. Temos a sua palavra de que os mortos serão ressuscitados, passando a viver de novo. E seu propósito quanto aos adormecidos na morte certamente se cumprirá. (Isaías 55:11; Lucas 18:27) Na realidade, Deus já mostrou seu poder de levantar os mortos.

2. Como podemos ser beneficiados pela esperança da ressurreição?

2 A fé na provisão de Deus, de levantar os mortos por meio do seu Filho, Jesus Cristo, pode sustentar-nos em tempos de aflição. A certeza da esperança da ressurreição pode também ajudar-nos a manter a integridade para com o nosso Pai celestial, mesmo até a morte. É provável que a nossa esperança da ressurreição seja fortalecida ao considerarmos relatos registrados na Bíblia de pessoas que foram restauradas à vida. Todos estes milagres foram realizados pelo poder do Soberano Senhor Jeová.

Receberam seus mortos pela ressurreição

3. Elias recebeu poder para fazer o que, quando morreu o filho duma viúva em Sarefá?

3 Num emocionante exame da fé mostrada  por testemunhas pré-cristãs de Jeová, o apóstolo Paulo escreveu: “Mulheres receberam os seus mortos pela ressurreição.” (Hebreus 11:35; 12:1) Uma dessas mulheres foi uma viúva pobre na cidade fenícia de Sarefá. Por causa da sua hospitalidade para com Elias, o profeta de Deus, sua farinha e seu óleo foram milagrosamente preservados durante a fome que teria custado a vida dela e a de seu filho. Mais tarde, quando o filho morreu, Elias o deitou num leito, orou, estendeu-se três vezes sobre o menino e rogou: “Ó Jeová, meu Deus, por favor, faze a alma deste menino voltar para dentro dele.” Deus fez que a alma, ou a vida, voltasse para dentro do menino. (1 Reis 17:8-24) Imagine a alegria daquela viúva quando sua fé foi recompensada pela primeira ressurreição de que há registro — a do seu próprio filho querido.

4. Que milagre realizou Eliseu em Suném?

4 Outra mulher que recebeu pela ressurreição seu filho falecido vivia na cidade de Suném. Era esposa dum homem idoso e mostrou bondade para com o profeta Eliseu e seu ajudante. Ela foi recompensada com um filho. Alguns anos depois, porém, chamou o profeta, que encontrou o menino morto na casa dela. Depois de Eliseu ter orado e ter tomado certas medidas, “a carne do menino aqueceu-se gradualmente”. Ele “começou a espirrar tantas quantas sete vezes, após o que o rapazinho abriu os seus olhos”. Esta ressurreição, sem dúvida, deu muita alegria tanto à mãe como ao seu filho. (2 Reis 4:8-37; 8:1-6) Mas, quanto mais felizes serão quando na “ressurreição melhor” forem levantados para a vida na Terra — o que lhes dará a possibilidade de nunca mais ter de morrer! Que motivo para gratidão ao amoroso Deus da ressurreição, Jeová! — Hebreus 11:35.

5. Como ficou Eliseu envolvido num milagre mesmo depois da sua morte?

5 Mesmo depois da morte e do enterro de Eliseu, Deus tornou os ossos dele poderosos por meio do espírito santo. Lemos: “Quando [certos israelitas] estavam enterrando um homem, ora, eis que viram a guerrilha [moabita]. Lançaram imediatamente o homem na sepultura de Eliseu e foram embora. Quando o homem [morto] tocou nos ossos de Eliseu, reviveu imediatamente e se pôs de pé.” (2 Reis 13:20, 21) Como este homem deve ter ficado surpreso e feliz! Imagine a alegria que haverá quando nossos entes queridos forem ressuscitados para a vida em harmonia com o infalível propósito de Jeová Deus!

O Filho de Deus levantou mortos

6. Que milagre realizou Jesus perto da cidade de Naim, e como nos pode afetar este incidente?

6 O Filho de Deus, Jesus Cristo, nos tem dado sólidos motivos para crer que os mortos podem ser ressuscitados com a perspectiva de terem vida eterna. Um incidente ocorrido perto da cidade de Naim pode ajudar-nos a reconhecer que tal milagre é possível pelo poder dado por Deus. Em certa ocasião, Jesus encontrou uns enlutados levando o cadáver de um jovem para o enterro fora da cidade. Era o filho único duma viúva. Jesus disse a ela: “Pára de chorar.” Depois tocou no esquife e disse: “Jovem, eu te digo: Levanta-te!” Este sentou-se e passou a falar. (Lucas 7:11-15) Este milagre certamente aumenta a nossa convicção de que é certa a esperança da ressurreição.

7. O que aconteceu com relação à filha de Jairo?

7 Considere também um acontecimento envolvendo Jairo, presidente da sinagoga de Cafarnaum. Ele pediu a Jesus que viesse e ajudasse a amada filha dele, de 12 anos, que estava à beira da morte. Pouco depois se relatou que a menina tinha morrido. Exortando o contristado Jairo a ter fé, Jesus acompanhou-o à casa dele, onde havia uma multidão chorando. Riram quando Jesus lhes disse: “A menina não morreu, mas está dormindo.” Ela estava realmente morta, mas Jesus estava prestes a mostrar que pessoas podem ser levantadas para a vida assim como podem ser acordadas dum profundo sono. Tomando a mão da menina, ele disse: “Menina, levanta-te.” Ela se levantou instantaneamente e “os pais dela estavam fora de si”, extasiados. (Marcos 5:35-43; Lucas 8:49-56)  Sem dúvida, membros da família ficarão “fora de si” quando seus entes queridos falecidos forem levantados para a vida numa Terra paradísica.

8. O que fez Jesus junto ao túmulo de Lázaro?

8 Lázaro já estava morto havia quatro dias quando Jesus se chegou ao túmulo e mandou retirar a pedra da entrada. Depois de orar em público, para que os observadores soubessem que ele dependia do poder dado por Deus, Jesus disse em alta voz: “Lázaro, vem para fora!” E ele veio para fora! As mãos e os pés dele ainda estavam amarrados com faixas de sepultamento, e o rosto dele estava coberto por um pano. “Soltai-o e deixai-o ir”, disse Jesus. Vendo este milagre, muitos dos que estavam ali para consolar as irmãs de Lázaro, Marta e Maria, depositaram fé em Jesus. (João 11:1-45) Não enche este relato a você de esperança de que os seus entes queridos podem ser levantados para viver no novo mundo de Deus?

9. Por que podemos ter certeza de que Jesus pode agora ressuscitar os mortos?

9 Quando João, o Batizador, estava na prisão, Jesus enviou-lhe a seguinte mensagem animadora: “Os cegos estão vendo novamente  . . . e os mortos estão sendo levantados.” (Mateus 11:4-6) Uma vez que Jesus, quando na Terra, ressuscitou mortos, ele certamente pode fazer isso como poderosa criatura espiritual habilitada por Deus. Jesus é “a ressurreição e a vida”, e quão consolador é saber que, no futuro próximo, “todos os que estão nos túmulos memoriais ouvirão a sua voz e sairão”. — João 5:28, 29; 11:25.

Outras ressurreições fortalecem nossa esperança

10. Como descreveria a primeira ressurreição relatada, feita por um apóstolo?

10 Quando Jesus enviou seus apóstolos como pregadores do Reino, ele disse: “Ressuscitai mortos.” (Mateus 10:5-8) Naturalmente, para fazer isso, eles tinham de confiar no poder de Deus. Em Jope, em 36 EC, a piedosa mulher Dorcas (Tabita) adormeceu na morte. Os bons atos dela haviam incluído fazer roupa para viúvas necessitadas, entre as quais a sua morte causou muito choro. Os discípulos a prepararam para o enterro e mandaram chamar o apóstolo Pedro, talvez para dar consolo. (Atos 9:32-38) Ele pôs todos para fora do quarto de andar superior, orou e disse: “Tabita, levanta-te!” Ela abriu os olhos, sentou-se, segurou a mão de Pedro e ele a levantou. Esta primeira ressurreição relatada, feita por um apóstolo, induziu muitos a se tornarem crentes. (Atos 9:39-42) Fornece-nos também um motivo adicional para ter a esperança da ressurreição.

11. Qual foi a última ressurreição no registro bíblico?

11 A última ressurreição no registro bíblico ocorreu em Trôade. Quando Paulo parou ali na sua terceira viagem missionária, ele prolongou  seu discurso até a meia-noite. Um jovem, de nome Êutico, vencido pelo cansaço, e talvez pelo calor das muitas lâmpadas e pela lotação do local de reunião, adormeceu e caiu duma janela no terceiro andar. Ele “foi apanhado morto”, não apenas inconsciente. Paulo lançou-se sobre Êutico, abraçou-o e disse aos espectadores: “Parai de levantar um clamor, pois a sua alma está nele.” Paulo queria dizer que se restaurara a vida do jovem. Os presentes “foram consolados além de medida”. (Atos 20:7-12) Hoje em dia, os servos de Deus acham muito consolador saber que seus anteriores associados no serviço de Deus terão o cumprimento da esperança da ressurreição.

A ressurreição é uma esperança de longa data

12. Que convicção expressou Paulo perante o governador romano Félix?

12 Quando Paulo estava sendo julgado perante o governador romano Félix, ele atestou: “[Estou] crendo em todas as coisas expostas na Lei e escritas nos Profetas; e eu tenho esperança para com Deus,  . . . de que há de haver uma ressurreição tanto de justos como de injustos.” (Atos 24:14, 15) Como indicam partes da Palavra de Deus, tais como a “Lei”, a ressurreição dos mortos?

13. Por que se pode dizer que Deus aludiu à ressurreição quando deu a primeira profecia?

13 O próprio Deus aludiu à ressurreição quando deu a primeira profecia no Éden. Ao sentenciar “a serpente original”, Satanás, o Diabo, Deus disse: “Porei inimizade entre ti e a mulher, e entre o teu descendente e o seu descendente. Ele te machucará a cabeça e tu lhe machucarás o calcanhar.” (Revelação [Apocalipse] 12:9; Gênesis 3:14, 15) Machucar o calcanhar do descendente da mulher significava matar Jesus Cristo. Se este Descendente havia de machucar depois a cabeça da serpente, Cristo teria de ser levantado dentre os mortos.

14. Em que sentido é Jeová um “Deus, não de mortos, mas de viventes”?

14 Jesus declarou: “Que os mortos são levantados, até mesmo Moisés expôs, no relato sobre o espinheiro, quando chama Jeová de ‘o Deus de Abraão, e o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó’. Ele é Deus, não de mortos, mas de viventes, pois, para ele, todos estes vivem.” (Lucas 20:27, 37, 38; Êxodo 3:6) Abraão, Isaque e Jacó estavam mortos, mas o propósito de Deus, de ressuscitá-los, era tão certo de ser cumprido, que para ele estavam como que vivos.

15. Por que tinha Abraão motivos para crer na ressurreição?

15 Abraão tinha motivos para ter esperança na ressurreição, pois quando ele e sua esposa Sara já eram bem velhos, e estavam mortos com respeito à capacidade de ter filhos, Deus milagrosamente restabeleceu-lhes as faculdades reprodutivas. Isto foi como uma ressurreição. (Gênesis 18:9-11; 21:1-3; Hebreus 11:11, 12) Quando seu filho Isaque tinha uns 25 anos de idade, Deus mandou que Abraão o sacrificasse. Quando Abraão estava prestes a matar Isaque, o anjo de Jeová deteve-lhe a mão. Abraão havia ‘achado que Deus era capaz de levantar Isaque até mesmo dentre os mortos; e dali o recebeu também em sentido ilustrativo’. — Hebreus 11:17-19; Gênesis 22:1-18.

16. Abraão dorme agora na morte aguardando o quê?

16 Abraão tinha esperança duma ressurreição sob o governo do Messias, o prometido Descendente. Da sua posição privilegiada, pré-humana, o Filho de Deus notou a fé que Abraão tinha. Portanto, como o homem Jesus Cristo, ele disse aos judeus: “Abraão, vosso pai, alegrou-se grandemente na perspectiva de ver o meu dia.” (João 8:56-58; Provérbios 8:30, 31) Abraão dorme agora na morte, aguardando a ressurreição para a vida na Terra sob o Reino messiânico de Deus. — Hebreus 11:8-10, 13.

Testemunho da Lei e dos Salmos

17. Como indicavam “coisas expostas na Lei” a ressurreição de Jesus Cristo?

17 A esperança da ressurreição que Paulo tinha estava em harmonia com “coisas expostas na Lei”. Deus disse aos israelitas: “Tereis de trazer ao sacerdote um molho das primícias da  vossa colheita. E [em 16 de nisã] ele terá de mover o molho para lá e para cá perante Jeová, a fim de ganhar aprovação para vós.” (Levítico 23:9-14) Talvez pensando nesta lei, Paulo escreveu: “Cristo tem sido levantado dentre os mortos, as primícias dos que adormeceram na morte.” Jesus, como “as primícias”, foi ressuscitado em 16 de nisã de 33 EC. Mais tarde, durante a sua presença, haveria uma ressurreição de ‘frutos posteriores’ — seus seguidores ungidos com o espírito. — 1 Coríntios 15:20-23; 2 Coríntios 1:21; 1 João 2:20, 27.

18. Como mostrou Pedro que a ressurreição de Jesus foi predita nos Salmos?

18 Os Salmos também dão apoio à ressurreição. No dia do Pentecostes de 33 EC, o apóstolo Pedro citou o Salmo 16:8-11, dizendo: “Davi diz com respeito a [Cristo]: ‘Eu tinha constantemente a Jeová diante dos meus olhos; porque ele está à minha direita, para que eu nunca seja abalado. Por esta razão, meu coração ficou animado e a minha língua se alegrou muito. Além disso, até mesmo a minha carne residirá em esperança; porque não deixarás a minha alma no Hades, nem permitirás que aquele que te é leal veja a corrupção.’” Pedro acrescentou: “[Davi] previu e falou a respeito da ressurreição do Cristo, que ele nem foi abandonado no Hades, nem viu a sua carne a corrupção. A este Jesus, Deus ressuscitou.” — Atos 2:25-32.

19, 20. Quando foi que Pedro citou o Salmo 118:22, e como se relacionava isso com a morte e a ressurreição de Jesus?

19 Alguns dias mais tarde, Pedro estava perante o Sinédrio e citou de novo os Salmos. Quando perguntado como havia curado um mendigo coxo, o apóstolo disse: “Seja sabido de todos vós e de todo o povo de Israel, que é no nome de Jesus Cristo, o nazareno, a quem pregastes numa estaca, mas a quem Deus levantou dentre os mortos, por esse é que este homem está aqui são em pé diante de vós. Esta [i.e.: Jesus] é ‘a pedra que por vós, construtores, não foi levada em conta, que se tornou a principal do ângulo’. Outrossim, não há salvação em nenhum outro, pois não há outro nome debaixo do céu, que tenha sido dado entre os homens, pelo qual tenhamos de ser salvos.” — Atos 4:10-12.

20 Pedro citou ali o Salmo 118:22, aplicando o texto à morte e à ressurreição de Jesus. Instigados pelos líderes religiosos, os judeus rejeitaram a Jesus. (João 19:14-18; Atos 3:14, 15) A ‘rejeição da pedra pelos construtores’ resultou na morte de Cristo, mas ‘tornar-se a pedra a principal do ângulo’ significava ele ser levantado para a glória espiritual no céu. Conforme o salmista predisse, “isto veio a ser da parte do próprio Jeová”. (Salmo 118:23) Tornar “a pedra” a Principal do ângulo envolveu enaltecê-lo como Rei-Designado. — Efésios 1:19, 20.

Sustentados pela esperança da ressurreição

21, 22. Que esperança expressou Jó, conforme registrada em Jó 14:13-15, e como pode isso hoje consolar os enlutados?

21 Embora nunca tenhamos visto alguém ser levantado dentre os mortos, temos notado certos relatos bíblicos que nos asseguram a ressurreição. Por isso, podemos ter a esperança expressa pelo justo homem Jó. Quando estava sofrendo, suplicou: “Quem dera que [tu, Jeová,] me escondesses no Seol,  . . . que me fixasses um limite de tempo e te lembrasses de mim! Morrendo o varão vigoroso, pode ele viver novamente?  . . . Tu chamarás e eu mesmo te responderei. Terás saudades do trabalho das tuas  mãos.” (Jó 14:13-15) Deus ‘terá saudades do trabalho das suas mãos’, desejando vivamente ressuscitar a Jó! Que esperança isso nos dá!

22 Um membro duma família, temente a Deus, pode ficar seriamente doente, assim como Jó, e até mesmo pode sucumbir ao inimigo, a morte. Os enlutados talvez vertam lágrimas de pesar, assim como Jesus chorou por causa da morte de Lázaro. (João 11:35) Mas, como é consolador saber que Deus chamará e que os na sua memória responderão! Será como se tivessem retornado duma viagem — não mais estando doentes ou debilitados, mas tendo boa saúde.

23. Como expressaram alguns a sua confiança na esperança da ressurreição?

23 O falecimento duma idosa cristã fiel induziu concrentes a escrever: “Queiram aceitar a nossa mais profunda condolência pela perda de sua mãe. Já dentro de pouco tempo nós a acolheremos de volta — bela e cheia de vida!” Pais que perderam o filho disseram: “Como nós aguardamos o dia em que Jason acordará! Ele olhará em volta e verá o Paraíso que tanto ansiava.  . . . Que incentivo é para todos nós os que o amamos estar também presentes.” Deveras, como podemos ser gratos de que é certa a esperança da ressurreição!

Qual é a sua resposta?

• Como nos pode beneficiar a fé na provisão de Deus de levantar os mortos?

• Que eventos, registrados nas Escrituras, nos dão motivo de ter esperança na ressurreição?

• Por que se pode dizer que a ressurreição é uma esperança de longa data?

• Que esperança sustentadora podemos ter quanto aos mortos?

[Perguntas de Estudo]

[Foto na página 10]

Com poder da parte de Jeová, Elias restaurou a vida ao filho duma viúva

[Foto na página 12]

Quando Jesus devolveu a vida à filha de Jairo, os pais dela ficaram fora de si com êxtase

[Foto na página 15]

No dia do Pentecostes de 33 EC, o apóstolo Pedro testificou corajosamente que Jesus havia sido levantado dentre os mortos