Pular para conteúdo

Pular para sumário

Bons exemplos: tira proveito deles?

Bons exemplos: tira proveito deles?

 Bons exemplos: tira proveito deles?

“VIESTES a ser um exemplo para todos os crentes na Macedônia e na Acaia.” O apóstolo Paulo escreveu estas palavras aos cristãos fiéis que moravam em Tessalônica. O exemplo que davam aos concrentes era realmente elogiável. Ainda mais, os próprios tessalonicenses seguiam o exemplo de Paulo e de seus associados. Paulo disse: “As boas novas que pregamos não se apresentaram entre vós apenas em palavra, mas também com poder e com espírito santo, e com forte certeza, assim como sabeis que sorte de homens nos tornamos para vós por vossa causa; e vós vos tornastes imitadores nossos.” — 1 Tessalonicenses 1:5-7.

Deveras, Paulo fez mais do que apenas pregar sermões. Sua própria vida era um sermão — um exemplo de fé, perseverança e abnegação. Por causa disso, Paulo e seus associados exerceram uma forte influência sobre a vida dos tessalonicenses, induzindo-os a aceitar a verdade “sob muita tribulação”. De modo algum, porém, Paulo e seus companheiros de trabalho foram os únicos a exercer uma influência positiva sobre esses crentes. O exemplo de outros que suportaram tribulações também era encorajador. Paulo escreveu aos tessalonicenses: “Vós, irmãos, vos tornastes imitadores das congregações de Deus que estão na Judéia, em união com Cristo Jesus, porque também começastes a sofrer às mãos dos vossos próprios conterrâneos as mesmas coisas que eles também estão sofrendo às mãos dos judeus.” — 1 Tessalonicenses 2:14.

Cristo Jesus, o maior exemplo

Embora o próprio Paulo tivesse dado um exemplo digno de ser imitado, ele não deixou de indicar Jesus Cristo como exemplo primário a ser seguido pelos cristãos. (1 Tessalonicenses 1:6) Cristo foi e é o nosso principal exemplo. O apóstolo Pedro escreveu: “Fostes chamados para este proceder, porque até mesmo Cristo sofreu por vós, deixando-vos um modelo para seguirdes de perto os seus passos.” — 1 Pedro 2:21.

No entanto, Jesus terminou a sua vida como humano quase 2.000 anos atrás. Agora ele “mora em luz inacessível” como criatura espiritual, imortal. Como tal, “nenhum dos homens [o] tem visto nem pode ver”. (1 Timóteo 6:16) Então, como é que o podemos imitar? Um modo é por estudar os quatro relatos bíblicos sobre a vida de Jesus. Os Evangelhos nos dão compreensão da sua personalidade, do seu modo de vida e da sua “atitude mental”. (Filipenses 2:5-8) Compreensão adicional pode ser adquirida por se estudar cuidadosamente o livro O Maior Homem Que Já Viveu, que considera os acontecimentos na vida de Jesus em muitos pormenores e em ordem cronológica. *

O exemplo abnegado de Jesus teve um forte efeito sobre o apóstolo Paulo. Ele disse aos cristãos em Corinto: “Eu, da minha parte, de muito bom grado gastarei e serei completamente gasto em prol das vossas almas.” (2 Coríntios 12:15) Que atitude semelhante à de Cristo! Ao examinarmos o exemplo perfeito de Cristo, também devemos ficar induzidos a imitá-lo no nosso modo de vida.

 Por exemplo, Jesus nos ensinou que devemos confiar na promessa de Deus, de nos sustentar materialmente. Mas ele fez mais do que isso. Demonstrou diariamente essa fé e confiança em Jeová. Ele disse: “As raposas têm covis e as aves do céu têm poleiros, mas o Filho do homem não tem onde deitar a cabeça.” (Mateus 6:25; 8:20) Deixa que preocupações materiais dominem seu modo de pensar e suas ações? Ou evidencia a sua vida que está buscando primeiro o Reino? E qual é a sua atitude para com o serviço de Jeová? É ela assim como a de nosso exemplo, Jesus? A Bíblia mostra que Jesus não apenas recomendava o zelo, mas que em muitas ocasiões mostrava ter zelo ardente. (João 2:14-17) Além disso, que belo exemplo deu Jesus na questão de amar! Ora, ele sacrificou a sua vida a favor dos seus discípulos! (João 15:13) Imita a Jesus por amar os seus irmãos cristãos? Ou deixa que as imperfeições de alguns o impeçam de amá-los?

Muitas vezes falharemos no esforço de seguir o exemplo de Cristo. Mas, Jeová certamente se agrada de nossos esforços de ‘revestir-nos do Senhor Jesus Cristo’. — Romanos 13:14.

“Exemplos para o rebanho”

Há atualmente na congregação pessoas que podem servir de exemplo para nós? Claro que há! Especialmente os irmãos designados a cargos de responsabilidade precisam dar exemplo. Paulo disse a Tito, que servia congregações em Creta e designava superintendentes, que cada ancião designado tinha de ser “um homem livre de acusação”. (Tito 1:5, 6) De modo similar, o apóstolo Pedro admoestou os “anciãos” a se tornarem “exemplos para o rebanho”. (1 Pedro 5:1-3) E que dizer dos que servem como servos ministeriais? Eles também têm de ser “homens que ministram de maneira excelente”. — 1 Timóteo 3:13.

Naturalmente, não é realístico esperar que cada ancião ou servo ministerial seja notavelmente hábil em todos os aspectos do ministério cristão. Paulo disse aos cristãos em Roma: “Temos dons que diferem segundo a benignidade imerecida que nos foi dada.” (Romanos 12:6) Irmãos diferentes sobressaem-se em campos diferentes. Não é razoável esperar que os anciãos façam e digam tudo de forma perfeita. “Todos nós tropeçamos muitas vezes”, diz a Bíblia em Tiago 3:2. “Se alguém não tropeçar em palavra, este é homem perfeito, capaz de refrear também todo o seu corpo.” No entanto, apesar das suas imperfeições, os anciãos, assim como Timóteo, ainda podem ‘tornar-se exemplo para os fiéis, no falar, na conduta, no amor, na fé, na castidade’. (1 Timóteo 4:12) Quando os anciãos se tornam isso, os do rebanho aplicam prontamente a admoestação de Hebreus 13:7: “Lembrai-vos dos que tomam a dianteira entre vós, . . . e, ao contemplardes em que resulta a sua conduta, imitai a sua fé.”

Outros exemplos nos dias atuais

Nas últimas décadas, inúmeros outros mostraram ser bons exemplos. Que dizer dos milhares de missionários abnegados que ‘abandonaram casas, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe, ou filhos, ou terras’, para cumprir a comissão cristã em campos estrangeiros? (Mateus 19:29) Considere também os superintendentes viajantes e suas esposas, os homens e as mulheres que servem como voluntários nas congêneres da Sociedade Torre de Vigia, bem como os pioneiros que ministram às congregações. Poderão esses exemplos motivar outros? Certo evangelizador cristão, na Ásia, lembra-se de um missionário da oitava turma da Escola Bíblica de Gileade da Torre de Vigia. Ele disse que este irmão fiel estava “disposto a enfrentar os enxames de mosquitos e a agastante umidade. . . . Mais impressionante ainda era sua capacidade de fazer apresentações tanto na língua chinesa como na malaia, embora fosse da Inglaterra”. Qual foi o efeito desse excelente exemplo? O irmão disse: “Sua calma e confiança me inspiraram a querer ser missionário  quando crescesse.” Não surpreende que este irmão se tenha tornado missionário.

O Índice das Publicações da Torre de Vigia contém uma lista de dezenas de biografias, publicadas nas revistas A Sentinela e Despertai!. Estes relatos falam de pessoas que abandonaram carreiras e objetivos no mundo, venceram fraquezas, fizeram dramáticas transformações de personalidade, mantiveram uma atitude positiva em face de adversidades e mostraram diligência, perseverança, lealdade, humildade e um espírito de abnegação. Uma leitora escreveu a respeito desses relatos: “Eles me tornam uma cristã mais humilde e mais grata, à medida que leio o que outros passaram, e me ajudaram a não pensar demais em mim mesma, nem ser egoísta.”

Além disso, não se esqueça dos exemplos excelentes na sua própria congregação, dos chefes de família que sem falta cuidam das necessidades tanto materiais como espirituais da família; das irmãs — inclusive das mães sem cônjuge — que suportam as pressões ao criarem os filhos, ao passo que ainda têm participação ativa no ministério; dos idosos e dos enfermos que continuam fiéis, apesar de estarem cada vez mais debilitados e com saúde fraca. Sente-se motivado por tais exemplos?

É verdade que o mundo está cheio de exemplos maus. (2 Timóteo 3:13) No entanto, considere a exortação que Paulo deu aos cristãos que moravam na Judéia. Depois de lhes contar o comportamento exemplar de muitos dos antigos homens e mulheres de fé, o apóstolo Paulo os exortou: “Assim, pois, visto que temos a rodear-nos uma tão grande nuvem de testemunhas, . . . corramos [também] com perseverança a carreira que se nos apresenta, olhando atentamente para o Agente Principal e Aperfeiçoador da nossa fé, Jesus.” (Hebreus 12:1, 2) Hoje em dia, os cristãos também estão cercados por uma “grande nuvem” de bons exemplos, tanto antigos como atuais. É você deveras beneficiado por eles? Pode ser, se estiver decidido a ser “imitador, não daquilo que é mau, mas daquilo que é bom”. — 3 João 11.

[Nota(s) de rodapé]

^ parágrafo 6 Publicado pela Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados.

[Destaque na página 20]

Não é realístico esperar que cada ancião ou servo ministerial seja notavelmente hábil em todos os aspectos do ministério cristão

[Fotos na página 21]

Os anciãos devem ser “exemplos para o rebanho”