Pular para conteúdo

Pular para menu secundário

Pular para sumário

Testemunhas de Jeová

Português

Despertai!  |  Dezembro de 2015

As baleias estão aqui!

As baleias estão aqui!

Todos os anos, no começo de julho, as fêmeas da baleia-franca-austral (Eubalaena australis), também conhecida como “baleia certa”, chegam ao litoral sul de Santa Catarina, Brasil. Elas vêm de tão longe como a região da Antártida, que fica a milhares de quilômetros, para dar à luz e amamentar seus filhotes nas águas rasas. Durante muitos meses, moradores e turistas que estão nas praias ou penhascos ficam maravilhados de observar as baleias — mães e filhotes descansando ou brincando na água! *

Gigantes marinhos acrobatas

Uma fêmea pode chegar a 16 metros de comprimento, mais ou menos o tamanho de um ônibus articulado, e pesar até 80 toneladas. Seu corpo gigante geralmente é preto, às vezes com manchas brancas na barriga. A cabeça é enorme, um quarto do comprimento do corpo. A boca é longa e arqueada. Essa espécie de baleia não tem nadadeira dorsal, como algumas têm. Para nadar para frente, ela flexiona sua cauda larga e pontiaguda para cima e para baixo, em vez de para os lados, como os peixes fazem. Para mudar de direção, ela movimenta suas nadadeiras. Isso é parecido à manobra de um avião.

Embora sejam enormes, as baleias-francas são bem ágeis. Elas fazem acrobacias impressionantes: boiam com a cauda fora da água por longos períodos; levantam a cauda e a batem com força na água; saltam e, quando caem, espirram tanta água que dá para ver de longe.

Características físicas

Na cabeça das baleias-francas há várias calosidades esbranquiçadas ou amareladas — áreas ásperas da pele cobertas por colônias de pequenos crustáceos chamados de  ciamídeos, ou piolhos-de-baleia. Karina Groch, coordenadora do Projeto Baleia Franca, do Brasil, explica: “Cada padrão de calosidades é único, assim como as impressões digitais de uma pessoa. Isso permite a identificação de cada baleia-franca. Quando as baleias visitam nosso litoral, tiramos fotos de suas calosidades e registramos essas fotos em nosso sistema.”

Biólogos dizem que é difícil saber com que idade as baleias-francas morrem porque essa espécie não tem dentes. Eles calculam que a baleia-franca viva pelo menos 65 anos. *

Hábitos alimentares curiosos

As baleias-francas se alimentam de minúsculos crustáceos. Em cada lado do maxilar superior, elas têm um “filtro” composto por centenas de barbatanas que possuem placas com franjas de cerdas finas. Ao nadar, as baleias abrem a boca, filtrando a água pelas barbatanas para capturar suas minúsculas presas. Assim, cada baleia pode consumir até 2 toneladas de crustáceos por dia.

A baleia-franca-austral passa o verão (janeiro/fevereiro) se alimentando no oceano Antártico. Assim, ela consegue acumular bastante gordura em sua pele. Essa gordura serve como um excelente isolante quando ela está em águas frias e como reserva de alimento quando ela migra.

Por que ela tem esse nome?

Do século 18 em diante, baleeiros caçaram grandes quantidades dessas baleias no Hemisfério Sul. Elas eram consideradas as baleias “certas” para caçar. Por quê? Essas baleias nadam devagar; por isso, até mesmo baleeiros em barcos frágeis de madeira, equipados apenas com arpões manuais, conseguiam caçá-las. E, diferentemente de outras espécies de baleia, as baleias-francas flutuam depois de mortas, por causa da enorme quantidade de gordura. Assim, os baleeiros conseguiam facilmente arrastá-las para a praia.

Além disso, a gordura e as barbatanas de baleia eram importantes mercadorias no passado. A gordura era usada como lubrificante e em lâmpadas a óleo nos postes das ruas. As barbatanas eram usadas para fazer armações de espartilhos e de guarda-chuvas, bem como chicotes para charretes. O valor das barbatanas de apenas uma baleia podia cobrir todas as despesas de uma viagem de caça!

No início do século 20, a caça excessiva reduziu bastante a população de baleias-francas e, com o tempo, a caça às baleias deixou de ser uma atividade lucrativa. No Brasil, a última estação baleeira foi fechada em 1973. Embora a população de algumas espécies de baleia esteja aumentando aos poucos, outras continuam seriamente ameaçadas de extinção.

A baleia-franca realmente é um exemplo impressionante da complexidade e da grande diversidade de vida na Terra. Ela comprova a sabedoria e o poder extraordinários daquele que a criou, o Grande Projetista, Jeová Deus. — Salmo 148:7.

^ parágrafo 2 Outras áreas de criação de filhotes são as águas próximas ao litoral da África do Sul, da Argentina, da Austrália e do Uruguai, bem como das ilhas Auckland.

^ parágrafo 8 Os cientistas classificam várias espécies de baleia como baleias-francas. Além da Eubalaena australis do Hemisfério Sul, existem, por exemplo, a Eubalaena glacialis e a Eubalaena japonica do Hemisfério Norte.

Saiba mais

LIVROS E BROCHURAS

A Vida — Teve um Criador?

O que você pensa sobre a origem da vida tem muita importância.