Pular para conteúdo

Pular para menu secundário

Pular para sumário

Testemunhas de Jeová

Português

Despertai!  |  Outubro de 2012

 Teve um Projeto?

Os sensores do besouro

Os sensores do besouro

Incêndios florestais afastam a maioria dos animais, mas atraem o besouro Melanophila acuminata. Por quê? Porque árvores recém-queimadas são o lugar ideal para ele depositar seus ovos. Além disso, seus predadores fogem quando há incêndios, deixando os besouros livres para comer, acasalar e depositar ovos com segurança. Mas como é que eles conseguem localizar incêndios florestais?

Os receptores infravermelhos do besouro

Analise o seguinte: Perto de suas pernas médias, o besouro possui sensores chamados fossetas loreais, que detectam radiação infravermelha vinda de um incêndio florestal. A radiação gera calor nas fossetas loreais e direciona o besouro para as chamas.

Mas esses besouros possuem outros sensores para detectar fogo. Quando suas árvores favoritas queimam, suas antenas detectam quantidades minúsculas de certas substâncias químicas liberadas pelo fogo no ar. Segundo alguns pesquisadores, essas antenas “detectoras de fumaça” conseguem encontrar uma única árvore fumegando a quase um quilômetro de distância. Em resultado da combinação de suas habilidades, parece que esses besouros detectam e localizam incêndios florestais a quase 50 quilômetros!

Os pesquisadores estão estudando esse inseto para aprimorar equipamentos detectores de radiação infravermelha e fogo. Sensores infravermelhos tradicionais de alta resolução precisam ser resfriados, então o besouro pode ajudar a desenvolver sensores melhores que funcionam em temperatura ambiente. As antenas do besouro levaram engenheiros a projetar sistemas de detecção de incêndio mais sensíveis e que conseguem distinguir subprodutos de incêndios florestais de outras substâncias químicas.

O modo incomparável de o besouro detectar locais para depositar seus ovos deixa pesquisadores impressionados. “Como esses besouros conseguem fazer isso?”, pergunta E. Richard Hoebeke, especialista em besouros da Universidade Cornell, EUA. “Pense no conhecimento limitadíssimo que temos sobre insetos com mecanismos sensoriais incrivelmente sensíveis e complexos!”

O que você acha? Será que a habilidade do besouro Melanophila acuminata de detectar incêndios florestais é resultado da evolução? Ou teve um projeto?