Pular para conteúdo

Pular para sumário

Observando o Mundo

Observando o Mundo

 Observando o Mundo

“A relação entre a violência exposta na mídia e a agressividade dos adolescentes na vida real é quase tão forte quanto a relação entre o fumo e o câncer de pulmão.” — THE MEDICAL JOURNAL OF AUSTRALIA.

Foram encontradas provas que indicam que os morcegos frugívoros, consumidos em algumas partes da África, “podem ser os hospedeiros naturais do vírus ebola”. — MACLEANS, CANADÁ.

Dados do gabinete do procurador geral do México revelam que, nos últimos oito anos, pelo menos 130 mil crianças nesse país foram seqüestradas para serem vendidas no mercado de exploração sexual ou de trabalho infantil, ou para a remoção e venda de órgãos. — MILENIO, MÉXICO.

Doze anos na prisão — por quê?

Já faz 12 anos que três Testemunhas de Jeová estão presas em Sawa, Eritréia, na África Oriental. Nenhuma acusação formal foi feita contra elas, e nunca tiveram um julgamento. Não podem receber visitas nem mesmo dos familiares. O motivo? Sua recusa em participar no serviço militar. A lei da Eritréia não reconhece objetores de consciência. Quando os jovens são presos, eles são detidos num campo militar onde muitas vezes são severamente espancados e sofrem várias formas de tortura.

A internet é uma ameaça à vida selvagem?

“Será que a internet está acelerando a extinção do elefante africano?”, pergunta o jornal The New York Times. Alguns defensores dos animais acreditam que sim e que muitas outras espécies também estão em perigo. Tem se dito que, com o crescimento da internet, o comércio ilegal on-line também aumentou. Pesquisas realizadas em sites de língua inglesa num período de três meses descobriram “mais de 6 mil artigos ilegais ou potencialmente ilegais à venda, relacionados com a vida selvagem”, incluindo cascos de tartaruga, esculturas feitas com ossos de elefantes e até mesmo leopardos-negros vivos.

Aquecimento central ecológico

“Chegou o aquecimento central alimentado com caroços de azeitona”, noticia o jornal espanhol El País. Essa fonte de energia fornece aquecimento central e água quente para pelo menos 300 residências em Madri. Como combustível, os caroços de azeitona são baratos. Custam 60% menos que o petróleo e 20% menos que o carvão. Não poluem o meio ambiente visto que a quantidade de dióxido de carbono expelido na combustão é a mesma liberada na decomposição natural. Outra vantagem é a disponibilidade. Afinal, os caroços são a sobra da azeitona depois da extração do óleo, e a Espanha é conhecida por ser o principal país produtor de azeite no mundo.

Macarrão de 4 mil anos de idade

Cientistas afirmam ter desenterrado o que eles estão chamando de “o macarrão mais velho do mundo de que se tem conhecimento”, informa o jornal The New York Times. O macarrão é fino, amarelo, tem 50 centímetros de comprimento, e é feito de painço, comum na China. Foi encontrado numa tigela de barro lacrada que estava por baixo de uma camada de sedimento de 3 metros de espessura, próximo ao rio Huang, no noroeste da China. De acordo com a revista Nature, o local provavelmente foi destruído por um terremoto e por uma “enchente catastrófica” uns 4 mil anos atrás. Quanto ao debate sobre se a massa se originou na Itália, no Oriente Médio ou no Oriente, um dos descobridores, segundo o The Times, Houyuan Lu, da Academia Chinesa de Ciências, afirma: “Este estudo constatou que a mais antiga produção de macarrão se deu na China.”