Pular para conteúdo

Pular para sumário

Observando o Mundo

Observando o Mundo

 Observando o Mundo

Calcula-se que, em 2000, surgiram no mundo todo 8,3 milhões de novos casos de tuberculose, e quase dois milhões das vítimas morreram — quase todas em países de baixa renda. — THE MEDICAL JOURNAL OF AUSTRALIA.

“Atualmente, 10 milhões de jovens são portadores do HIV, e mais da metade dos 4,9 milhões de pessoas infectadas a cada ano têm de 15 a 24 anos.” — FUNDO DE POPULAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS.

O rastreamento por satélite registrou viagens dos albatrozes-errantes ao redor do mundo. O mais rápido fez a volta em torno do globo terrestre em apenas 46 dias. — REVISTA SCIENCE, EUA.

“Todo dia, o mundo gasta mais de 100 milhões de dólares por hora com soldados, armas e munição.” — VITAL SIGNS 2005, INSTITUTO WORLDWATCH.

Violência contra clérigos — está aumentando?

“Ser padre é uma das profissões mais perigosas na [Grã-Bretanha]”, noticiou o jornal britânico The Daily Telegraph, em 2005. Uma pesquisa do governo, realizada em 2001, revelou que quase 75% dos clérigos entrevistados foram maltratados ou agredidos nos últimos dois anos. Desde 1996, pelo menos sete clérigos foram assassinados. Merseyside, uma área urbana, tem tido “em média uma agressão, um roubo ou um incêndio criminoso por dia em cada um dos seus 1.400 locais de adoração”.

Extraordinária diversidade biológica

Apesar da destruição das florestas tropicais, “o interior da ilha de Bornéu abriga uma quantidade enorme de diversidade biológica”, disse o jornal The New York Times. Segundo o Fundo Mundial para a Natureza, entre 1994 e 2004 os biólogos descobriram 361 novas espécies de plantas e animais na ilha, que abrange Brunei, parte da Indonésia e a Malásia. As descobertas incluem 260 insetos, 50 plantas, 30 peixes, 7 rãs, 6 lagartos, 5 caranguejos, 2 cobras e um sapo. No entanto, o crescente desmatamento, causado pela demanda de madeira de lei, borracha e azeite de dendê, pode ser uma ameaça para a floresta tropical dessa ilha.

Superstição em alta

“Mesmo numa época marcada pela tecnologia e pela ciência, a superstição continua a influenciar as pessoas”, relatou o Instituto de Opinião Pública Allensbach, da Alemanha. Um estudo a longo prazo mostrou que “a crença irracional em presságios bons ou maus continua a existir entre a população e, na verdade, é mais comum hoje do que há 25 anos”. Na década de 70, 22% das pessoas achavam que as estrelas cadentes tinham alguma influência nas suas vidas. Hoje, os que acreditam nisso são 40%. Atualmente, apenas 1 de cada 3 adultos rejeita todo tipo de superstição. Outro estudo feito entre mil estudantes universitários alemães mostrou que um terço deles confia em amuletos usados em carros ou chaveiros.

As geleiras na Antártida estão recuando

“Nos últimos 50 anos, 87% das geleiras na península Antártica recuaram”, e mais rápido do que os especialistas pensavam, relata o jornal Clarin, de Buenos Aires. A primeira análise completa das geleiras na região revelou também que as temperaturas atmosféricas subiram mais de 2,5 °C nos últimos 50 anos. O extenso recuo aconteceu principalmente por causa da mudança climática, observou David Vaughan, da Pesquisa Britânica na Antártida. “Será que os humanos são os responsáveis?” pergunta. “Não podemos afirmar com certeza, mas essa pergunta importante está bem perto de ser respondida.”