Pular para conteúdo

Pular para sumário

Satisfazer a sede de amizades

Satisfazer a sede de amizades

 Satisfazer a sede de amizades

“SOLIDÃO não é doença”, declara o livro In Search of Intimacy. “É uma sede saudável . . . , um sinal natural de que estamos precisando de companheirismo.” Assim como a sede nos leva a beber água refrescante, os sentimentos de solidão devem nos mover a procurar boas amizades.

Mesmo assim, segundo as observações da francesa Yaël, “alguns evitam qualquer tipo de contato com pessoas”. Mas optar pelo isolamento, seja qual for o motivo, não resolve nada e ainda nos faz sentir mais solitários do que nunca. Um provérbio bíblico diz: “Quem se isola procurará o seu próprio desejo egoísta; estourará contra toda a sabedoria prática.” (Provérbios 18:1) Portanto, é necessário primeiro reconhecer que precisamos de amigos para então agir.

Atitudes práticas na busca de amizades

Em vez de ter dó de si mesmo ou até invejar aqueles que parecem ter mais ou melhores amigos, por que você não adota uma atitude positiva, assim como fez a italiana Manuela? Ela comenta: “Especialmente na adolescência sentia que estava sendo ignorada. Para superar essa fase, analisei pessoas que tinham boas amizades. Daí, tentei desenvolver as boas qualidades dessas pessoas para me tornar alguém mais agradável.”

Uma atitude prática é cuidar de si mesmo em sentido físico e intelectual. Alimentação saudável, descanso suficiente e exercícios na medida certa — tudo isso vai ajudá-lo a ter uma aparência melhor e a se sentir bem. Ser esmerado, limpo e bem arrumado não só o torna alguém com quem as pessoas gostam de estar, mas também lhe dá uma medida razoável de auto-estima. Mas cuidado! Não caia na armadilha de dar importância demais à aparência. “Usar roupas da moda não ajuda ninguém a encontrar verdadeiros amigos”, observa a francesa Gaëlle. “Pessoas decentes olham o que há no íntimo.”

Você tem um conceito positivo a respeito da vida? Isso o ajudará a ter um semblante feliz. Um sorriso verdadeiro é mais atraente do que acessórios para roupas e, segundo Roger E. Axtell, especialista em linguagem corporal, “é absolutamente universal” e “fácil de ser compreendido”. * Acrescente a isso um bom senso de humor, e as pessoas se sentirão naturalmente atraídas a você. Afinal, o que pensamos e sentimos afeta nossa conversa e até mesmo nossa aparência.

Lembre-se: essas boas qualidades vêm de dentro. Portanto, continue sempre enchendo a mente  e o coração com conceitos e sentimentos saudáveis e positivos. Leia sobre assuntos interessantes e significativos, como acontecimentos atuais, diferentes culturas e fenômenos da natureza. Escute música edificante. Evite, porém, que a TV, filmes e romances entupam a mente e as emoções com fantasias. Os relacionamentos que geralmente se vêem na tela não retratam a vida real, nem são amizades verdadeiras, mas apenas o fruto da imaginação do autor.

Abra o coração!

Zuleica, que mora na Itália, lembra-se: “Quando era mais jovem, eu era tímida e achava difícil fazer amigos. Mas sabia que, se a gente quiser ter amigos, é preciso tomar a iniciativa, deixar que outros nos conheçam e conhecer outros.” De fato, para termos verdadeiros amigos, precisamos nos abrir, ou seja, deixar que os outros saibam quem realmente somos. Essa abertura é muito mais importante para a verdadeira amizade do que um visual bonito e uma personalidade carismática. “Pessoas com amizades duradouras e achegadas podem ser introvertidas, extrovertidas, jovens, idosas, sem graça, inteligentes, simples, bonitas; mas uma característica é comum a todas elas: franqueza”, observa o conselheiro Dr. Alan Loy McGinnis. “Elas são transparentes, deixando as pessoas enxergarem o que há no coração.”

Isso não significa que sua vida tem de ser um livro aberto ou que você tem de revelar seus segredos mais íntimos para alguém com quem não se sente à vontade. Significa, sim, expor os sentimentos e idéias para outros de maneira seletiva e progressiva. A italiana Michela diz: “A princípio, meu problema era que eu ocultava meus sentimentos. Tive de fazer mudanças e tentar manifestar mais meus sentimentos, para que meus amigos pudessem entender o que eu estava sentindo e se achegassem a mim.”

Mesmo que você seja naturalmente gregário, ou seja, que goste de estar com outras pessoas, ainda assim é necessário tempo e certa convivência para desenvolver confiança mútua entre amigos. Durante esse período, procure não ficar muito ansioso com o que os outros pensam de você. A italiana Elisa lembra-se: “Meu problema era que, toda vez que queria dizer algo, tinha medo de não me expressar corretamente. Daí pensei que, se fossem mesmo meus amigos, eles entenderiam. Então, quando algo saía errado, eu começava a rir de mim mesma, e todo mundo ria comigo.”

Portanto, relaxe! Seja você mesmo; fingir não ajuda em nada. “Não há nada mais atraente numa pessoa do que ela demonstrar quem realmente é”, escreveu o conselheiro familiar F. Alexander Magoun. Os que são realmente felizes não precisam ficar fingindo ou tentando impressionar. Poderemos desfrutar duma amizade verdadeira apenas se formos verdadeiros. E, da mesma forma, é preciso deixar que as outras pessoas sejam elas próprias, pois quem é feliz aceita os outros como eles são e não fica se aborrecendo por causa de pequenas falhas, nem acha necessário ajustar seus amigos para que se enquadrem em suas idéias pré-concebidas. Empenhe-se em ser alguém feliz e não crítico.

Para ter amigos, seja amigo

Há ainda outro fator importante, aliás, o mais fundamental de todos. Quase 2 mil anos atrás,  Jesus mostrou que o segredo de todo e qualquer relacionamento humano é o amor altruísta, ou sem interesse. Ele ensinou: “Assim como quereis que os homens façam a vós, fazei do mesmo modo a eles.” (Lucas 6:31) Esse ensinamento ficou conhecido como Regra Áurea. De fato, a única maneira de ter amigos é você mesmo ser um amigo altruísta e generoso. Em outras palavras, para ter amigos, seja amigo! Para prosperar, as amizades precisam focalizar mais o dar do que o receber. Devemos estar preparados para colocar os interesses dos amigos à frente das nossas preferências e conveniências.

Manuela, citada anteriormente, observa: “Assim como Jesus disse que aconteceria, a verdadeira felicidade vem do dar. Quem recebe é feliz, mas quem dá é ainda mais. Dar pode significar simplesmente perguntar como os amigos estão, tentar entender os problemas deles e fazer tudo o que estiver ao nosso alcance sem esperar que eles peçam.” Portanto, tome a iniciativa de mostrar interesse nos outros, incluindo os amigos que já tem. Fortaleça os relacionamentos. Não sacrifique amizades por causa de empenhos menos nobres e menos gratificantes. Afinal, os amigos merecem tempo e atenção. O italiano Ruben comenta: “É fundamental reservar tempo para conseguir amizades e mantê-las. Em primeiro lugar, ser um bom ouvinte leva tempo. Todos nós podemos melhorar no que diz respeito a ouvir o que os outros têm a dizer e mostrar interesse nisso, sem interromper.”

Demonstre respeito

Outro segredo para se ter amizades felizes e duradouras é o respeito mútuo, o que inclui demonstrar consideração pelos sentimentos alheios. Você espera que seus amigos usem de tato e discrição quando os gostos e opiniões deles diferem dos seus, não espera? Então, por que não age da mesma forma com eles? — Romanos 12:10.

Outra maneira de mostrar respeito é não sufocar os amigos. A verdadeira amizade não é ciumenta nem possessiva. A Bíblia declara em 1 Coríntios 13:4: “O amor não é ciumento.” Portanto, cuidado com a tendência de querer os amigos só para si. Se trocarem confidências com outros, não fique ofendido, talvez chegando até a evitá-los. Saiba que todos nós precisamos nos alargar no que diz respeito a amizades. Dê a eles espaço para terem outras amizades também.

Leve em conta ainda a necessidade que seus amigos têm de privacidade. Quer solteiros quer casados, todos precisam de um tempo para si. É verdade que devemos tomar a iniciativa de mostrar interesse nos outros, mas seja equilibrado e tenha empatia. Não permita que seus amigos se cansem de sua presença. A Bíblia acautela: “Faze raro o teu pé na casa do teu próximo, para que não se farte de ti.” — Provérbios 25:17.

Não exija perfeição

É claro que, quanto mais os amigos conhecem uns aos outros, tanto mais evidentes ficarão  suas fraquezas e suas virtudes. Isso não deve ser motivo para nos impedir de fazer amigos. “Alguns esperam um pouco demais dos prospectivos amigos”, comentou o francês Pacôme. “Eles esperam que tenhamos só boas qualidades, mas isso é irreal.” Ninguém é perfeito, e não temos o direito de exigir isso das pessoas. Esperamos que os amigos venham a nos aceitar apesar das nossas imperfeições e que tolerem nossas fraquezas. Não deveríamos também desconsiderar as falhas dos nossos amigos? Será que não estaríamos imaginando algumas ou dando importância demais a elas? O escritor Dennis Prager escreveu o seguinte: “Amigos sem defeitos (isto é, os que nunca reclamam, são sempre amáveis, nunca estão de mau humor, só pensam em nós e não nos desapontam jamais) são conhecidos como animais de estimação.” Se não quisermos ter animais de estimação como nossos amigos mais íntimos, precisamos acatar o conselho do apóstolo Pedro de deixar que ‘o amor cubra uma multidão de pecados’. — 1 Pedro 4:8.

Tem-se dito que as amizades multiplicam as alegrias e dividem as tristezas. No entanto, para ser sensato, não devemos esperar que os amigos satisfaçam todas as nossas necessidades e resolvam todos os nossos problemas. Essa é uma visão egoísta da amizade.

 Amigos leais nos ajudam a lidar com todas as pedras no caminho

Depois de ter conquistado um novo amigo, nunca devemos pensar que já é uma amizade garantida. Quando o tempo e a distância os separam, os amigos pensam uns nos outros e oram uns pelos outros. Mesmo que só se encontrem em raras ocasiões, os amigos podem reiniciar o relacionamento, pois sentem que ainda há um vínculo entre eles. Especialmente quando enfrentam dificuldades ou carências, na maioria das vezes é fundamental estarmos disponíveis para os amigos, evitando nos afastar quando eles têm problemas. Talvez seja a ocasião em que mais precisem de nós. “O verdadeiro companheiro está amando todo o tempo e é um irmão nascido para quando há aflição.” (Provérbios 17:17) Além disso, quando há algum mal-entendido, eles são rápidos em fazer as pazes e em perdoar um ao outro. Os verdadeiros amigos não pulam fora só porque há uma pedra no caminho.

Poderá ganhar muitos amigos se tiver motivação altruísta e se aproximar dos outros com uma atitude positiva. Mas o tipo de amigos que você tem também é muito importante. Como selecionar bons amigos? O próximo artigo falará sobre isso.

[Nota(s) de rodapé]

^ parágrafo 7 Leia também o artigo “Sorria: isso faz bem!” na Despertai! de 8 de julho de 2000.

[Quadro/Fotos nas páginas 6, 7]

Um homem e uma mulher podem ser “apenas bons amigos”?

Um homem e uma mulher que não são casados entre si podem ser amigos? Isso depende do que queremos dizer com a palavra “amigo”. Jesus era um amigo achegado de mulheres solteiras como Maria e Marta, ambas da aldeia de Betânia. (João 11:1, 5) O apóstolo Paulo era amigo de Priscila e de seu marido, Áquila. (Atos 18:2, 3) Podemos ter certeza de que essas pessoas tinham terna afeição umas pelas outras. Mas, ao mesmo tempo, é inconcebível pensar que Paulo, muito menos Jesus, tivesse permitido que esse relacionamento rumasse para algum tipo de envolvimento romântico.

É bom para os casais terem amizades sadias com outros casais e com pessoas solteiras. A questão é que a sociedade moderna nunca promoveu tanto o inter-relacionamento do homem e da mulher nas mais diversas atividades como agora. Portanto, está-se tornando cada vez mais necessário para ambos os sexos saberem como manter um relacionamento apropriado e amigável um com o outro.

“Fazer a distinção entre os sentimentos envolvendo romance, sexo e amizade pode, no entanto, ser extremamente difícil”, acautela a revista Psychology Today. “É sempre constante a possibilidade real de que a atração sexual pode surgir involuntária e subitamente numa amizade com o sexo oposto. Um abraço simples e platônico pode de repente assumir um significado mais romântico.”

É especialmente importante que os casais sejam sensatos e práticos. “Todas as formas de intimidade com outras pessoas podem pôr o casamento em risco”, escreve Dennis Prager em seu livro Happiness is a Serious Problem (A Felicidade É um Problema Grave). “Um relacionamento íntimo não se compõe só de sexo; o cônjuge tem o direito de esperar que você o considere como seu único amigo íntimo do sexo oposto.” Jesus indicou que manter a castidade moral é uma questão de coração. (Mateus 5:28) Portanto, seja amigável, mas resguarde seu coração e evite rigorosamente quaisquer situações que poderiam levar a pensamentos, emoções e ações impróprios com relação a alguém do sexo oposto.

[Fotos na página 7]

Cuidar do corpo e da mente o torna mais bonito

[Foto na página 8]

Amigos abrem-se uns com os outros